domingo, 2 de novembro de 2014

PERDOE E INVADA O CAMPO DO INIMIGO COM O PODER DE DEUS

O rei da Babilônia e seus exércitos se retiraram da cidade quando o povo de Jerusalém mostrou misericór­dia e estendeu o perdão uns aos outros. 

Parece que o perdão exercido pelo povo na terra, na realidade, amar­rou os propósitos de Satanás nas regiões celestiais! 

QUANDO COMEÇAMOS A PERDOAR UNS AOS OUTROS, DEUS INVADE O CAMPO DO INIMIGO COM SEU PODER. 

Deus concedeu ao povo de Judá e de Jerusalém uma última oportunidade para "acertar-se" com Ele e "fazer o bem" uns aos outros. Se eles a tivessem aproveitado, então o livro de Lamentações jamais teria sido escrito. 

Infelizmente, depois que os babilônios levantaram o cer­co e se retiraram, o povo de Jerusalém fez algo terrível. Quando eles estavam sob o temor da morte, libertaram os escravos, mas, quando o temor da morte se foi, volta­ram a ser egoístas, e Deus atentou para o fato. Tornaram seus irmãos escravos novamente, provocando esta res­posta de Deus: 

Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Fiz uma ali­ança com os seus antepassados quando os tirei do Egito, da terra da escravidão. Eu disse: Ao fim de sete anos, cada um de vocês libertará todo compa­triota hebreu que se vendeu a vocês. Depois que ele o tiver servido por seis anos, você o libertará. Mas os seus antepassados não me obedeceram nem me deram atenção. 

Recentemente vocês se arrepen­deram e fizeram o que eu aprovo: cada um de vocês proclamou liberdade para os seus compatriotas. Vocês até fizeram um acordo diante de mim no tem­plo que leva o meu nome. Mas, agora, vocês volta­ram atrás e profanaram o meu nome, pois cada um de vocês tomou de volta os homens e as mu­lheres que tinham libertado. 

Vocês voltaram a escravizá-los. Portanto, assim diz o Senhor: "Vocês não me obedeceram; não proclamaram libertação cada um para o seu compatriota e para o seu próxi­mo. Por isso, eu agora proclamo libertação para vocês", diz o Senhor, "pela espada, pela peste e pela fome. Farei com que vocês sejam um objeto de ter­ror para todos os reinos da terra" (Jr 34.13-17, ênfase do autor).

NÃO FIQUE REMOENDO VELHAS OFENSAS LIBERTE SEUS DEVEDORES PARA SEMPRE 

Quando o povo de Jerusalém tornou a escravizar seus irmãos e anulou seu perdão, os exércitos de Nabucodonosor voltaram e deram a eles exatamente o que tinham dado uns aos outros. Os antigos "proprietá­rios" foram levados para a Babilônia como escravos en­quanto seus antigos escravos ficaram para trás para to­mar posse de sua terra e pertences. Quantas vezes esquecemos de um irmão, ou irmã, em Cristo para ficar "remoendo" novamente suas ofensas e tornar a fazer com que esse irmão, ou irmã, seja escravo de nossa falta de perdão? Deus ainda atenta para o fato. 

Se Deus de repente pedir uma "auditoria" de sua conduta para com seus irmãos e irmãs, será que você está preparado? Lembre-se de que Deus não precisa de uma auditoria – Ele ja vê e conhece todas as coisas. 

DEUS CONSIDERA CADA UM DE NÓS RESPONSÁVEL POR PERDOAR AOS OUTROS, SEM EXCEÇÕES À REGRA. NÃO FOMOS FORMADOS NEM CRIADOS PARA CARREGAR AMARGURA E RANCOR EM NOSSO CORA­ÇÃO. É COMO TENTAR CARREGAR UMA PORÇÃO DE ÁCIDO EM UM RECIPIENTE DE ISOPOR O ÁCIDO DO RANCOR CORRÓI CADA PARTE DE NOSSA VIDA. 

Jesus disse que seus discípulos seriam conhecidos por causa de seu amor uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros. João 13:35

O amor trans­cende a "mentalidade do "tipo livro razão", que registra cada erro cometido e ofensa recebida". O "tipo de amor de Deus", descrito em 1 Coríntios 13, não toma nota nem "faz o cálculo" de agravos e injustiças sofridos o guarda Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. 1 Coríntios 13:5.

"A misericórdia triunfa sobre o juízo" (Tg 2.13b), para que opere em amor e "liberte seus cativos". Libere o poder do perdão em sua vida. Deus está dizendo: "Se você mostrar misericórdia para com os outros, eu terei misericórdia de você.” 

Além disso, precisamos aprender a perdoar a nós mesmos. É difícil cumprir o mandamento de Jesus que diz que devemos "amar aos outros como amamos a nós mesmos" quando realmente não nos amamos. Muitas vezes, o ódio que sentimos por nós mesmos ou os res­sentimentos interiores surgem por causa de nosso medo do fracasso ou da rejeição. 

Extraído do livro Fontes Secretas de Poder de autoria de T. E TENNEY e TOMMY TENNEY 

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz 

Nenhum comentário:

Postar um comentário