domingo, 9 de fevereiro de 2014

O fogo purificador

Deus está levantando uma nova geração que manifestará sua glória, não a glória dos homens.

"Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o Senhor dos Exércitos.

Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda? E quem poderá subsistir quando ele aparecer? Porque ele ê como o fogo do ourives e como a potassa dos lavandeiros. Assentar-se-á como derretedor e purificador de prata; purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata; eles trarão ao Senhor justas ofertas" (Ml 3:1-3).

Deus está levantando uma nova geração que manifestará sua glória, não a glória dos homens; um povo que espelhe o caráter de Deus, formado à sua imagem:

"Ora, numa grande casa não há somente utensílios de ouro e de prata; há também de madeira e de barro. Alguns, para honra; outros, porém, para desonra. Assim, pois, se alguém a si mesmo se purificar destes erros, será utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para toda boa obra"(2 Tm 2:20,21 - grifo do autor).

Observe que existem dois tipos de vasos: o vaso para honra e o da desonra. A palavra grega para desonra é atimia, significando desonra, repreensão, vergonha, vil. Para a palavra honra temos time, definida como preciosa. Deus diz: "Se apartares o precioso do vil, serás a minha boca" (Jr 15:19- grifo do autor).

Como se separa o precioso do vil? Pelo processo do refinamento ou purificação (ver 2 Timóteo 2:21).A definição de purificar no texto de Paulo a Timóteo é limpar completamente, eliminando as impurezas.

"Assentar-se-á como derretedor e purificador de prata; purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata; eles trarão ao Senhor justas ofertas" (Ml 3:3 - grifo do autor).

Os "filhos de Levi" referidos no Antigo Testamento são sombra do "sacerdócio real" mencionado por Pedro (1 Pedro 2:9), que é a Igreja. Sendo que Deus compara a purificação do sacerdócio a um processo de purificação do ouro e da prata, seria importante conhecermos as características desses metais, e o processo pelo qual são purificados. Falaremos apenas do ouro, já que o processo de purificação do ouro e da prata são praticamente iguais.

O ouro tem aquela cor amarelada, de metal brilhante e é encontrado na natureza sempre em pequenas quantidades, mas nunca totalmente puro. Depois de purificado, o ouro se torna mais macio, flexível, livre dos elementos corrosivos e de outras substâncias impuras.

Misturado em seu estado natural com outros metais, tais como bronze, ferro e níquel, ele é duro, inflexível e corrosivo. Essa mistura é chamada de liga. Quanto maior a percentagem de bronze, ferro e níquel, maior a inflexibilidade do ouro; o contrário também é verdadeiro: quanto menor a liga, maior a flexibilidade e a maciez do metal.

Temos aqui um paralelo espiritual: o coração sincero diante de Deus é como ouro puro. O coração puro é manso, terno e amoldável.

"Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração como foi na provocação, no dia da tentação no deserto... pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado " (Hb 3:7,8, 13 - grifo do autor).

O pecado é a liga que, agregado ao ouro, torna nosso coração endurecido. Esta falta de ternura cria em nós muita insensibilidade, incapacitando-nos para ouvir a voz de Deus.

Lamentavelmente, este é o problema de muitos: são pessoas que têm uma aparência de santidade, mas não têm o coração terno e manso. Já não ardem de paixão por Jesus.

Aquele ardor que os consumia de amor a Deus foi substituído pelo amor egoísta, que busca apenas prazer, conforto e benefícios. Acreditando que a piedade é fonte de lucro (1 Tm 6:5), tais pessoas querem apenas os benefícios da promessa, deixando de lado o Doador das bênçãos. Enganados, deliciam-se com as coisas do mundo, achando que têm direito ao céu!

Extraído do Livro Vitória no deserto de autoria de John Bevere

Por Litrazini

Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário