sexta-feira, 31 de março de 2017

A CAUSA FOI UM GRANDE AMOR

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, – pela graça sois salvos,” (Efésios 2.1-5)

Nesta breve passagem de Efésios, especialmente nos seus versículos 4 e 5 é declarada a causa da nossa eleição para a salvação: o grande, o infinito amor de Deus por nós.

O pecado não foi capaz de anular o amor de Deus por aqueles que ele pretende salvar para participarem deste mesmo amor que há na natureza divina.

A eleição não se trata portanto de um projeto mecânico, de uma escolha baseada em princípios que levem em conta o nosso mérito e importância para Deus.

Ao contrário, pois como se declara em nosso texto, toda a humanidade, inclusive os eleitos, se encontram numa completa miséria e desgraça em relação ao seu estado espiritual, em razão dos seus delitos e pecados.

Na verdade, mais do que em estado de miséria, pois todos, sem serem vivificados por Cristo, acham-se mortos espiritualmente e sob uma maldição de condenação eterna.

Então o apóstolo declara final e triunfalmente no verso 5:“pela graça sois salvos”, ou seja, a causa da eleição é a graça, o amor, o favor e a misericórdia de Deus para com pecadores que mereciam, sem qualquer exceção, a condenação eterna debaixo do seu justo juízo contra o pecado e o pecador.

E a grande prova de que a causa foi o amor, e por este modo como o amor se comprovou em ter o próprio Deus sofrido e morrido em nosso lugar numa cruz carregando sobre Si os nossos pecados, revela de modo muito claro e direto qual era a nossa completa miséria e impotência para que fôssemos eleitos por algo de bom e especial que Deus tivesse visto em nós, indignos pecadores.

Assim, Cristo teve que tomar o nosso lugar, para que pudéssemos receber a graça da nossa eleição para que pudéssemos ser salvos por Ele.

Graças e glórias eternas então, somente ao Seu grande Nome!

Pr Silvio Dutra

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 30 de março de 2017

8 MANEIRAS PROVEITOSAS DE LER A BÍBLIA

1. COMECE A LER SUA BÍBLIA HOJE MESMO. 
A maneira de se fazer algo – é fazendo; e a maneira de se ler a Bíblia – é realmente lendo-a!
Não é meramente querendo, ou desejando, ou decidindo, ou pretendendo, ou pensando sobre isso – assim você só avançará um passo. Você deve de fato ler. Não há um “caminho dourado” para esse assunto, assim como não há para a oração.
Se você não sabe ler, convença alguém a lê-la para você. De uma maneira ou de outra, através dos olhos ou ouvidos – as palavras das Escrituras precisam passar pela sua mente.

2. LEIA A BÍBLIA COM UM DESEJO PROFUNDO DE ENTENDÊ-LA. 
Não pense, nem por um momento, que a grande questão é virar certa quantidade de papel impresso, sem importar se você entende ou não.
Algumas pessoas ignorantes parecem imaginar que se eles avançaram tantos capítulos por dia, sua tarefa está feita, apesar de não terem noção sobre o que foi lido. Só sabem que avançaram o marcador de livros algumas páginas para frente. Isso é transformar a leitura da Bíblia em um mero ritual. Guarde isso na sua mente como um princípio geral: uma Bíblia que não é entendida é uma Bíblia que não faz nada em sua vida!
Diga a você mesmo constantemente enquanto você lê, “De que se trata tudo isso?”. Busque o significado como um homem busca por ouro.

3. LEIA A BÍBLIA COM A FÉ E HUMILDADE DE UMA CRIANÇA. 
Abra seu coração à medida que você abre o livro de Deus e diga: “Fala, Senhor, pois teu servo está ouvindo!”. Decida implicitamente acreditar em qualquer coisa que você encontre lá, não importa o quanto seja contrário aos seus próprios desejos e preconceitos.
Decida receber no coração cada afirmação da verdade, quer você goste ou não. Fique atento àquele hábito miserável no qual alguns leitores da Bíblia caem – eles aceitam algumas doutrinas porque gostam delas, e rejeitam outras porque elas os condenam, ou condenam algum parente ou amigo. Dessa forma, a Bíblia é inútil!
Somos juízes sobre o que deve estar na Palavra de Deus? Sabemos melhor do que Deus? Guarde em sua mente: você receberá tudo e crerá em tudo, e aquilo que você não for capaz de entender, você aceitará que é verdade mesmo assim.
Lembre, quando você ora, você está falando com Deus, e Deus o ouve. Mas lembre também, quando você lê as Escrituras, Deus está falando com você, e você não deve “ordenar”, mas ouvir!

4. LEIA A BÍBLIA COM UM ESPÍRITO DE OBEDIÊNCIA E AUTO APLICAÇÃO. 
Sente para estudá-la com uma determinação diária de que você viverá por suas regras, descansará em suas afirmações e agirá de acordo com seus mandamentos.
Considere, à medida que navega por cada capítulo. “Como isso afeta meu pensamento e minha conduta diária? O que essa passagem me ensina?”. É um trabalho pobre ler a Bíblia por mera curiosidade e propósitos especulativos para encher sua mente com meras opiniões, porque você não permite que o livro influencie seu coração e sua vida.
A Bíblia que é mais bem lida é aquela que é mais praticada!

5. LEIA A BÍBLIA DIARIAMENTE. 
Faça com que a leitura e meditação de algum trecho da Palavra de Deus sejam parte do seu dia a dia. Meios particulares de graça são tão necessários diariamente para nossas almas como alimento e vestimenta são para nossos corpos. O pão de ontem não alimentará o trabalhador hoje; e o pão de hoje não alimentará o trabalhador amanhã. 
Faça como os Israelitas no deserto. Pegue o seu maná fresco a cada manhã, escolha a parte do dia e os horários, não atropele sua leitura, apressadamente. Dê a sua Bíblia a melhor e não a pior parte do seu tempo! Mas qualquer que seja o plano que você use, faça da visita ao trono da graça e a Palavra de Deus uma regra da sua vida para todos os dias.

6. LEIA TODA A BÍBLIA – E A LEIA DE UMA MANEIRA ORDENADA. 
Temo que haja muitas partes da Palavra que algumas pessoas nunca lêem, para dizer o mínimo, isso é um hábito muito presunçoso. “Toda a Escritura é útil” (2 Timóteo 3.16). Esse hábito é o causador da falta de uma visão balanceada da verdade, tão comum hoje em dia.
Algumas pessoas lêem a Bíblia como um perpétuo sistema de “mergulhar e pegar”, como aperitivos, eles parecem desconsiderar a possibilidade de avançar regularmente por todo o Livro.

7. LEIA A BÍBLIA DE FORMA JUSTA E HONESTA. 
Decida considerar tudo em seu significado claro, óbvio, e considere com muita suspeita todas as interpretações forçadas. Como uma regra geral, o que um verso da Bíblia parece significar – é o que ele significa!
Uma regra bastante valiosa é: “A maneira correta de se interpretar a Escritura é considerá-la como a encontramos, sem nenhuma tentativa de forçá-la a um sistema teológico particular.”

8. LEIA A BÍBLIA COM CRISTO CONTINUAMENTE EM PERSPECTIVA. 
O grande e primário objeto de toda a Escritura é testificar sobre Jesus! As cerimônias do Antigo Testamento são sombras de Cristo. Os juízes do Antigo Testamento são tipos de Cristo. As profecias do Antigo Testamento estão cheias dos sofrimentos de Cristo e de Sua Glória ainda porvir.A primeira e a segunda vinda, a humilhação do Senhor e Seu reino glorioso, Sua cruz e sua coroa brilham intensamente em toda a Bíblia.Segure-se firme nisso, e você lerá a Bíblia corretamente.

Eu poderia facilmente adicionar mais dicas, se mais espaço fosse permitido. Apesar de poucas e curtas, você perceberá que elas são mais proveitosas quando postas em prática.

J.C. Ryle - Traduzido por Alex Daher – Ipródigo

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

quarta-feira, 29 de março de 2017

VOCÊ NUNCA SAIRÁ O MESMO DA PRESENÇA DE DEUS

Deus pode permitir que o "descubramos", mas nunca deixará que saiamos da presença dele inalterados. A sua glória muda e transforma os mortais. De alguma forma, nós saímos desses encontros mais harmonizados com o seu amor compassivo pelos perdidos e feridos ao nosso redor. Em vez de nos dirigir para nós mesmos, a sua presença manifesta sempre volta os nossos olhos para os outros. Ela nos conduz além das quatro paredes de nossas salas de reuniões para buscar e salvar o perdido.

Infelizmente, a visitação de Deus raramente se transforma em habitação por causa de nossa tendência humana de imediatamente tirar nosso foco de sua face e nos concentrarmos nos "bons sentimentos" que a presença dele cria em nosso corpo e em nossa alma. Esses benefícios secundários são maravilhosos, mas devemos manter o nosso foco central em Deus, e não nos agradáveis efeitos colaterais da presença dele.

Dizemos uns aos outros: "Deus está aqui! Ele está nos visitando de novo". Nossos cantores se regozijam e a banda acompanha o ritmo, mas rapidamente isso escapa de nós, pois não sabemos o que Ele está procurando. Muitos que experimentaram visitas de Deus perguntam: "Por que Ele não fica? Nós lhe imploramos que ficasse. Por que não conseguimos reter esses momentos?"

A resposta é simples: Não construímos um propiciatório para conter a glória de Deus. Não há nenhum lugar onde Ele possa sentar-se! O que é confortável para você e para mim não é confortável para o kabod, o poder de Deus. Ficamos contentes em nos sentarmos em nossas confortáveis poltronas espirituais reclináveis o dia todo, mas o lugar de Deus, o propiciatório, é um pouco diferente. É o único lugar na Terra que pode suportar o peso de sua glória e compeli-lo a entrar e a permanecer.

Sei de muitas cidades onde a medida da glória dele fez uma visita, e um grande avivamento apareceu inesperadamente. Milhares de pessoas receberam a Cristo como Senhor e Salvador nessas cidades. Muitas dessas visitas começaram durante um busca interdenominacional da presença de Deus, com várias congregações e pastores trabalhando juntos e próximos, com uma só mente e em harmonia. Mais tarde, quando a visitação começou a parecer cada vez mais com habitação, as diferenças interdenominacionais se transformaram em conflito e angustiaram o Espírito Santo.

Sempre que Deus o visita com um milagre, um transbordamento de seu Espírito, ou as primícias do avivamento verdadeiro, o inimigo virá e tentará roubar a promessa e destruir o depósito que o Senhor deu a você.

Uma mulher nos dias do profeta Eliseu descobriu esse padrão desagradável, mas sua preparação cuidadosa a fez enfrentar o ataque do inimigo de cabeça erguida. A chave é que ela deu espaço para a presença de Deus antecipadamente. O exemplo dela oferece pistas para as nossas preparações para a habitação de Deus e a tentativa do inimigo de matar ou roubar o depósito divino de Deus.

Esta mulher estava indo muito bem em termos de dinheiro, prestígio e importância em seus círculos sociais. A Bíblia a chama de "grande" mulher ou "notável". Sucedeu também um dia que, indo Eliseu a Suném, havia ali uma mulher notável, a qual o reteve para comer pão; e sucedeu que todas as vezes que passava por ali entrava para comer pão. (2 Reis 4:8) Ela se deu conta de que aquele homem careca de aparência estranha que passava regularmente por sua casa era um profeta — talvez o único profeta que andou com poder verdadeiro nos dias dela. Então, na próxima vez que ela viu a Eliseu, o persuadiu a parar em sua casa e comer algo.

Depois daquela primeira visita, ela imediatamente conversou com seu marido e chamou os carpinteiros e pedreiros e pediu algumas mobílias. Ela queria que aquelas visitas se tornassem em habitação, e nenhum esforço seria grande ou caro demais.

Quando o profeta apareceu de novo, ela lhe mostrou a sala que havia preparado. Ele decidiu aceitar a oferta de hospitalidade dela. A próxima coisa que ela soube foi que aquele que havia sido tão abençoado pelas preparações dela anunciou que estava pronto a abençoá-la! (E assim que as coisas funcionam no reino de Deus, mas algumas vezes somos lentos para compreende).

Essa mulher tinha discernimento o bastante para perceber a missão consagrada e chamar a Eliseu. Ela possuía sabedoria para querer mais da santa visita, e tinha determinação o bastante para seguir com o seu plano de entreter a presença profética. Ela sabia como "descobrir" a Deus em suas promessas.

Contudo ela estava totalmente despreparada para o nível de bênçãos e contentamento indescritível que iria receber por causa de sua preparação para a visita. Eliseu disse ao seu assistente para falar com a mulher, que havia dado um espaço para o presente de Deus, para que descobrisse o que poderia fazer por ela. Ela não estava mais interessada nos favores de homens ou governantes; aquela mulher estéril queria somente aquilo que Deus pudesse dar a ela: um filho em sua idade avançada. Eliseu pediu que o seu assistente chamasse a mulher para dentro do aposento que havia preparado:

Então Eliseu mandou chamá-la de novo. Geazi a chamou, e ela veio até a porta e ele disse: "Por volta desta época, no ano que vem, você estará com um filho nos braços". Ela contestou: "Não, meu senhor. Não iludas a tua serva, ó homem de Deus!" Mas, como Eliseu lhe dissera, a mulher engravidou e, no ano seguinte, por volta daquela mesma época, deu à luz um filho.(2 Reis 4.15-17)

Extraído do livro Os Descobridores de Deus de Tommy Tenney

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

terça-feira, 28 de março de 2017

A PALAVRA DA CRUZ

Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. (1Co.1.18)

Nosso mundo é dividido em classes sociais. Existem:
Os ricos e os pobres; Os cultos e os incultos; Os bonitos e os feios; Os casados e os solteiros; Os alegres e os tristes; Os simples e os eloquentes; Os famosos e os desconhecidos; Brancos, negros e amarelos ...

Com relação a Deus também existe uma divisão: Os salvos e os perdidos.

O QUE É ESTAR PERDIDO?
É não saber onde está e nem para onde está indo. Quem não saber onde vai, qualquer lugar serve. É não ter expectativa de future. É estar a mercê das circunstancias. É estar sem orientação, sem direção, bussola, mapa, GPS referencia,etc
Nesta situação os palpites podem ser muito perigosos.

Na vida espiritual é mais grave ainda:
É não ter feito decisão real com Cristo Jesus

Estar perdido é viver a eternidade no inferno, independente da classe social.

O QUE É ESTAR SALVO?
É saber o rumo certo; É ter se encontrado em Jesus; É ter certeza em que tem crido e para onde vai; É ter o nome escrito no livro da vida; É ser reconhecido por Deus como filho

O QUE É A PALAVRA DA CRUZ?
É o plumo, é o que norteia, é o que define nossa posição, é a mensagem de salvação, é João 3.16, é o que exigem uma definição, é loucura para o homem natural

O QUE DETERMINA EM QUE LADO NÓS ESTAMOS?
É a nossa relação com a palavra da cruz; É o nosso posicionamento. É ter aceitado Jesus Cristo como Senhor

Loucura é não aceitar a jesus Cristo como Senhor
Loucura é não se preparar para encontrar com Deus
Loucura é navegar pela vida sem a bussula da bíblia.
Loucura é não crer na Palavra da Cruz.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 27 de março de 2017

A CRUZ DO CALVÁRIO

Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus (1 Coríntios 1:18).

A cruz do Calvário, na qual o Senhor Jesus morreu, é o ponto central da mensagem do evangelho.

No momento em que Ele foi crucificado, toda a corrupção do coração do homem foi manifestada. Ali Alguém, que nunca tinha feito mal a ninguém mas só buscou o bem do homem e realizar a vontade de Deus, foi morto

Que culpa a humanidade acumulou com esse ato hediondo! No entanto, Deus fez dessa sentença de morte e sua execução o meio de revelar todo o Seu amor a nós.

Embora matamos o Filho de Deus e devemos assumir total responsabilidade por isso, ao mesmo tempo Deus deu Seu Filho para ser o sacrifício expiatório na cruz, de modo que “todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

Amor assim não podemos compreender, mas pela fé podemos aceitar a salvação oferecida a nós.

A cruz de Cristo é central para a história do mundo e também da eternidade. A vida de todos passa por ela, por assim dizer, pois todo mundo deve decidir por si mesmo se é a favor ou se continua contra Jesus Cristo.

Aqueles que evitam uma decisão, alegando permanecerem neutros, se posicionam contra Ele.

No momento da crucificação diferentes pessoas cercaram a cruz: os líderes religiosos dos judeus, que haviam exigido Sua execução, mas também Seus familiares e conhecidos, aos quais Sua morte causou dor profunda.

Você estava na cruz? Em desprezo e rejeição? Ou com os seus pecados? Ele sofreu e morreu por você.

Você pode dizer: “Ele expiou meus pecados e me perdoou de tudo?”

Extraído do Devocional Boa Semente

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 26 de março de 2017

O SAGRADO E O PROFANO

“TUDO O QUE É PROFANO É IMUNDO E QUE TUDO O QUE É SAGRADO É SANTO?”

Levando-se em consideração os aspectos puramente linguísticos e dentro do contexto cúltico da religião judaico-cristã, pode-se afirmar que a definição exigida pela pergunta depende do contexto em que se encontram as palavras.

É interessante observar que a resposta para o primeiro par de termos, aparentemente sinonímicos, “profano-imundo”, deve ser dada na negativa. Isto porque, nem sempre o que é profano deve ser tomado por imundo, já que em contextos diferentes o significado recai não necessariamente em aspectos de pureza, mas de ordinariedade – de coisa comum – por exemplo, a palavra Koinon.

Já o mesmo não pode ser dito do segundo par de termos “sagrado-santo”, pois a própria definição do termo hieros (consagrado) e “santo” (separado), exige que eles sejam interpenetrantes. Sendo assim, tudo o que é sagrado deve possuir necessariamente uma santidade.

Entretanto, os termos, “sagrado” e “profano”, são categorias dicotômicas que servem como ferramentas teóricas à Ciência da Religião, mas especialmente à antropologia e que pela abrangência semântica não se condiciona em reducionismos.

Apesar das línguas originais bíblicas trazerem palavras que expressem a dicotomia em suas variadas nuances, todavia, ela foge à esfera puramente teológica e se difunde culturalmente em outras esferas sociais.

“Sagrado” e “profano” ganham novos significados nas Ciências da Religião. Apresentam-se enquanto categorias teóricas religiosas para explicar o mundo sobrenatural em contraposição ao mundo natural.

Dependendo do campo de pesquisa e da plataforma teórica envolvida ele pode assumir diversos significados.

Há uma discussão muito interessante dos críticos da fenomenologia da religião clássica sobre Rudolf Otto a respeito da categoria explorada por ele em sua obra Das Heilige (O Sagrado) quanto ao termo sagrado. O sagrado para Otto é ontológico e totalmente “Outro”, abrangendo, mas não se esgotando no conceito judaico-cristão de Deus.

Já Émile Durkheim afirmava que “existe religião tão logo o sagrado se distingue do profano” (1996, p.150). Aqui Durkheim não trabalha o sagrado pelo seu aspecto metafísico, na verdade o sagrado pode ser “puro” ou “impuro”. Tudo o que não pode ser sagrado está na esfera do profano.

Para o antropólogo René Girard “É a violência que constitui o verdadeiro coração e alma secreta do sagrado” (1998, p.46). Sagrado para ele possui o significado de religião.

Em Ferraroti o sagrado não aparece esgotar-se na religião institucionalizada que ele denomina de “religião-de-igreja”. Para ele o sagrado se expressa de formas diversas, inclusive na sociedade moderna.

Até aqui, com estes parcos e singelos exemplos, tentei mostrar as várias nuances que o termo adquire nas teorias das ciências da religião.

Apesar de o artigo ter-se desviado sutilmente do propósito original – o teológico – é excitante pensar em uma investigação em direção a definição do termo “sagrado” e “profano” dentro de uma sociedade materialista e dessacralizada como a nossa. Fica aí a provocação.

Referências
DURKHEIM, È. As formas elementares da vida religiosa.  São Paulo: Martins Fontes, 1996.
FERRAROTI, Franco. Una fede senza dogmi. Laterza: Roma-Bari, 1990.
GIRARD, R. A Violência e o Sagrado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.
OTTO, R. O Sagrado. Lisboa: Edições 70, 2005.

Prof. Paulo Cristiano da Silva

Por Litrazini

Graça e Paz 

sábado, 25 de março de 2017

O PODER DO AMOR

Quem entende a dimensão do amor, vive para amar: Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. Sejam mutuamente hospitaleiros, sem reclamação. Cada um exerça o dom que recebeu para servir aos outros, administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas formas (1 Pedro 4.8-10).

Amar, servir e perdoar são lições que Jesus nos deixou. 

Ao dizer que o amor perdoa muitíssimos pecados, a Bíblia não está excluindo a obra redentora e única de Jesus (como se, por meio da caridade, o perdão de pecados fosse alcançado), mas está ensinando que Deus é amor:

Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. Assim conhecemos o amor que Deus tem por nós e confiamos nesse amor. Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele (1 João 4.8,16).

Portanto, como filhos de Deus, somos incomodados por Ele a levar muitos à salvação em Cristo e ao perdão de pecados. 

Uma vez que o amor é capaz de transformar qualquer pessoa, ele é um instrumento do Evangelho para perdoar pecados:

Meus irmãos, se algum de vocês se desviar da verdade e alguém o trouxer de volta, lembrem-se disso: Quem converte um pecador do erro do seu caminho, salvará a vida dessa pessoa e fará que muitíssimos pecados sejam perdoados (Tiago 5.19,20). 

Se, por um lado, algumas religiões cometem o erro de pregar a salvação por meio da caridade, por outro, cometemos muitas vezes o engano de desvalorizar a poderosa arma do amor como ferramenta de salvação.

Alguém cheio da graça obedece ao Senhor e demonstra compaixão (Lucas 10.25-37). Pense nisso, ame e sirva!

Pra. Elizete Malafaia

Por Litrazini

Graça e Paz 

sexta-feira, 24 de março de 2017

A BASE DA CURA E DA RESTAURAÇÃO

"Se vocês derem atenção ao SENHOR, o seu Deus, e fizerem o que ele aprova, se derem ouvidos aos seus mandamentos e obedecerem a todos os seus decretos, não trarei sobre vocês nenhuma das doenças que eu trouxe sobre os egípcios, pois eu sou o SENHOR que os cura" (Hebraico JEOVÁ RAFÁ). - detalhe acrescentado.    ÊXODO 15.26

Você sabia que muito além do que se imagina, muitas doenças e enfermidades físicas, estão completamente ligadas às raízes espirituais das pessoas?

A doença pode ter várias causas: Agentes externos como vírus e bactérias, herança Genética, herança Espiritual, ação de demônios.

Da mesma forma que seu DNA biológico diz quem você é fisicamente, você também tem um DNA espiritual.

Veja estes episódios no dia-a-dia do ministério de Jesus entre nós: “Naquele momento Jesus curou muitos que tinham males, doenças graves e espíritos malignos, e concedeu visão a muitos que eram cegos.” Lc 7.21;  “E também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria, chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios.”  Lc 8.2

Existe muita gente sofrendo de problemas físicos, que são apenas conseqüências de vidas presas,
almas oprimidas, espíritos cativos a algum elo com as trevas. Existem três formas disto acontecer:
- Envolvimento direto e intencional com coisas abomináveis ao Senhor (2 Cr 33. 6-7)
- Herança recebida de pais ou familiars que se envolveram com idolatria ou culto a falsos deuses.Dt 5.9,Sl 37.28
- Ter uma vida vazia, sem nenhuma cobertura spiritual e nenhum comprometimento com Cristo e sua igreja. At 19.13-16

Não podemos deixar nossa vida a mercê de espíritos malignos. Não podemos deixar nosso corpo se tornar escravo de Satanás.  Só Jesus tem poder para curar nossa vida integralmente!  Só o Seu sangue pode quebrar todas as cadeias!

“E todos procuravam tocar nele, porque dele saía poder que curava todos”.   Lc. 6.19
“Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do Diabo”.  1Jo.3.8 

Deus não quer fazer uma obra pela metade em nossa vida, somente ele pode curar e restaurar a vida por completo. O pecado destrói e devasta, mas Jesus é o restaurador fiel!

PARA COMPLETA CURA E RESTAURAÇÃO:
RENUNCIAR AO PASSADO- “Esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo”.   Fp3.13
RENUNCIAR A TRADIÇÃO RELIGIOSA. A religião não salva; é uma criação humana, por isso é falha.
RENUNCIAR PRÁTICAS OCULTAS.
RENUNCIAR AMIZADES MUNDANAS.

REJEITAR A MENTIRA
O tempo todo ouvimos mentiras como: Deus não existe. O Diabo e o inferno não existem. Goze a vida e não se preocupe com isso agora. (“curta o carnaval”). Saberei reconhecer o Diabo – ele é feio. Todos os caminhos levam a Deus. Você pode manipular o mundo espiritual.

O Diabo é mentiroso. Jo 8.44 Mentiras aprisionam a mente e o espírito. A mentira é a base para uma vida de fracasso. Somente a verdade liberta. “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”. Jo 8.32. Não podemos deixar o inimigo semear a mentira em nossa mente. Precisamos falar a verdade, viver a verdade.

PERDOE O SEU OFENSOR
Quem não perdoa não pode orar; Quem não perdoa não pode adorer; Quem não perdoa não pode ofertar; Quem não perdoa não pode ser perdoado, Quem não perdoa sofre doenças. Guardar mágoas e não perdoar, é o mesmo que conviver com a pessoa que não perdoou e, ter a mente escrava daquela pessoa.

Deus nos perdoou, devemos perdoar e liberar o ofensor. Por maior que seja a dor que outros nos causaram, não é maior que a dor que causamos a Deus.

“Perdoem como o Senhor lhes perdoou”.  Cl 3.13. Feridas do passado são curadas pelo perdão. Perdoar é uma decisão. Não é um sentimento, ou um ato da emoção, é um ato da vontade. Perdoar é deixar ir. O perdão fecha a porta para o Diabo.

VENÇA A REBELDIA
Lúcifer se rebelou contra Deus e caiu (Is 14; Ez 28). A rebeldia produz maldição. Adão e Eva quebraram o princípio da obediência e morreram. Israel se rebelou contra Deus. O espírito de rebeldia gera escravidão. É brecha para o inimigo. Assim foi com Judas Iscariotes. Seja humilde."Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes". Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido”. 1 Pe 5.6

ABANDONE O PECADO
O pecado tem que ser tratado seriamente. Deve ser reconhecido como pecado. Deve ser confessado como pecado. Deve ser abandonado. “Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia”. Pv 28.13

RENDA-SE AO ESPÍRITO SANTO
“Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz”.  Rm 8.5-6

O Espírito Santo de Deus traz completa liberdade. Cura e restaura a sua alma! .

TENHA FÉ
O que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.  1Jo 5.4. A fé em Jesus é o passaporte para a vida eterna. A fé em Jesus é a chave da vitória espiritual. Fé é crer de todo o coração no invisível. É ter certeza do que ainda não aconteceu, vai acontecer
Quem tem fé em Jesus está seguro, pois foi selado com o Espírito de Deus.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz 

quinta-feira, 23 de março de 2017

QUANDO MINHA DOR ENCONTRA A PALAVRA DE DEUS

Quando a vida fechar-se, leia a história. Quando alguém em quem você confia retribui com desonestidade. Quando as marcas de ontem bloqueiam os vôos de hoje. Quando você tiver sido chutado do topo da montanha e escalar de novo parecer inútil.

Você é colocado frente a frente com uma decisão. O que você faz com sua desilusão? O que você faz com seu coração partido? Nós não estamos falando sobre inconveniências ou irritações. Nós não estamos discutindo sobre filas compridas ou faróis vermelhos ou um jogo ruim de tênis.  Estamos falando sobre coração partido. O que você faz com esse coração partido?

Leia a história. Isso é o que Jesus fez quando Ele encontrou dois seguidores desiludidos na estrada de Jerusalém para Emaús, alguns dias depois de Sua morte.  O mundo deles tinha desmoronado, assim como o seu. É óbvio pelo jeito que eles andam. Os pés deles estão arrastados, as cabeças deles estão caídas, os ombros deles estão encurvados. As sete milhas de Jerusalém para Emaús devem parecer setenta.

Enquanto eles andam, eles conversam sobre “todas as coisas sucedidas” (Lucas 24:14). Não é difícil imaginar suas palavras.  “Por que as pessoas se voltaram contra Ele?” “Ele poderia ter descido da cruz. Por que Ele não desceu?”  “Ele deixou Pilatos intimidá-lo.”  “O que a gente faz agora?”

Enquanto eles andam, aparece um estranho atrás deles. É Jesus, mas eles não O reconhecem. O desapontamento fará isso com você. Ele irá cegá-lo para a presença extraordinária de Deus. O desânimo vira seus olhos para dentro. Deus poderia estar andando ao nosso lado, mas a angústia encobre nossa visão.

A angústia faz algo mais. Não só encobre nossa visão, ela endurece nossos corações. Ficamos cínicos. Ficamos irritados. E quando chega a boa notícia, não queremos aceitá-la pelo medo de ficarmos desapontados novamente. Isso é o que aconteceu com aquelas duas pessoas.

Mais tarde eles dizem estas palavras: É verdade também que algumas mulheres, das que conosco estavam, nos surpreenderam, tendo ido de madrugada ao túmulo; e, não achando o corpo de Jesus, voltaram dizendo terem tido uma visão de anjos, os quais afirmam que ele vive. De fato alguns dos nossos foram ao sepulcro e verificaram a exatidão do que disseram as mulheres; mas a ele, não o viram.

Quando lemos as Escrituras, nem sempre podemos dizer em que tom as palavras foram ditas. Às vezes não sabemos se a pessoa que fala está jubiloso ou triste ou tranqüilo. Desta vez, entretanto, não há dúvida sobre o que eles estão pensando: Se não fosse ruim o suficiente Jesus ter sido morto, agora algum ladrão de sepultura pegou o corpo e enganou alguns dos nossos amigos.

Há uma linha, uma linha tênue, a qual uma vez cruzada pode ser fatal. É a linha entre o desapontamento e a raiva. Entre mágoa e ódio, entre amargura e culpa. Se você está aproximando-se dela, deixe-me avisá-lo, não a cruze. Dê um passo para trás e faça esta pergunta: Por quanto tempo darei atenção à minha mágoa?

Em algum ponto você deve seguir adiante. Em algum ponto você deve curar. Em algum ponto você deve deixar Jesus fazer por você o que Ele fez por aqueles homens.

Sabe o que Ele fez? Primeiro, Ele foi até eles. Sei que já mencionamos isso, mas vale a pena repetir. Ele não sentou e cruzou Seus braços e disse, “Por que esses dois não conseguem seguir com o programa?” Ele não reclamou para o anjo e disse, “Por que eles não crêem no túmulo vazio? Por que eles são tão difíceis de agradar?”

O que Ele fez? Ele os encontrou em seus pontos de dor. Apesar da morte ter sido destruída e o pecado anulado, Ele não se aposentou. O Senhor ressurreto mais uma vez embrulhou-Se em carne humana, colocou roupas humanas, e descobriu corações partidos.

Leia cuidadosamente suas palavras e veja se você consegue descobrir a mágoa deles: “Ele lhes perguntou: Quais? E explicaram: O que aconteceu a Jesus, o nazareno, que era varão profeta, poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo, e como os principais sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte, e o crucificaram. Ora, nós esperávamos que fosse ele quem havia de remir a Israel (Lucas 24:19-21).

Aí está. “Ora, nós esperávamos...” Os discípulos esperavam que Jesus libertasse Israel. Eles esperavam que Ele chutasse os romanos para fora. Eles esperavam que Pilatos estivesse fora e Jesus estivesse dentro. Mas Pilatos ainda estava dentro, e Jesus estava morto.

Expectativas não realizadas. Deus não fez o que eles queriam que Ele fizesse. Eles sabiam o que eles esperavam de Jesus. Eles sabiam o que era esperado que Ele fizesse. Eles não tinham que perguntar a Ele. Se Jesus é o Messias, Ele não dormirá na minha tempestade. Ele não desafiará a tradição. Ele fará o que é esperado que Ele faça.

Mas não foi o que ele fez. E nós não estamos alegres? Não estamos alegres por não ter sido respondida a oração de Cléopas e de seu amigo? Não estamos alegres por Deus não ter ajustado Seus planos para realizar os pedidos daqueles dois discípulos?

Eles eram bons discípulos. Com corações bons. E corações sinceros. Eles só tinham as   expectativas erradas.

Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 22 de março de 2017

OLHE PARA O ALTO

“Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima.” (Lucas 21:28)

O Senhor está voltando, e aqui embaixo continuaremos tendo: novas fadigas, novas provações, novas tentações, novos problemas.

Em qualquer estado, em qualquer lugar, em qualquer condição que possa nos trazer cada novo ano – vamos buscar a graça de seguir o conselho amoroso de nosso Senhor, e “olhar para o alto!”

Não olhe para trás – como a esposa de Ló fez. Não olhe para o seu interior – como muitos fazem.  Não olhe ao redor – como fez Davi.

Mas “olhe para cima!” Olhe para Deus – Ele é seu Pai, seu amigo, seu Salvador. Ele pode ajudá-lo. Ele irá ajudá-lo. Ele diz: ” Olhai para Mim, e sede salvos – porque eu sou Deus.”

Procure por luz para guiá-lo – e Ele vai dirigir o seu caminho.

Olhe para a graça para santificá-lo – e a graça de Jesus será achada suficiente para você.
Olhe para a força para que você possa fazer e sofrer a vontade de Deus – e sua força será aperfeiçoada na fraqueza.
Olhe para o conforto para consolá-lo – e, como alguém a quem consola sua mãe, assim também o Senhor te consola.
Olhe para a coragem para animá-lo – e o Senhor dará coragem para o fraco; e para aqueles que não têm poder – Ele vai aumentar a força.
Olhe para a perseverança para guardá-lo – e o Deus que lhe preserva irá capacitá-lo para suportar pacientemente o fardo mais pesado, e, quietamente, suportar a aflição mais dolorosa.
Olhe para a providência para supri-lo – e o pote de farinha não será esvaziado, e o jarro de azeite não secará; mas Deus suprirá todas as suas necessidades, segundo as suas riquezas em glória em Cristo Jesus.
Olhe para a fé – exercitando confiança na Palavra de um Deus fiel.
Olhe para a oração – pedindo a Deus o que Ele tem prometido graciosamente.
Olhe para a esperança – esperando o que você pediu em nome de Jesus.
Olhe com adoração – e adore a soberania, a justiça e a sabedoria de Deus.
Olhe para o alto constantemente – não deixando nada desanimá-lo! Em vez disso diga: “Nossos olhos estão no Senhor, nosso Deus – até que Ele nos mostre misericórdia.”
Olhe para o alto – porque isso guardará a cabeça de nadar, o coração de afundar, os joelhos de tremer, os pés de escorregar, e as mãos de descair!

É impossível dizer o que vai acontecer conosco, ou o que será exigido de nós este ano – mas “Olhe para cima!” Essa direção, se propriamente atendida, irá  obter para nós tudo o que precisamos,  proteger-nos contra tudo o que nós tememos, e  tornar-nos mais do que um desafio para todos os nossos  inimigos e temores!

Amigo cristão, você está com medo? “Olhe para o alto” e ouça Jesus lhe dizendo: “Não tenha medo – Eu mesmo irei ajudá-lo!”

Você está desencorajado? ”Olhe para cima” – e sua juventude será renovada como a da águia, e nova luz, conforto e coragem serão dados a você!

Você está desanimado? ”Olhe para o alto” porque Jesus nunca quebra o caniço rachado, nem apaga o pavio que fumega.

Não olhe demais para o seu pecado – mas olhe para o sangue infinitamente meritório do amado Filho de Deus!

Não olhe muito para si mesmo – mas olhe para Jesus, que vive sempre para interceder por você no céu.

Você está despojado de seus confortos, seus adereços, e seus bens? Então, olhe para o alto! Aquele que foi despojado por você – te ama! Ele será mais do que tudo isso para você! Ele irá curar seu coração partido, acalmar o espírito perturbado, animar sua mente caída, e  enchê-lo com Sua própria paz e felicidade.

Olhe para cima, porque é tudo o que você precisa; em tudo o que você teme;  em tudo o que possa dificultar o seu caminho.

Procure dizer todos os dias, com Davi, “De manhã, SENHOR, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração e fico esperando.” (Salmo 5:3)

Olhe para o alto em cada provação, dizendo “Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem a minha ajuda: o meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra.” Não fique olhando para o seu pecado – isto irá desanimá-lo! Entregue-se a Jesus para vencê-lo.
Não olhe para si mesmo – isto irá afligi-lo!
Não olhe para Satanás – ele irá confundi-lo!
Não olhe para os homens – eles vão enganar, ou decepcioná-lo!
Não olhe para as suas tribulações – elas irão afundá-lo!

“Vamos jogar fora tudo o que atrapalha e o pecado que nos assedia, e corramos com perseverança a corrida que nos está proposta – olhando para Jesus, autor e consumador da nossa fé!” (Hebreus 12:1,2)

Olhe somente, olhe sempre, olhe atentamente – para Jesus!  Continue olhando, olhando, lute para olhar, sofra para olhar, viva olhando, e morra olhando – para Jesus, que está à mão direita de Deus na glória.

James Smith /Traduzido por Silvio Dutra

Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 21 de março de 2017

A SINGULARIDADE DO EVANGELHO

O apóstolo Paulo, o maior bandeirante do Cristianismo, estava saindo de Éfeso rumo a Jerusalém, quando escreveu seu maior tratado teológico, a carta aos Romanos. No introito dessa epístola, tratou do tema principal da carta, a singularidade do evangelho. Já de início demonstrou três atitudes em relação ao evangelho: eu sou devedor (Rm 1.14); eu estou pronto (Rm 1.15); e eu não me envergonho (Rm 1.16).

POR QUE ALGUÉM SE ENVERGONHARIA DO EVANGELHO?

Primeiro, porque este trata da pessoa de Cristo, o Messias de Deus, que veio ao mundo, nasceu de forma humilde, cresceu numa cidade pobre e morreu numa cruz.

Segundo, porque pelo evangelho, o próprio apóstolo Paulo já havia sofrido açoites e prisões.

Inobstante a cruz ser escândalos para os judeus e loucura para os gentios; e apesar de todo o sofrimento decorrente da proclamação do evangelho, Paulo destaca a singularidade do evangelho, quando escreve: “Porque não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé” (Rm 1.16,17). Deste texto, extraímos cinco verdades:

EM PRIMEIRO LUGAR, O PODER DO EVANGELHO.
O evangelho é o poder de Deus. Portanto, não há qualquer fraqueza nele, pois Deus é onipotente. O evangelho é a dinamite de Deus para derrubar as fortalezas do coração mais duro. É a força irresistível que desarma a incredulidade mais cega. O próprio Paulo, perseguidor implacável da igreja, mesmo na sua marcha sangrenta de oposição aos cristãos, foi transformado por uma ação soberana e irresistível do evangelho.

O evangelho quebra barreiras, derruba estruturas, penetra nos lugares mais fechados e transforma os corações mais rendidos ao pecado.

EM SEGUNDO LUGAR, O PROPÓSITO DO EVANGELHO.
O evangelho é o poder de Deus para a salvação. Há poder que destrói e mata, mas o evangelho é o poder que dá vida e salva. O evangelho não é apenas o poder de Deus para a salvação, mas também, o único poder capaz de salvar.

A religião, os ritos sagrados, as boas obras ou quaisquer outros expedientes humanos são absolutamente insuficientes para salvar o homem. Só no evangelho há salvação. O evangelho fala das boas novas de Cristo: sua vida, sua morte, sua ressurreição e seu governo. Não há salvação em nenhum outro nome. Só Jesus salva!

EM TERCEIRO LUGAR, O ALCANCE DO EVANGELHO.
O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê e só daquele que crê. O evangelho não é o poder de Deus para a salvação do descrente. Muito embora, a fé não seja a causa meritória da salvação, é sua causa instrumental. Apropriamo-nos da salvação pela graça, mediante a fé. A salvação é oferecida a todos, mas somente aqueles que creem são salvos. Não há aqui qualquer acepção de pessoas, seja de raça, posição social ou estofo cultural. Todo aquele que crê em Jesus é salvo.

EM QUARTO LUGAR, A UNIVERSALIDADE DO EVANGELHO.
O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. O evangelho é para todos os povos. É universal em seu escopo, pois Jesus morreu para comprar com o seu sangue aqueles que procedem de toda tribo, língua, povo e nação. Não há limitação geográfica nem barreira étnica no evangelho. É endereçado a toda criatura, em todo o mundo, até aos confins da terra.

EM QUINTO LUGAR, A EFICÁCIA DO EVANGELHO.
O apóstolo Paulo é enfático, quando escreve: “Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”. O homem sendo pecador, jamais poderá ser justificado diante do Deus santo com base em seus méritos pessoais, pois as nossas justiças não passam de trapo de imundícia. Porém, nossas transgressões foram lançadas sobre Jesus e sua justiça foi imputada a nós, para que a justiça de Deus, revelada no evangelho, fosse apropriada por nós, pecadores, pela fé. Então, aquele que crê é declarado justo diante do tribunal de Deus e passa a viver pela fé. Quão singular é o evangelho!

Rev. Hernandes Dia Lopes

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 20 de março de 2017

ORAÇÃO, A CHAVE QUE ABRE O CÉU

E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu; E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo. Lucas 3:21-22

Esse texto nos mostra-nos o batismo do Senhor Jesus e o que aconteceu em seguida enquanto Ele orava, que o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Ele...

A oração é o teste decisivo para um cristão, família e igreja.

Com freqüência fazemos tudo, menos orar. Construímos, fazemos orçamentos, promovemos, anunciamos, atualizamos informações na internet, nos conectamos, planejamos, mas não oramos.

Raramente encontramos uma igreja (crente) que ora muito, mas podemos encontrar em quase todas as esquinas uma igreja (crente) que negligencia a oração; o resultado disso é a falta do poder de Deus no meio do seu povo

A ORAÇÃO É O INGREDIENTE QUE MAIS FALTA HOJE.
Sem a oração não se pode experimentar o avivamento. A oração é a chave para o avivamento e este dura enquanto durar a oração.
Sem oração não há vitória nas batalhas espirituais;
Sem oração nós nos tornamos cheios de tradições e regras...
Sem oração não há poder do Espírito Santo. Se quisermos o poder do Espírito Santo e respostas de Deus, precisamos orar.

PRECISAMOS APRENDER A ORAR.
Deus quer que aprendamos a orar da maneira correta (I Timóteo 2:1-4).
Não podemos simplesmente falar e ler a respeito da oração – temos que orar.
Há esperança para o povo de Deus apenas na oração; é exatamente na oração que está o poder da igreja contra o mundo e o império das trevas. (Atos 12:5 – 17; Efésios 6:10-18).
A oração atrai a presença manifesta de Deus, promove o enchimento do Espírito Santo e a cura para o seu povo. (Atos 4:31; II Crônicas 7:14).
O segredo para ganhar vidas para Jesus é saber como tocar o coração de Deus através da oração.
O ministério de oração é o batimento cardíaco de quem somos como pessoa, família e igreja.

O CÉU SE ABRE SOBRE QUEM APRENDE A ORAR.
Milagres não vêm de métodos, mas de um contexto de oração e fé na palavra de Deus.
Deus não unge métodos, Deus unge homens e mulheres comprometidos com a oração.
Deus e somente Ele é a nossa fonte de poder e autoridade para remover montanhas.
Precisamos ser pessoas que deixam Deus ser Deus, e o melhor ambiente para que isso aconteça é o ambiente da oração.

Bancos sem oração fazem púlpitos sem poder
Nunca o ser humano é tão grande como quando está de joelhos.
Quando os homens deixam de olhar para cima perdem o rumo da vida
Deus não faz nada a não ser em resposta à oração (John Wesley)
Uma noite de oração pode nos salvar de muitas noites de insônia.
Satanás treme quando vê o mais débil dos santos de joelhos.
Um homem pode orar sem ser crente, mas nenhum homem pode ser verdadeiramente cristão sem orar.
Nossa arma mais poderosa é a oração silenciosa.
Somente quando nos ajoelhamos diante de Deus é que nos tornamos aptos para pôr-nos de pé diante dos homens.

Transcrito por Litrazini

Graça e Paz