sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Sobre a santificação

“Santifica-os  na verdade… E por eles me santifico para que também eles sejam santificados na verdade.”(João 17.17 e 19)

A doutrina bíblica da santificação está intimamente ligada à doutrina da justificação e de tal maneira que muitas vezes elas chegam a ser confundidas.

Tal confusão, segundo os reformadores do século XVI, era um dos principais erros da igreja romana que até hoje ensina que se nos tornarmos suficientes santos, acabaremos também sendo justificados.

A Bíblia, porém, nos ensina exatamente o contrário: primeiramente somos justificados e disso é que resulta a nossa santificação.

Em primeiro lugar, a justificação é algo que ocorre uma única vez, quando estará completa e perfeita. Ninguém é justificado mais de uma vez! Já a santificação é um longo processo que perdura desde os primeiros passos da vida cristã até o momento em que morremos fisicamente.

A justificação é algo que ocorre fora de nós, enquanto que a santificação é algo que tem lugar no nosso íntimo! É algo que está fora de nós. Diz respeito ao nosso relacionamento com a lei.
Ambas as questões têm a ver com dois aspectos diferentes do pecado: 

Todo pecado tem dois lados:
O primeiro aspecto do pecado é aquilo que conhecemos por “culpa”. Ser culpado significa “ser passível de castigo”, o que nada tem a ver com os sentimentos de culpa tão fortemente ressaltados pelos psicólogos,

O segundo aspecto diz respeito a algo que existe dentro de nós e que chamamos “corrupção”.

A culpa é algo que está fora de nós. Diz respeito ao nosso relacionamento com a lei, enquanto que a corrupção tem a ver com algo que está dentro de nós – a nossa natureza corrompida e pecaminosa.
Deus trata desses dois aspectos do pecado:

A questão da culpa, por meio da justificação: “CRÊ NO SENHOR JESUS E SERÁS SALVO”, ou seja, justificado. No momento em que aceitamos Jesus como nosso único e suficiente salvador, Deus nos declara não mais culpados e passamos a ser considerados justos – e isso ocorre de uma vez para sempre. Ninguém cresce na justificação: somos justificados de uma vez para sempre

Isso, porém, não é santificação, já que esta consiste na dissolução da nossa corrupção mas não mediante o imputar a justiça de Cristo a nós de uma vez por todas, mas mediante a gradual inclusão  da santidade de Cristo em nós. A santidade é um atributo exclusivo de Deus.

Qualquer manifestação de santidade que se veja neste mundo, em alguém ou em alguma coisa, existe por estar relacionada com Deus.

É que a santidade de Deus, de alguma maneira, fluiu para tal pessoa ou coisa, pois o propósito e o objetivo da santificação é tornar-nos santos aos olhos do Senhor.

Quando somos justificados pela simples aceitação de Jesus como nosso Salvador, fica anulado o fato de estarmos sujeitos à punição. Somos revestidos da roupagem de Cristo – E AGORA É NECESSÁRIO QUE NOS TORNEMOS SANTOS EM NOSSO INTERIOR

Tenha sempre em mente o ensino bíblico, em Hebreus 12:14: SEGUI A PAZ A SANTIFICAÇÃO, SEM A QUAL NINGUÉM VERÁ O SENHOR.” Você tem consciência da sua própria corrupção? Está  crescendo na graça? Está  se mostrando mais fiel em sua vida de oração?

Se quiser crescer na santificação, utilize-se dos meios da graça. Comece a dedicar mais tempo à oração.  Dedique-se a uma nova e mais profunda obediência aos seus preceitos. Não continue  na pobreza da obediência apenas parcial. Acerque-se de Deus mais e mais. Deixe que Ele o toque.

SAIBA QUE O TOQUE DE JESUS É SENSACIONAL E TRANSFORMADOR. E ASSIM VOCÊ CERTAMENTE CHEGARÁ A CONHECER AS BÊNÇÃOS DA SANTIDADE DE DEUS E O SIGNIFICADO DE SUA SANTIFICAÇÃO.

Preparado e adaptado pelo Pastor Sérgio Salém

Por Litrazini


Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário