quarta-feira, 31 de julho de 2013

Não importa as lutas espere em Deus

A minha alma espera somente em Deus; dele vem a minha salvação. Salmos 62:1. A segurança do salmista não advém de uma vida sem problemas, sem aflições, sem injustiças, ao contrário, Davi estava rodeado de dificuldades.

Todos nós vivenciamos situações que causam tristeza, apreensão, dor, raiva, preocupação, temos problemas, estamos num mundo que a Bíblia diz que jaz no maligno, logo é natural termos problemas. Nossos questionamentos não são os problemas, pois Jesus nos preveniu, ...no mundo tereis aflições..., a questão é: onde nos refugiamos quando eles aparecem?

O salmista nos dá algumas dicas para aplicar e sair bem nas provações da vida. O que fazer? Como agir? Para quem recorrer?

Só ele é a minha rocha e a minha salvação; é a minha defesa; não serei abalado. Salmos 62:6

Injustiçado por alguém
Mas o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e todos os gentios a ouvissem; e fiquei livre da boca do leão. E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém. (2 Tm 4:16-18).

Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. (Rm. 12:19-21)

Preocupações, angústias, tristezas, o melhor remédio é a oração.
Em Deus está a minha salvação e a minha glória; a rocha da minha fortaleza, e o meu refúgio estão em Deus. Confiai nele, ó povo, em todos os tempos; derramai perante ele o vosso coração. Deus é o nosso refúgio. (Selá.) Certamente que os homens de classe baixa são vaidade, e os homens de ordem elevada são mentira; pesados em balanças, eles juntos são mais leves do que a vaidade. Não confieis na opressão, nem vos ensoberbeçais na rapina; se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração. Salmos 62:7-10

O remédio para a angústia:
Na minha angústia clamei ao SENHOR, e me ouviu (Sl 120.1)

O remédio para insegurança é clamar:
Esperei com paciência no Senhor Ele se inclinou para mim e ouviu o meu clamor. (Sl. 40.1)

Quando os inimigos se levantarem clame:
Eu te amarei, ó SENHOR, fortaleza minha. O SENHOR é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio. Invocarei o nome do SENHOR, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos (Sl.18:1-3)

Em toda e qualquer situação: O Senhor é o meu Pastor e nada me faltará. (Sl 23:1) Não faltará força para vencer a luta; Não faltará o consolo do Espírito Santo no momento da aflição; Não faltará a Justiça de Deus no momento da perseguição; Não faltará a presença de Deus no momento da solidão; Mas também não faltará a alegria do Senhor no momento da vitória; Não faltará um louvor de gratidão, no momento da resposta; Não faltará testemunho nos nossos lábios no momento da benção pois a vitória virá, Deus é fiel.

O PODER PERTENCE A DEUS.
A ti também, Senhor, pertence a misericórdia; pois retribuirás a cada um segundo a sua obra. (Sl. 62.12)

Deus nos convida a uma vida de santidade e revelação.
Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração(Jr.29.13)

Deus nos convida ao dialogo, perguntas e respostas.
Clama a mim responder-te-ei, anunciar-te-ei, coisas grandes e firmes e que não sabes. (Jr. 33.3)

Deus diz que tudo vai acabar bem
E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados pelo seu decreto.(Rm.8.28)
Em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.(Rm.8.37)

Pr. Fernando Marques

Revisado e adaptado Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

terça-feira, 30 de julho de 2013

A Fórmula para permanecer firme

A alternativa para o Cristão é aprender a Bíblia. “O meu povo é destruído porque lhe falta o conhecimento.”(Oséias 4.6). Como discípulos, devemos manter uma aprendizagem contínua das Escrituras, aumentando a compreensão da Palavra de Deus.
  
Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé (Tito 1:13). Os cristãos confiantes devem ser estudiosos da Palavra a fim de se tornarem sadios na fé. O estudo bíblico faz com que amemos mais o seu conteúdo e respeitemos a sua aplicação. A felicidade e segurança surgem com a intimidade da Lei de Deus.

A Bíblia é o instrumento dado por Deus para enfrentarmos as circunstâncias. É muito mais que um passatempo devocional. A própria existência bíblica é uma declaração do cuidado de Deus por nós.

A Bíblia é a história dos fracos que aprenderam que Deus triunfa no meio das nossas fraquezas, é o estudo das vitórias dos que seguiram a Deus e dependeram dele.

Somos infelizes porque conhecemos apenas o Deus das salas de aula, o Deus das classes de novos convertidos. Sabemos que Ele é Trino e Uno, Santo e Justo, mas não temos descoberto sua participação em nossas vidas.

O estudo perseverante da Palavra de Deus nos fortalece e, mantêm ativa nossa resistência ao mundo secular. Não devemos nos afastar da sociedade, nem nos retirarmos do mundo, mas, devemos viver como sal e luz dentro da sociedade. Devemos viver como embaixadores leais a Cristo. O estudo nos dará a força necessária para resistir à influência da degeneração secular sobre nosso compromisso.

Paulo estava desencantado com os que estavam biblicamente subnutridos. Ele criticou os coríntios por desejarem uma dieta infantil de leite e recusarem a carne da Palavra de Deus (1Coríntios 3.1-3). A carta aos Hebreus também expressou desapontamento com os que nunca cresciam bastante para serem mestres dentro da igreja (Hebreus 5.11-14).

Os cristãos estavam sempre aprendendo a verdade elementar do evangelho. Nunca amadureciam o bastante para saborear a excelência das verdades mais profundas, escondidas, de Cristo. Paulo dizia que as pessoas estavam sempre aprendendo, mas, nunca se tornavam capazes de conhecer a verdade (2 Tm. 3.6-7).

O cristianismo moderno também é igualmente condenado. Há pouco estudo sério da Bíblia. O conselho de 2 Pedro 3.18 é grandemente ignorado: “Crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.”

Em Corinto os discípulos eram indisciplinados em questões de Bíblia e brigavam selvagemente. A divisão entre eles mesmos tornava-os incapazes de atrair a outros que tinham necessidade espiritual. “Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não vos consumais também uns aos outros.” (Gálatas 5.15). Quando os cristãos deixam de alimentar-se da Palavra, muitas vezes começam a alimentar-se uns dos outros.

Igrejas se dividem quanto ao lugar onde colocar as flores, ou quem tocará piano. Os que gastam suas energias com esses problemas triviais não se deram ao estudo da Palavra. Assim, quando os probleminhas os confrontam, são prontamente derrotados porque não tem necessário conhecimento da Bíblia para enfrentar tais problemas como Cristo o faria.

“Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes”(Hb. 4.12). Foi nos dada a mais eficaz de todas as armas. Se aprendermos sua sabedoria e traçar sua verdade, avançaremos. Nenhuma situação será desesperadora, pois a Palavra de Deus abrirá caminho através das dificuldades e dos problemas que se colocam diante de nós.

Se nos entregarmos ao estudo da Palavra de Deus, ser-nos-á dado o domínio das circunstâncias “O meu povo é destruído porque lhe falta o conhecimento. Porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei como meu sacerdócio.” (Oséias 4.6).

Estude seu caminho para domínio da vida. Conheça a Palavra de Deus para que possa permanecer firme.

Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Diga ao Povo de Deus que marchem!

Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós. (Ef. 3.20)

Nesses tempos que precedem a volta de Cristo, a aflição, agonia e desespero tem sido uma constante na vida da maioria das pessoas que servem ao Senhor.

O Povo de Deus (aqui eu abro aspas, porque me refiro aos cristãos comprometidos com Deus e seu Reino) tem passado pelo funil, situações de difícil compreensão e entendimento por parte dos incrédulos e até mesmo alguns dentre o povo de Deus, pois, são batalhas de cunho espiritual.

Em alguns momentos chegamos a pensar que é um pesadelo, que o dia vai amanhecer, vamos acordar e tudo estará normal.

Ledo engano, o dia amanhece e o pesadelo continua.

Se formos olhar com os olhos naturais, simplesmente o desespero tomaria conta de nossas vidas.  Mas glória a Deus, que servimos a um Deus vivo, Fiel e que zela por cumprir a sua Palavra.

Daí, olhamos para o alto e, com os olhos da fé, pois o nosso Deus é àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós (Ef. 3.20)

Se você está passando por lutas e tribulações...

Se você acorda e percebe que o pesadelo não acabou, por favor, leia o texto bíblico abaixo:

O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei temor? O Senhor é o meu forte refúgio; de quem terei medo? Quando homens maus avançarem contra mim para destruir-me, eles, meus inimigos e meus adversários, é que tropeçarão e cairão. Ainda que um exército se acampe contra mim, meu coração não temerá; ainda que se declare guerra contra mim, mesmo assim estarei confiante.

Uma coisa pedi ao Senhor, é o que procuro: que eu possa viver na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a bondade do Senhor e buscar sua orientação no seu templo. Pois no dia da adversidade ele me guardará protegido em sua habitação; no seu tabernáculo me esconderá e me porá em segurança sobre um rochedo. Então triunfarei sobre os inimigos que me cercam. Em seu tabernáculo oferecerei sacrifícios com aclamações; cantarei e louvarei ao Senhor. (Salmo 27.1-6)

Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes. Jeremias 33.3:

Clama a mim na Angústia eu te responderei e tu me glorificarás(Salmo 50.15)

Resista ao problema, resista ao desânimo, resista ao desespero e a exemplo de personagens bíblicos como Davi, Pedro...  clame pela solução.

Êxodo 14.15 diz: Então disse o SENHOR a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem.

Lembre-se que existe uma mão pronta a nos socorrer, Isaías 59.1: Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir.

Independente de quantas vezes seja necessário, temos a atenção e o socorro bem presente de um Pai.

Está demorando??

Não se desespere!!

Número 23,19 diz: Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?

Espera no SENHOR, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no SENHOR. (Salmo 27.14)

Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

domingo, 28 de julho de 2013

Os Intelectuais Estão Procurando?

Os homens e mulheres que são considerados parte da elite intelectual, estão à procura do mesmo sentido para a vida, do mesmo senso de realização, mas muitos deles são detidos nessa busca pelo orgulho pessoal. Eles gostariam de salvar-se a si mesmos, pois o orgulho alimenta a auto estima, levando-nos a crer que podemos passar sem Deus.

O famoso escritor e filósofo inglês, Bertrand Russell, produziu, com abundância, obras acerca da ética, moral e da sociedade humana, tentando provar o que ele acreditava serem os erros da Bíblia. A respeito desse orgulho intelectual, Russell escreveu o seguinte: "Todos os homens gostariam de ser Deus, se lhes fosse possível; e alguns têm dificuldade em reconhecer esta impossibilidade." Desde o começo dos tempos, o homem tem dito como Lúcifer: "Serei semelhante ao Altíssimo" (Is. 14:14).

E a busca continua. O coração precisa ser satisfeito, e a maioria dos intelectuais chega a um ponto de sua existência quando a vida acadêmica, a comunidade científica, as atividades políticas ou econômicas não satisfazem mais.

Um excelente crítico do cenário cultural escreveu: "O homem, apesar de ser humano, procura sempre e sempre escapar à lógica de sua própria realidade, e deseja encontrar seu verdadeiro eu, seu humanismo, sua liberdade, mesmo que somente possa fazê-lo através de uma total irracionalidade ou de um misticismo completamente infundado." 

Estamos presenciando as conseqüências de o homem buscar seu verdadeiro eu em experiências místicas e novos cultos, e naquilo que denominam "nova consciência". "O homem hoje deseja experimentar a Deus. Nem fé, nem conhecimento são a palavra chave, mas experiência."

E à medida que se intensifica este anseio pela experiência, as falsas filosofias e os falsos deuses se tornam aceitáveis. Um intelectual europeu afirmou:

"Há séculos que empreendemos a busca daquele ideal que os gregos denominaram ataraxia, a ideia de uma calma tranquila, de profunda satisfação interior, que transcende as inquietações, frustrações e tensões do viver diário. Muitos a procuraram através da filosofia e religião, mas sempre tem havido uma busca paralela de atalhos."

Certo escritor americano afirma: "À medida que aumenta de intensidade a busca do homem por novas experiências, novos líderes, novas esperanças, existe também aquele anseio contínuo de encontrar-se outra alternativa para um futuro que parece ser tão negro."

Os homens estão desesperadamente desejosos de paz, mas a paz de Deus não é a ausência de tensões e tumultos, mas, sim, uma paz, que, mesmo em meio a tensões e tumultos, continua a existir.

Em Calcutá, na Índia, desejei visitar uma grande serva de Deus que é conhecida no mundo como Mãe Teresa. Eu chegara bem cedo, e as irmãs não queriam perturbar Mãe Teresa, pois três pessoas haviam morrido em seus braços naquele dia, e ela acabara de recolher-se a seu quarto para descansar um pouco. No entanto, o oficial que me levara até lá enviou um recado a ela, e daí a alguns instantes ela apareceu. Imediatamente, aquela santa mulher deu-me a impressão de uma pessoa que goza de paz interior em meio à tormenta. É a paz que ultrapassa todo entendimento, e todos os desentendimentos também.

Como precisamos deste tipo de paz, nesta geração que está senda despedaçada por inquietude interior e desespero! Os jornais diários são exemplos clássicos de um quadro negativo. Terrorismo, bombardeios, suicídios, divórcios e um pessimismo geral são as doenças do dia atual, pois o homem, em seu orgulho, recusa-se a voltar-se para Deus.

Entretanto, o intelectual sincero, aquele que cultiva uma mente aberta juntamente com a busca do coração, faz uma descoberta maravilhosa. Diz o Dr. Rookmaaker: 

"Não podemos entender a Deus perfeitamente, nem conhecer sua obra completamente. Mas ele não nos pede que o aceitemos com uma fé cega. Pelo contrário, ele nos pede que olhemos ao redor, e reconheçamos que as coisas que ele nos ensina através de seu Filho, seus profetas, e seus apóstolos são verdadeiras, são reais e são relativas a este mundo, o cosmo que ele criou.

Portanto, nossa fé nunca pode ser considerada como irracional, nem como algo pré-fabricado. A fé não significa o holocausto do intelecto para quem crê na versão bíblica da História."

Extraido do livro: Como Nascer de Novo de Billy Graham

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

sábado, 27 de julho de 2013

O Amor Leal

Hesed No Antigo Testamento, hesed é uma palavra teológica central. É um atributo-chave na autodescrição do Senhor em Êxodo 34.6-7; e, conforme Miquéias 6.8, é uma obrigação colocada sobre todo o povo de Deus. No entanto, por não haver um termo exato para expressar a ideia em outros idiomas, alguns tradutores bíblicos tiveram dificuldade para traduzi-la com precisão. Em várias versões, ela aparece como “benignidade”, “fidelidade”, “misericórdia”, “bondade”, “lealdade” e “amor firme”.

Normalmente, hesed descreve algo que acontece dentro de um relacionamento existente, quer seja entre seres humanos, quer seja entre Deus e o homem. Nos relacionamentos humanos, hesed significa amar nosso próximo, não apenas em termos de sentimentos emocionais calorosos, mas também em atos de amor e serviço que devemos à outra pessoa apenas porque ela faz parte da comunidade da aliança. O povo de Deus tem de praticar a justiça, amar a hesed e andar humildemente com o seu Deus (Mq 6.8).

Um exemplo disso que redefine profundamente o limite da comunidade de obrigação é a parábola que nosso Senhor contou sobre o bom samaritano (Lc 10.30-37). Um bom vizinho tinha a obrigação de ajudar um membro da comunidade que estava em problemas. Contudo, esta obrigação de mostrar hesed foi rejeitada pelo sacerdote e pelo levita que passaram de largo do homem ferido. Na ocasião, o verdadeiro próximo foi o samaritano que “usou de misericórdia” para com o estranho (v. 37). Não coincidentemente, a palavra grega que significa “misericórdia” é a mesma que foi usada para traduzir hesed no Antigo Testamento grego.

Hesed também pode descrever lealdade de uma pessoa às obrigações para com Deus. Isso inclui ações fiéis para com os outros membros da comunidade da aliança; pois, como podemos dizer que amamos o nosso Senhor da aliança, se ignoramos os seus mandamentos de amar nossos irmãos (1 Jo 4.20)? A pessoa que é hasid (de hesed) é leal ao seu Deus e roga ao Senhor que lhe mostre fidelidade similar em retorno (Sl 4.4; 32.6). Por isso, o nome hasidim tem sido atribuído aos judeus mais austeros no judaísmo contemporâneo.

No entanto, o uso mais precioso da palavra hesed no Antigo Testamento é uma descrição do que Deus faz. Havendo entrado em um relacionamento de aliança com seu povo, Deus se comprometeu a agir para com eles de certas maneiras. E Deus é totalmente fiel ao seu compromisso pessoal.

Salmos 136 explora o que a hesed do Senhor significa em seus termos mais amplos, pois cada verso termina com as palavras:“Sua hesed dura para sempre”. Por causa da hesed do Senhor, ele criou o universo e o governa diariamente por meio de sua providência (Sl 136.5-9, 25). Por causa da sua hesed para com Israel, ele os redimiu do Egito e os trouxe, através do mar Vermelho e do deserto, à Terra da Promessa. Por essa mesma razão, ele lançou os egípcios no mar e destruiu os reis cananeus diante dos israelitas (vv. 11-21).

Tanto a libertação por parte do Senhor como a destruição dos inimigos de Israel são aspectos da fidelidade do Senhor à sua promessa de fazer de Abraão uma grande nação, de abençoar os que o abençoassem e de amaldiçoar os que o amaldiçoassem (Gn 12.1-3).

Mesmo quando o povo de Deus peca contra ele e sofre as consequências de seu pecado, eles podem ainda apelar à heseddo Senhor, como o fez o escritor de Lamentações em meio à destruição de Jerusalém, em 586 a.C. Cercado pela evidência da fidelidade do Senhor em julgar a impiedade, a rebelião e o pecado, o profeta se lança sobre o imutável caráter de Deus, afirmando: “A hesed do Senhor nunca cessa; suas misericórdias nunca chegam ao fim; elas se renovam cada manhã; grande é a tua fidelidade” (Lm 3.22-23).

Em Salmos 23.6, o salmista declarou que o Senhor a bondade e a hesed do Senhor o seguiriam todos os dias da sua vida. A palavra seguir descreve normalmente a ação de exércitos de pilhagem e maldição da aliança, mas o salmista estava convencido de que, em vez da maldição da aliança que ele merecia, o amor e a bondade fiel do Senhor o seguiriam incansavelmente.

A plenitude da hesed do Senhor é vista na cruz. Ali, o verdadeiro hasid, o próprio Jesus Cristo – o único homem que foi verdadeiramente leal ao Senhor e ao seu próximo em todos os aspectos da vida –, foi tratado como um transgressor da aliança e amaldiçoado pelo pecado, para que nós, que somos infiéis, fôssemos vestidos de sua fidelidade e redimidos. Desta maneira, o propósito da aliança original de Deus – ter um povo para o seu louvor – se cumpriu fielmente.

A hesed do Senhor nunca nos abandonará. Em meio às aflições e tragédias da vida, podemos clamar ao nosso Deus amoroso, na confiança de que nada, em toda a criação, pode jamais nos separar do amor leal que nos escolheu antes de existir tempo, que está nos santificando no presente e nos levará fielmente ao nosso lar eterno (Rm 8.28-30).

Fonte Gospel Prime

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Surpresa absoluta

Embora as Escrituras levantem a cortina e nos deixem enxergar algumas das extraordinárias bênçãos futuras, ainda haverá muita surpresa pela frente. Estamos cientes de que haverá novos corpos.

O atual corpo corruptível será transformado num corpo incorruptível.
O atual corpo mortal será revestido de imortalidade (1 Co 15.53).

Estamos cientes de que haverá novos céus e nova terra, onde habita a justiça, pois os céus e a terra que agora existem serão desfeitos pelo fogo (2 Pe 3.13).

Estamos cientes de que Deus enxugará dos olhos toda lágrima: “não haverá mais morte, nem lamento, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem passou” (Ap 21.4).

Estamos cientes de que a comunhão com Deus será perfeita, integral, intensa e contínua, pois Ele mesmo habitará conosco (Ap 21.3).

Estamos cientes de que na nova ordem já não haverá imagens confusas nem mistério algum a respeito de Deus, pois conheceremos plenamente todas as coisas (1 Co 13.12).

Por serem situações absolutamente novas, das quais não temos nenhuma experiência pessoal, nem sempre penetramos a fundo nessas bem-aventuranças escatológicas. 

Muito do que aconteceu a partir da encarnação de Jesus era surpresa absoluta para os crentes da velha aliança, que viveram muito antes do advento do Messias. Assim também, o último desenrolar da redenção há de trazer muita surpresa para os crentes da nova aliança.

A citação que Paulo faz, talvez do livro de Isaías (64.4), na Primeira Epístola aos Coríntios é válida em qualquer ocasião: “Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma concebeu o que Deus preparou para aqueles que o amam”(1 Co 2.9, NVI). Olhos não vêem agora, ouvidos não ouvem agora e mentes não pensam agora as bênçãos sucessivas que estão à nossa espera.

Em outra passagem, Paulo escreve: “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada” (Rm 8.18, NVI).

Existe uma escalada que ainda não se completou: “Estamos sendo transformados com glória cada vez maior” (2 Co 3.18, NVI). Daí esta outra declaração: “A nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação” (2 Co 4.17).

O último patamar dessa escalada é a total recuperação da imagem e semelhança de Deus perdida por ocasião da queda: “Ele [Jesus] transformará nossos corpos humilhados, para serem semelhantes a seu corpo glorioso” (Fp 3.21, NVI).

Retirado de Pastorais para o Terceiro Milênio (Editora Ultimato, 2000)

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Todo dia é um dia especial – Texto de Max Lucado (Parte 2)

Epa, mais uma palavra que gostaríamos de corrigir: neste. Talvez possamos trocar por após? Nós nos exultaremos após este dia. Ou fim. Nós nos exultaremos se conseguirmos chegar ao fim deste dia. Por que não? Mas exultar neste dia? Isso é o que Deus nos convida a fazer. Como Paulo exultou na prisão; Davi escreveu salmos no deserto; Jonas orou na barriga do peixe; Paulo e Silas cantaram na prisão; Sadraque, Mesaque e Abede-Nego permaneceram firmes na fornalha ardente; João viu o paraíso no seu exílio; e Jesus orou em seu martírio... Será que nós poderíamos exultar bem durante este dia? Imagine a diferença se nós pudéssemos.

Suponha que, “atolado até o pescoço no pior dos dias”, você resolve dar uma chance a este dia. Você escolhe não beber, nem trabalhar, nem se preocupar, mas dar a ele uma oportunidade justa. Você confia mais. Se estressa menos. Aumenta sua gratidão. Silencia os resmungos. E o que acontece? Logo o dia acaba, e o mais surpreendente, de modo tranqüilo. Tão tranqüilo, na verdade, que você resolve dar a mesma chance ao dia seguinte. Ele chega com seus tropeços, torpedos de pombos, manchas na camisa, mas, em geral, caramba, dar uma chance ao dia funciona! Você faz a mesma coisa no dia seguinte. E no seguinte. E os dias viram uma semana. As semanas, meses. Os meses, anos de bons dias. É disso que são feitas as vidas felizes. Um bom dia de cada vez. Uma hora é muito pouco, um ano é demais. Os dias são porções perfeitas de vida, uma espécie de módulos de organização projetados por Deus.

Oitenta e quatro mil batidas do coração.

Mil quatrocentos e quarenta minutos.

Uma rotação da Terra.

Uma volta completa no relógio de sol.

Vinte e quatro viradas da ampulheta.

Um nascer um pôr-do-sol.

Um dia novinho em folha.

A dádiva de vinte e quatro horas não vividas, inexploradas.

E, se você puder acumular um bom dia após o outro, conseguirá juntar os pedaços de uma boa vida.

Mas aqui vai o que você precisa ter sempre em mente. O ontem não existe mais para você. Ele desapareceu enquanto você dormia. Já era. Será mais fácil agarrar uma nuvem de fumaça. Você não pode mudá-lo nem melhorá-lo. Sinto muito, segundas chances não são permitidas. A areia da ampulheta não volta para cima. O ponteiro dos segundos do relógio se recusa a andar para trás. O calendário mensal se lê da esquerda para a direita, e não ao contrário. O ontem não existe mais para você.

O amanhã ainda não existe. A não ser que você acelere a órbita da Terra ou convença o Sol a nascer duas vezes antes de se pôr, você não pode viver o amanhã hoje. Você não pode gastar
o dinheiro de amanhã, celebrar as conquistas de amanhã, nem resolver os problemas de amanhã. Você só tem o hoje. Este é o dia em que o Senhor agiu. Viva nele. Você tem de estar presente para ganhar. Não sobrecarregue o hoje com os arrependimentos de ontem nem o estrague
com os problemas de amanhã.

Mas não é o que fazemos? Fazemos com o nosso dia o que eu fiz com um passeio de bicicleta. Um amigo e eu participamos de um passeio ciclístico em uma região serrana. Em apenas alguns minutos, comecei a ficar cansado. Meia hora depois, minhas coxas doíam, e meus pulmões arfavam como se eu fosse uma baleia encalhada. Mal podia pedalar. Tudo bem que não sou nenhum ciclista profissional, mas também não sou nenhum principiante, e estava me sentindo um novato nesse passeio. Depois de quarenta e cinco minutos, precisei descer da bicicleta para retomar o ar. Foi aí que meu amigo descobriu qual era o problema. Os freios traseiros estavam prendendo o pneu de trás! Garras de borracha dificultavam cada pedalada. O passeio estava fadado a ser difícil.

Não fazemos o mesmo? A culpa aperta de um lado. O medo arrasta do outro. Não é de admirar que fiquemos tão cansados. Sabotamos nosso dia, levando-o ao desastre, carregando os problemas do ontem, antecipando os problemas do amanhã. Remorso pelo passado, ansiedade pelo futuro. Não estamos dando uma chance ao dia. Como podemos? O que podemos fazer? Aqui vai minha proposta: consultar Jesus. O Ancião dos Dias tem algo a dizer sobre nossos dias. Ele não usa a palavra dia muitas vezes nas Escrituras. Mas as poucas vezes em que a usa servem para dar uma deliciosa fórmula para elevar cada um dos nossos dias à posição de campeão.

Preencha seu dia com a graça dele.

Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso.” (Lucas 23:43)

Confie seu dia aos cuidados dele. “Dá-nos cada dia o nosso pão cotidiano.” (Lucas 11:3)

Aceite as orientações dele. “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me.” (Lucas 9:23)

Direção. E graça. Único. Soberano.

D-E-U-S

Preencha seu dia com Deus. Dê uma chance ao dia. E, enquanto isso, fique de olho naquela gaivota com um sorriso engraçadinho.


A Graça e a Paz de Cristo Jesus.

Moacir Neto

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Todo dia é um dia especial – Texto de Max Lucado (Parte 1)

Areia macia sob os pés, a brisa fresca na face. Um lenço azul turquesa com uma barra mais azul ainda. Ondas batem e quebram. Pássaros cantam e arrulham. Ilhas aparecem no horizonte. Palmeiras dançam.

Enquanto escrevia este livro, saboreava a manhã. Refleti: existe jeito mais fácil de dar uma chance ao dia que começá-lo bem aqui? Recostei-me em uma cadeira de praia, entrelacei meus dedos por trás da cabeça e fechei os olhos.

Foi aí que um pássaro escolheu meu peito para praticar tiro ao alvo. Nenhum aviso. Nenhuma sirene. Nenhum grito de “bomba!” Apenas ploft.

Olhei para cima bem a tempo de ver uma gaivota comemorando com seus amigos de bando. Que nojo! Joguei água na camisa três vezes. Mudei para uma cadeira longe das árvores. Fiz tudo que pude para recuperar a magia da manhã, mas não conseguia parar de pensar no ataque aéreo do pássaro.

Tinha tudo para ser fácil. As ondas ainda quebravam. As nuvens ainda flutuavam. O mar continuava azul, e a areia, branca. As ilhas ainda estavam lá, e o vento ainda sussurrava. Mas nada me tirava da cabeça o torpedo da gaivota.

Pássaro idiota.

Os pássaros têm o poder de estragar tudo, não têm? Pode apostar: deu problema, lá estão eles. O trânsito ficará congestionado. Aeroportos fecharão. Amigos nos esquecerão. Casais discutirão. E as filas. Caramba, as filas. Prazos, filas enormes, cabelos caindo, companhias aéreas que perdem malas, cantadas ridículas, linhas de expressão no rosto, fila do seguro-desemprego, e os benditos ultimatos.

E aqueles dias recheados de problemas? Aqueles dias em que toda esperança vai pelos ares por causa de uma crise? Você nunca sai do leito do hospital ou da cadeira de rodas. Você acorda e se dá conta de que está na mesma cela ou na mesma guerra. O enterro
daquela pessoa querida mal acabou, a carta de demissão ainda está dobrada no seu bolso, o outro lado da cama continua vazio... quem consegue ter um dia bom em dias como esses? A maioria das pessoas não consegue... mas será que não poderíamos tentar? Dias como esses trazem uma boa oportunidade. Uma chance. Um teste. Uma virada de mesa. Então? Será que todo dia não merece uma chance e, assim, passar a ser um bom dia?

Afinal de contas: “Este é o dia em que o Senhor agiu; alegremo-nos e exultemos neste dia” (Salmo 118:24). A primeira palavra nos deixa curiosos. “Este é o dia em que o Senhor agiu”? Talvez os feriados sejam os dias em que o Senhor agiu. Domingos de Páscoa... sábados de liquidações... dias de férias... os primeiros dias das temporadas de caça — esses são os dias em que o Senhor agiu. Mas “este é o dia”? “Este é o dia” inclui todos os dias. Dias de divórcio, dias de provas finais, dias de cirurgias, dias de pagar os impostos, dias de mandar seu filho mais velho para a universidade em outra cidade.

Esse dia, por exemplo, derrubou-me. Surpreendentemente. Fizemos as malas de Jenna, botamos tudo no carro dela e deixamos dezoito anos de nossa vida para trás. Uma página foi virada. Menos um prato sobre a mesa, menos uma voz na casa, menos uma filha sob nosso teto. Aquele dia foi necessário. Planejado. Mas, ainda assim, acabou comigo. Fiquei arrasado. Arranquei com o carro na saída do posto de gasolina com a mangueira ainda no tanque, arrancando-a à força da bomba. Perdi-me em uma cidade de apenas um cruzamento. No caminho para a faculdade, eu fiquei remoendo esse problema. Enquanto desfazíamos as malas, eu engolia em seco. Arrumamos o quarto do dormitório dela e eu, enquanto isso, planejava seqüestrar minha própria filha de volta para casa, de onde ela nunca deveria ter saído. Parecia que meu peito fora congelado.

Foi quando eu vi o versículo que algum anjo colocara no mural do dormitório. Este é o dia em que o Senhor agiu; alegremo-nos e exultemos neste dia. Parei, olhei e permiti que as palavras penetrassem meu ser. Deus agiu neste dia, ordenou este momento difícil, criou os detalhes deste momento de sofrimento. Ele não está de férias. Ele ainda segura a alavanca do maquinista do trem, senta na cabine do piloto e ocupa o único trono do universo. Cada dia vem do departamento de criação de Deus. Incluindo este. Assim, decidi dar uma chance a este dia, mudar minha perspectiva e imitar a solução do salmista: “Vou me alegrar e exultar neste dia.”


A Graça e a Paz de Cristo Jesus.

Moacir Neto

segunda-feira, 22 de julho de 2013

QUER TER COMUNHÃO COM DEUS?

A igreja em Corinto estava rodeada de imoralidade e falsa religião. Os cristãos eram frequentemente tentados a voltar às más práticas do mundo. Paulo entendeu esta tentação quando lhes escreveu cartas de encorajamento.

“Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus”.(2Co.7:1)

Paulo ensinou que o pecado não tem lugar na vida do cristão. Portanto, temos que separar-nos do mal e da impureza, não apenas parcialmente, mas de toda imundície. Por quê? Por causa de nosso respeito a Deus.

"Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?" (2Co.6.14 e 15)

Encontramos nestes versículos uma lista de coisas que são totalmente opostas. Paulo não encoraja a nenhum tipo de compromisso. Ele não nos diz que um pouco de mal pode coexistir com a justiça. Em vez disso, mostra que não pode haver nenhuma tolerância do pecado na vida de um cristão.

Os cristãos pecam “Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” (1Jo.1:8,10), porém,  temos que admitir esses erros e procurar o perdão de Deus para manter a comunhão com ele:

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.(1Jo.1:9)

Pecados sexuais, embriaguez, desonestidade e todas as outras características da carne têm que ser abandonadas. Pessoas que praticam tais coisas não terão permissão para entrar na eterna comunhão com Deus:

“Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia,a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos,as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus”.(Gl.5:19-21.)

“Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte”.(Ap.21:8). Sem nos santificar, não teremos comunhão com o Senhor que morreu por nós.

Deus deseja que seus filhos sejam santos
“Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição” (1Ts.4.3)

Sem santificação ninguém verá a Deus
“Segui...a santificação;sem a santificação ninguém verá a Deus”Hb12.14

Através da santificação abandonamos o pecado e as coisas que aborrecem a Deus
Mas a prostituição, e toda sorte de impureza ou cobiça, nem sequer se nomeie entre vós, como convém a santos, nem baixeza, nem conversa tola, nem gracejos indecentes, coisas essas que não convêm; mas antes ações de graças. Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus”.Ef. 5.3-5.

Para ter comunhão com Deus não é preciso se isolar do mundo, mas, fugir do pecado, ser luz em um mundo que jaz no maligno e seguir os passos de Jesus.

Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz


Troque o choro da noite pela alegria da manhã

“O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem a alegria.” (Salmos 30:5)

Deus não se cansa de mostrar e provar que podemos confiar nEle e que só Ele pode tirar toda mágoa, dor e pesar dos nossos corações. Deus prova e mostra isso a todo instante para nós, mas não vemos, ou não queremos ver.

Nossas forças nunca serão suficientes para vencer todas as batalhas que encontramos no decorrer de nossas vidas. Deus nos conhece e sabe exatamente onde dói, ele vê o nosso choro, vê nossas lamentações e não nos desampara. Ele é o nosso despertar e o amanhecer em meio às trevas, escuridão e sofrimento.

Deus é a luz, a nossa alvorada e, para entender um pouco melhor a superioridade e imensidão do amor divino é fundamental saber do próprio Pai ...

Porque Deus nos escolheu 
“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda”. (João 15.16)

“Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.” (Jo.6.44)

“... Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores...” (Romanos 5.6,8,10)

“...Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor.” (Ef. 1.3,4)

Quer estar conosco
“Eis que estou à porta e bato; Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Apocalipse 3.20)

“Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes”;  (Jr. 33.3)

“Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viveremos para ele e faremos nele morada.” (João 14.23)

“E a vida eterna e esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17.3)

Nunca nos deixará 
,“Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.” (Hebreus 13.5)

 “...Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu.” (Isaias 43.1)

“...Nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” (Romanos 8.35-39)

“...Tudo posso naquele que me fortalece.” (Filipenses 4.12,13)

Fico impressionada com tamanho cuidado e carinho do Pai Celestial, todavia, teimamos ou nos deixar levar por sentimentos e/ou pensamentos que frustram e nos impedem de tomar posse das inúmeras promessas de Deus para nossa vida.

Depositemos em Deus todo o nosso fardo, o peso de nossas vidas, nossas dúvidas, nossas tribulações. Deus quer e pode nos ajudar, depende apenas de nós e, a partir deste momento, o amanhecer chegará para a minha e para a sua vida.

Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz