terça-feira, 17 de setembro de 2019

O SEGREDO DA VERDADEIRA LIBERDADE


Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres (Gálatas 5.1a NTLH).

Quando nos tornamos discípulos de Cristo, desenvolvemos as atitudes do verdadeiro seguidor de Jesus, experimentamos o perdão de Deus, que nos liberta do pecado, e passamos a viver pela graça, conforme Gálatas 1.6: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.

Por meio de Seu sacrifício na cruz do Calvário, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, garantiu-nos o privilégio de sermos filhos de Deus e comissionou-nos para darmos continuidade à Sua missão de implantar o Seu Reino na terra. Nesse Reino, as pessoas são livres para viver o evangelho, que transforma o ser humano no corpo, na alma e no espírito.

O segredo da liberdade que temos em Cristo não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir aos outros. Porém, isso só acontecerá quando deixarmos Jesus reinar em nossa vida e formos repletos e transbordantes do Seu amor. Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade (Gálatas 5.13).
O amor é a palavra-chave de toda liberdade sadia. Quem ama vive bem e promove o bem-estar do outro. Porém, somente desfrutará da verdadeira liberdade concedida por Cristo aquele que ama a Deus, ama a si mesmo e ao seu próximo.

Em contrapartida, a liberdade sem o amor divino leva à depravação, à perversão, à destruição, à ruína, à corrupção, à desorganização, à sexualidade distorcida e à imoralidade.

Presenciamos no mundo uma falsa liberdade, que não cultiva o amor ao próximo. Esse comportamento gera violências, roubos, assassinatos, calúnias, destruição das famílias e conflitos de relacionamento.

A realidade é que o ser humano não faz uso da liberdade pautada no amor de Deus, pois, se o fizesse, o Espírito Santo o encheria do verdadeiro amor, um dos atributos do fruto do Espírito.

Em Gálatas 5.6, o apóstolo Paulo enfatiza que a verdadeira liberdade cristã somente será vivida quando o homem compreender que sua fé abençoará a sua vida e a de outras pessoas, quando ele agir em função do amor
O que faltava aos cristãos da Galácia era justamente esse amor divino. Estar preso a dogmas humanos não garante espiritualidade. Somente o agir do Espírito Santo pode banir o egoísmo e vencer a luta contra a natureza carnal.

Quando amamos Deus e o priorizamos como Senhor, amamos as pessoas, pois o Seu amor domina nosso coração.

Uma pessoa cheia do amor e da graça de Deus obedece a Ele e cumpre os princípios da Sua Palavra. Essa sim é a verdadeira liberdade!

Autora: Dra. Elizete Malafaia

Por Litrazini
Graça e Paz


segunda-feira, 16 de setembro de 2019

MEDO - UM GIGANTE QUE PODE SER VENCIDO!


Supere-o com atitudes corajosas. A coragem não é ausência de medo, mas a superação do medo.
“No amor não há medo. Antes o perfeito amor lança fora o medo, porque o medo produz tormento. Aquele que teme não é aperfeiçoado em amor”. (1 João 4:18)

1) DEFININDO O QUE É “MEDO”.
O Dr. David Kornfield define o medo como:
“um desejo sufocante de nos esconder, defender-nos ou fugir de algo ou alguém que nos incomoda ou nos ameaça”.

2) QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS NA VIDA DE UMA PESSOA DOMINADA PELO MEDO:
1) O medo ofusca a visão;
2) O medo paralisa;
3) O medo provoca o isolamento da pessoa;
4) O medo provoca um desgaste emocional;
5) O medo pode levar a pessoa a perder o contato com a realidade;
6) O medo pode bloquear emocionalmente.

3) SUPERANDO O MEDO.
1. Desenvolva sua fé em Deus (1 Jo 5:4). “Fé é coragem!”
2. Encha-se de amor (1 Jo 4:18). “No amor não há medo”.
3. Não tire os olhos do Senhor (Hb 12:2). “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus”.
4. Use a armadura de Deus (Ef 6:11-18). “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais...” 

5. Use a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus (Ef 6:17) “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus”; 
6. Descanse naquilo que a Bíblia diz:
“Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do Senhor: Ele é o meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio”. (Salmo 91:1,2)

Disse Oliver Wendel Holmes:
“O que se encontra atrás de nós e o que se encontra à frente são problemas menores, comparados com o que existe dentro de nós”.

Pr. Josué Gonçalves

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 15 de setembro de 2019

ROMPENDO AS BARREIRAS DO SOFRIMENTO


Ser ou não servos de Deus não nos deixa imunes ao sofrimento, nem ás dores, doenças, injustiças, decepções... Jesus disse: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passai por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (Jo. 16.33).

Podemos constatar em nossas vidas as palavras do Mestre.“Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, e os meus sofrimentos... que variadas perseguições tenho suportado!. De todas, entretanto, me livrou o Senhor. Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.”(2 Tm. 3.10-12). O sofrimento nos confirma como membros da raça humana em geral e do povo de Deus em particular.

Muitas vezes vivenciamos ódio, raiva e ressentimento em nossa alma, associados às lembranças dolorosas. Esses sentimentos atualizam diariamente a dor que um dia sofremos. Remoemos a mágoa, relembramos a ofensa, revivemos a dor, ruminamos o sofrimento, dando assim poder ao que nos feriu ontem de ferir hoje e amanhã também..

O ressentimento muitas vezes se apresenta como obstáculo à obra restauradora de Deus e do seu Santo Espírito. O Senhor quer nos curar, mas, nós nos recusamos a esquecer, a deixar para trás, a olhar para frente.

O sofrimento associado ao ressentimento, produz a escravidão. Ficamos presos à tristeza, amarrados ao passado e começamos a ficar parecidos com aqueles que nos ofenderam. “A quem perdoais alguma cousa, também eu perdoo; porque, de fato, o que tenho perdoado, se alguma cousa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo; para que satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhes ignoramos os desígnios. “ (2 Co. 2.10,11).

Onde há magoa, o diabo leva vantagem e ficamos em situação de desvantagem na luta!

O ressentimento nos torna marionetes de satanás: amarrados, controlados, escravizados, fazendo exatamente o que ele quer.

As correntes e amarras só podem ser rompidas através do perdão. Perdoar é mais do que uma demonstração de grandeza no caráter. É um ato de liberação e conquista. Perdoar é usar uma arma contra a qual o inimigo não tem defesa, pois a partir do momento em que perdoamos, não há mais mal que ele possa causar-nos.

Perdoar é libertar-nos do domínio de quem nos magoou e da opressão do inimigo, proveniente do ressentimento. É deixar de viver o passado, é livrar-se dele para desfrutar do presente e conquistar o futuro.

Perdoar é permitir que a cura interior de Deus se efetue, aliviando as dores da alma.
O perdão é a provisão divina para garantir a nossa felicidade. Você pode culpar alguém pelo sofrimento causado ontem, mas, não pelo que você sofre hoje. 

Exponha a Deus sua necessidade de perdoar e a sua dificuldade em fazê-lo, renuncie ao ressentimento e à vingança.

Permita que o amor de Cristo feche a ferida do seu coração para sempre. Ele também perdoou os que o magoaram, e o fez na cruz (Lc. 23.34). Ele deseja nos ver feliz, libertos de traumas emocionais.

O perdão e a ação do Espírito Santo produzem em nossa vida a cura para as feridas do coração e para as lembranças mais dolorosas.

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)
Graça e Paz

sábado, 14 de setembro de 2019

POR QUE AS PESSOAS REJEITAM JESUS COMO SEU SALVADOR?

Quais alguns motivos que as pessoas dão para não acreditarem em Jesus?

Há muitos motivos pelos quais as pessoas rejeitam a Jesus, mas os quatro a seguir servem como categorias gerais:

(1) Algumas pessoas acham que não precisam de um Salvador.
Essas pessoas se consideram “basicamente boas” e não percebem que elas, como todo mundo, são pecadoras e não podem se aproximar de Deus do jeito que querem. Mas Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6).
Aqueles que rejeitam a Jesus nunca vão poder encarar a Deus e se defenderem pelos seus próprios esforços.

(2) O medo de rejeição social ou perseguição desanimam algumas pessoas de declararem que Cristo é o seu Senhor.
Os descrentes em João 12:42-43 não confessaram a Cristo porque estavam mais preocupados com a sua posição entre seus companheiros do que em fazer a vontade de Deus: “Apesar de tudo, até muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga. Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus.”

(3) Para algumas pessoas, as coisas que o mundo tem a oferecer são mais importantes e atraentes do que as coisas eternas.
Lemos a história de um homem que pensava assim em Mateus 19:16-23. Esse homem não estava disposto a perder seus bens terrenos para ganhar um relacionamento eterno com Jesus. (Veja também 2 Coríntios 4:16-18).

(4) Muitas pessoas resistem às tentativas do Espírito Santo de convertê-las à fé em Cristo.Estêvão, um líder da igreja primitiva, disse àqueles que estavam prestes a matá-lo: “Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo...” (Atos 7:51).

O Apóstolo Paulo fez um comentário parecido a um grupo de pessoas que estavam rejeitando o evangelho em Atos 28:23-27. 

Qualquer que seja o motivo pelo qual as pessoas rejeitam a Jesus Cristo, sua rejeição tem consequências eternas e desastrosas. “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”, a não ser o nome de Jesus (Atos 4:12), e aqueles que O rejeitam, qualquer que seja o motivo, vão ter que enfrentar a eternidade “nas trevas exteriores” do inferno onde também haverá “pranto e ranger de dentes” (Mateus 25:30).

GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

TRISTEZA SEGUNDO O MUNDO, OU TRISTEZA SEGUNDO DEUS?


II Coríntios 7.9-10 - "A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte.Vejam o que esta tristeza segundo Deus produziu em vocês: que dedicação, que desculpas, que indignação, que temor, que saudade, que preocupação, que desejo de ver a justiça feita! Em tudo vocês se mostraram inocentes a esse respeito."

Paulo escreveu isso para a Igreja, não para o mundo.arrependimento é para o mundo tanto quanto o é para a Igreja. Nessa passagem, "arrependimento" vem da palavra grega metanoia que significa "mudança da mente". Deus não está procurando arrependimento de pecados somente, mas uma mudança de mente e de coração através do processo de pensamento que tolera essa maneira de viver. Ele quer que arrependamos do caráter que alimenta o pecado.

Arrependimento é mais do que se desculpar por alguma coisa feita. Paulo disse que há uma tristeza que não produz arrependimento, mas a morte! Nem todas as tristezas são piedosas. Nem todas as lágrimas são motivadas por um arrependimento genuíno.

Através do verso acima, entendemos que há um tipo de tristeza (do mundo) que nos leva à morte e outro (tristeza piedosa) que nos leva à vida. Qual é a diferença entre "a tristeza do mundo e a tristeza piedosa?

A diferença é simples: a tristeza do mundo focaliza você, enquanto a tristeza piedosa focaliza Cristo. A tristeza de acordo com o mundo se preocupa com as consequências resultantes do pecado, não com o fato de que o pecado tem nos separado do coração de Deus.

Quando uma pessoa está preocupada em como o pecado pode afetar seu status, seu bem-estar, sua posição ou reputação, não é uma tristeza piedosa. Isso produz um enfoque egoístico, que leva aquela pessoa, cada vez mais, a um estado de endurecimento do coração! Isso eventualmente leva à morte!

Para ilustrar essa diferença, vamos examinar a vida e os motivos do rei Saul e do rei Davi. Deus ordenou ao rei Saul que atacasse Amaleque e destruísse totalmente tudo que lá tivesse. Ele tinha de matar homens, mulheres, crianças e bebês, gado, ovelhas, camelos e burros. Saul foi para a guerra; entretanto, ele trouxe o rei Agague vivo e ficou com o melhor do gado, das ovelhas, dos animais confinados, dos cordeiros e com tudo que era bom, sem destruir tudo.

Então, a Palavra do Senhor veio ao profeta Samuel sobre a desobediência de Saul à ordem de Deus. Samuel confrontou Saul porque em seu coração não havia arrependimento. Saul se defendeu dizendo que havia feito tudo o que Deus lhe havia ordenado. Samuel apontou especialmente o que Saul havia omitido e, quando Saul viu que Samuel estava correto, ele se desculpou e culpou o povo. Samuel declarou que era a Saul que havia desobedecido a ordem do Senhor.

Quando Saul percebeu que não havia ninguém mais para ele culpar, rspondeu: Pequei; honra-me, porém, agora diante dos anciãos do meu povo, e diante de Israel; e volta comigo, para que adore o Senhor teu Deus (1 Samuel 15.30). Ele reconheceu os seus pecados como muitos fazem quando são apanhados em flagrante. Entretanto, era uma tristeza do mundo, pois ele estava preocupado com a exposição de seu pecado diante dos líderes e dos homens de Israel, não porque ele havia pecado contra Deus. Sua resposta era para guardar sua reputação e o seu reino, e seu motivo era a ambição egoísta.

Como resultado, o reino que ele tentou proteger duramente da sua própria maneira foi tirado dele. Ele temeu o homem mais do que temia a Deus, o qual é a motivação daqueles que buscam seus próprios interesses!

Agora veja o rei Davi. Ele cometeu um adultério com Bate-Seba, esposa de Urias, o heteu, o servo fiel de Davi. Quando Davi menos esperava, ela estava grávida como resultado de seu pecado; mas seu esposo não quis dormir co ela enquanto os seus homens estavam no campo de batalha. Davi, então, colocou Urias na linha de frente da batalha e deu ordens a Joabe, o capitão, para retirar os homens de detrás dele para que os inimigos o matassem.

Davi cometeu um adultério e premeditou um assassinato para cobrir o seu pecado o seu pecado. Então, ele foi confrontado pelo profeta Natã e, quando seu pecado foi exposto, Davi disse a Natã: Pequei contra o Senhor (2 Samuel 12.13). Saul e Davi confessaram que haviam pecado, mas Davi compreendeu sobre quem ele havia pecado e caiu com a face no chão em arrependimento.

Davi não estava preocupado com o que seus líderes ou os homens de Israel poderiam pensar dele; ele se preocupou apenas com o que Deus pensava sobre ele, pois sabia que havia machucado o coração de Deus. Ele clamou, dizendo: Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mal perante dos teus olhos... (Salmo 51.4). Davi era um homem segundo o coração e Deus, enquanto Saul tinha seu coração em seu próprio reino. Davi foi sustentado pelo seu amor a Deus; Saul foi destruído pelo seu amor próprio.

John Bevere - Extraído do Livro: Voz do que Clama / Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

POR QUE ESPERAR E VER?


E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. (Romanos 8.28)

Apenas afirmar que todas as coisas contribuem para o bem, não é totalmente fidedigno. Contudo, é uma afirmação real e verdadeira para os que amam a Deus. Amar a Deus, significa obedecer seus mandamentos.

Nosso amor por Deus fará com que jamais duvidemos dEle.

Enfermidade, desemprego, pobreza, defeitos físicos, acidentes, mortes entre outras coisas, é utilizado por Deus para que olhemos para Ele. “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” (Jr 29.11). 

Conheço uma ilustração sobre José que pode explicar melhor o texto acima, embora desconheça o autor, confira:

José era jovem e bonito. Fruto de uma longa espera por um grande amor, o favorito de seu pai. Sonhou que seria grande, mas foi humilhado quando compartilhou seu sonho com aqueles a quem amava. Então perguntou:

- Por que, Senhor? E o Senhor respondeu:- Espere... e verás.

Os dias se passaram. Um novo sonho foi o bastante para que tentassem calar a sua voz, matar suas ambições. Vendido como escravo, levado para uma terra desconhecida, afastado de seu lar, ele perguntou mais uma vez:

- Por que, Senhor? E mais uma vez o Senhor respondeu: - Espere... e verás. 

Adquirindo a confiança de seu senhor, tudo pareceu melhorar. Afinal, mesmo em terra estranha, ele havia prosperado. Mas ele não sabia que seus encantos iriam levá-lo a uma nova humilhação. Assediado por sua senhora, recusou-se a pecar contra Deus e pagou alto preço. Desta vez, a prisão. Sem direito a nada, nem ao menos defender-se, ele não se desespera, mas pergunta:

- Por que, Senhor? A resposta ainda é a mesma: - Espere... e verás.
- Para que, Senhor? Só para ouvir ainda mais uma vez: - Espere... e verás.

Chega o dia do confronto: de um lado, aqueles que o desprezaram e humilharam, do outro ele, jovem bonito, homem feito, com o poder nas mãos. Nada mais importa. O passado é esquecido, a outra face é dada. A esperança renasce com a alegria da reconciliação. Os questionamentos têm fim com uma única certeza:

- Foi para salvar vidas que o Senhor me enviou...

José tinha um propósito: agradar a Deus, não importa o que acontecesse. Ele não sabia do propósito de Deus, mas descansava nEle, confiando sempre que o Senhor o estava direcionando para o cumprimento desse propósito.

Muitas vezes (ou, quase sempre), nós nos desesperamos, queremos respostas imediatas, soluções "pra ontem".

Descarregamos em Deus toda nossa frustração por não obter tudo no tempo que é hoje, agora. Mas Deus, pacientemente, nos responde: - Espere... e verás.

Essa espera depende de confiança plena. Crer que o Senhor usará tudo para o nosso bem, muito embora as circunstâncias provem o contrário.

Que o exemplo de José nos inspire a confiar em Deus todo o tempo, certos de que Ele sempre nos ouve e responde, seja SIM, ou NÃO, ou, simplesmente... ESPERE!!!  

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)
Graça e Paz

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

DEUS NÃO ESTÁ AUSENTE


Quando o cristão, de Bíblia na mão, examina o cenário mundial, percebe que não adoramos um Deus ausente e que Deus se acha nas sombras da história e que Ele tem um plano. O cristão não se perturba com o caos, a violência, o atrito, o derramamento de sangue e a ameaça de guerra que enchem as páginas de nossos jornais. Sabemos que essas coisas são consequência do pecado e da cobiça do homem, e se estivessem acontecendo outras coisas, teríamos dúvidas quanto à Bíblia.

Todos os dias temos milhares de provas do cumprimento das profecias bíblicas, e sempre que leio meu jornal digo a mim mesmo: "A Bíblia tem razão."

Por mais pressagiado que seja o futuro, o cristão conhece o final do enredo da história. Estamos caminhando para um clímax glorioso, e todos os escritores do Novo Testamento acreditam em que "o melhor está ainda por vir".

Como disse John Baillie, "a Bíblia mostra que o futuro se acha nas mãos de Deus. Se estivesse nas nossas, faríamos tremenda confusão. O futuro não está nas mãos do demônio, pois nesse caso ele nos levaria à destruição. O futuro não está à mercê de qualquer determinismo histórico que nos leve cegamente à frente, pois nesse caso a vida seria destituída de sentido. Mas o futuro se acha em mãos daquele que está preparando algo que 'nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano'."

Disse o salmista: "O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?" (Salmos 27:1). 
Conta-se o caso de um menino que viajava sozinho num trem, na Inglaterra. Numa das estações, um cavalheiro idoso entabulou conversa com o menino, seguindo-se o diálogo:

– Está viajando sozinho, meu filho?
– Sim, senhor.
– Até onde você está viajando?
– Até o fim da linha.
– Não tem medo de fazer toda essa viagem sozinho?
– Não, não tenho.
– E por que?
– Porque meu pai é o maquinista.

Não admira que o menino demonstrasse tanta confiança e nada receasse. Seu pai estava no controle da composição, e sabia que seu filho estava em alguma parte da mesma.

Deus, nosso Pai, está no controle do mundo e conhece "os Seus", neste planeta em rebelião.

Conta-se que o secretário de Oliver Cromwell foi despachado ao continente europeu com alguma missão importante. Pernoitou uma vez numa cidade da costa e revolvia-se na cama, incapaz de conciliar o sono. De acordo com costume antigo, um servo dormia em seu quarto e, enquanto aquilo sucedia, o mesmo dormia a sono solto. O secretário de Cromwell, afinal, despertou o homem, que perguntou por que seu senhor não conseguia descansar.

– Tenho grande receio de que alguma coisa corra mal nesta viagem – foi a resposta.
– Senhor – perguntou o criado
– posso fazer uma ou duas perguntas? Deus governava o mundo antes de nascermos?
– Sem a menor dúvida.
– E o governará também depois de estarmos mortos?
– Certamente que sim.
– Nesse caso, senhor, porque não O deixamos governar também o presente?
 A fé do secretário de Cromwell se avivou, daí resultou sua paz de espírito e, em poucos minutos, tanto ele quanto seu criado dormiam profundamente.

A história está marchando para algum lugar. O cristão diz, com Davi: "Nas tuas mãos estão os meus dias" (Salmos 31:15). E sabemos perfeitamente que Aquele que faz bem todas as coisas trará a beleza, extraída das cinzas e do caos mundial.

Um novo mundo está nascendo, e uma nova ordem social aparecerá quando Cristo voltar para estabelecer Seu Reino.

As espadas serão transformadas em ferramentas de lavoura e o leão se deitará ao lado da ovelha. Um futuro fabuloso está à nossa frente.

Extraído do Livro MUNDO  EM  CHAMAS de BILLY GRAHAM / Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 10 de setembro de 2019

DESERTO, VAZIO, FRIEZA, TRILHA RUMO AO OASIS


Porque algumas vezes nos sentimos vazios: Frios, Deus parece que não nos ouve?

Deus está conosco, Jesus prometeu estar conosco todos os dias até a consumação do século Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. (Mt. 28.20)

O Espírito Santo faz morada em nós. Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?(ICo.6.19)

Todavia, nem sempre percebemos essa presença, quando isto acontece só resta a sensação de vazio e frieza espiritual.

Deus quer que pela fé (Hb 11:1) creiamos que Ele está conosco, que haja abundância de vida mesmo no deserto: Que, passando pelo vale de Baca, faz dele uma fonte; a chuva também enche os tanques. (Salmos 84:6); E quanto ao que disseste, que o não verás, juízo há perante ele; por isso espera nele. (Jó 35:14)

Deserto é dificuldade de discernir, ver e/ou sentir Deus presente, embora Ele sempre esteja: Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.
(Sl 34:18).

Fé é ter convicção de fatos que não se vêem, Deus trabalha em nossa fé e, muitas vezes permite que não o sintamos presente para lançarmos mão da fé.

Precisamos usar a fé e não sentidos (Porque andamos por fé, e não por vista). 2 Co 5:7, crer que Deus está ali mesmo que não o veja ou o sinta.
Devemos manter vida devocional, mesmo que não haja o calor da presença divina. Preservar enquanto durar o deserto.

O deserto de Jesus durou 40 dias, o dos Judeus 40 anos, quando foram guiados por Moisés rumo à terra prometida, Elias foi graduado no deserto, Paulo passou três anos no deserto da Arábia e, foi preparado por Deus para ser o maior líder do Cristianismo.

Quando Deus nos leva para o deserto é para nos equipar e depois nos usar com graça e poder em sua obra, o nosso deserto durará o quanto for preciso.

Por isso se faz necessário:
Confiar nas promessas do Senhor. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo (1 Pedro 1:3-5)

Perseverar no lado do Senhor, descansando n’Ele - Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. (1 Pedro 5:7)
Opondo-se e resistindo ao diabo e às tentações. Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;

Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo. (1 Pedro 5:8-9) Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. (Tiago 4:8). 

Alegrar-se nas bênçãos provenientes das provações Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; (1 Pedro 1:6-7)

O Deserto é apenas um local de passagem que cedo ou tarde é trilhado por aqueles que desejam chegar ao Oasis.

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)
Graça e Paz

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

VOCÊ AINDA OUVE A VOZ DE DEUS? OU ELE NÃO FALA MAIS?


“Ah, Israel, se me ouvisses..”. Sl 81.8

NADA É MAIS RECOMPENSADOR DE QUE OUVIR O QUE DEUS TEM A NOS DIZER.
A Bíblia diz explicitamente que Deus ainda fala tão poderosamente quanto nos dias em que ela foi escrita. Sua voz espera se ouvida. “Ah, Israel, se me ouvisses..”.

1. PORQUE DEUS FALA HOJE?
Nosso Deus não se isolou do mundo, nem das pessoas. É um Deus que se comunica.

* ELE NOS AMA TANTO QUANTO AMAVA AS PESSOAS NOS TEMPOS DO ANTIGO TESTAMENTO
- Quando somente uma pessoa fala e outra só escuta, não existe comunhão.
- Deus ainda nos fala hoje porque deseja estabelecer conosco um relacionamento de amor que envolve uma comunhão entre as duas partes.

* DEUS NOS FALA, PORQUE PRECISAMOS DE SUA ORIENTAÇÃO DEFINIDA E DECISIVA EM NOSSAS VIDAS.
- Tal como aconteceu com Josué, Moisés,Jacó Noé.
- Como seus filhos precisamos de seus conselhos para sermos eficazes na tomada de decisões.

* DEUS NOS FALA HOJE, PORQUE ELE SABE QUE NECESSITAMOS DE CONSOLO E SEGURANÇA COMO ACONTECIA COM OS CRENTES DE OUTRA ERA.

* DEUS NOS FALA HOJE, PORQUE DESEJA QUE O CONHEÇAMOS.

2. COMO DEUS FALOU NOS DIAS DO ANTIGO TESTAMENTO?
Se Deus ainda fala, de que forma Ele o faz? Como foi no Antigo Testamento.
DEUS FALOU POR REVELAÇÃO DIRETA: (Gn.12:1-3) Abraão e os demais patriarcas.
DEUS FALOU POR MEIO DE SONHOS: (Gn.37:6-11)
DEUS FALOU POR MEIO DE SUA PALAVRA ESCRITA. (Ex.20; 2Tm.3:16)
DEUS FALOU POR MEIO DOS PROFETAS. (Hb.1:1)
DEUS FALOU POR MEIO DE CIRCUNSTÂNCIAS. (Jz.6:11-40) A história de Gideão.
DEUS FALOU POR MEIO DE ANJOS. (Jz.6:11-12)

3. COMO DEUS FALA HOJE?
* POR MEIO DE SUA PALAVRA. (SL.1)
A revelação escrita é a verdade progressiva a respeito de Deus anunciada pelo próprio Deus.(2Tm.3:16; Sl.119:9)
(Sl.119:130) “Ao meditarmos na palavra de Deus, com um pedido ou decisão; Ele fala conosco”.
Às vezes Deus nos leva a mesma mensagem várias vezes.

* ATRAVÉS DO ESPIRITO SANTO. (At.13:2)
Na verdade a maneira principal pela qual Jesus falou no Novo Testamento foi pelo Espirito Santo.
Hoje Deus fala ao nosso espírito pelo Seu Espírito que vive, habita e permanece em nós.

É UMA FALA AO CORAÇÃO (ISm.16:7)
“SE ANDARMOS DIRETAMENTE NO ESPIRITO, SUBMISSOS AO SEU PODER, TEMOS O DIREITO DE ESPERAR OUVIR DE DEUS TUDO AQUILO QUE PRECISAMOS. O ESPIRITO SANTO QUE VIVE EM NÓS E FALA CONOSCO DEVERIA SER A MARCA NATURAL DE NOSSO ESTILO DE VIDA COMO CRENTES”. (Ef.2:22)

* POR OUTRAS PESSOAS. (At.8:6-8)
Através de pessoas nas mãos de Deus. Às vezes ele usa a simplicidade das crianças.

* CIRCUNSTÂNCIAS
Seja uma observação; uma leitura; um acontecimento inesperado.

4. MANEIRAS QUE DEUS CAPTA NOSSA ATENÇÃO
“A FALA DE DEUS A NÓS MERECE NOSSA CONCENTRAÇÃO MÁXIMA”.
Para evitar que fiquemos insensíveis à Sua voz, Deus tem seus meios de captar nossa atenção.
Podemos estar envolvidos com nossos negócios ou com nossa família, mas, se ouvirmos Deus falando conosco, imediatamente saberemos o que fazer. O problema é que nem sempre andamos no Espirito.(Gl.5:16). Há ocasiões que escolhemos fazer as coisas a nosso modo. Estamos caminhando tão depressa em determinada direção que se, Deus falar conosco, não o ouviremos, pois não estamos em sintonia cm ele.

UM ESPIRITO INQUIETO
Veja Ester 6:1, o Rei Assuero perdeu o sono e foi ler as crônicas.
Creio que uma das maneiras mais simples pelas quais Deus consegue captar nossa atenção é fazer-nos inquietos.
Podemos estar dando seqüência normal a nossa vocação etc..quando uma inquietação começa a surgir dentro de nós. Dessa maneira, a inquietude pode nos levar a ouvir a voz de Deus.

UMA PALAVRA DE OUTRAS PESSOAS
- IISm.12 – Natã repreende Davi.
-  Conselhos de homem de Deus: Pastor; conselheiro, e pregações na igreja.
-  IICr.10 – Roboão preferiu ouvir os jovens, não aos anciãos.

BÊNÇÃOS (Rm.2:4)
Bênçãos incomuns: Espirituais ou materiais. ELE SABE DE NOSSO FUTURO E AGE COMO UM PAI QUE PROVÊ E ACIMA DE TUDO: AMA.

ORAÇÕES NÃO RESPONDIDAS

QUE DEUS NOS AJUDE A SERMOS SENSÍVEIS A SUA CONSTANTE VOZ. A VERDADE É QUE DEUS SEMPRE ESTÁ FALANDO CONOSCO.

QUANDO FOI A ULTIMA VEZ QUE VOCÊ OUVIU A SUA VOZ, OU ELE NÃO NOS FALA MAIS?

Fonte: AD Perus

Por Litrazini
Graça e Paz