segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

PERDOE E SERÁ PERDOADO

Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas. (Mateus 6.14-15)

Algumas pessoas se perguntam por que Cristo anexou uma condição ao perdão na oração do Pai-Nosso: “Se você perdoar aos homens quando eles pecarem contra você, o seu Pai celestial também perdoará você”.

Ele não deu condições quanto a outras partes da oração. Ele poderia ter dito: “Dá-nos hoje o pão diário, assim como nós o damos aos nossos filhos”; “Não nos deixe cair em tentação e não tentaremos ninguém”; ou “Livra-nos do mal, assim como tentamos ajudar os outros”.

Nenhuma outra parte dessa oração tem uma condição inclusa, somente o perdão.

Nós podemos ficar com a impressão de que obtivemos perdão dos nossos pecados por perdoar outros.

Qual o significado disso para a doutrina que afirma que o perdão de pecados ocorre somente por meio de Cristo e é recebido por meio da fé?

Jesus constrói a frase da oração de tal maneira que o perdão de Deus está ligado à nossa própria disposição de perdoar outros, a fim de fazer do amor mútuo uma responsabilidade cristã. Sempre devemos perdoar.

Depois da fé em Cristo, o amor e o perdão devem ser nossas prioridades.

Não devemos causar dor a outras pessoas, mas precisamos nos lembrar de perdoar até mesmo aqueles que nos causaram sofrimentos, como frequentemente experimentamos nesta vida.

Se estivermos indispostos a perdoar, podemos estar certos de que nós mesmos não seremos perdoados.

Se estivermos cheios de ressentimento e hostilidade, nossa oração será frustrada e todos os pedidos, rejeitados.

É necessário estabelecermos um laço de amor forte e durável com outros cristãos, o que nos manterá unidos. Quando chegarmos diante de Deus em oração, não podemos estar estilhaçados em vários grupos. Em vez disso, precisamos ser guiados pelo amor, tolerar as opiniões diferentes e preservar a unidade.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário