domingo, 21 de julho de 2019

QUALQUER UM PODE ENTENDER A BÍBLIA CLARAMENTE


Um rapaz de dezessete anos foi a um culto, certo dia, a conselho de um vendedor de sapatos, que o havia levado a Cristo, e lhe dissera da necessidade de conhecer melhor o Salvador que acabava de aceitar.

Após o período de louvor, o pregador disse: "Abramos a Bíblia agora em Segundo Timóteo 5:12."

O jovem convertido abriu na primeira página da Bíblia que seu amigo lhe dera, e começou a folheá-la por Gênesis, Êxodo, Deuteronômio e Josué, e vários outros livros, sem encontrar Timóteo.

Voltou ao índice, e observou que 2 Timóteo encontrava-se na página 325. Quando abriu nesse número encontrou o livro de Josué.

Olhou novamente no índice, e percebeu que a Bíblia tinha duas grandes divisões, e que Timóteo achava-se na segunda.

Quando afinal encontrou o texto, o pastor já havia terminado o sermão.

Desnecessário é dizer que ele estava envergonhado e um pouco confuso.

Será que você já se sentiu assim?

Não fique desanimado. A maioria dos crentes novos começa desse modo. Apesar daquele início tão pouco auspicioso, aquele jovem sentiu um grande desejo de conhecer melhor a Bíblia. Anos depois, ele se tornou um famoso pregador, que levou a Cristo um milhão de pessoas. No fim de sua vida, fundou um instituto bíblico que ainda hoje prepara cerca de 1200 jovens todos os anos, na Palavra de Deus.

O nome dele era Dwight L. Moody. Poucos homens igualaram a contribuição de Moody para a cristandade. Mas ele próprio nunca teria realizado o que realizou se não houvesse se disposto a estudar a Palavra de Deus.

Embora não saibamos que método ele utilizou para estudar a Bíblia, sabemos que não recebeu um treinamento em escola bíblica; a maior parte de seus conhecimentos ele adquiriu por si mesmo.

Nosso sucesso ou fracasso na vida cristã depende da quantidade de conhecimento bíblico que armazenamos em nossa mente, com regularidade, e de nossa obediência às suas verdades.

É certo que uma pessoa pode ir para o céu sabendo pouco mais que João 3:16, ou Romanos 10:9, 10, pois esse maravilhoso dom de Deus, que é a salvação, é tão gratuito, que tudo que precisamos fazer é recebê-lo pela fé (Jo 1:12).

Mas se desejarmos ser crentes felizes e vitoriosos, teremos que nos alimentar regularmente da Palavra de Deus, e isso requer aplicação de nossa parte. Quanto mais nos dedicarmos a isso, tanto mais rápido e melhor cresceremos na vida espiritual. E descobriremos depois que vale muito a pena o preço que temos que pagar.
Jesus enunciou a fórmula do sucesso pessoal, quando afirmou: "Ora, se sabeis estas cousas, bem-aventurados sois se as praticardes" (Jo 13:17). 

A felicidade, portanto, resulta de se conhecer a vontade de Deus revelada na Bíblia, e obedecê-la.

O problema de muitos crentes é que não se aplicam ao estudo dos princípios bíblicos, e por isso não sabem o que Deus espera deles.

Não é de se admirar que não recebam todas as bênçãos da vida cristã.

Extraído do Livro COMO  ESTUDAR  A  BÍBLIA  SOZINHO de autoria de Tim LaHaye / Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 20 de julho de 2019

ORAÇÃO É DEVOÇÃO


Deus disse a Moisés o seguinte: “De lá  buscarás ao Senhor teu Deus, e o acharás, quando a buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.” ( Dt 4. 29. ).

O homem foi criado com o impulso de buscar comunhão com Deus. Existe nele um vazio que não pode ser preenchido com nada, a não ser uma genuína comunhão com Deus. Por mais que ele adquira coisas, elas nunca poderão tomar o lugar dessa comunhão que preenche a própria essência do ser – dando-lhe um objetivo para a vida e alimentando sua alma.

Deus criou Adão e instilou nele o fôlego da vida. Ele foi um ser físico, antes de ser espiritual. Essa dimensão espiritual lhe deu a capacidade de manter comunhão e intercambio com Deus, no meio do jardim, na viração do dia. Ao pecar, o homem perdeu essa possibilidade.

Mas Deus ainda desejava manter comunhão com ele, e então tomou a iniciativa em Abrão. Este veio a ser o pai ( Abraão ) de todos os fiéis que iriam ter a oportunidade de manter comunhão com Deus.

Mais tarde, Deus manifestou sua presença física na terra, através do Tabernáculo de Moisés. Contudo, com poucas exceções, só o sumo sacerdote podia entrar na terceira divisão do Tabernáculo, que era chamado o Santo dos Santos.

No reinado de Davi, assim que ele foi aclamado rei de Israel, a primeira coisa que fez foi mandar trazer para o local do culto de Israel a Arca da Aliança, que era símbolo da presença de Deus. Entretanto, ao invés de recoloca-la no tabernáculo ele deveria, por ordem de Deus, erigir uma casa própria em Sião, onde Davi morava. “Pois o Senhor escolheu a Sião, preferiu-a por sua morada.” ( Sl 132. 13.).

Em Sião, Deus teria um contato direto com Israel, e manteria comunhão com seu povo.

Todavia, a adoração que o povo prestava a Deus voltou a assumir um estilo ritualístico. E Deus mais uma vez tomou a iniciativa de restaurar a comunhão com o homem, vindo ao mundo na pessoa de Jesus Cristo.
Hoje, na era da Igreja, Deus nos deu o Espírito Santo para que pudéssemos manter comunhão com o Pai e o Filho. Jesus disse: “Ele me glorificará porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é meu,e vo-lo há de anunciar. ”( Jo 16. 14,15.).

E depois Ele diz mais: “E aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.“( Jo 14. 21.). E no versículo 23 Ele diz: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viveremos para ele e faremos nele morada.”

A oração – petição é muito importante para obtermos as coisas de que precisamos, mas orar não é apenas pedir, é mais que isso. Jesus desse: “Buscai e achareis! ”

Deus não é um mero depósito de bens de onde retiramos tudo de que precisamos, por mais nobre que seja nossa motivação. Ele é um ser vivo, que deseja manter comunhão conosco. “Mas vem a hora, e já chegou, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores.”(Jo 4. 23.).

O apóstolo Paulo levou uma vida de oração e comunhão com Cristo. Ele dá o seguinte testemunho à igreja de Filipos:“Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Jesus Cristo meu Senhor: Por amor do qual, perdi todas as cousas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo.” ( Fp 3. 7,8.).

Como é que Paulo pode ganhar a Cristo? Sabemos que a salvação é um dom de Deus, pela graça, mediante a fé. O que Paulo está dizendo nesse texto não é que faz isso para ganhar a salvação, mas ele se referir a uma profunda comunhão com Cristo. 

Esse nível de comunhão não se consegue por acaso: Tem que ser buscado, e por isso exige esforço de nossa parte. O que Paulo recebeu com esse tipo de oração? Ele responde a essa pergunta no verso 10: “Para o conhecer e o poder da sua ressurreição e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com Ele na sua morte.” E depois: “Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (v. 14).

E no versículo 15, ele apresenta um desafio a todos nós: “Todos, pois, que somos perfeitos ( maduros), tenhamos este sentimento...” Neste último versículo, o apóstolo revela que o sinal de que uma pessoa atingiu  maturidade espiritual é o desejo de chegar a um nível espiritual no qual tenha uma comunhão íntima com Cristo.

Deus é amor. O amor precisa ser extravasado através da comunhão. Assim sendo, a própria natureza de Deus exige uma coisa que nós temos o privilégio de dar a ele – comunhão.

Extraído do Livro: Oração, A chave do avivamento de Paul Y. Cho / Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 19 de julho de 2019

VOCÊ É IMPORTANTE


VOCÊ  é muito importante para mim.
VOCÊ  corre, almoça, trabalha, canta, chora, ama.
VOCÊ  sorri, mas nunca me chama.
VOCÊ  se entristece mas depois se acalma, mas nunca me agradece.
VOCÊ  caminha, sobe, desce escadas, e nunca se preocupa comigo.
VOCÊ  sente amor, ódio, sente tudo, menos minha presença.
VOCÊ  tem os sentidos perfeitos, mas nunca os usa para mim.
VOCÊ  estuda e não entende, canta e não me alegra.
VOCÊ  é tão inteligente e não sabe nada de mim.
VOCÊ  reclama dos meus tratos, mas não valoriza o que eu faço por você.
SE  você está triste, me culpa por isto, mas se você está alegre, não me deixa participar de sua felicidade.
VOCÊ  conhece tanta gente importante, mas não conhece a mim, que o considero tão importante.
VOCÊ  faz o que os outros ordenam, mas não faz o que eu lhe peço com humildade.
SE você não subiu na vida,  descarrega sobre mim toda sua ira, mas se você é importante pisa nos menos favorecidos.
VOCÊ  quebra tantos galhos, mas não tira um espinho da minha testa.
VOCÊ  entende todas as transações do mundo, mas não entende minha mensagem.
VOCE  reclama tanto da vida, mas não sabe que em mim terás uma vida que satisfaz.
VOCÊ  baixa os olhos quando um superior lhe fala, mas não levanta esses mesmos olhos quando lhe falo do meu amor.
VOCÊ  fala às pessoas e não sabe que conheço toda sua vida.
VOCÊ  enfrenta muitos obstáculos na vida, é forte, mas que pena, embora não admita sei que você tem medo de mim.
VOCÊ  defende seu time, seu ator, mas, mas não me defende no meio de seus amigos.
VOCÊ  corre com seu carro, mas nunca corre para meus braços.
VOCÊ  não sente vergonha ao se despir perante alguém, mas sente vergonha ao tirar sua máscara diante de mim.
VOCÊ  costuma “às vezes” falar do que fiz, mas nunca me deu oportunidade de falar o que você fez.
VOCÊ  é um corpo no mundo, e eu sou um mundo em seu corpo.

Eu sou alguém que todos os dias bate à sua porta e pergunta:
TEM UM LUGAR PARA MIM NA SUA CASA, NA SUA VIDA, NO SEU CORAÇÃO?

Eu estou presente nestas linhas que você por curiosidade, começou a ler. EU SOU JESUS CRISTO.

QUERO SIMPLESMENTE QUE VOCÊ ME ACEITE COMO SALVADOR E SENHOR DE SUA VIDA.

“SE COM A TUA BOCA CONFESSARES A JESUS COMO SENHOR, E EM TEU CORAÇÃO CRERES QUE DEUS O RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS, SERÁS SALVO” (ROMANOS 10:9). 

Transcrito por Litrazini (AD)
Graça e Paz

quinta-feira, 18 de julho de 2019

O QUE É SALVAÇÃO? QUAL É A DOUTRINA CRISTÃ DA SALVAÇÃO?


Salvação é a libertação do perigo ou sofrimento. Salvar é libertar ou proteger.

A palavra carrega a ideia de vitória, saúde, ou preservação.

Às vezes, a Bíblia usa palavras como salvo ou salvação para se referir à libertação temporária e física, tal como a libertação de Paulo da prisão (Filipenses 1:19).

O uso mais frequente da palavra salvação tem a ver com libertação eterna e espiritual. Quando Paulo disse ao carcereiro de Filipo o que ele precisava fazer para ser salvo, Paulo estava se referindo ao destino eterno do carcereiro (Atos 16:30-31).

Jesus igualou ser salvo com entrar no reino de Deus (Mateus 19:24-25).

SOMOS SALVOS DE QUÊ?
Na doutrina Cristã da salvação, somos salvos da “ira”; quer dizer, do julgamento de Deus sobre o pecado (Romanos 5:9; 1 Tessalonicenses 5:9). Nosso pecado nos separou de Deus, e a consequência do pecado é morte (Romanos 6:23).

Salvação bíblica se refere à libertação da consequência do pecado e envolve, portanto, remoção do pecado.

QUEM PODE SALVAR?
Só Deus pode remover pecado e nos livrar da penalidade do pecado (2 Timóteo 1:9; Tito 3:5). 

COMO DEUS SALVA?
Na doutrina Cristã da salvação, Deus nos resgatou através de Cristo (João 3:17).Especificamente, foi a morte de Jesus na cruz e subsequente ressurreição que alcançou nossa salvação (Romanos 5:10; Efésios 1:7).

A Bíblia é clara que salvação é um gracioso dom de Deus que não merecemos (Efésios 2:5,8), e é disponível apenas através de fé em Jesus Cristo (Atos 4:12).

COMO RECEBEMOS SALVAÇÃO?
Somos salvos por fé. Primeiro, precisamos escutar o evangelho – a boa nova da morte e ressurreição de Cristo (Efésios 1:13). Então, precisamos acreditar – confiar completamente no Senhor Jesus (Romanos 1:16). Isso envolve arrependimento, uma mudança de mentalidade sobre pecado e Cristo (Atos 3:19) e invocar o nome do Senhor (Romanos 10:9-10, 13).

Uma definição da doutrina Cristã da salvação seria: “A libertação espiritual e eterna que Deus concede imediatamente a aqueles que aceitam Suas condições de arrependimento e fé no Senhor Jesus”.

Salvação só é possível através de Jesus Cristo (João 14:6; Atos 4:12), e depende de Deus para a sua provisão, garantia e segurança.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 17 de julho de 2019

A CERTEZA DA SALVAÇÃO


“ESTAS COISAS VOS ESCREVI, para que saibais que tende a vida eterna e para que creiais no nome do Filho de Deus” (1 Jo 5.13). 

Todo cristão deseja ter a certeza da salvação, ou seja: a certeza de que, quando Cristo voltar ou a morte chegar, esse cristão irá estar com o Senhor, no céu (Fp 1.23; 2 Co 5.8). O propósito de João ao escrever esta primeira epístola é que o povo de Deus tenha esta certeza (5.13).

Note que João não declara em parte alguma da carta que uma experiência de conversão vivida apenas no passado proporciona certeza ou garantia da salvação hoje. Supor que possuímos a vida eterna, tendo por base única uma experiência passada, ou uma fé morta, é um erro grave.

Esta epístola expõe nove maneiras de sabermos que estamos salvos como crentes em Jesus Cristo.

(1) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO CREMOS “NO NOME DO FILHO DE DEUS” (5.13; cf. 4.15; 5.1,5). Não há vida eterna, nem certeza da salvação, sem uma fé inabalável em Jesus Cristo; fé esta que o confessa como Filho de Deus, enviado como Senhor e Salvador nosso. 
(2) TEMOS CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO TEMOS CRISTO COMO SENHOR DA NOSSA VIDA E PROCURAMOS SINCERAMENTE GUARDAR OS SEUS MANDAMENTOS. “E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele (2.3-5; ver também 3.24; 5.2; Jo 8.31; 14.23; Hb 5.9).
(3) TEMOS CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO AMAMOS O PAI E O FILHO, E NÃO O MUNDO (2.15; cf. 5.4).
(4) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO HABITUAL E CONTINUAMENTE PRATICAMOS A JUSTIÇA, E NÃO O PECADO (2.29). Por outro lado, quem vive na prática do pecado é do diabo (3.7-10).
(5) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO AMAMOS OS IRMÃOS (3.14; ver também 2.9-11; 4.7, 12, 20; 5.1; Jo 13.34, 35). 
(6) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO TEMOS CONSCIÊNCIA DA HABITAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO EM NÓS. “E nisto conhecemos que ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado” (3.24). Ver também 4.13: “Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito”.
(7) TEMOS A VIDA ETERNA QUANDO NOS ESFORÇAMOS E PERMANECEMOS NA “PALAVRA DA VIDA”, i.e., no Cristo vivo (1.1), e de igual modo procedemos conforme a mensagem de Cristo e dos apóstolos, conforme o NT (2.24; cf. 1.1-5; 4-6). 
(8) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO NOS ESFORÇAMOS PARA SEGUIR O EXEMPLO DE JESUS E VIVER COMO ELE VIVEU (2.6; cf. Jo 13.15).
(9) TEMOS A CERTEZA DA VIDA ETERNA QUANDO TEMOS UM INTENSO ANELO E UMA INABALÁVEL ESPERANÇA PELA VOLTA DE JESUS CRISTO, PARA NOS LEVAR PARA SI MESMO. “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro” (3.2,3; cf. Jo 14.1-3). 

Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal / Pr. Airton Evangelista da Costa

Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 16 de julho de 2019

CONSOLO PARA O AFLITO


Muitas são as aflições do ser humano; todos, passaram, estão passando ou, passarão por elas.

Várias são as necessidades: alimento, água, ar, amor, companhia, realização, esperança, consolo;

Por vezes o desânimo e a tristeza, teimam em nos dominar, chegamos às raias do desespero, procuramos socorro por todo lado, família, amigos, conhecidos, líderes espirituais e nada de luz no fim do túnel.

A Bíblia nos encoraja a permanecer firmes e a perseverar na fé: Através de muitas tribulações, nos importa entrar no Reino de Deus: At. 14.22.

A tribulação faz parte da vida do servo do Senhor, mas, o consolo também, Deus não perdeu o controle da situação, Ele não nos esqueceu, veja o que ele diz em Isaias 49.13-15: Exultai, ó céus, e alegra-te, ó terra, e vós, montes, estalai com júbilo, porque o SENHOR consolou o seu povo, e dos seus aflitos se compadecerá. Porém Sião diz: Já me desamparou o SENHOR, e o meu Senhor se esqueceu de mim. Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti.

Pode confiar, Deus é fiel à sua Palavra. O propósito do consolo celestial é inspirar-nos a dirigir e olhar para o que Deus ainda vai realizar

O apóstolo João, com mais de 90 anos, no fim da vida, ainda olhou para o futuro, quando estava na Ilha de Patmos, escrevendo o livro de Apocalipse. Foi arrebato no espírito e teve visões fantásticas do que iria acontecer no fim dos tempos. Com elas, recheou as páginas de um dos mais extraordinários livros das Escrituras; ele se interessava pelo que Deus ia fazer e, ainda acreditava nos dias que viriam, e, apesar das muitas aflições, tribulações e sofrimentos,  ainda esperava algo da vida

O consolo celestial não é um conforto qualquer, não foi feito de promessas vazias. Ele é dado pelo próprio Rei da glória que nos dá toda a garantia, pois controla todo o universo e, vela por fazer cumprir a sua Palavra: E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para cumpri-la.(Jr. 1.12)

Por vezes, deixamos de ver a mão de Jesus nos acontecimentos, vítimas de uma verdadeira miopia espiritual, Ficamos assustados com os fatos, desanimados entregamos os pontos, nem percebemos que mão do Senhor está operando por trás de tudo, promovendo restauração, cura, libertação e socorro em meio às aflições.

Jesus disse à João em Apocalipse 1.18: Sou aquele que vive. Estive morto mas, agora estou vivo para todo o sempre! 

Ele diz também a mim e a você: Não temas!! 

Ele manda o consolo e livramento, pois sabe o que sentimos

Onde houver uma pessoa precisando de Jesus, passando por aflição, Ele estará ali, independente do lugar; O Senhor dará conforto, enxugará dos olhos toda a lágrima.

Só precisamos permitir que o cuidado, a promessa e a presença de Cristo consolem o nosso coração.

Lembre-se Jesus não mostra a luz no fim do túnel. ELE É A LUZ NO TÚNEL OU EM QUALQUER LUGAR.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 15 de julho de 2019

8 MANEIRAS PROVEITOSAS DE LER A BÍBLIA


1. COMECE A LER SUA BÍBLIA HOJE MESMO. 
A maneira de se fazer algo – é fazendo; e a maneira de se ler a Bíblia – é realmente lendo-a!
Não é meramente querendo, ou desejando, ou decidindo, ou pretendendo, ou pensando sobre isso – assim você só avançará um passo. Você deve de fato ler. Não há um “caminho dourado” para esse assunto, assim como não há para a oração.
Se você não sabe ler, convença alguém a lê-la para você. De uma maneira ou de outra, através dos olhos ou ouvidos – as palavras das Escrituras precisam passar pela sua mente.

2. LEIA A BÍBLIA COM UM DESEJO PROFUNDO DE ENTENDÊ-LA. 
Não pense, nem por um momento, que a grande questão é virar certa quantidade de papel impresso, sem importar se você entende ou não.
Algumas pessoas ignorantes parecem imaginar que se eles avançaram tantos capítulos por dia, sua tarefa está feita, apesar de não terem noção sobre o que foi lido. Só sabem que avançaram o marcador de livros algumas páginas para frente. Isso é transformar a leitura da Bíblia em um mero ritual. Guarde isso na sua mente como um princípio geral: uma Bíblia que não é entendida é uma Bíblia que não faz nada em sua vida!
Diga a você mesmo constantemente enquanto você lê, “De que se trata tudo isso?”. Busque o significado como um homem busca por ouro.

3. LEIA A BÍBLIA COM A FÉ E HUMILDADE DE UMA CRIANÇA. 
Abra seu coração à medida que você abre o livro de Deus e diga: “Fala, Senhor, pois teu servo está ouvindo!”.Decida implicitamente acreditar em qualquer coisa que você encontre lá, não importa o quanto seja contrário aos seus próprios desejos e preconceitos.
Decida receber no coração cada afirmação da verdade, quer você goste ou não. Fique atento àquele hábito miserável no qual alguns leitores da Bíblia caem – eles aceitam algumas doutrinas porque gostam delas, e rejeitam outras porque elas os condenam, ou condenam algum parente ou amigo. Dessa forma, a Bíblia é inútil!
Somos juízes sobre o que deve estar na Palavra de Deus? Sabemos melhor do que Deus? Guarde em sua mente: você receberá tudo e crerá em tudo, e aquilo que você não for capaz de entender, você aceitará que é verdade mesmo assim.
Lembre, quando você ora, você está falando com Deus, e Deus o ouve.Mas lembre também, quando você lê as Escrituras, Deus está falando com você, e você não deve “ordenar”, mas ouvir!

4. LEIA A BÍBLIA COM UM ESPÍRITO DE OBEDIÊNCIA E AUTO APLICAÇÃO. 
Sente para estudá-la com uma determinação diária de que você viverá por suas regras, descansará em suas afirmações e agirá de acordo com seus mandamentos.
Considere, à medida que navega por cada capítulo. “Como isso afeta meu pensamento e minha conduta diária? O que essa passagem me ensina?”. É um trabalho pobre ler a Bíblia por mera curiosidade e propósitos especulativos para encher sua mente com meras opiniões, porque você não permite que o livro influencie seu coração e sua vida.
A Bíblia que é mais bem lida é aquela que é mais praticada!

5. LEIA A BÍBLIA DIARIAMENTE. 
Faça com que a leitura e meditação de algum trecho da Palavra de Deus sejam parte do seu dia a dia. Meios particulares de graça são tão necessários diariamente para nossas almas como alimento e vestimenta são para nossos corpos. O pão de ontem não alimentará o trabalhador hoje; e o pão de hoje não alimentará o trabalhador amanhã. 
Faça como os Israelitas no deserto. Pegue o seu maná fresco a cada manhã. Escolha a parte do dia e os horários. Não atropele sua leitura, apressadamente. Dê a sua Bíblia a melhor e não a pior parte do seu tempo! Mas qualquer que seja o plano que você use, faça da visita ao trono da graça e a Palavra de Deus uma regra da sua vida para todos os dias.

6. LEIA TODA A BÍBLIA – E A LEIA DE UMA MANEIRA ORDENADA. 
Temo que haja muitas partes da Palavra que algumas pessoas nunca lêem. Para dizer o mínimo, isso é um hábito muito presunçoso. “Toda a Escritura é útil” (2 Timóteo 3.16). Esse hábito é o causador da falta de uma visão balanceada da verdade, tão comum hoje em dia.
Algumas pessoas lêem a Bíblia como um perpétuo sistema de “mergulhar e pegar”, como aperitivos. Eles parecem desconsiderar a possibilidade de avançar regularmente por todo o Livro.

7. LEIA A BÍBLIA DE FORMA JUSTA E HONESTA. 
Decida considerar tudo em seu significado claro, óbvio, e considere com muita suspeita todas as interpretações forçadas. Como uma regra geral, o que um verso da Bíblia parece significar – é o que ele  Uma regra bastante valiosa é: “A maneira correta de se interpretar a Escritura é considerá-la como a encontramos, sem nenhuma tentativa de forçá-la a um sistema teológico particular.”

8. LEIA A BÍBLIA COM CRISTO CONTINUAMENTE EM PERSPECTIVA. 
O grande e primário objeto de toda a Escritura é testificar sobre Jesus! As cerimônias do Antigo Testamento são sombras de Cristo. Os juízes do Antigo Testamento são tipos de Cristo. As profecias do Antigo Testamento estão cheias dos sofrimentos de Cristo e de Sua Glória ainda porvir. A primeira e a segunda vinda, a humilhação do Senhor e Seu reino glorioso, Sua cruz e sua coroa brilham intensamente em toda a Bíblia. Segure-se firme nisso, e você lerá a Bíblia corretamente.

Eu poderia facilmente adicionar mais dicas, se mais espaço fosse permitido. Apesar de poucas e curtas, você perceberá que elas são mais proveitosas quando postas em prática.

J.C. Ryle - Traduzido por Alex Daher – Ipródigo / Por Litrazini
Graça e Paz


domingo, 14 de julho de 2019

CRISTÃO AUTÊNTICO


Nos dias atuais, é cada vez mais urgente a necessidade de mensagens sobre regeneração.

O evangelho de facilidades está rondando os púlpitos das igrejas como nunca se viu antes.

Pessoas que vivem seu estilo de vida comprometido com o passado insistem em ser a grande atração na Casa de Deus.

Toda pessoa regenerada é receptiva à voz do Senhor e à Sua direção. Os apelos do amor de Deus são aceitos e executados facilmente pelo cristão efetivamente regenerado.

Regeneração significa a troca do coração empedernido, terrível, de pedra por um coração de carne, sensível.

A partir das Sagradas Escrituras é possível entender que é absolutamente necessário e indispensável que aquele que serve a Deus possua um novo coração. Lemos em Ezequiel 36.26: E vos darei um coração novo e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei o coração de pedra da vossa carne e vos darei um coração de carne.

O Criador está pessoalmente assumindo o compromisso de doar um novo coração e um novo espírito àquele que o aceita como Senhor. O espírito é o mais íntimo, o mais interior e o mais profundo do nosso ser. 
Quando uma pessoa recebe a Cristo como seu Salvador e Senhor, o Espírito Santo efetua uma limpeza profunda no interior dela. A isto o apóstolo Paulo chamou de lavagem da regeneração: não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo (Tito 3.5). 

Ser um verdadeiro cristão significa estar genuinamente lavado pelo sangue de Jesus. Ele disse aos Seus discípulos: Vós já estais limpos. Somente após esta limpeza, o espírito humano se conecta com Deus.

É depois da regeneração que o homem se torna a lâmpada de Deus, por haver recebido Seu Espírito, Sua “energia”, “eletricidade”, estando assim apto a brilhar. Vós sois a luz do mundo (Mateus 5.14), declarou o Messias.

Regeneração sem frutos é falsa. O homem regenerado tem seu coração completamente transformado. Suas afeições, seus sentimentos, seus ideais, suas emoções, seus pensamentos e seus prazeres deixam de ser iguais aos daqueles que vivem segundo o curso deste mundo, e passam a ser influenciados pelo Todo poderoso. 

Como resultado da regeneração, o Espírito Santo passa a habitar no coração do salvo: E porei dentro de vós o meu espírito e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis (Ezequiel 36.27). Jesus também prometeu o Consolador: E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre (João 14.16). 

filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para, outra vez, estardes em temor, mas recebestes o espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados (Romanos 8.15-17).

Somente a lei do Espírito de vida nos livra do pecado e da morte: Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte (Romanos 8.1,2).

Pr. Geziel Gomes

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 13 de julho de 2019

A RELEVÂNCIA DOS CÂNTICOS


Para os reformadores, os cânticos tinham um grande apelo didático, objetando até mesmo a fixação das Escrituras.

Como Palavra de Deus, cantar as Escrituras significa relembrar e fixar seus ensinamentos .
Calvino não ignorava o poder da música “… para agitar as emoções do ser humano” . Ele escreveu: “… o canto tem grande força e vigor para mover e inflamar os corações dos homens, a fim de invocar e louvar a Deus com um mais veemente e ardente zelo” .

O canto tem também relação direta com a experiência religiosa, e não simplesmente a momentos de lazer e entretenimento.

Cantar, além de refletir a fé (quando o conteúdo é amparado na Palavra), também serve de estímulo espiritual. É como o “falar entre vós com salmos” (Ef 5.19). Uma fé que se expressa em cântico se fortalece do conteúdo proveniente da Palavra de Deus.

O cântico congregacional tornou-se parte importante na liturgia de Calvino . O cântico a quatro vozes era utilizado no culto, todavia, enfatizou o cântico congregacional. Ainda que fosse apreciador da harpa, os cânticos eram como na sinagoga, sem acompanhamento instrumental.

Calvino entendia que algumas práticas do Antigo Testamento faziam parte da infância espiritual do povo; entre elas, o uso de instrumentos no culto .

Outro aspecto importante: as orações eram sugeridas, mas não deveriam ser lidas; eram espontâneas. O pai-nosso e o Credo apostólico eram recitados pela congregação. A Palavra de Deus recebeu destaque como elemento central do culto. “As Igrejas Reformadas simbolizaram isto nos edifícios que ergueram durante a Reforma, ao colocar o púlpito à frente e no centro do templo” .

Quanto à questão da música na Igreja, Calvino afirmou: E, na verdade, conhecemos por experiência que o canto possui grande força e poder de comover e inflamar o coração dos homens para invocar e louvar a Deus com zelo mais veemente e ardoroso.

Há sempre a considerar-se que o canto não seja frívolo e leviano; pelo contrário, tenha peso e majestade, como diz Agostinho.

Calvino também optou por Salmos, entendendo que somente a Palavra de Deus era digna de ser cantada. No “Prefácio” do saltério genebrino, ele explicou os motivos dessa prática:
Os salmos nos incitam a louvar a Deus, orar a ele, meditar nas suas obras a fim de que os amemos, temamos, honremos e o glorificamos. O que Santo Agostinho diz é totalmente verdade; a pessoa não pode cantar nada mais digno de Deus do que aquilo que recebermos dele.

Essa declaração revela o princípio da inspiração bíblica: os salmos provêm do Espírito Santo. Ele entendia que “os salmos constituem uma expressão muito apropriada da fé reformada” , e que “Tudo quanto nos serve de encorajamento, ao nos pormos a buscar a Deus em oração, nos é ensinado [em Salmos]” .

Portanto, salmos é um guia seguro para a edificação da Igreja, que pode cantá-lo sem correr o risco de proferir heresias melodiosas. Ele considerava os salmos “uma anatomia de todas as partes da alma”.

Na elaboração do que veio a ser chamado Saltério genebrino, Calvino traduziu alguns salmos, valendo-se do talento de poetas e compositores. O saltério tornou-se “um dos livros mais importantes da reforma” e um protótipo dos hinários procedentes da Reforma.
Os salmos tiveram um papel extremamente marcante na formação espiritual dos reformados, sendo também uma de suas grandes demonstrações de fé:

O cântico de salmos tornou-se essencial para a piedade calvinista. Os protestantes franceses, ao serem levados para a prisão ou para a fogueira, cantavam salmos com tanta veemência que foi proibido por lei cantar salmos e aqueles que persistiam tinham sua língua cortada. O salmo 68 era a Marselhesa huguenote.

Devemos observar que os hinos da Igreja não precisam estar limitados a Salmos, mesmo reconhecendo seu indiscutível valor como Palavra inspirada de Deus. Além disso, deve ser observado que muitos dos salmos refletem de modo evidente a expressão de fé de servos de Deus na antiga aliança, que ainda não se planificara em Cristo, aquele que selou a nova aliança com o próprio sangue.

Pelo que pudemos ver até aqui, torna-se evidente que a Igreja, através da história, expressou sua fé de modo vivo e vibrante mediante hinos, elaborando sua teologia de forma clara e simples, a fim de que todos pudessem entendê-la e cantá-la.

A música foi empregada não simplesmente pela música, antes, de tal forma que estivesse a serviço da mensagem e da letra do próprio evangelho.

Fonte: Cante as escrituras / Vinac / Por Litrazini
Graça e Paz