terça-feira, 31 de maio de 2016

O PODER DE NOSSAS PALAVRAS

Nossas palavras tem o poder de curar e de ferir. Mas não podemos usá-las de qualquer forma. O justo e o ímpio se distinguem em muitas coisas e, de acordo com a Palavra de Deus, não é só no seu caráter e atitudes, mas também na forma de falar:

A boca do justo é manancial de vida, mas na boca dos perversos mora a violência”. Provérbios 10.11

Da boca do justo jorra vida; ou seja, palavras que vivificam, que comunicam vida espiritual (e mesmo emocional). Por outro lado, da boca do ímpio flui violência (palavras que ferem, que matam). De acordo com este texto, a violência no lar não é só física, mas também verbal. E pior: é uma característica do comportamento do ímpio. Confirmando esta verdade (que palavras ferem ou curam) a Bíblia ainda afirma: “Alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada, mas a língua dos sábios é medicina”. Provérbios 12.18

Nossas palavras possuem um poder maior do que conseguimos mensurar. Elas podem produzir vida ou morte! E isto se aplica a qualquer área da vida de alguém, embora aqui estejamos chamando atenção para o poder das palavras em nossa relação conjugal: “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.” Provérbios 18.21

Precisamos ter o cuidado com a forma de falar, pois, a maneira errada de falar não trará dano só a quem nos ouve. O problema também nos atinge! O livro de Provérbios mostra que guardar a boca (as palavras) é conservar a alma; por outro lado, o muito abrir os lábios (falar demais) traz ruína para quem fala: “Do fruto da boca o homem comerá o bem, mas o desejo dos pérfidos é a violência. O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muiito abre os lábios, a si mesmo se arruína” Provérbios 13.2,3

Há momentos em que o silêncio é a maior expressão de sabedoria. Falar com o coração irado ou exasperado nunca fará bem a ninguém (nem ao que fala). Na hora das emoções alteradas devemos reter as palavras; quando o espírito estiver sereno, aí é inteligente falar: “Quem retém as palavras possui o conhecimento, e o sereno de espírito é homem de inteligência”. Provérbios 17.27

As Escrituras ainda nos revelam que falar de modo sereno traz cura, enquanto que a língua perversa, por sua vez, traz mal trato ao íntimo (quebranta o espírito):

“A língua dos sábios adorna o conhecimento, mas aboca dos insensatos derrama a estultícia. A língua serena é árvore da vida, mas a perversa quebranta o espírito”. Provérbios 15.2,4

“O homem se alegra em dar resposta adequada, e a palavra, a seu tempo, quão boa é”. Provérbios 15.23

Pr. Luciano Subirá

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 30 de maio de 2016

JESUS NÃO FOI FORÇADO A IR A CRUZ, ELE FOI PORQUE QUIS, FOI POR AMOR.

Alguém já declarou que não foram os romanos que prenderam a Jesus na Cruz, não foram os Judeus, não foi Poncio Pilatos e nem o Rei Herodes, mas os nossos pecados. “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. […]Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão.” Is 53.5,10

Nenhuma criatura dos céus ou da terra poderia segurar a Jesus naquela cruz, mas ele se ofereceu, por livre vontade, para ser a expiação por nossos pecados. I Jo 2.2

O CRISTÃO QUE COMPREENDE A CRISTO AMA A CRUZ.
Ele entende que é por causa da cruz que ele paz e perdão dos pecados. Que o sangue nos purifica de todo pecado. I Jo 1.7

“Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse,E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.” Cl 1.19-20

“E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas, havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.”Cl 2.13-14

“Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.” I Pe 2.24

Pela cruz, isto é, pelo sacrifício de Cristo nos temos a paz com Deus, nós temos entrada no Santo dos Santos, nos fomos reconciliados, pela obra consumada na cruz.

A vida está na morte de Cristo, que representa a morte de todo aquele que nele crê. Assim estamos escondidos nele, para também ressuscitarmos com ele naquele glorioso dia. Se morro para mim mesmo, então vivo, se não morrer, antes desejar viver para o mundo, então só me resta a morte, a separação eterna de Deus.

A cruz diz não a nossa carnalidade, diz não ao nosso egoísmo, diz não ao nosso próprio interesse, e compreendendo e aceitando o não de Deus então é possível receber o seu sim. A cruz nos confronta e revela a nosso iniqüidade, nos leva ao local de morte, “fazei morrer”, diz o apóstolo, e quando ela está a nos matar, nos confrontando e expondo os nossos erros, então O vemos, e nele encontramos o nosso perdão, ele pagou o preço, então somos felizes.

O alívio que vem sobre nós, nenhum homem, nenhum objeto ou bem, nenhum prazer pode ser comparado a presença e a paz de Deus em nós.

Pr. Flávyo Santos

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 29 de maio de 2016

É HORA DE DESPERTAR!

O povo hebreu teve diversas oportunidades para gozar de um despertamento incomparável. Sua história alterna períodos de avivamento com outros de sono profundo. Entre os reis mais abençoados, vemos em 2 Crônicas 14.5, o rei Asa mostrando um dos maiores chamados ao despertamento já acontecidos.

Vejamos como Deus responde ao despertamento com grandes vitórias. Tantos outros, como Esdras, Neemias, Josafá e Josias operaram memoráveis momentos de despertar seguido de vitória.

Na história da igreja cristã também vemos grandes despertamentos (como o que ocorreu recentemente na Coréia). O que nos entristece é vermos que, tal como o povo hebreu, as igrejas também alternam momentos de vitória com épocas de sono espiritual.

Precisamos seguir os exemplos dos vitoriosos; avaliar cada um dos tipos de sono e decidir em qual deles estamos enquadrados, para sairmos da letargia e, assim, sermos poderosos para verdadeiramente contribuirmos para a manifestação do poder de Deus na terra.

Ninguém jamais se engane! Acordar de um sono espiritual não é nada cômodo, nem confortável. É preciso tomar o remédio próprio para cada tipo de sono. Veja a tabela:

TIPO DE SONO REMÉDIO
1. Ignorância Ler, ouvir e guardar a Palavra de Deus.
2. Acomodação Assumir novos compromissos.
3. Desinteresse Buscar o GALARDÃO de Deus.
4. Medo Orar para Deus abrir-lhe os olhos.
5. Auto-Suficiência Aprender a confiar nos companheiros
6. Rebeldia Consertar-se com Deus e com o líder.
7. Morte Crer em Cristo e no seu poder.

De qualquer modo, Provérbios 28.13b, apresenta uma promessa para nos ajudar a despertar de qualquer tipo de sono. Também em Tiago 5.16 temos uma receita para espantar qualquer tipo de sono.

Jesus sabe que não é nada fácil esperar que a pessoa acometida de sono espiritual sinta disposição de orar pelo despertamento. Por isso Ele criou a igreja, na confiança de que os irmãos acordados orem pelos que dormem e que ajudem a manter os companheiros alerta. Em Mateus 26.40 vemos o Senhor Jesus repreendendo os discípulos pela falta de companheirismo (estavam adormecidos). No versículo 43 vemos que Jesus volta a encontrá-los adormecidos.

Muitas vezes o sono espiritual cria barreira entre os irmãos, impedindo-os de orar uns pelos outros. E é com isso que o inimigo conta para tentar derrotar a igreja.

Mas nós podemos frustrar seus planos malignos através da ministração de um grande conserto. A igreja precisa recordar quando foi a última vez que foi ministrada uma oportunidade para conserto entre os irmãos. Cada um sabe o que tem feito contra o outro. Cada um pode procurar seu irmão para pedir perdão e “zerar” a dívida. É chegada a tua hora!

Os judeus estavam dormindo espiritualmente na primeira vinda de Jesus. Mesmo tendo vivido experiências memoráveis dos milagres de Deus, não foram capazes de reconhecer na pessoa de Jesus, o Messias que tanto esperavam. Seu sono os levou a pensarem que Jesus teria que vir cheio de pompa para assumir um reino corruptível na terra. Por causa do seu sono, perderam o privilégio de desfrutar do verdadeiro reino de Deus.

A igreja precisa estar atenta para que Jesus não a encontre dormindo. Ele mesmo adverte, em Lucas 18.8: “Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura achará fé na terra?”. Para que Jesus ache fé na terra precisamos estar bem acordados, seja qual for o tipo de sono. Em Mateus 24.33-35 Jesus nos adverte acerca de sua volta.

Se todos os motivos já não fossem suficientes para nos envolvermos no despertamento, precisamos considerar que a volta de Cristo está próxima e ai daquele que for encontrado dormindo. Está mais do que na hora de despertarmos.

Em nome de Jesus, não importa qual seja o tipo de sono, vamos despertar, para a glória de Deus em nossas vidas!

Carlos Alberto Ferreira Ribeiro

Por Litrazini

Graça e Paz


sábado, 28 de maio de 2016

AINDA QUE A FIGUEIRA NÃO FLORESÇA

"Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação… ”.Habacuque: 3:17-19.  

Nos tempos do profeta Habacuque as forças estrangeiras estavam para invadir Judá. Babilônia levantara-se como uma ameaça constante. Alem disso internamente o povo estava desacreditado em Deus, violento, idolatra.

Veja como o profeta retrata a cena: "...Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás? Por que razão me mostra a iniqüidade, e me fazes ver a opressão? Pois que a destruição e a violência estão diante de mim … "(Hb.1:1-4). Hoje não é muito diferente daqueles tempos, pois á nível mundial estamos vivendo um caos.

Para todo lado existe a impunidade, a injustiça, a violência, a falta de paz está presente. Sabemos que este mundo é constituído de famílias e quantas destas estão passando hoje por calamidades, por perseguições políticas, perseguições raciais ou religiosas, mas perseguições em família.

Para todos os lados que você olha, e os meios de comunicação tais como: rádio, TV, Internet, cinema, jornais, revistas, etc. não nos deixa mentir, divulgam diariamente informações, de uma sociedade corrompida pelo pecado, pelo engano, pela soberba, pelo orgulho. Judá de hoje está sendo ameaçada pelos Babilônicos que estão à espreita querendo tragar seus habitantes por completo e implantar o seu reinado de opressão, de cativeiro.

De fato A Babilônia insiste em querer oprimir e invadir se possível for a alma e o espírito de cada um de nós. Tal como o profeta Habacuque tem que sair do estado de inércia e lutar a favor das famílias. As suas declarações e profecias não foram ditas ao vento. Veja o que ele fala: "Vede entre os gentios e olhai, e maravilhai-vos, e admirai-vos; porque realizarei em vossos dias uma obra que vós não crereis, quando for contada”.(Hb.1:5) Eu creio que através da obra expiatória de Jesus Cristo. Sua vida, morte e ressurreição tudo pode mudar na família.

Talvez você não veja nenhum motivo para se regozijar, se alegrar, pois quem sabe muita coisa está acontecendo em sua vida e em sua família de ruim que você nunca programou. Seu sonho tem virado pesadelo. O marido não é aquilo que você queria, ou a esposa que você pensou em passar o resto de seus dias aqui na terra. Seu castelo desmoronou e agora ficam os questionamentos, as cobranças os devaneios da vida. Veja bem. Habacuque no seu tempo também passou por situações complicadas e ainda por cima tinha que levar a sua mensagem a um povo obstinado de coração que se rebelara contra Deus.

Humanamente falando, nada à sua frente parecia fazer sentido, porém havia em sua vida a presença de Deus que fazia a diferença e com esta presença a esperança chegava nos momentos mais difíceis fazendo-o enxergar bons resultados onde nada se aproveitava. Será que não é isto o que Deus tem para sua vida?

Jesus Cristo é a sua única opção na vida e com ela tudo vai mudar. Você vai sorrir novamente, vai olhar a vida com mais realismo, vai ser um homem, uma mulher mais maduro (a) e convicto, com um discernimento claro e firme do que Deus tem reservado para você e a sua família.

Não olhe para as circunstâncias. Seja lá o que você tem passado, Deus está do teu lado e com certeza se confiares Nele a solução virá mais rápido do que você pensa, pode acreditar. Sabe o que falta para a benção chegar e ser completa? É quando você entender de fato e verdade a mensagem do profeta.

Leia novamente, agora meditando e calmamente, deixando que o Espírito Santo ministre às suas necessidades: “Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação.

O SENHOR Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas”.

Pr. Nélson R. Gouvêa

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 27 de maio de 2016

UMA PESSOA NOVA E DIFERENTE

Não se surpreenda pelo fato de eu ter dito: É necessário que vocês nasçam de novo. — João 3.7

Este novo nascimento se apresenta mais claramente quando o sofrimento e a morte se aproximam. É quando se torna claro se a pessoa teve uma experiência de novo nascimento ou não.

Naquele momento, a razão humana – a velha luz – se retorce e luta, recusando-se a renunciar à sua própria lógica. Ela não deseja ceder e voltar-se para o evangelho.

A razão simplesmente não renunciará à sua luz. Contudo, aqueles que são nascidos de novo, ou que estão nascendo de novo, rendem-se e seguem a Deus, a tudo renunciando: sua velha luz, sua vida, suas posses, sua honra…

Eles confiam e se apegam ao que João registra em seu evangelho. Como verdadeiros filhos de Deus, receberão sua herança eterna.

Se a sua velha e arrogante luz da razão se tornar escura, morta, e for substituída por uma nova luz, então toda a sua vida será transformada. Pois, quando a sua razão muda, a sua vontade a segue. E, quando a sua vontade muda, o que você ama e deseja também o faz.

Para se tornar novo, você deve penetrar no evangelho com todo o seu ser.

É preciso mudar de pele, como as cobras. Quando sua pele se torna velha, uma cobra procura um buraco estreito em uma rocha e, rastejando através dele, tira sua pele, deixando-a do lado de fora.

Semelhantemente, você também deve penetrar no evangelho e na Palavra de Deus.

Você precisa crer confiantemente na promessa de que Deus não mente. Assim, você tira a sua velha pele, deixando para trás sua velha luz, arrogância, vontade, amor, desejos e tudo o que diz e faz.

Você se torna uma pessoa nova e diferente, que vê tudo de modo diferente.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 26 de maio de 2016

A JUSTIÇA DE DEUS

Justiça não significa o cumprimento da Lei. Por esta razão é que Jesus não aprovou a conduta da guarda dos mandamentos do jovem rico, Mc 10:17-21.

Outrossim encontramos na parábola dos trabalhadores, quando o Senhor da vinha decidiu pagar por inteiro ao que tinha chegado na última hora do dia. Os assalariados acharam o dono da vinha injusto ou o seu procedimento ilegal. Afinal eles tinham trabalhado todo o dia debaixo de um sol escaldante e acabaram por receber um denário. Não compreenderam a atitude do dono da vinha.

A justiça de Deus não pode ser comparada à justiça da Lei. Os famosos fariseus dizimavam o endro o cominho, a hortelã e, no entanto, o seu coração não era justo porque não usavam de misericórdia para com o seu semelhante, segundo os Evangelhos.

A justiça de Deus é incomparável à justiça dos homens. Neste mundo imperam as leis injustas dos homens porque são baseadas em critérios de conveniência e por esta razão, existem os conflito laborais, sociais e econômicos.

Até mesmo a democracia é injusta na sua gênesis. Sabemos que nem sempre as multidões ajuízam corretamente os governantes.

O Reino de Deus é firmado em justiça, Is 9:7 e esta manifesta-se no caminho estreito daquele que segue o Senhor da Glória. Como acima referi à cerca do encontro do jovem rico com o Senhor Jesus, a proposta era de se libertar de todos os seus bens e de seguir o Mestre.

Muitas eclésias insistem no legalismo dos seus membros impondo-lhes regras de vestuário, dízimos, alimentos puros e impuros além de uma permanente frequência aos cultos, aos jejuns e a outras práticas.

Dois homens subiram ao Templo para orar. Um era fariseu e diante de Deus falava da sua boa conduta enquanto que o outro se humilhava diante de Deus arrependido dos seus pecados. Diz a narrativa que este foi justificado porque foi sincero ou seja, justo diante de Deus, enquanto que o outro baseado no legalismo, foi rejeitado.

Justiça é que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa o necessitado. Então romperá a tua luz como a alva, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda, Is 58:7 e 8.

Autoria: Amilcar Rodrigues

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 25 de maio de 2016

COMO PODEMOS SABER SE AMAMOS DE FATO A DEUS?

O amor a Deus se manifesta no desejo de sermos santos assim como ele é santo.

Assim, não é tanto uma ordenança quanto a expressão da fidelidade a uma vocação, o que é dito pelo apóstolo Pedro:

“Segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento,” (I Pe 1.15)

Há então nos que são genuinamente convertidos a Cristo, este desejo de imitá-lo, sendo seus seguidores, como filhos amados, e andando em amor de comunhão espiritual com ele e com todos os demais santos.

“Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si; mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.” – Efésios 5:1-2

Os que amam a Deus desejam tudo fazer para o fim exclusivo e supremo da sua glória divina, assim como o próprio Deus tudo faz para o mesmo fim.

1 Co 10:31 “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.”

1Pe 4:11 “Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!”

Os que amam a Deus temem ofender a sua justiça, por pecarem contra ele. Por isso serão achados na batalha constante da carne contra o Espírito, com vistas à mortificação do pecado.

“Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.” – Gálatas 5:16-17

Gál 5:24 “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.”

Os que amam a Deus desejam ser úteis em sua obra, e portanto, se purificam e se consagram a ele para fazerem a sua vontade.

2 Tim 2:21 “Assim, pois, se alguém a si mesmo se purificar destes erros, será utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para toda boa obra.”

Pr. Silvio Dutra

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz


terça-feira, 24 de maio de 2016

BÍBLIA E A INTIMIDADE

Não podemos conhecer verdadeiramente a Deus sem conhecer sua Palavra

Quanto mais profunda for a fundamentação na Palavra de Deus, mais estável será a vida cristã. Como exemplos bíblicos podemos citar as transformações de Saulo o perseguidor que se tornou Paulo o apóstolo e Simão em Pedro.

Paulo esteve por 3 anos no deserto e caiu no esquecimento (Gl. 1.15-18). Tempo dedicado a vida com Jesus e, com a leitura do Antigo Testamento, o que fundamentou seu ministério.

Do mesmo modo, cada momento que passamos com o estudo Palavra de Deus nos ajuda na preparação para o plano que Deus tem para nós.

A Palavra de Deus é a chave para adquirirmos sabedoria, ela está associada ao envolvimento das pessoas com a Palavra.

A Lei do Senhor é perfeita, e revigora a alma. Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança, e tornam sábios os inexperientes (Sl.19.7);

O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, todos os que cumprem os seus preceitos revelam bom senso (Sl.111.10);

Os teus mandamentos me tornam mais sábios que os meus inimigos (Sl. 119.98);

Pois o Senhor é quem dá sabedoria; de sua boca procedem o conhecimento e o discernimento (Pv. 2.6);

O temor do Senhor é o princípio as sabedoria, e o conhecimento do Santo é o entendimento (Pv.9.10)

Portanto quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha (Mt. 7.24).

O objetivo de estudarmos a Bíblia não é acumular fatos e mais fatos para impressionar os outros com nosso conhecimento. Esse foi o erro dos líderes judeus que crucificaram Jesus.

Nossa meta no estudo bíblico é conhecer, amar e obedecer a cada dia mais a Deus. Somente quando crescermos em sabedoria e conhecimento de Deus, estaremos preparados para enfrentar os desafios de nosso mundo atribulado.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 23 de maio de 2016

PASSOS PARA AJUDAR A CONHECER A PALAVRA DE DEUS.

ESTUDAR A PALAVRA
2ª Timóteo 2.15 diz: Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade.

Muitos cristãos lêem a Bíblia, mas quantos realmente estudam a Bíblia? A palavra estudar significa empenhar-se, exercitar-se. O verbo manejar significa dominar, ter conhecimento praticar a verdade.

PERGUNTAS ESPECÍFICAS A FAZER QUANDO FOR ESTUDAR UMA PASSAGEM BÍBLICA
Qual é o assunto principal desta passagem?
Quem são as pessoas mencionadas?
Quem está narrando?
Sobre quem essa pessoa esta falando?
Qual é o versículo chave?
O que a passagem me ensina sobre Jesus?
Há algum pecado mencionado que preciso confessar ou deixar de cometer?
Há uma ordem que eu deva obedecer?
Há uma promessa que eu deva declarar?
Há uma oração registrada que eu deva fazer?

MEDITAR NA PALAVRA.
Salmo1.2 diz que somos abençoados se tivermos prazer na lei do Senhor e meditarmos nela de dia e de noite.Meditar significa ponderar sobre ela, parar e digeri-la mentalmente como uma vaca rumina o pasto.

ORAR PARA COMPREENDER A PALAVRA
Provérbios 2.3 instrui (clame) por entendimento e por discernimento (grite) bem alto.
Em Salmos 119.18 o salmista ora: Abre os meus olhos para que eu veja as maravilhas da tua lei.

Devemos pedir a Deus que nos dê compreensão. A oração sincera suplicando por orientação fará com que a Bíblia torne-se algo vivo enquanto estivermos estudando.

MEMORIZAR A PALAVRA.
É muito importante decorar a Escritura; uma vez que estiver enraizada na nossa memória, poderemos recorrer a ela.

O objetivo dessas estratégias de estudo é ajudar para podermos aplicar a Palavra de Deus as nossas atitudes e atividades diárias.

A Palavra deve influenciar o nosso modo de viver; A revelação real de Deus ocorre em nossas vidas pela Palavra de Deus.

A Bíblia é um documento da história sagrada, da história salvífica, onde o salvação é revelado por Deus. O nosso Salvador se mostra através de fatos históricos que se sucedem no tempo e não em instantes.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 22 de maio de 2016

O VERDADEIRO E O FALSO EVANGELHO

“Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema” (Gl 1.6-8).

O evangelho é a maior e melhor notícia que o homem pode ouvir. Essa mensagem não emana da terra, vem do céu. Não procede do homem, mas de Deus. Suas origens recuam à eternidade. Suas consequências desdobram-se para dentro da eternidade.

O apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, fala acerca desse verdadeiro evangelho ao mesmo tempo que denuncia o falso evangelho.

Em sua carta aos Gálatas, o grito altissonante da liberdade cristã, o apóstolo dos gentios trata desse magno assunto. Essa missiva foi a primeira epístola escrita pelo apóstolo Paulo. Escreveu-a para combater a influência perigosa dos judaizantes que atacavam a fé cristã e perturbavam a igreja.

Os judaizantes tentaram levar os gentios convertidos de volta para o Judaísmo. Diziam para eles que se não se circuncidassem e se não guardassem os preceitos da lei de Moisés jamais poderiam ser salvos (At 15.1,5). Diziam que só a fé em Jesus não era suficiente para a salvação. Acrescentavam à fé em Cristo, as obras da lei.

Os judaizantes pregavam uma espécie de sinergismo, a cooperação do homem com Deus para sua salvação. Porém, o que ensinavam pervertia completamente a essência do evangelho. O ensino insofismável das Escrituras é que somos salvos pela graça, mediante a fé, e isso não vem de nós; é dom de Deus.

Os crentes gentios, mormente os da província da Galácia, influenciados por esses falsos mestres, estavam passando depressa para outro evangelho, um evangelho diferente, falso, humanista, um outro evangelho. Não era um outro evangelho da mesma substância, mas um outro evangelho completamente oposto ao verdadeiro evangelho.

Não podemos acrescentar nada à obra completa de Cristo. Não somos salvos pelas obras da lei nem podemos cooperar com Deus em nossa salvação. A salvação vem de Deus. Ele a planejou na eternidade, executa-a no tempo e a consumará na segunda vinda de Cristo.

O EVANGELHO É A BOA NOVA DE DEUS ACERCA DESSA SALVAÇÃO. O EVANGELHO TRATA DA ENCARNAÇÃO, VIDA, OBRA, MORTE E RESSURREIÇÃO DE CRISTO.

Somos salvos não por aquilo que fazemos para Deus, mas por aquilo que Deus fez por nós em Cristo Jesus. Somos salvos não pelo caminho que abrimos da terra ao céu, mas pelo novo e vivo caminho que foi aberto para nós do céu à terra. Essa é a mensagem do verdadeiro evangelho.

Qualquer outro evangelho, que nos venha por uma suposta revelação angelical ou mesmo por uma suposta pregação apostólica, que divirja do já revelado evangelho, o evangelho da graça, deve ser rechaçado peremptoriamente.

O verdadeiro evangelho não aceita novas revelações. O cânon das Escrituras não está aberto para novos acréscimos. A Bíblia tem uma capa ulterior. Não temos que buscar novas revelações forâneas às Escrituras; precisamos nos voltar sempre para o antigo evangelho, o evangelho da graça.

Nossa fé não está construída sobre essas inovações engendradas no enganoso coração do homem, mas está firmada na eterna, infalível, inerrante e suficiente palavra de Deus. Apeguemo-nos ao verdadeiro evangelho e rejeitemos o falso evangelho!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Por Litrazini


Graça e Paz

sábado, 21 de maio de 2016

SUBMISSÃO NÃO SIGNIFICA ABANDONAR O SEU CÉREBRO NO ALTAR

O QUE SIGNIFICA PARA UMA MULHER SE SUBMETER A SEU MARIDO?
Até a definição do conceito pode variar de pessoa para pessoa. Baseado em experiências individuais, o Pastor John Piper ajuda a definir a submisão, identificando alguns pontos que não mostra submissão ao marido no casamento.

Em um post para o site DesiringGod.org, um site com o propósito de glorificar a Deus, o pastor descreve esses parâmetros:

1. SUBMISSÃO NÃO SIGNIFICA CONCORDAR COM TUDO
Submissão não significa que a esposa se transforma em uma mulher do "sim". Piper explica: "É possível ser submissa e se recusar a pensar no que seu marido diz que você deve pensar". O pastor usa o exemplo de um marido que não quer sua esposa pratique o cristianismo. Piper exorta as esposas a usar o bom senso que Deus lhes deu.

"A Submissão não significa que você deve concordar com as opiniões de seu marido, mesmo em coisas fundamentais e graves como a fé cristã", diz o pastor.

"Deus fez-lhe uma mente. Você tem que pensar. Você é uma pessoa, não um corpo e não uma máquina. Você é um ser pensante que é capaz de processar se o Evangelho é verdadeiro. E se é verdade, você acredita”, disse.

2. SUBMISSÃO NÃO SIGNIFICA DEIXAR SEU CÉREBRO NO ALTAR
Aqui, o pastor fala aos homens que tomam forma da autoridade longe demais. "Qualquer homem que diz: 'Eu faço o pensamento nesta família’, está doente e tem uma vista cansada de sua autoridade", explica.

Para estes homens, Piper diz: "Você não entende a Bíblia.Você está tomando a palavra autoridade ou liderança ou submissão, e então você está afastando-se da Bíblia e enchendo essas palavras com coisas que você quer fazer", comentou.

Ele continua a dizer, "Liderança não significa que você não ouça. Liderança nem sempre significa obter a última palavra. A boa liderança, muitas vezes diz: ‘Você estava certo, eu estava errado'.".

3. SUBMISSÃO NÃO SIGNIFICA QUE VOCÊ NÃO TENTE INFLUENCIAR O SEU MARIDO
Tentar mudar o cônjuge pode realmente ser uma coisa boa, especialmente no contexto de uma esposa ou marido que não é crente ou está vivendo em pecado. "Se o seu marido está vivendo em pecado ou sua esposa está vivendo em pecado ou incredulidade e você quer que eles mudem, você não seria uma pessoa amorosa se você não fizesse isso. Se você parou de querer isso, pode parecer que você é insubordinado para alguém. Isso não é, bíblico".

John Piper / Fonte: Portal Guiame

Por Litrazini


Graça e Paz

sexta-feira, 20 de maio de 2016

APRENDENDO SOBRE BATALHA ESPIRITUAL

‘…Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia, em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. (Daniel 10:11-1:2)

Nos últimos tempos Deus tem nos ensinado muito sobre Batalha Espiritual. Satanás tem estudado o povo, para que possa definir com precisão que tipo de demônio ele designará para nos afrontar.

Ele tem governado ruas, bairros, cidades, estados e até mesmo nações inteiras. Com isso o povo tem sofrido muito exatamente por não conhecer como Satanás e seus demônios têm agido. Pelo ponto de vista humano isto pode ser inexplicável, ou até mesmo ilógico.

Estudando a Palavra de Deus, percebemos que ocorre uma grande guerra entre Satanás e Deus, tendo os homens como alvos. Deus luta para que o homem (sua criação) seja abençoado e viva uma vida de paz, de alegria, de amor e de comunhão com Ele. Já Satanás luta para destruir a criação de Deus, trazendo a morte e a miséria. Por isso ele envia principados para nos destruir.

Daniel (meu juiz é Deus) foi um dos maiores profetas das escrituras Sagradas, usado tremendamente por Deus em revelações de sonhos. Na passagem do texto acima que lemos, Daniel estava recebendo uma revelação que aconteceria no futuro. Veja que Deus respondeu suas orações desde o primeiro dia, porém satanás tentou impedir que o anjo de Deus trouxesse a revelação.

O profeta de Deus havia tido uma visão porém não a havia compreendido com clareza, portanto começou a orar, buscando uma resposta de Deus. E iniciou um propósito com Deus de Jejum e oração, e no vigésimo primeiro dia, o anjo de Deus lhe falou coisas que ele não sabia, como a batalha espiritual que estava sendo travada, desde que Daniel se pôs a orar.

Deus afirma através de seu anjo, que as orações de Daniel, foram ouvidas desde o primeiro dia, porém ele havia sido impedido por um príncipe da Pérsia, uma força demoníaca que dominava a nação Persa, de trazer sua resposta e, este príncipe da Persa se colocou diante dele e começara a fazer uma guerra espiritual. Isso impediu que a bênção chegasse a Daniel.

Quando nós oramos ao Senhor, DEUS TEM PRAZER EM RESPONDER NOSSAS ORAÇÕES de imediato, porém a resposta pode ser “sim” ou “não” ou até mesmo “espere mais um pouco, ainda não é tempo”, mas o que entendo é que de alguma forma, Deus está ouvindo nossas orações e respondendo-as. Muitos estão como Daniel, fazendo guerra sem saber exatamente no que atirar.

Daniel desconhecia que quando estava orando estava sendo travada uma guerra espiritual, ficou sabendo após o anjo comunicar que havia sido impedido, de lhe trazer a resposta de Deus, pois estava em guerra com as potestades e principados do mal. Quando Daniel orava Deus precisou mostrar a ele o que estava acontecendo, dizendo que não ficasse triste. E se tem uma coisa que entristece o povo de Deus é orar e não receber a resposta.

Não desanime, não deixe de orar, não deixe de buscar a Deus em sua vida, mesmo que pareça, que Deus não esteja te ouvindo. Saiba que Deus não te desamparará, pois você é fruto do sonho de Deus.

Uma coisa que satanás tem feito é dizer que a visão de batalha espiritual é uma heresia e, com isso, está impedindo que muitas pessoas compreendam a realidade do que acontece nas regiões celestiais.

Em Efésios 6:12 diz: “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”

O apóstolo Paulo nos alerta de uma luta espiritual que envolve principados, potestades e demônios. Ele está falando de uma guerra espiritual que acontece a todo o momento no mundo espiritual, portanto esteja na presença de Deus, e aceite Jesus em seu coração.

Declare sua vitória, declare sua bênção, creia de todo seu coração que DEUS TEM PRAZER EM RESPONDER NOSSAS ORAÇÕES.

Pr Ricardo Rossi

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 19 de maio de 2016

COMO, POR QUE E QUANDO SATANÁS CAIU DO CÉU?"

A queda de Satanás do céu é descrita em Isaías 14:12-14 e Ezequiel 28:12-18. Enquanto essas duas passagens estão se referindo especificamente ao rei da Babilônia e ao Rei de Tiro, elas também se referem ao poder espiritual por trás daqueles reis – Satanás.

Em relação a quando Satanás caiu, essas passagens dizem o porquê da queda de Satanás, mas não dizem especificamente quando a queda ocorreu.

O que sabemos é isto: os anjos foram criados antes da terra (Jó 38:4-7). Satanás caiu antes de tentar Adão e Eva no Jardim (Gênesis 3:1-14).

A queda de Satanás, portanto, deve ter ocorrido depois dos anjos terem sido criados e antes da tentação de Adão e Eva no Jardim do Éden. Quer sua queda tenha ocorrido alguns minutos, horas ou dias antes de tentar Adão e Eva no Jardim, a Bíblia não diz especificamente.

O livro de Jó nos diz que, pelo menos por um tempo, Satanás ainda tinha acesso ao céu e ao trono de Deus. “E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles. Então o SENHOR disse a Satanás: Donde vens? E Satanás respondeu ao SENHOR, e disse: De rodear a terra, e passear por ela” (Jó 1:6-7).

Pelo menos daquela vez, Satanás ainda estava aparentemente se movendo livremente entre o céu e a terra, falando com Deus diretamente e prestando contas das suas atividades. Em que ponto Deus quebrou esse acesso, não sabemos.

POR QUE SATANÁS CAIU DO CÉU?
Satanás caiu por causa do seu orgulho. Ele queria ser Deus, não Seu servo. Note tudo que Satanás queria fazer em Isaías 14:12-15.

Ezequiel 28:12-15 descreve Satanás como um anjo excessivamente bonito. Satanás provavelmente era o anjo de classe mais alta do que todos os outros anjos, o mais bonito de todas as criaturas de Deus, mas não estava contente com sua posição. Ao invés, Satanás queria ser como Deus, para expulsar Deus de Seu trono e reinar no universo.

Satanás queria ser Deus, e é interessante notar que isso foi o que Ele usou para tentar Adão e Eva no Jardim do Éden (Gênesis 3:1-5).

COMO SATANÁS CAIU DO CÉU?
Na verdade, uma queda não é uma descrição correta. Seria mais correto dizer que Deus expulsou Satanás do Céu (Isaías 14:15; Ezequiel 28:16-17).

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

quarta-feira, 18 de maio de 2016

JESUS É O SENHOR

Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Fl 2.10-11)

A MESMA FORÇA DA PALAVRA SENHOR NO PASSADO:
No tempo de Jesus a Palavra Senhor era usada somente para referir-se aos césares (chefes políticos de Roma), e tinha os seguintes significados: Amo, Dono, Chefe, Soberano, Máxima autoridade.

Jesus foi chamado de Senhor pelos seus seguidores porque ele apresentava o Evangelho, boas Novas do Reino de Deus, Governo de Deus, Mt 28.18. Ele recebeu esse nome porque ele é Senhor e sempre agiu como tal.

Observamos os seguintes textos que mostram a autoridade de Jesus: Lc 19.5 Jesus ordenou a Zaqueu: DESCE...; Mt 9.9 Jesus disse: SEGUE-ME...; Lc 18.22 Ele ordenou: VAI E VEDE...; Lc 9.59 Jesus colocou-se acima da própria família.

AINDA HOJE JESUS ATUA COMO SENHOR
Jesus não faz concessão, não entra em barganhas, não faz negócios com o homem, ele ordena e exige obediência e fidelidade. Mt 7.21 declara: “Nem todo que me diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”.

O novo nascimento tem que estar acompanhado de uma atitude de servo. Nossa prioridade se inverte, agora é o Reino de Deus que ocupa o primeiro lugar (Mt 6.33). é a posição de servo, escravo, súdito do Reino que assumimos, temos que afirmar as palavras de Paulo: “Já não sou eu mais quem vive, mas é Cristo que vive em mim...”

No Reino de Deus não existe o menor ou maior, mas todos são servos do Deus Altíssimo e assim, “cada qual deve considerar os outros superiores a si mesmo. Aquele que quiser ser o maior, seja o que sirva”. (Fl 2.3 e Lc 22.26).

O SENHORIO DE CRISTO
Ele mesmo reclama para si esta autoridade quando contesta: “porque me chamais Senhor e não fazei o que vos mando?” Lc 6.46. Chamar Jesus de Senhor não é suficiente, é indispensável que obedeçamos à sua ordem.

O abecedário do cristão é diferente dos demais, pois as primeiras letras que ele começa aprender a  ler e escrever são OBDC (obedecer).

Ele é o Senhor porque tem direito sobre nossa vida. Ele morreu para tornar-se Senhor de todos e nos comprou com seu precioso sangue derramado na Cruz em nosso lugar (I Co 5.18). Cristo pagou o preço pelas nossas vidas e nos “transportou do império da trevas para o Reino do Filho do seu amor” (Cl 1.13). Todos os discípulos se consideravam servos de Jesus

Este senhorio foi outorgado pelo próprio Deus, At 2.36 .De todos os nomes dados a Jesus, o de Senhor foi o mais aclamado, lembrado e reclamado por ele. Em toda Bíblia a apresentação mais significativa e real é: “Servo do Senhor” Tg 1.

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz