sexta-feira, 31 de maio de 2013

Oração é Devoção

Deus disse a Moisés o seguinte:“De lá  buscarás ao Senhor teu Deus, e o acharás, quando a buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.” ( Dt 4. 29. ).

O homem foi criado com o impulso de buscar comunhão com Deus. Existe nele um vazio que não pode ser preenchido com nada, a não ser uma genuína comunhão com Deus. Por mais que ele adquira coisas, elas nunca poderão tomar o lugar dessa comunhão que preenche a própria essência do ser – dando-lhe um objetivo para a vida e alimentando sua alma.

Deus criou Adão e instilou nele o fôlego da vida. Ele foi um ser físico, antes de ser espiritual. Essa dimensão espiritual lhe deu a capacidade de manter comunhão e intercambio com Deus, no meio do jardim, na viração do dia. Ao pecar, o homem perdeu essa possibilidade.

Mas Deus ainda desejava manter comunhão com ele, e então tomou a iniciativa em Abrão. Este veio a ser o pai ( Abraão ) de todos os fiéis que iriam ter a oportunidade de manter comunhão com Deus.

Mais tarde, Deus manifestou sua presença física na terra, através do Tabernáculo de Moisés. Contudo, com poucas exceções, só o sumo sacerdote podia entrar na terceira divisão do Tabernáculo, que era chamado o Santo dos Santos.

No reinado de Davi, assim que ele foi aclamado rei de Israel, a primeira coisa que fez foi mandar trazer para o local do culto de Israel a Arca da Aliança, que era símbolo da presença de Deus.Entretanto, ao invés de recoloca-la no tabernáculo ele deveria, por ordem de Deus, erigir uma casa própria em Sião, onde Davi morava. “Pois o Senhor escolheu a Sião, preferiu-a por sua morada.” ( Sl 132. 13.).

Em Sião, Deus teria um contato direto com Israel, e manteria comunhão com seu povo.

Todavia, a adoração que o povo prestava a Deus voltou a assumir um estilo ritualístico. E Deus mais uma vez tomou a iniciativa de restaurar a comunhão com o homem, vindo ao mundo na pessoa de Jesus Cristo.

Hoje, na era da Igreja, Deus nos deu o Espírito Santo para que pudéssemos manter comunhão com o Pai e o Filho. Jesus disse:“Ele me glorificará porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é meu,e vo-lo há de anunciar. ”( Jo 16. 14,15.).

E depois Ele diz mais: “E aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.“( Jo 14. 21.). E no versículo 23 Ele diz: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viveremos para ele e faremos nele morada.”

A oração – petição é muito importante para obtermos as coisas de que precisamos, mas orar não é apenas pedir, é mais que isso. Jesus desse: “Buscai e achareis! ”

Deus não é um mero depósito de bens de onde retiramos tudo de que precisamos, por mais nobre que seja nossa motivação. Ele é um ser vivo, que deseja manter comunhão conosco. “Mas vem a hora, e já chegou, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores.”(Jo 4. 23.).

O apóstolo Paulo levou uma vida de oração e comunhão com Cristo. Ele dá o seguinte testemunho à igreja de Filipos: “Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Jesus Cristo meu Senhor: Por amor do qual, perdi todas as cousas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo.”( Fp 3. 7,8.).

Como é que Paulo pode ganhar a Cristo? Sabemos que a salvação é um dom de Deus, pela graça, mediante a fé. O que Paulo está dizendo nesse texto não é que faz isso para ganhar a salvação, mas ele se referir a uma profunda comunhão com Cristo. 

Esse nível de comunhão não se consegue por acaso: Tem que ser buscado, e por isso exige esforço de nossa parte. O que Paulo recebeu com esse tipo de oração? Ele responde a essa pergunta no verso 10: “Para o conhecer e o poder da sua ressurreição e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com Ele na sua morte.” E depois:“Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (v. 14).

E no versículo 15, ele apresenta um desafio a todos nós:“Todos, pois, que somos perfeitos ( maduros), tenhamos este sentimento...” Neste último versículo, o apóstolo revela que o sinal de que uma pessoa atingiu  maturidade espiritual é o desejo de chegar a um nível espiritual no qual tenha uma comunhão íntima com Cristo.

Deus é amor. O amor precisa ser extravasado através da comunhão. Assim sendo, a própria natureza de Deus exige uma coisa que nós temos o privilégio de dar a ele – comunhão.

Extraído do Livro: Oração, A chave do avivamento – Autor: Paul Y. Cho

Adaptado Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário