quinta-feira, 28 de março de 2013

Um Antídoto para o Cansaço


Nosso ritmo, a atividade incessante, o barulho, as interrupções, os prazos finais e as exigências, o programa diário, e os periódi­cos sentimentos de fracasso e futilidade bom­bardeiam nossos seres como o bombardeio de uma cabeça de ponte na praia.

Nossa tendên­cia natural é abanar uma bandeira branca, gritando: "Desisto! Eu me entrego!"

Este, na­turalmente, é o extremo perigoso de estar cansado — a decisão de abandonar a embarcação, de atirar a toalha, de ceder ao desânimo e desistir. Não há nada de errado ou antinatural com sentir cansaço, mas é completamente errado abandonar o navio no meio da bata­lha.

Cansar-se é a conseqüência de muitas expe­riências — nenhuma delas má, porém, todas elas exaustivas. Para citar apenas algumas:

Podemos estar cansados de esperar. 
"Estou cansado de clamar; secou-se-me a garganta. Os meus olhos desfalecem de esperar por meu Deus" (Salmo 69:3).

Podemos estar cansados de estudar e apren­der. 
"Não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne" (Eclesiastes 12:12).

Podemos estar cansados de combater o ini­migo. 
"Este se levantou, e feriu os filisteus, até lhe cansar a mão e ficar pegada à espada" (2 Samuel 23:10).

Podemos cansar-nos de crítica e perseguição. 
Estou cansado do meu gemido; toda a noite faço nadar a minha cama no choro, e molho o meu leito com lágrimas. Os meus olhos vão-se consumindo pela mágoa; têm envelhecido por causa de todos os meus inimigos (Salmo 6:6-7).

Muitas e muitas coisas são ótimas em si mesmas, mas nossa força em seus limites. . . e antes que passe muito tempo a fadiga puxa nossos pés de debaixo de nós. Quanto mais tempo o cansaço se alonga, tanto mais enfren­tamos o perigo daquela condição cansada, que agarra nosso homem interior pela gar­ganta e estrangula nossa esperança, nossa motivação, nossa chama, nosso otimismo, nosso encorajamento.

À semelhança de Isaías, desejo dizer "a palavra que ampara o cansado" com uma pala­vra de estímulo (Isaías 50:4). Visto que nosso Senhor nunca se cansa, ele pode dar força ao cansado — realmente ele pode! Se você ques­tionar isto, deve parar e ler Isaías 40:28-31.

Faça-o agora mesmo. Entendamos, porém, que Deus não dá força e estímulo como um farmacêutico avia a re­ceita. O Senhor não promete dar-nos algo para tomarmos de modo que possamos en­frentar nossos momentos de cansaço. Ele nos promete sua própria Pessoa. Isso é tudo. E é suficiente.

O Salvador diz: "Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve"  (Mateus 11:28-30).

E Paulo escreve: Pois ele é a nossa paz. . . (Efésios 2:14).

Em lugar de nossa exaustão e fadiga espiri­tual, ele nos dará descanso. Tudo o que ele pede é que vamos a ele. . . que passemos algum tempo pensado nele, meditando sobre ele, falando com ele, ouvindo em silêncio, ocupando-nos com ele — total e completamen­te perdidos no esconderijo de sua presença.

Considerai... para que não vos canseis, desfalecendo em vossas almas (Hebreus 12:3).

O cansaço, por favor observe, pode resultar em desmaio.

Está você cansado? Oprimido? Angustiado?
 
Venha ao Salvador. Venha imediatamente, venha repetidamente, venha ousadamente. E descanse.

Quando foi a última vez que você veio ao Senhor, totalmente só, e lhe deu sua carga de cuidados?

Não admira que você esteja desanimado. Você está cansado!

Venha. Descanse. Ele pode tomar para si o seu problema.

Extraído do livro dê-me ânimo de autoria de Charles R. Swindoll

Por Litrazini

Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário