terça-feira, 30 de setembro de 2014

SUA MÃO, SEU ESPÍRITO

As mãos de nosso Pai são assim. Você diz a ele: “Pai faze isto em mim, pois não posso fazê-lo sozinho. É grande demais para mim”. E você sai, dando o passo de fé, para fazer e dizer coisas que só poderiam vir das mãos de Deus.

Depois de tudo, seu espírito clamará: Foi Deus quem fez isso, e ninguém mais! Deus me conduziu, deu-me as Palavras, deu-me o poder – e isto é maravilhoso! Não há nada melhor do que viver nesta dimensão sobrenatural! 

O PODER DE DEUS SOBRE NÓS, EM NÓS E MOVENDO-SE ATRAVÉS DE NÓS É EXATAMENTE O QUE TRANSFORMA DEPENDÊNCIA EM INESQUECÍVEIS EXPERIÊNCIAS DE PLENITUDE. “Não que, por nós mesmos sejamos capazes de pensar alguma coisa”, disse Paulo, “como se partisse de nós, pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus, o qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança” (2Co 3: 5-6). 

Por mais trágico que isso possa parecer, a mão do Senhor é tão raramente experimentada, até mesmo por cristãos maduros, que eles não sentem falta dela nem pedem sua atuação. Eles mal sabem que ela existe. Pensam nela como algo reservado aos profetas e apóstolos, que não é para eles. 

Quando estas pessoas enfrentam a perspectiva do fracasso, sua tendência é chegar à errônea conclusão: Fui longe demais; acabei chegando ao lugar errado. Já que cheguei ao fim de meus recursos, a melhor coisa é sair, rápido! 

Jabez, ao contrário, estava tão certo de que a mão de Deus sobre ele era necessário para alcançar as bênçãos, que foi incapaz de imaginar uma vida honrada sem ela. Vamos analisar em mais detalhes o significado de sua oração.

A “mão do Senhor” é um termo bíblico para expressar o poder e a presença de Deus na vida de seu povo (veja Js 4:24 e Is 59:1). 

Em Atos, o sucesso fenomenal da Igreja primitiva foi atribuído a uma coisa: “A mão do Senhor estava com eles, e muitos crendo, se converteram ao Senhor” (At 11:21). 

Uma descrição mais específica do Novo Testamento sobre a mão de Deus é o “encher-se do Espírito Santo”. O crescimento da igreja deve seu poderoso testemunho, tanto à necessidade quanto à disponibilidade da mão de Deus para realizar as coisas de Deus. 

Considere a progressão natural que parte de mais bênçãos para maiores fronteiras e em seguida para a necessidade de poder sobrenatural. Quando Jesus deu a seus discípulos a “Grande Comissão – Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações... E eis que estou convosco todos os dias” (Mt 28: 19-20), estava lhes outorgando tanto uma benção incrível, quanto uma tarefa impossível. 

Ir a todas as nações e pregar? Desastre à vista! Afinal, ele estava escalando pessoas não confiáveis e covardes como Pedro, que já havia provado que até uma menina próxima a uma fogueira, poderia fazê-lo negar ter conhecido Jesus! 

No entanto, ao enviar o Espírito Santo (At 1:8), Jesus tocou aqueles cristãos comuns com um toque de grandeza, enchendo-os de seu poder miraculoso para espalhar o evangelho por toda a face da terra. Você notará, de fato, que a frase presente no relato de Lucas (Cheios do Espírito Santo), freqüentemente está ligada à uma conseqüência: “eles falavam com intrepidez” (Veja At 4:13, 5:29, 7:51, 9:27). Apenas Deus, trabalhando através deles, poderia executar os milagres e as conversões em massa que se seguiram. 

Ao pedirmos a poderosa presença de Deus, como Jabez e a Igreja primitiva fizeram, também veremos resultados tremendos que podem ser explicados somente como vindos da mão de Deus. 

O que mais me surpreende sobre a Igreja primitiva é que os cristãos buscavam continuamente serem cheios de Deus (veja At 4: 23-31). Eram conhecidos como uma comunidade que passava horas e até mesmo dias em oração juntos, esperando em Deus e pedindo seu poder (veja At 2: 42-47). Eles ansiavam por receber mais da “mão de Deus” – um preenchimento espiritual renovado do poder de Deus que poderia transformar um fracasso certo e iminente em um milagre, fazendo com que tarefas impossíveis fossem realizadas. 

Paulo instruiu os cristãos de Éfeso a fazer disso uma prioridade: “para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus” (Ef 3:19). Com este fim em mente, Paulo orou para que Deus os abençoasse e os fortalecesse “mediante o seu Espírito” (Ef 3:16). 

Quando foi a última vez em que sua Igreja se reuniu e pediu para ser cheia do Espírito Santo? Qual foi a última vez em que você orou com freqüência e fervor dizendo: “Oh Senhor, coloca a tua mão sobre mim! Enche-me com o teu Espírito Santo”! 

A rápida disseminação das Boas Novas no mundo romano não poderia ter acontecido de outra maneira. 

Extraído do livro A oração de Jabez de Bruce Wilkinson 

Por Litrazini


Graça e Paz

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

CONFISSÃO E PERDÃO

No filme “A procura da felicidade” o ator Will Smith interpreta a história de Chris Gardner, empresário no ramo de corretagem de ações. Para Gardner a procura da felicidade foi um caminho de sofrimento e humilhação, mas ela chegou 'vestida' de uma porta de emprego que ele soube aproveitar muito bem. 

A bíblia garante que a felicidade está em Deus; depende de Deus, mas depende também de nós. Enquanto no filme a conquista da felicidade estava em uma vida financeiramente equilibrada, na vida espiritual essa conquista passa pela confissão de pecado. 

“Feliz aquele cujas maldades Deus perdoa e cujos pecados ele apaga! Feliz aquele que o Senhor Deus não acusa de fazer coisas más e que não age com falsidade” (Sl.32:1-2).

O pior mau não são os males sociais, ou as guerras, ou a violência doméstica (muito embora essas coisas sejam más). O pior mal que pode existir é a ausência de Deus na vida. 

Isaías profetiza e diz: “Vocês estão pensando que o Senhor perdeu a força e não pode nos salvar? Ou pensam que ele está surdo e não pode nos ouvir? Pois são os pecados de vocês que os separam do seu Deus, são as suas maldades que fazem com que ele se esconda de vocês e não atenda as suas orações” (Is.59:1-2). 

O rei Davi considera que enquanto ele não confessou o seu pecado sua vida se tornou pesada demais, suas lágrimas eram constantes, além de sentir que a mão de Deus pesava sobre ele. (Salmo 32:3-4). Mas, no dia em que confessou o seu pecado o Senhor o perdoou imediatamente (v.5). Sentindo-se livre do pecado Davi proclama: “Tu és o meu esconderijo; tu me livras da aflição, Eu canto bem alto a tua salvação, pois me tens protegido”. (v.7).

“Todos vocês que são corretos, alegram-se e fiquem contentes por causa daquilo que o Senhor tem feito! Cantem de alegria, todos vocês que são obedientes a ele!” (Salmo 32:11).

Não seja uma pessoa sem juízo, a felicidade está em Deus e não fora da presença dEle! 

Pr. Luiz Carlos Leite

Por Litrazini


Graça e Paz

domingo, 28 de setembro de 2014

VOCÊ PODERIA TER ESTADO NA BÍBLIA

Existem umas poucas histórias na Bíblia onde tudo sai bem. Esta é uma. Consta de três personagens.

A primeira é Felipe: um discípulo da igreja primitiva que tinha uma inclinação para os perdidos. Um dia Deus o instruiu para que fosse ao caminho de Jerusalém a Gaza. Era um caminho deserto. Quando chegou, encontrou com um funcionário da Etiópia.

Deve ter sido um tanto intimidante para Felipe. Se compararia um pouco a subir numa motocicleta e perseguir o secretário da tesouraria. Ao deter-te diante de um semáforo você vê que ele está lendo a Bíblia e lhe oferece seus serviços.
Isso foi o que Felipe fez.
— Compreendes o que lês?
— Como hei de entender se alguém não me explica?

De modo que Felipe assim o fez. Realizaram um estudo bíblico na carroça. O estudo produz tal convicção que o etíope se batiza esse mesmo dia. E depois se separam. Felipe vai por seu lado e o etíope por outro. A história tem um final feliz. Felipe ensina, o etíope obedece e o evangelho se envia à África.

Mas essa não é a história completa. Você viu o terceiro? Há mais um. Leia estes versículos e observe: "E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul (...) E levantou-se, e foi" (Atos 8:26,27, ACF)."E disse o Espírito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro. E, correndo Filipe..." (Atos 8:29,30, ACF).

A TERCEIRA PERSONAGEM?
DEUS! DEUS ENVIOU O ANJO. O ESPÍRITO SANTO INSTRUIU FELIPE. DEUS ORQUESTROU O MOMENTO EM SUA TOTALIDADE! VIU ESSE HOMEM PIEDOSO QUE VINHA DA ETIÓPIA PARA ADORAR. VIU SUA CONFUSÃO. ASSIM QUE DECIDIU RESOLVÊ-LA.

Buscou em Jerusalém um homem a quem enviar. Encontrou a Felipe.

Nossa típica reação ao ler estes versículos é pensar que Felipe era um tipo especial. Tinha acesso à Oficina Oval. Levava um receptor de rádio-chamada do primeiro século que Deus já não entrega. Mas não se precipites demais. Numa carta a cristãos como nós, Paulo escreveu: "Andai em Espírito..." (Gálatas 5:16, ACF)."Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus" (Romanos 8:14, ACF).

De ouvir-nos falar a muitos, se pensaria que não acreditamos no que dizem estes versículos. Pensar-se-ia que não acreditamos na Trindade. Falamos acerca do Pai e estudamos acerca do Filho... mas quando se trata do Espírito Santo, no melhor dos casos estamos confundidos, e no pior, atemorizados. Confundidos porque nunca nos ensinaram. Atemorizados porque nos foi ensinado que temamos.

O ESPÍRITO SANTO É A PRESENÇA DE DEUS EM NOSSAS VIDAS, QUE LEVA A CABO A OBRA DE JESUS. O Espírito Santo nos ajuda em três sentidos: para dentro (ao conceder-nos os frutos do Espírito, Gálatas 5:22-24), para cima (ao interceder por nós, Romanos 8:26), e para fora (ao derramar o amor de Deus em nossos corações, Romanos 5:5).

NA EVANGELIZAÇÃO O ESPÍRITO SANTO OCUPA O CENTRO DO CENÁRIO. Se um discípulo ensina, é porque o Espírito ensina ao discípulo (Lucas 12:12). Se o ouvinte é convencido, é porque o Espírito tem penetrado (João 16:10). Se o ouvinte se converte, é pelo poder transformador do Espírito (Romanos 8:11). Se o novo crente amadurece, é porque o Espírito faz com que seja competente (2 Coríntios 3:6).

Em você opera o mesmo Espírito que operou em Felipe. Alguns não acreditam em mim. Continuam sendo cautelosos. Posso ouvir como murmuram entre dentes ao lerem: "Felipe tinha algo que eu não tenho. Nunca ouvi a voz de um anjo". Ao qual respondo: "Como você sabe que Felipe sim?".

O quê?
Você ouviu a voz que sussurra teu nome, não é verdade? Tem percebido o toque que te mexe e te impele a falar. Acaso não tem acontecido?

Você convida um casal para tomar café. Nada heróico, somente uma grata reunião com velhos amigos. Porém enquanto entram, pode perceber a tensão. Estão mais frios que glaciais. Você percebe que algo anda mal. Tipicamente não é do tipo inquisitivo, mas sente uma inquietude que se recusa a permanecer em silêncio. Então você pergunta.

Você está numa reunião de negócios onde um de seus colegas é recriminado com muita dureza. Todos os outros pensam: Me alegro que esse não tenha sido eu. Mas o Espírito Santo te conduz a pensar: Que difícil deve ser isso. E então, depois da reunião, se aproxima do funcionário e lhe expressa seu interesse.

Lhe chama a atenção o homem que se encontra do lado oposto do auditório da igreja. Parece um tanto fora de lugar, por causa de sua roupa estranha e aspecto geral. Fica sabendo que é da África e se encontra na cidade por assuntos de negócios. No domingo seguinte regressa. E no terceiro domingo está ali. Você se apresenta a ele. Ele lhe fala do fascinado que está pela fé e de como deseja aprender mais. Em vez de oferecer-se para ensiná-lo, somente o insta a ler a Bíblia.

Mas durante a semana, lamenta por não ter sido mais direto. Liga para o escritório onde ele está trabalhando e fica sabendo que hoje ele parte de volta para seu lar. Dentro de você sabe que não pode permitir que vá embora. Então corre para o aeroporto e o encontra esperando seu vôo, com uma Bíblia aberta sobre seu colo.
— Compreende o que está lendo? — lhe pergunta.
— Como poderei, se alguém não me explicar?

De modo que você, igual a Felipe, lhe explica. E ele, como o etíope, crê. Pede o batismo e lhe é oferecido. Ele toma um vôo posterior e você alcança o vislumbre do que significa ser guiado pelo Espírito.

Houve luzes? Você acabou de acender uma. Houve vozes? Foi a sua. Aconteceu um milagre? Acabou de ser testemunha de um. Quem sabe? Se a Bíblia fosse escrita hoje, poderia ser seu nome o que figurasse no capítulo 8 de Atos.

Extraído do livro quando Deus sussurra o seu nome de Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz


sábado, 27 de setembro de 2014

ESTRESSE: AMEAÇA TEMPESTUOSA DA ANSIEDADE

Parte do estresse em nossas vidas é tão superficial quan­to um colarinho de tamanho menor do que o pescoço — você só precisa desabotoar um ou dois botões. A maioria dele, entretanto, arranha abaixo da superfície, marcando rugas em nossa testa e provocando Úlceras em nosso estômago. 

Com freqüência, a fonte do estres­se é menos externa do que interna. ELE TEM ORIGEM NA PRESSA, PREOCUPAÇÃO OU RETENÇÃO.

Qual dessas três palavras caracteriza a sua vida interi­or?
Pode haver mais de uma. Veja se consegue identifi­car a maneira como cada palavra contribui para o es­tresse que está sentindo.

Em hebraico, preocupação significa "estar confinado; es­tar preso em um lugar estreito e apertado". Alguns di­zem isso com mais concisão: "Estar entre a cruz e a espada." De qualquer maneira que considere, preocu­pação significa exatamente isso, preocupação.

Há qualquer preocupação em sua mente agora? Como está se sentindo... ameaçado? Sob ataque? Talvez ape­nas cansado e deprimido? Complete a atividade abaixo que melhor se ajusta à sua disposição. 

Se estiver se sentindo ameaçado, precisa domi­nar o seu medo. Leia e reflita:

Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça. Isaías 41:10; 

Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação.2Timóteo 1:7; 

Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares. Josué 1:9;

O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O SENHOR é a força da minha vida; de quem me recearei? Salmo 27:1; 10.

Faça uma tabela em uma folha separada de papel. De um lado, liste todas as coisas que esses versos mandam que faça — ou não faça. Do ou­tro lado, liste todas as coisas que Deus promete ser ou fazer por nós. Isso pode ser um alerta e irá certamente renovar a sua confiança.

Se estiver se sentindo atacado, precisa domi­nar sua tendência de recuar e fugir, ou de bus­car proteção em fontes que não têm condi­ções de ser úteis.

Elvis Presley pensou que os fãs e o dinheiro poderiam protegê-lo do estresse que o perse­guiu a vida inteira. No que você busca prote­ção? O que lhe dá a sensação de estar em solo firme, inalterável?

Sonde o seu coração para obter uma resposta sincera. Se for qualquer coisa além do "Deus da esperança", você está se enganando; qual­quer outro solo poderia se desfazer a qualquer tempo.

Se estiver se sentindo cansado ou deprimido, precisa deixar de esforçar-se. Mas quantos de nós, bem lá no fundo, ficam satisfeitos quan­do não estão fazendo nada? Não há algo den­tro de nós que se sente um pouco mais espiri­tual, um pouco mais produtivo quando nos­sos dias são cheios de manhã à noite?

Exa­mine sua agenda da semana passada — ou do mês passado, ou do último ano. O que gostaria de ter feito durante mais tempo? Há alguma coisa em que poderia ter gasto me­nos tempo? Ou quem sabe até cortado com­pletamente?

Verifique o programa desta semana. Separe um tempo para fazer algo de que goste... e escreva isso em letras maiúsculas na agenda.

Extraído do livro PERSEVERANÇA de Charles R. Swindoll

Por Litrazini


Graça e Paz

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

QUANDO DEUS SUSSURA O SEU NOME

As ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora(João 10.3).

Quando vejo um rebanho de ovelhas eu vejo exatamente isso, um rebanho. Um bando de lã. Uma manada de cascos. Não vejo uma ovelha. Vejo ovelhas. Todas iguais. Nenhuma diferente. Isso é o que eu vejo.

Mas não é assim com o pastor. Para ele cada ovelha é diferente. Cada face é especial. Cada face tem uma história. E cada ovelha tem um nome. Aquela com os olhos tristes, essa é a Droopy. E o camarada com uma orelha para cima e a outra para baixo, eu o chamo de Oscar. E aquele pequenininho com a mancha preta na perna, ele é órfão sem irmãos. Eu o chamo de Joseph.

O PASTOR CONHECE AS SUAS OVELHAS. ELE AS CHAMA PELO NOME.
Quando vemos uma multidão, vemos exatamente isso, uma multidão. Enchendo um estádio ou inundando um shopping. Quando vemos uma multidão, vemos gente, não pessoas, mas gente. Uma manada de humanos. Um rebanho de faces. É isso que nós vemos.

Mas não é assim com o Pastor. Para ele cada face é diferente. Cada face tem uma história. Cada face é um filho. Cada filho tem um nome. Aquela com os olhos tristes, essa é a Sally. O velho camarada com uma sobrancelha para cima e a outra para baixo, Harry é o seu nome. E o jovem que manca? Ele é órfão sem irmãos. Eu o chamo de Joey.

O Pastor conhece as suas ovelhas. Ele conhece cada uma pelo nome. O Pastor conhece você. Ele sabe o seu nome. E ele nunca se esquecerá dele. Eu escrevi o seu nome na minha mão. (Isaias 49.16).

Que pensamento, não é? O seu nome na mão de Deus. O seu nome nos lábios de Deus. Talvez você tenha visto o seu nome em alguns lugares especiais. Em um prêmio, em um diploma ou em uma porta de madeira. Ou talvez você tenha ouvido o seu nome pronunciado por algumas pessoas importantes - um treinador, uma celebridade, um professor. Mas pensar que o seu nome está na mão de Deus e nos lábios de Deus... nossa, poderia ser? 

Ou talvez você nunca tenha visto o seu nome homenageado. E você não consegue lembrar quando o ouviu pronunciado com gentileza. Se for assim, pode ser que seja mais difícil para você acreditar que Deus sabe o seu nome.

Mas ele sabe. Escrito na sua mão. Pronunciado pela sua boca. Sussurrado pelos seus lábios. O seu nome. E não somente o nome que você tem agora, mas o nome que ele tem guardado para você. Um nome novo ele lhe dará...

Você estava nos meus pensamentos enquanto eu escrevia. Eu pensava em você frequentemente. Eu honestamente pensava. Ao longo dos anos eu conheci bem alguns de vocês. Eu li as suas cartas, apertei as suas mãos e olhei os seus olhos. Eu acho que conheço você.

Você está ocupado. O tempo passa antes das suas tarefas terminarem. E se você tiver uma chance de ler, é de fato uma pequena chance. Você está ansioso. As más notícias ultrapassam as boas. Os problemas excedem as soluções. E você está preocupado. Que futuro os seus filhos têm nesta terra? Que futuro você tem?

Você está cauteloso. Você não confia tão facilmente como confiou uma vez. Os políticos mentiram. O sistema falhou. O ministro negociou. O seu cônjuge traiu. Não é fácil confiar. Não é que você não queira. É apenas que você quer ser cuidadoso.

Há outra coisa. Você cometeu alguns erros. Eu conheci um de vocês em uma livraria em Michigan. Um homem de negócios, você raramente saía do seu escritório e muito menos para encontrar um escritor. Mas então você o fez. Você estava arrependido das muitas horas de trabalho e das poucas horas em casa e queria conversar.

E a mãe solteira em Chigago. Um filho estava puxando, o outro chorando, mas fazendo malabarismo entre eles, você mostrou o seu ponto. “Eu cometi erros”, você explicou, “mas eu realmente quero tentar de novo”.

E assim como escrevi, eu pensei em vocês. Todos vocês. Vocês não são maliciosos. Vocês não são maus. Vocês não têm o coração duro (cabeça dura às vezes, mas não coração duro). Vocês realmente querem fazer o que é certo. Mas algumas vezes a vida dá uma virada. Às vezes nós precisamos de um lembrete. Não um sermão. Um lembrete. Um lembrete de que Deus sabe o seu nome.

Autor: Pr. Max Lucado

Por Litrazini


Graça e Paz

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O DESAFIO DE SER CRISTÃO

Nenhum grupo religioso pode ser considerado cristão se realmente não seguir a Cristo; se não O tiver como Senhor e Salvador (Lc 2.11; Jo 4.42; Jo 20.28); se não guardar Seus mandamentos (Jo 14.15); se não permanecer nEle e em Suas palavras (Jo 8.31); se seus adeptos não forem realmente discípulos de Jesus (At 11.26); se não crer nEle, na Sua morte e ressurreição corporal (Mc 14.28; Jo 3.18);

Se não batizar seus seguidores em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mt 28.19); se não cumprir a ordenança da ceia – pão e vinho – em Sua memória (Mt 26.26-28); se não crer nas Escrituras e em todas as palavras do Senhor Jesus (Mt 22.29; Jo 2.22; At 17.11); se não crer que Cristo é o Verbo encarnado, o Deus que se fez homem e habitou entre nós (Jo 1.1, 14); se não aceitar que Ele é o Criador de todas as coisas (Jo 1.3, 10); se não crer na Sua eternidade (Jo 1.18; 6.57; 8.19; 10.30, 38; 14.7, 9, 10, 20).

Um grupo não pode ser chamado de cristão se não acreditar na divindade de Cristo (Ap 1.8); se não acreditar na Sua segunda vinda, na ressurreição dos mortos e no Juízo Final (Jo 6.40, 47, 54; 10.28. 1 Ts 4.16-17; Ap 19.20. 20.5, 11-15). 

O fato de um grupo religioso fazer o bem, dar esmolas e distribuir alimentos não o caracteriza como genuinamente cristão. Nossas boas obras não nos salvam (Ef 2.8-9). Jesus disse que quem O ama guarda todos os seus mandamentos. Ele não falou em “parte” dos mandamentos. 

Quem ama verdadeiramente o Senhor Jesus e o tem como Senhor e Salvador nEle confia e busca o Seu auxílio para aliviar suas dores: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei” (Mt 11.28).Ouçam: “VINDE A MIM”. A Ele. Jesus não sugere a possibilidade de os oprimidos irem a outras pessoas, mortas ou vivas. Quem é de Jesus ouve a Sua voz. 

Para que um grupo religioso seja chamado de cristão precisa ensinar o perdão incondicional dos pecados àqueles que se arrependem (Mt 6.12; 9.6; 12.31; At 2.38); ensinar e crer que na morte o espírito se separa do corpo e segue imediatamente para o mundo espiritual; ensinar que os cristãos seguirão para um lugar de paz; os que não são de Cristo, para um lugar de tormentos (Lc 16.19-31). 

Ao ladrão que se arrependeu, disse Jesus: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43). Referido ladrão não passou por nenhuma estação intermediária; não houve qualquer interrupção na sua subida ao céu; não houve empecilhos, traumas, penitências, trabalho extra, caminhos difíceis. O ladrão foi direto. Jesus afirmou: “Quem crê nele {em Jesus] não é condenado; quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3.18). 

Qualquer grupo que queira seguir a Cristo deve seguir essas premissas na sua totalidade. Do contrário, é apenas uma caricatura do Cristianismo. 

Pr. Airton Evangelista da Costa

Por Litrazini


Graça e Paz

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

ESPERE NO SENHOR

Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu. (Eclesiastes 3.1)

Cada detalhe de nossa vida é Deus trabalhando para nos levar a um lugar melhor. Ele tem um propósito definido para cada um de nós

Por vezes não entendemos os propósitos de Deus para nossas vidas, não vivenciamos nem cremos no verso bíblico que diz que todas as coisas cooperam para o BEM dos que amam a Deus e vivem segundo o seu propósito

Quando as coisas que aspiramos demoram a acontecer, murmuramos, reclamamos, abrimos nossos lábios para dizer asneiras que por vezes entristecem o coração de Deus, não podemos nem devemos esquecer que o tempo é de Deus e não nosso.

O tempo não é apenas uma sucessão de momentos sem sentido, ou acontecimentos quaisquer. Deus dirige tudo; é Ele quem comanda os acontecimentos a cada dia, mês e ano.

Antes de Jesus nascer, foi necessário uma série de acontecimentos.

Muitas vezes, passamos um longo tempo de nossas vidas correndo desesperadamente atrás de um amor, de um emprego, de uma casa, de uma amizade...

A mensagem sobre borboletas pode nos ensinar muito...

Não corra atrás de borboletas. Cuide de seu jardim e elas virão até você!

A vida segue seu fluxo e ele é perfeito. Tudo acontece no seu devido tempo.

Nós é que nos tornamos ansiosos e estamos constantemente querendo "empurrar o rio".

O rio vai sozinho, obedecendo o ritmo da natureza...

Se passarmos todo o tempo desejando as borboletas e reclamando porque elas não se aproximam da gente, mas vivem no jardim do nosso vizinho, elas realmente não virão. Mas, se nos dedicarmos a cuidar do nosso jardim, a transformar o nosso espaço, a nossa vida, num ambiente agradável, perfumado e bonito, será inevitável....

As borboletas virão até nós... (A.D) 

O Sol leva todo o tempo que lhe é necessário para nascer e se pôr. Não é possível apressá-lo.

O gelo no lago se derreterá quando a temperatura do ar for apropriada.

As aves migratórias chegarão e partirão quando estiverem prontas para isso.

"Porque a terra por si mesma frutifica; primeiro, a erva, depois, a espiga, e, por último, o grão cheio na espiga." Marcos 4:28

Tudo vem a seu tempo, sem pressa nem desespero.

Lidiomar T. Granatti

Por Litrazini


Graça e Paz

terça-feira, 23 de setembro de 2014

DISCIPLINA, O SEGREDO DO SUCESSO

Quem ama a disciplina ama o conhecimento (Provérbios 12.1a ARA). A disciplina funciona em todas as dimensões da vida do ser humano – financeira, física, emocional e espiritual. Muitos pensam e tentam conquistar seus objetivos sem o uso da disciplina em seu viver diário. O fim tem sido sempre trágico. 

Enquanto alguns querem enriquecer depressa sem pagar o preço para tal, sem se esforçar e sem trabalhar honestamente, outros se arriscam com jogos de azar ou enganando o seu semelhante.

Há os que desejam perder peso sem se exercitar e sem reeducar sua alimentação. Eles ingerem comprimidos ditos “milagrosos”, mas depois voltam a engordar. Alguns querem adquirir conhecimento estudando na última hora; outros se aproximam de Deus pedindo um milagre instantâneo em áreas de suas vidas e de relacionamentos que precisam de disciplina diária para que Deus possa agir.

O significado da palavra disciplina – obediência a regras de cunho interior; firmeza e constância nos seus propósitos – já nos revela o que é requerido de nós e o efeito dela. A pessoa disciplinada tem sua vida pautada por obediência a regras internas e externas; é firme, decidida, corajosa e persistente na realização de seus alvos espirituais, profissionais e sentimentais. Ela está sempre se qualificando para ser um bom cônjuge, pai/mãe, filho, amigo e cristão melhor.

ALGUMAS DICAS QUE O AJUDARÃO A TER DISCIPLINA:
- A sua disciplina todas as manhãs determinará o seu dia;
- Discipline-se para começar o dia falando com Deus;
- Seja disciplinado nas pequenas tarefas realizadas diariamente;
- Coragem, conhecimento, planejamento, objetivos e disciplina são importantes para o sucesso;
- Nunca é tarde para mudar os maus hábitos. Para isso, adquira bons hábitos e abandone os maus;
- Se você deseja alcançar a excelência, comece com a disciplina;
- Sem disciplina, determinação, propósito e objetivo qualquer sonho não passará de devaneio;
- A indisciplina é a grande mãe do fracasso; o medo é o pai;
- Seus sonhos não se tornarão realidade se você ficar dormindo;
- O condicionamento físico deve ser uma disciplina, e não uma obsessão;
- A disciplina aumenta nossa capacidade de aprender.

O ideal, segundo a psicanalista Solange Lins, é exercitar a disciplina com escolhas que agradem a si mesmo e viver o dia-a-dia sem ultrapassar os próprios limites. “Se olhássemos a vida sob a ótica da disciplina, não geraríamos gastos exacerbados, não correríamos mais do que o nosso fôlego [permite], não comeríamos tanto e não nos precipitaríamos em abrir a boca para falar coisas indevidas”, afirma a especialista. 

Portanto, devemos investir pesado numa vida disciplinada para o corpo, as emoções e o espírito. Afinal, pessoas disciplinadas são mestras de si mesmas!

Pra. Elizete Malafaia

Por Litrazini


Graça e Paz

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

ORAR COM FÉ E PODER

Tiago ensinou-nos que, se nos faltar sabedoria, deveremos pedir sabe­doria a Deus (veja Tg 1.5). E, então, acrescentou: "Peça-a, porém, com fé, não duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento" (Tg 1.6).

QUÃO IMPORTANTE É ORAR COM FÉ?
Tiago disse que ela faz toda a diferença. Pois, acerca daquele que duvida, disse o escritor sagrado:"Não pense tal homem que rece­berá do Senhor alguma coisa"(Tg 1.7).

Jesus ensinou sobre a fé aos seus discípulos, utilizando-se de uma ilustração gráfica: Se orassem com fé, poderiam dizer a uma monta­nha que se projetasse no mar, e assim sucederia (veja Mc 11.23). E a isso adicionou: "Por isso vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis, e tê-lo-eis" (Mc 11.24).

NO QUE CONSISTE A FÉ? "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem" (Hb 11.1). Naturalmente, não pedimos a Deus algo que já temos, mas algo que ainda não possuímos. Ainda estamos esperando pela bênção pedida.

Ainda não a estamos vendo. Mas, se tivermos fé, as coisas invisíveis pelas quais esperamos adquirirão substância. Essa substância, ainda que não seja material, e, sim, espiritual, ainda assim será a substância de nossas petições.

Se não emprestarmos substância às coisas pelas quais pedimos, sem dúvida seremos duvidosos como as ondas do mar, e nossas orações não nos serão respondidas. Assim teremos violado uma das regras da oração.

A ORAÇÃO DE AÇÃO REQUER FÉ. DEUS ALGUMA VEZ PERMITE EXCEÇÕES A ESSA RE­GRA? 

Afortunadamente, para a maioria de nós, ele as permite. Porém, fique isto bem claro — essas são exceções, e não a regra geral.

Uma das razões pelas quais nos inclinamos a manifestar falta de fé em nossas orações é que não percebemos plenamente quanto poder temos quando chegamos diante do Pai em nome de Jesus.

Uma regra da oração que nos cumpre seguir é nos utilizarmos do poder que já nos foi conferido.

A diferença entre uma oração poderosa e uma oração sem poder é a presença do Espírito Santo. O Espírito Santo era a fonte do poder miraculoso manifestado pelo Senhor Jesus (veja Mt 12.28;Lc4.1,14-18; At 2.2; 10.38).

Jesus revelou aos seus seguidores que eles teriam o mesmo poder e que fariam as mesmas obras, e até maiores, que ele fez (veja Jo 14.12). Antes de partir deste mundo, Jesus disse a seus discípulos que seria vantajoso para eles se ele fosse, porque somente então poderiam receber o pleno poder do Espírito Santo (veja Jo 16.7-14).

Jesus instruiu-os para que se demorassem em Jerusalém até que recebessem o poder do alto (veja Lc 24.49). E, então, pouco antes de subir para o céu, Jesus disse: "Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo..." (At 1.8, V. R.).

Embora cada cristão regenerado desfrute da presença habitadora do Espírito Santo em sua vida, nem todos usufruem de sua presença com o mesmo grau. Alguns estão cheios do Espírito Santo a qualquer dado momento; mas com outros isso não acontece. Posso ser cheio do Espírito Santo hoje; mas amanhã precisarei renovar o meu relacio­namento com ele (veja Ef 5.18).

Pedro foi um daqueles que foram "cheios do Espírito Santo" (At 2.4) no dia de Pentecostes. Sem embargo, Pedro foi nova­mente "cheio do Espírito" em Atos 4.8, para que pudesse minis­trar poderosamente diante do Sinédrio. Uma vez só, ao que pare­ce, não foi o suficiente.

Nossa constante e diária renovação da presença do Espírito San­to ajuda-nos nos demais aspectos da oração. Ele nos ajuda a manter um coração puro, porque uma das operações do Espírito Santo con­siste em convencer-nos do pecado (veja Jo 16.8).

Ele nos ajuda a ter a certeza de que conhecemos a vontade de Deus, quando entramos cm oração, porquanto ele nos atrai para o Pai (veja Rm 8.16; Gl 4.6). Ele edifica a nossa fé porque somos encorajados ao ver o poder so­brenatural que flui através de nós e toca nas vidas de outras pessoas.

Quando temos o Espírito Santo, podemos verdadeiramente orar com poder.

Artigo baseado no livro Igrejas que Oram de C. Peter Wagner

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)

Por Litrazini:


Graça e Paz

domingo, 21 de setembro de 2014

O QUE É A VONTADE DE DEUS?

Quando se fala da vontade de Deus, muitas pessoas veem três aspectos diferentes a seu respeito na Bíblia.

O PRIMEIRO ASPECTO É CONHECIDO COMO A VONTADE DECRETIVA, SOBERANA OU OCULTA DE DEUS.
Esta é a "final" vontade de Deus. Esta faceta da vontade de Deus vem do reconhecimento da soberania de Deus e dos outros aspectos da Sua natureza. Esta expressão da vontade de Deus se concentra no fato de que Ele soberanamente ordena tudo o que chega a acontecer.

Em outras palavras, não há nada que aconteça que seja fora da vontade soberana de Deus. Este aspecto da vontade de Deus é visto em versículos como Efésios 1:11, onde aprendemos que Deus é aquele "que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade", e Jó 42:2: "Sei que podes fazer todas as coisas; nenhum dos teus planos pode ser frustrado".

Este ponto de vista da vontade de Deus é baseado no fato de que, porque DEUS É SOBERANO, SUA VONTADE NUNCA PODE SER FRUSTRADA. Nada acontece que esteja além de seu controle.

O TERCEIRO ASPECTO DA VONTADE DE DEUS QUE VEMOS NA BÍBLIA É A PERMISSIVA OU PERFEITA VONTADE DE DEUS.
Esta faceta da vontade de Deus descreve a Sua atitude e define o que é agradável a Ele. Por exemplo, embora seja claro que Deus não tem prazer na morte do ímpio, é igualmente claro que ele permite ou decreta a sua morte.

Esta expressão da vontade de Deus é revelada em muitos versículos da Bíblia que indicam o que alegra a Deus ou não. Por exemplo, em 1 Timóteo 2:4, vemos que Deus deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade, mas sabemos que a vontade soberana de Deus é que "Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:44).

Se não tivermos cuidado, podemos facilmente ficar preocupados ou até mesmo obcecados em encontrar a "vontade" de Deus para as nossas vidas. No entanto, se a vontade que estivermos buscando for a Sua vontade secreta, oculta ou decretiva, estamos em uma busca tola. Deus não escolheu revelar esse aspecto de Sua vontade para nós.

O que devemos procurar conhecer é a vontade perceptiva ou revelada de Deus. O verdadeiro sinal de espiritualidade é quando desejamos conhecer e viver segundo a vontade de Deus assim como revelada nas Escrituras, e ela pode ser resumida como "Sejam santos, porque eu sou santo" (1 Pedro 1:15-16).

Nossa responsabilidade é obedecer a Sua vontade revelada e não especular sobre o que a Sua vontade oculta talvez seja. Embora devamos buscar ser "guiados pelo Espírito Santo", nunca devemos esquecer que o Espírito Santo está principalmente nos guiando à justiça e a nos conformarmos à imagem de Cristo para que a nossa vida glorifique a Deus. Deus nos chama a viver nossas vidas de toda palavra que proceda da Sua boca.

Viver de acordo com a Sua vontade revelada deve ser o principal objetivo ou propósito de nossas vidas. Romanos 12:1-2 resume esta verdade, pois somos chamados a nos oferecer "em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus."

Para conhecermos a vontade de Deus, devemos nos aprofundar na escrita Palavra de Deus, saturando as nossas mentes com ela e orando para que o Espírito Santo nos transforme através da renovação de nossas mentes, de modo que o resultado seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini


Graça e Paz

sábado, 20 de setembro de 2014

UMA NECESSIDADE CONTINUA

"Cristãos necessitam do evangelho porque nossos corações estão sempre propensos a se desviarem"

A história de Jonas nos mostra que o evangelho – as boas novas de que Deus busca os pecadores sem medir esforços para salvá-los – é tanto para cristãos como para não cristãos. A vida de Jonas é uma prova disso, pois Jonas, que conhece a Deus, obviamente necessita tanto de salvação quanto qualquer outro personagem da história.

De fato, sua necessidade de resgate acaba ganhando muito mais ênfase do que a dos outros. É a história dele, não a dos Ninivitas, que aparece mais. Só isso já deveria ser suficiente para nos convencer de que o resgate de Deus é uma necessidade contínua para cristãos e não cristãos.

OS EVANGELHOS NÃO SÃO SIMPLESMENTE UM CONJUNTO DE VERDADES QUE OS NÃO CRISTÃOS DEVEM ACREDITAR PARA SE TORNAREM SALVOS. É UMA REALIDADE QUE OS CRISTÃOS DEVEM ABRAÇAR DIARIAMENTE PARA EXPERIMENTAREM A SALVAÇÃO.

O evangelho não apenas nos salva da penalidade do pecado (pela justificação), mas também nos salva do poder do pecado (pela santificação) dia após dia. Ou, como John Piper disse certa vez, “A cruz não é só um lugar passado de substituição objetiva; é um lugar presente de execução subjetiva”.

Nosso pecado diário requer a graça diária de Deus – a graça que vem a nós através da obra completa de Jesus Cristo.

A igreja tem estado em conflito por anos a respeito de se os cultos devem ser voltados aos cristãos (para encorajá-los e fortalecê-los) ou aos não cristãos (para atraí-los e conquistá-los). Mas esse debate e o conflito sobre ele é uma perda de foco. Estamos fazendo as perguntas erradas e assumindo conceitos errados.

A verdade é que nossos cultos devem ser voltados a pecadores em necessidade do resgate de Deus – e isso inclui tanto cristãos quanto não cristãos.

Já que os dois grupos precisam da intervenção de Deus, ambos precisam do evangelho.

CRISTÃOS NECESSITAM DO EVANGELHO PORQUE NOSSOS CORAÇÕES ESTÃO SEMPRE PROPENSOS A SE DESVIAREM; SOMOS SEMPRE TENTADOS A FUGIR DE DEUS. É preciso o poder do evangelho para nos direcional de volta ao primeiro amor. Caminhar conscientemente em direção ao evangelho deve ser uma realidade e uma experiência diária para todos nós. Isso significa, como Jerry Bridges nos lembra, “pregar o evangelho para nós mesmos todos os dias”.

Devemos permitir que Deus nos lembre todos os dias, através de sua Palavra, sobre a obra completa de Cristo em favor dos pecadores para continuarmos convencidos de que o evangelho é relevante.

Eu vejo que sou especialmente necessitado de um ajuste de foco, por meio do evangelho, para me manter longe de uma constante tendência de caminhar em direção à um relacionamento de barganha com Deus. Não estou sozinho nesse caminho; Jerry Bridges observa o quão comum é isso em nosso meio:

Minha observação sobre o cristianismo me revela que a maioria de nós tende a basear nosso relacionamento com Deus em nossas atitudes ao invés da graça. Se agirmos bem – seja lá o que “bem” significa para cada um de nós – então esperamos que Deus nos abençoe. Se não agirmos tão bem, nossas expectativas diminuem na mesma proporção. Nesse sentido, vivemos pelas nossas obras, ao invés de vivermos pela graça. Somos salvos pela graça, mas ainda vivemos pelo “suor” de nossas próprias obras.

Mais ainda, estamos sempre nos desafiando e desafiando uns aos outros a “tentar um pouco mais”.

Parece que acreditamos que o sucesso da vida cristã (seja lá como definimos “sucessos”) depende basicamente de nós: nosso comprometimento, nossa disciplina e nosso zelo, com alguma ajuda de Deus ao longo do caminho. Falamos da boca para fora que somos como o apóstolo Paulo, “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou” (1 Coríntios 15:10), mas nosso lema velado é “Deus ajuda quem se ajuda”.

O reconhecimento de que meu relacionamento diário com Deus é baseado nos méritos infinitos de Cristo, ao invés das minhas obras, é uma experiência muito libertadora e confortante.

A diferença entre viver para Deus e viver para qualquer outra coisa é que quando nós vivemos para qualquer outra coisa, o fazemos para sermos aceitos, mas quando vivemos para Deus, o fazemos porque já fomos aceitos.

Verdadeira liberdade (a liberdade que apenas o evangelho garante) é viver para algo que já nos favoreceu ao invés de viver por algo em troca de favorecimento.

Traduzido por Filipe Schulz / Iprodigo

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz