quinta-feira, 26 de setembro de 2013

A Videira Verdadeira

Eu sou a videira verdadeira, vós, os ramos; quem está em mim, e eu nele, este dá muito fruto, porque sem mim nada podereis fazer” (João 15.1-16).

Nesta parábola ou alegoria, Jesus se descreve como “a videira verdadeira” e aqueles que se tornaram seus discípulos, como “os ramos”. Ao permanecerem ligados nEle como a fonte da vida, frutificam: Deus é o lavrador que cuida dos ramos, para que deem fruto (vv.2, 8). Deus espera que todo cristão dê fruto.

Jesus fala de duas categorias de ramos: infrutíferas e frutíferas.

(1) As varas que cessam de dá fruto são as que já não têm em si a vida que provém da fé perseverante em Cristo e do amor a Ele. A essas varas o Pai tira, i.e., ele as separa da união vital com Cristo (cf. Mt 3.10). Quando cessam de permanecer em Cristo, Deus passa a julgá-las e a rejeitá-las (v. 6).

(2) As varas que dão fruto são as que tem vida em si por causa da sua perseverante fé e amor para com Cristo. A essas varas o Pai limpa, poda, a fim de ficarem mais frutíferas. Isso quer dizer que ele remove de suas vidas qualquer coisa que desvia ou impede o fluxo vital de Cristo. O fruto é o caráter cristão, como qualidades, que no crente glorifica a Deus, mediante sua vida e seu testemunho (ver Mt 3.8; 7.20; Rm 6.22; Gl 5.22,23; ef 5.9; Fp 1.11).

(3) Quando uma pessoa crê em Cristo e recebe o seu perdão, recebe a vida eterna e o poder de estar ou permanecer nEle. Tendo esse poder, o cristão precisa aceitar sua responsabilidade quanto à salvação e permanecer em Cristo. Assim como o ramo só tem vida enquanto a vida da videira flui no ramo, o cristão tem a vida de Cristo somente enquanto esta vida flui nele pela sua permanência em Cristo. A palavra grega aqui é meno, que significa “continuar”, “permanecer”, “ficar”, “habitar”.

As condições mediante as quais permanecemos em Cristo são:
(a) conservar a Palavra de Deus continuamente em nosso coração e mente, tendo-a como guia das nossas ações (v. 7);
(b) cultivar o hábito da comunhão constante e profunda com Cristo, a fim de obtermos dEle forças e graça (v.7);
(c) obedecer aos seus mandamentos e permanecer no seu amor (v.10) e amar uns aos outros (vv. 12, 17);
(d) conservar nossa vida limpa, mediante a Palavra, resistindo a todo pecado, ao mesmo tempo submetendo-nos à orientação do Espírito Santo (v. 3; 17; Rm 8.14; Gl 5.16-18; Ef 5.26; 1 Pe 1.22). 

(4) A alegoria da videira e das varas deixa plenamente claro que Cristo não admitia que “uma vez na videira, sempre na videira”. Pelo contrário, Jesus nessa alegoria faz aos seus discípulos uma advertência séria, porém amorosa, mostrando que é possível um verdadeiro cristão abandonar a fé, deixar Jesus, não permanecer mais nEle e por fim ser lançado no fogo eterno do inferno (v. 6).

Temos aqui o princípio fundamental que rege o relacionamento salvífico entre Cristo e o crente, a saber: que nunca é um relacionamento estático, baseado exclusivamente numa decisão ou experiência passada. Trata-se, ao contrário de um relacionamento progressivo, à medida que Cristo habita no crente e comunica-lhe sua vida divina (Cl 3.4; 1 Jo 5.11-13).

Três verdades importantes são ensinadas nesta passagem.
(a) A responsabilidade de permanecer em Cristo recai sobre o discípulo.É esta a nossa maneira de corresponder ao dom da vida e ao poder divinos concedidos no momento da conversão.
(b) Permanecer em Cristo resulta em Jesus continuar a habitar nós (v. 4a); frutificação do discípulo (v.5); sucesso na oração (v. 7); plenitude de alegria (v.11);
(c) As consequências de o cristão deixar de permanecer em Cristo são a ausência de fruto (vv. 4,5), a separação de Cristo e a perdição (vv. 2a, 6).

“Pedirdes o que quiserdes” - O segredo de resposta à nossa oração é permanecer em Cristo. O princípio que Cristo ensina aqui é que, quanto mais perto o homem vive de Cristo, pela meditação, estudo das Escrituras e comunhão com ele, tanto mais suas orações estarão em harmonia com a sua natureza e as suas palavras e, portanto, mais eficazes serão essas orações.

“Permanecei no meu amor” – O cristão deve viver na atmosfera do amor de Cristo. Jesus, a seguir declara que isso se dá quando guardamos seus mandamentos.

“Para que vades e deis fruto” – Todos os cristãos são escolhidos “do mundo” (v.19) para “dar fruto” para Deus (vv. 2,4,5,8).

Essa frutificação se refere

(1) às virtudes espirituais como as mencionadas em Gl 5.22,23 – amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança (cf. Ef 5.9; Cl 1.10: Hb 12.11; Tg 3.18); e

(2) à conversão a Cristo, doutras pessoas (Jo 4.36; 12.24).

Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal

Por Litrazini:


Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário