terça-feira, 30 de abril de 2019

SER CHEIO E FICAR CHEIO DO ESPÍRITO SANTO


Duas expressões empregadas no Novo Testamento às vezes intrigam os cristãos: ser cheio e ficar cheio. Algumas pessoas fazem distinção entre as duas.

Eu concordo que possa haver urna distinção, se bem que mínima. Por exemplo, ser cheio do Espírito se refere, parece-me, ao "estado" do crente. Eu acho que João Batista e o apóstolo Paulo estavam sempre cheios do Espírito; era um estado contínuo.

Para eles, no entanto, "ficar cheio do Espírito" também podia se referir a uma capacitação ou "confirmação" particular e ocasional para um propósito e uma tarefa especial.

Alguns dos santos do Novo Testamento que Deus usou para tarefas especiais "ficaram cheios do Espírito". Talvez não fossem capazes de suportar esta sobrecarga de poder sempre; mas em momentos de grande necessidade eles a recebiam por tempo determinado.

Eu tenho certeza que Deus nos dá força do Espírito Santo na proporção dos tarefas a nós confiadas.

Nós temos um amigo que é pastor presbiteriano aposentado. Seu pai operava um bate-estacas. Ele contou que uma vez observou os enormes bate-estacas levando estacas para o leito do rio Mississipi, porque iam fazer uma ponte. Cada estaca era erguida no lugar determinado e, com uma enorme roncada do bate-estacas, fixada com firmeza no fundo do rio. 
À tarde o menino, Grier Davis, estava brincando em sua cancha de areia, tentando imitar o que tinha visto de manhã. Mas com todo o esforço ele não conseguia enfiar seus pedaços de madeira na areia como tinha visto os bate-estacas fazerem com os pilares no rio.

Então teve uma idéia brilhante. Correndo para Seu pai, pediu-lhe permissão para emprestar um dos bate-estacas. Com uma risada o pai lhe explicou que o bate-estacas era muito grande para o pequeno trabalho que ele queria fazer, e que um martelo seria mais útil.

Assim é com o poder do Espírito Santo. Quando Deus nos incumbe de algo, Ele também dá o poder para realizá-lo. Por isso ser cheio do Espírito deveria ser a condição normal do cristão, porque estamos sempre sendo enchidas.

Mas, então, o que fazer das diversas ocasiões específicas em que pessoas ficaram cheias do Espirito, mencionadas no livro de Atos?

Dr. Merrill C. Tenney ilustra isto com uma casa de cidade: A maioria das casas estão ligadas à rede de água da cidade. Esta supre a casa com a água suficiente para a vida normal. Mas se ocorrer um incêndio, os bombeiros usarão um hidrante da rua para terem mais água para enfrentar o fogo.
"Ser cheio" do Espírito é como esta casa que sempre tem água.

"Ficar cheio",como os apóstolos em Atos 4:31, é receber energia e poder extra para um serviço especial. "Tendo eles orado . . . todos ficaram cheios do Espírito Santo, e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus" (Atos 4:31).

Para esta tarefa especial de persistir na evangelização mesmo contra a violenta oposição da liderança religiosa, os discípulos precisavam ficar especialmente cheios do poder de Deus.

Eles tinham "estado cheios do Espírito" o tempo todo; agora precisavam "ficar especialmente cheios" para estar à altura das exigências especiais que lhes eram feitas.

Extraído do Livro O PODER DO ESPÍRITO  SANTO de autoria de Billy Graham / Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 29 de abril de 2019

SABENDO MAIS SOBRE A ORAÇÃO


Oração = hebraico – tephillah: oração, súplica e intercessão

E eu vos digo a vós: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á; Porque qualquer que pede recebe; e quem busca acha; e a quem bate abrir-se-lhe-á. E qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, também, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, também, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem? Lc.11. 9 a 13.

Orar é comunicar-se com Deus. Esta comunicação é em forma de diálogo. Ou seja, nós falamos com Deus, buscamos comunhão com Ele e aguardamos a sua resposta. Não é só falar com Deus é comunicar-se com Deus, é permitir que Ele também fale conosco.

ORAÇÃO DEVE SER ACOMPANHADA DE:

ARREPENDIMENTO, CONFISSÃO, AUTO-HUMILHAÇÃO: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” II Cr. 7.14;

CHORO - “Virão com choro, e com súplicas os levarei; guia-los-ei aos ribeiros de águas, por caminho direito, em que não tropeçarão; porque sou um pai...”Jr 31.9;

JEJUM -“Então, jejuando, orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram” At.13.3;

VIGILÂNCIA,“E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto, sede sóbrios e vigiai em oração” I Pe 4.7;

LOUVOR, “A ele clamei com minha boca, e ele foi exaltado pela minha língua” Sl 66.17;

AÇÕES DE GRAÇA, “Eu te louvarei, Senhor, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas.” Sl. 9.1.

POSTURAS MAIS USADAS EM ORAÇÃO
De pé, de mãos levantadas “E pôs-se Salomão diante do altar do Senhor, em frente de toda a congregação de Israel, e estendeu as mãos para os céus” I Rs 8.22; Prostrado, ajoelhado e de bruços “Ò, vinde, adoremos e prostremo-nos! Ajoelhemos diante do Senhor que nos criou” Sl 95.6.

Não devemos nos preocupar com palavras,

Jesus nos ensinou que é na simplicidade das palavras que nossa oração tem valor. Observe alguns conselhos dados por Jesus:

a)- Não ficar repetindo palavras – “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos” Mt 6.7

b)- Não precisamos falar muito, deixemos Deus também falar.

c)- Orar sempre e em todo lugar – “Orai sem cessar” I Ts 5.17

d)- Saber que Deus sempre está escutando a oração –“Bendito seja Deus, que não rejeitou a minha oração, nem desviou de mim a sua misericórdia” Sl 66.20

Toda oração deve alcançar os propósitos pelos quais Deus nos deu esta oportunidade de comunicar com ele:
A)- GLORIFICAR A DEUS Atos 16:25 diz: “...Mas a meia-noite, orando Paulo e Silas, cantavam hinos a Deus e os presos ouviam”. Como resultado disto houve um terremoto que até as correntes foram quebradas.
B)- SATISFAZER NOSSAS NECESSIDADES BÁSICAS –“Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno” Hb. 4.16
C)- OBTER RESPOSTA DE DEUS PARA SITUAÇÕES ESPECÍFICAS –“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.” Mt. 7.7
D)- MANTER E AUMENTAR NOSSA COMUNHÃO COM DEUS – “O caminho do ímpio é abominável ao Senhor, mas a oração dos retos é o seu contentamento” Pv 15.8
E)- OBTER VITÓRIA SOBRE A TENTAÇÃO – “E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino…”Mt 6.13
F)- INTERCEDER PELO NOSSO PRÓXIMO – “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações intercessões e ações de graças por todos os homens” I Tm 2.1

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

domingo, 28 de abril de 2019

VITÓRIA SOBRE VÍCIOS E HÁBITOS NOCIVOS


Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; E vos renoveis no espírito da vossa mente; E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Efésios 4.22-24;

Geralmente quando pensamos ou falamos em vício vem à nossa mente práticas como: fumar, beber, usar drogas, não pagar as dívidas, fofocar a vida alheia e tantas outras coisas que não agradam a Deus e que não edificam.

O QUE É VÍCIO? É a tendência habitual para certo mal, é o hábito de proceder mal, e costume condenável ou censurável.

O VICIADO É UM ESCRAVO – “Replicou-lhe Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado” (João 8.34) e “Quanto ao perverso, as suas iniquidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido” (Provérbios 5.22).

A pergunta que fazemos é a seguinte: É possível alcançar vitória sobre vícios e hábitos nocivos?

À luz da Palavra de Deus dizemos que sim. Convido você para dar os seguintes passos:

1.DESPOJAR-SE DO VELHO HOMEM
“No sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano”(Efésios 4.22). Despojar-se é o mesmo que despir-se. 

Quando nascemos de novo, quando somos regenerados pelo Espírito Santo, o nosso velho homem é crucificado com Cristo (Romanos 6.6,11; Gálatas 2.19-20). As coisas velhas deixam de existir: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Coríntios 5.17).

Vícios e hábitos nocivos são coisas próprias do velho homem. Precisamos nos despojar de tudo aquilo que não glorifica o nosso Deus Santo.

2. RENOVAR NO ESPÍRITO DO NOSSO ENTENDIMENTO
Vícios e hábitos nocivos são coisas próprias do velho homem. Precisamos nos despojar de tudo aquilo que não glorifica o nosso Deus Santo.

“E vos renoveis no espírito do vosso entendimento”(Efésios 4.23). A ideia deste versículo é de uma renovação da mente e do coração. Em Cristo recebemos uma mente renovada e um coração novo.

Agora temos a mente de Cristo (1 Coríntios 2.16) e um coração novo (Ezequiel 36.26). Nosso coração é limpo pelo sangue de Jesus (Mateus 5.8); nossa mente não é mais um depósito de lixo (Filipenses 4.8).

“E vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (Efésios 4.24). 

3.REVESTIR-SE DO NOVO HOMEM
Quem é o novo homem? É aquele que está em Cristo; Cristo ocupa o centro da sua vida. É aquela pessoa que tem um novo estilo de vida. 

Leiamos Efésios 4.25, 28, 29, 31: “Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros. Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem. Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia”. 

4.VIVER NO ESPÍRITO 
“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências” (Gálatas 5.22-24). 

Não há outra forma, outra maneira de alcançar vitória sobre os vícios e hábitos nocivos se não seguirmos a orientação segura das Escrituras Sagradas.

Quando estamos cheios do Espírito Santo não há espaço para o pecado.

Assim Deus nos ajude dando-nos a graça para andarmos em novidade de vida, experimentando o que diz a Palavra em Romanos 6.14: “Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça”.

Fonte: IPILON / Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 27 de abril de 2019

O MARTELO, A LIMA, E A FORNALHA


Foi o arrebatado Rutherford que disse no meio de provações muito dolorosas e sofrimentos: Louve a Deus pelo martelo, pela lima, e pela fornalha! 

Pensemos a esse respeito. O martelo é um instrumento útil e manejável. É uma ferramenta essencial e útil, se for preciso bater um prego. Cada golpe força o prego a aprofundar-se mais à medida que a cabeça do martelo bate e bate. 

Mas se o prego tivesse sentimentos e inteligência, ele nos daria outra versão da história. Para o prego, o martelo é um senhor brutal e implacável — um inimigo que gosta de surrar até à submissão. Essa é a opinião que o prego tem do martelo. É correta. Exceto quanto a uma coisa. O prego tende a esquecer-se de que tanto ele como o martelo são seguros pelo mesmo trabalhador. O trabalhador decide a "cabeça" de quem ele baterá até desaparecer de vista. . . e qual o martelo que será usado para fazer o serviço. 

Esta decisão é direito soberano do carpinteiro. Lembre-se o prego de que ele e o martelo são seguros pelo mesmo trabalhador. . . e seu ressentimento diminuirá à medida que ele se rende ao carpinteiro sem queixar-se. 

A mesma analogia vale para o metal que resiste à raspagem da lima e ao sopro da fornalha. Se o metal se esquecer de que ele e as ferramentas são objetos do cuidado do mesmo artesão, ele desenvolverá ódio e ressentimento. O metal deve ter em mente que o artífice sabe o que está fazendo. . . e está fazendo o que é melhor. 

Os sofrimentos e os desapontamentos são como o martelo, a lima e a fornalha. 

Eles são apresentados em todos os formatos e tamanhos: um romance irrealizado, uma enfermidade prolongada, uma morte prematura, um alvo na vida inatingido, um lar ou um casamento desfeitos, uma amizade cortada, um filho rebelde e obstinado, um relatório médico pessoal que aconselha "cirurgia imediata", a perda de um ano escolar, uma depressão que simplesmente não vai embora, um hábito que não parece quebrar. 

Alguns sofrimentos vêm repentinamente. . . doutras vezes aparecem com o decorrer de muitos meses, vagarosamente como a erosão da terra.

Escrevo a um "prego" que começou a ressentir-se dos golpes do martelo? Está você à beira do desespero, pensando que não pode suportar outro dia de sofrimento? É isso que o abate? 

Por difícil que lhe pareça crer nisto hoje, o Mestre sabe o que está fazendo.

Seu Salvador conhece seu ponto de ruptura. O processo de amoldar, de esmagar e de fundir destina-se a remodelá-lo, e não arruiná-lo. Seu valor está aumentando quanto mais ele se demora sobre você. 

A. W. Tozer concorda:  É duvidoso se Deus pode abençoar grandemente um homem até que ele o tenha ferido profundamente. 

Amigo sofredor — não dê o braço a torcer. À semelhança de Davi quando a calamidade desmoronou, fortaleça-se no Senhor seu Deus (1 Samuel 30:6). A mão de Deus está no seu sofrimento. Sim, ela está. 

Se você não fosse importante, pensa que ele tomaria este tempo e trabalharia duro em sua vida? 

Aqueles a quem Deus usa mais efetivamente foram martelados, limados e temperados na forja das provações e dos pesares. 

Extraído do Livro: Dê-me ânimo - Charles R. Swindoll  / Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 26 de abril de 2019

O ECO E A VIDA


Um filho e seu pai caminhavam pelas montanhas.

De repente seu filho cai, machuca e grita:
- Aaaii !!

Para sua surpresa escuta a voz se repetir, em algum lugar da montanha:
- Aaaii !!

Curioso, pergunta: - Quem é você ??

Recebe como resposta: - Quem é você ??

Contrariado, grita: - Seu covarde !!

Escuta como resposta: - Seu covarde !!

Olha para o pai e pergunta aflito: - O que é isso ?

O pai sorri e fala: - Meu filho preste atenção.

Então o pai grita em direção a montanha: - Eu admiro você !

A voz responde: - Eu admiro você !

De novo o homem grita: - Você é um campeão !

A voz responde: - Você é um campeão !

O menino fica espantado, não entende. Então o pai explica:

- As pessoas chamam isso de ECO, mas na verdade isso é a vida. Ela lhe dá de volta tudo o que você diz ou faz. Nossa vida é simplesmente o reflexo de nossas ações. Se você quer mais amor no mundo, crie mais amor no seu coração. Se você quer mais competência da sua equipe, desenvolva a sua competência.

O mundo é somente a prova da nossa capacidade. Tanto no plano pessoal quanto no profissional, a vida vai lhe dar de volta o que você deu a ela.
Sua vida não é uma COINCIDÊNCIA, é CONSEQUÊNCIA de você.

Que possamos refletir aquilo que estamos semeando neste mundo, com as nossas atitudes e palavras

A D / Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 25 de abril de 2019

DISTÚRBIO ALIMENTAR, UM MAL DESNECESSÁRIO


Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça (2 Timóteo 3.16)

Grande parte da população tem passado por situações difíceis no que tange à alimentação. Por conta de vários fatores, temos visto que dia a dia o número de pessoas desnutridas e/ou obesas por conta de uma alimentação desequilibrada tem aumentado assustadoramente; Isso também acontece no campo espiritual.

Conta-se que o dono de um burro, por problemas financeiros, resolveu economizar na alimentação do animal.

A orientação era dar comida um dia sim, um dia não, procurou acostumar o burro nessa rotina, depois, um dia sim, dois dias não, posteriormente um dia sim, três dias não...

Então! Quando o burro estava quase acostumado, morreu.

Salmo 136.25 diz: (Louvai ao Senhor)... o que dá mantimento a toda a carne; porque a sua benignidade dura para sempre.

Precisamos além da alimentação diária através da leitura bíblica, além de conhecer as doutrinas nela contida, além de aceitá-las como verdadeiras, conhecer o seu autor e estar em íntima comunhão diária.

Deus não se limita a revelar os seus pensamentos ou a anunciar os seus feitos; revela-nos, sobretudo, que Ele é amor; revela-nos nas perfeições infinitas que são os seus atributos: bondade, misericórdia, justiça, santidade, e muitos outros.

As palavras de Jesus são espírito e vida: O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida.(Jo.6.63).

Nós conhecemos o autor da Bíblia: Conhecemos a Deus e a Jesus Cristo: E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste (Jo. 17.3)

Um texto que reflete nitidamente o que estou dizendo encontra-se no Salmo 119:97-111

Oh! quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia. Tu, pelos teus mandamentos, me fazes mais sábio do que os meus inimigos; pois estão sempre comigo.

Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque os teus testemunhos são a minha meditação. Entendo mais do que os antigos; porque guardo os teus preceitos.

Desviei os meus pés de todo caminho mau, para guardar a tua palavra. Não me apartei dos teus juízos, pois tu me ensinaste.

Oh! quão doces são as tuas palavras ao meu paladar, mais doces do que o mel à minha boca.

Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho. Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.

Jurei, e o cumprirei, que guardarei os teus justos juízos.

Estou aflitíssimo; vivifica-me, ó SENHOR, segundo a tua palavra.

Aceita, eu te rogo, as oferendas voluntárias da minha boca, ó SENHOR; ensina-me os teus juízos.

A minha alma está de contínuo nas minhas mãos; todavia não me esqueço da tua lei.

Os ímpios me armaram laço; contudo não me desviei dos teus preceitos.

Os teus testemunhos tenho eu tomado por herança para sempre, pois são o gozo do meu coração.

É necessário que cuidemos da nossa comida, não podemos negligenciar o que determinará o nosso futuro esse mundo, mas, principalmente na eternidade.

Descaso na alimentação espiritual... é imprudência, parecida com a do dono do burro.

Cuidado com isso!!

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 24 de abril de 2019

AS TRIBULAÇÕES DO CRISTÃO

“Porque por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (Atos 14.22).

AQUELES QUE SE DEDICAM a Cristo, como Senhor, e que um dia entrarão no reino do céu, hão de sofrer “muitas tribulações” ao longo do seu caminho. Por viverem em meio a um mundo hostil, têm que se engajar na guerra espiritual contra o pecado e o poder de Satanás (Ef 6.12; cf. Rm 8.17; 2 Ts 1.4-7; 2. Tm 2.12).

Por outro lado, a vida verdadeiramente cristã é uma contínua batalha contra os poderes do mal.

(1) Os que são fiéis a Cristo, à sua Palavra e aos caminhos da justiça, terão problemas e aflições neste mundo (Jo 16.33). Somente o “crente” morno ou de meio termo viverá em paz com este mundo (cf. Ap 3.14-7).

(2) O presente mundo ímpio, bem como os falsos crentes, continuarão como adversários do evangelho de Cristo até quando o Senhor derrubar o sistema maligno deste mundo, na sua vida (Ap 19.20). Entrementes, a esperança do crente “está res. e está “já prestes para se revelar no último tempo” (1 Pe 1.5). Sua esperança não consiste nesta vida, nem neste mundo, mas no aparecimento do seu Salvador para levá-lo para si (Jo 14.1-3. 1 Jo 3.2,3)” (Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal).

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência; e a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança” (Rm 5.3-4).

“Paulo alista “tribulações” como uma das bênçãos da salvação em Cristo.

(1) A palavra “tribulação” refere-se a todos os tipos de provações que podem nos afligir. Isto inclui coisas como necessidades financeiras ou materiais, circunstâncias difíceis, tristeza, enfermidade, perseguição, maus tratos ou solidão.

(2) Em meio a estas aflições, a graça de Deus nos capacita a buscar mais diligentemente a sua face e produz em nós um espírito e caráter perseverantes, que vencem as provações e as aflições da vida. A tribulação, ao invés de nos levar ao desespero e à desesperança, produz a paciência (v.3), a paciência produz a experiência (v.4), e a experiência resulta numa esperança madura que não decepciona (v. 5).

(3) A graça de Deus nos capacita a olhar além dos nossos problemas presentes, nossa ardente esperança em Deus e a certeza garantida da volta do nosso Senhor para estabelecer a justiça e a piedade no novo céu e nova terra (1 Ts 4.13; Ap 19 – 22).

Entrementes, enquanto estivermos na terra, temos o amor de Deus derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, a fim de nos consolar em nossas provações e trazer até nós a presença de Cristo (Jo 14.16-23)”

Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 23 de abril de 2019

A VOLTA PARA CASA


O caminho mais famoso no mundo, é a Via Dolorosa, “a vereda da tristeza”. Segundo a tradição, é a rota que Jesus percorreu do palácio de Pilatos até o Calvário.

A rota está marcada por estações usadas freqüentemente pelos cristãos para suas devoções. Uma dessas estações marca a passagem do veredicto de Pilatos.

Outra, a aparição de Simão para ajudar a levar a cruz. Duas estações recordam as quedas de Jesus e outra, as Suas palavras. No total, há quatorze estações, cada uma recordando os acontecimentos da caminhada final de Cristo.

É a rota verdadeira? Provavelmente não. Quando no ano 70 D.C. e mais tarde em 135, Jerusalém foi destruída, as ruas da cidade o foram também. Como resultado, ninguém sabe exatamente qual foi a rota que Jesus seguiu naquela sexta-feira.

Mas nós sabemos onde começa esse caminho.

Começa não no tribunal de Pilatos, mas sim nos salões do céu.

O Pai iniciou sua jornada quando deixou seu lar para vir em nossa busca. Iniciou a busca armado com nada mais que paixão para ganhar seu coração.

Esse é o coração da mensagem cristã.

Deus se fez homem. Nasceu em um estábulo comum, de pais comuns, mas seu propósito era extraordinário.

Veio para nos levar ao céu. Sua morte foi um sacrifício por nossos pecados.

Jesus foi nosso substituto. Ele pagou por nossos erros para que nós não tivéssemos que pagar.

O desejo de Jesus foi único: trazer seus filhos de volta para casa.

A Bíblia tem uma palavra para esta busca: reconciliação.

Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo (2 Coríntios 5.19)

A palavra grega traduzida como reconciliação quer dizer “fazer algo de uma maneira diferente”. A vereda da cruz nos diz exatamente quão longe Deus iria para voltar a juntá-lo todo.

A reconciliação torna a unir o que está separado, inverte a rebelião, reacende a paixão que se esfriou.

A reconciliação toca o ombro do extraviado e o põe no caminho para o lar.

Extraído do livro Ele escolheu você – Max Lucado / Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 22 de abril de 2019

OS TRÊS CONSELHOS


Um casal de jovens, recém-casados, era muito pobre e viviam de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta à esposa: 
- Querida, eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa: que você me espere e, enquanto estiver fora, seja fiel a mim, pois eu serei fiel a você.

Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajuda-lo em sua fazenda. O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito. Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.

O pacto seria o seguinte: 
- Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o senhor me dispensa das minhas obrigações. Eu não quero receber o meu salário. Peço que o senhor o coloque na poupança, até o dia em que eu for embora. No dia em que eu sair o senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho. Tudo combinado. Aquele jovem trabalhou durante vinte anos, sem férias e sem descanso.

Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse:
- Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa.

O patrão então lhe respondeu:
- Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumpri-lo. Só que antes, quero lhe fazer uma proposta, tudo bem? Eu lhe dou todo o seu dinheiro e você vai embora, ou eu lhe dou três conselhos e não lhe dou o dinheiro, Aí você vai embora. Porém, se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos. Se eu lhe der os conselhos eu não lhe dou o dinheiro. Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta.

Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe:
- Quero os três conselhos.

O patrão novamente frisou:
- Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro.

E o empregado respondeu:
- Quero os conselhos.

O patrão então lhe falou:
1 - Nunca tome atalhos em sua vida. Caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida;
2 - Nunca seja curioso para aquilo que é mal, pois a curiosidade pro mal pode ser mortal;
3 - Nunca tome decisões em momentos de ódio ou de dor, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.

Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:
- Aqui você tem três pães: dois para você comer durante a viagem e o terceiro e para comer com sua esposa quando chegar a sua casa.

O homem, então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.

Após o primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou:
- Para onde você vai?
Ele respondeu:
- Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por esta estrada.

O andarilho disse-lhe então:
- Rapaz, este caminho e muito longo. Eu conheço um ATALHO que "é dez" e você chega em poucos dias.

O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do PRIMEIRO CONSELHO. Então voltou e seguiu o caminho normal.

Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.

Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou uma pensão a beira da estrada, onde pôde hospedar-se. Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir. De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se a porta para ir até o local do grito. Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do SEGUNDO CONSELHO. Voltou, deitou-se e dormiu.

Ao amanhecer, após tomar o café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia ouvido um grito e ele disse que tinha ouvido. O hospedeiro disse:
- E você não ficou curioso?

Ele disse que não. No que o hospedeiro respondeu:
- Você é o primeiro hóspede a sair vivo daqui, pois meu filho tem crises de loucura: grita durante a noite e quando o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.

O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.

Depois de muitos dias e noites de caminhada, já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casinha. Andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa. Estava anoitecendo, mas ele pôde ver que ela não estava só. Andou mais um pouco e viu que ela tinha no colo um homem a quem estava acariciando os cabelos. Qando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade. Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do TERCEIRO CONSELHO. Então parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão.

Ao amanhecer, já com a cabeça fria ele disse:
- Não vou matar minha esposa e nem o seu amante. Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta. Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre fui fiel a ela.

Dirigiu-se a porta da casa e bateu. Quando a esposa abre a porta e o reconhece, se atira ao seu pescoço e o abraça afetuosamente. Ele tenta afastá-la, mas não consegue. Então, com lágrimas nos olhos, lhe diz:
- Eu fui fiel a você e você me traiu...
Ela espantada lhe responde:
- Como? Eu nunca te trai. Esperei durante esses vinte anos.

Ele então lhe perguntou:
- E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer?
E ela lhe disse:
- Aquele homem é nosso filho. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade.

Então o marido entrou, conheceu e abraçou seu filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café. Sentaram-se para tomar o café e comer o ultimo pão. Após a oração de agradecimento, com lágrimas de emoção, ele parte o pão e ao abri-lo, encontra todo o seu dinheiro: o pagamento por seus vinte anos de dedicação.

Muitas vezes achamos que o atalho "queima etapas" e nos faz chegar mais rápido, o que nem sempre é verdade...

Muitas vezes somos curiosos, queremos saber de coisas que nem ao menos nos dizem respeito e que nada de bom nos acrescentará..

Outras vezes, agimos por impulso, na hora da raiva, e fatalmente nos arrependemos depois..

Espero que você, assim como eu, não se esqueça desses TRÊS CONSELHOS e não se esqueça também de CONFIAR (mesmo que a vida muitas vezes já tenha te dado motivos para a desconfiança).

A D / Por Litrazini
Graça e Paz