quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Missão no mundo sem fronteiras


Missão é palavra a aquecer os corações; É anuncio do evangelho Num mundo injustamente globalizado...

Missão é romper barreiras... Abraçar o mundo; Ser e construir o humano Que vive na realidade do sonho.

Missão... É partir... Ir ao encontro do irmão Na força do Espírito Santo

Missão é testemunhar... servir... dialogar... anunciar... É abrir horizontes de vida e esperança Beber na fonte, saciar a sede do andarilho a procura de pão, saúde, esperança, fé e amor.

Missão é ser e fazer, é ir ao encontro dos que estão perto e dos que estão longe.

Missão é não cansar Andar... cantar...  Sonhar o novo na vida do povo... E ver que ainda é necessário Encantar, ousar... e se preciso for chorar...

Missão é não perder o encanto É gritar aos quatro ventos Que as sementes do verbo Estão a germinar...

Missão é para quem tem coragem...  Quem não tem medo de arriscar... Disponibilidade... 

Missão é despertar Para o novo

Missão não tem fronteiras Porque o mundo é nosso lar.

O dono do moinho, o filho dele e o burro foram ao mercado.

O dono do moinho estava montado no burro, as pessoas exclamavam:
- Homem malvado, monta o burro e faz o filho caminhar.

Então ele desceu e colocou o filho em cima do burro. Daí, as pessoas ficaram bravas:
- Que filho mais preguiçoso, montar no burro enquanto o pai que já é velho tem que caminhar.

Então, o pai e o filho montaram no burro, e as pessoas disseram:
- Que crueldade com o pobre burro.

Então eles desceram e começaram a carregar o burro numa vara, mas as pessoas disseram:
- Olha os dois burros carregando outro.

Então os três começaram a caminhar e as pessoas disseram:
- Que idiotas! Tem um burro e não montam nele!

Vamos, então, vamos fazer a obra de Deus, sem nos importar com o que as pessoas nos dizem.

Se eu tivesse me importado com a opinião dos outros, nunca teria sido missionária.

Por Litrazini

Graça e Paz




terça-feira, 30 de outubro de 2012

MISSIONÁRIO


Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina! Isaías 52.7

David Livingstone nasceu na Escócia, em 1813. Em sua mocidade, ele decidiu-se a propagar o cristianismo na África e tornou-se o maior missionário que aquele continente já conheceu.

Em suas viagens pelo interior da África, ele estudou a natureza e descobriu dezenas de espécies de raízes comestíveis e de frutos do deserto, que não eram cultivados. Com esses estudos tornou-se um médico naturalista, ajudando pessoas que vinham de povoados às vezes muito distantes, para receberem seu tratamento.

Percorreu todo o interior da África, onde perdeu sua própria esposa, vitimada por uma febre fatal. Mesmo assim, continuou sua missão de pregar o amor de Cristo.

Estava muito próximo de realizar um de seus sonhos, que era encontrar a nascente do rio Nilo, quando faleceu. Seus companheiros de peregrinação o encontraram de joelhos ao lado da cama; no momento de sua partida, estivera conversando com Deus, de quem sempre falava aos nativos. Ali mesmo, embaixo de uma árvore, foi enterrado o coração de Livingstone.

Durante alguns meses, os companheiros africanos de Livingstone levaram seu corpo embalsamado, até a costa do Atlântico, onde seria transportado para sua terra natal. Na Abadia de Westminster, ele foi sepultado entre os monumentos de reis e heróis da Inglaterra. 

Em seu túmulo, foi escrito: "O coração de Livingstone ficou na África, seu corpo descansa na Inglaterra, mas sua obra continua."

Anos mais tarde, outros missionários resolveram retomar os caminhos de Livingstone na África. Quando começaram a falar de Cristo e de seu amor, ficaram surpresos ao ouvir dos nativos:

- "Nós já conhecemos esse homem! Ele viveu aqui conosco!

- "Não é bem isso", disse o missionário. Estamos falando de Jesus Cristo, que viveu há quase dois mil anos" - explicaram os missionários ingleses. 

- "O homem que você falou esteve por aqui também" – responderam os africanos.

Livingstone teve uma vida tão exemplar que foi confundido com o próprio Cristo... 

P.S. – Colocando o coração em tudo o que fizeres, "o sol não te molestará de dia e nem a lua de noite". O Senhor guardará a tua estrada e a tua saída desde agora e para sempre. (Salmo, 121.6-8).

Esta história está no livro " É Óbvio "  Prof. Gretz

Por Litrazini

Graça e Paz


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Conhecimento ou será engano?


Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e entesourares contigo os meus mandamentos, para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido, e para inclinares o teu coração ao entendimento; sim, se clamares por discernimento, e por entendimento alçares a tua voz; se o buscares como a prata e o procurares como a tesouros escondidos; então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca procedem o conhecimento e o entendimento (Pv. 2.1-6)

Que tipo de conhecimento você tem acumulado?

A Bíblia diz em João 8.32: E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Engano não liberta ninguém, somente a verdade liberta e essa só pode ser conseguida através da Palavra do Senhor e do Senhor da Palavra. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. (Ap. 19.13)

Não adianta ser catedrático em inúmeros assuntos e desconhecer o principal que é a Palavra da Vida.

Tenho presenciado muita confusão entre “Conhecimento” e informação, ela é importante, sem dúvida, afinal vivemos em sociedade, todavia não é o principal.

A informação nos torna cultos, sociáveis e até admirados pela bagagem cultural, porém, sozinha, bloqueia o nosso relacionamento com Deus, tornando-nos céticos, uma vez que o justo vive por fé, com os olhos voltados para o sobrenatural divino, que por sua vez é gerado pelo conhecimento das coisas do alto, adquiridos através do relacionamento pessoal com Senhor e sua Palavra, o que contraria o racional, normalmente produzido pela informação.

O conhecimento da Palavra da vida mostra nossas limitações, a necessidade de uma dependência contínua do Espírito Santo do Senhor, para que seja real o texto bíblico de João 8.36: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres, daí não estaremos mais ligados às coisas desse mundo, mas ansiosos pelas maravilhas eternas da Jerusalém Celestial.

A informação incha, ensoberbece e motiva o orgulho nos tornando alvos de engano e manipulação tão em evidência nos meios de comunicação, o que é comprovado pelo alerta do texto bíblico de 2Corintios 4.3,4: Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.

Claro que não podemos nos isolar das coisas desse mundo, mas precisamos estar vigilantes quanto ao que temos ingerido, pois para poder exercitar o livre arbítrio é preciso estar consciente.
A opção é nossa, o tipo de alimento ingerido nos tornará verdadeiramente livres ou nos aprisionara, por conta de valores considerados indispensáveis aos que querem passar uma eternidade no céu com o Senhor Jesus, ou...

Reflita sobre isso, pois ainda há tempo para mudar e, lembre-se é uma decisão pessoal.

Litrazini

Graça e Paz


domingo, 28 de outubro de 2012

Salvação antes de Jesus? Como?


Como as pessoas eram salvas antes de Jesus morrer por nossos pecados? 

Desde a queda do homem, a base da salvação sempre foi a morte de Cristo. Ninguém, mesmo antes da cruz ou desde a cruz, poderia ser salvo sem este acontecimento indispensável na história do mundo. A morte de Cristo pagou a pena por pecados do passado, cometidos pelos “santos” do Velho Testamento e também de pecados futuros, dos “santos” do Novo Testamento.

A condição para a salvação sempre foi a fé. O alvo da fé de alguém para a salvação sempre foi Deus. Escreveu o salmista: “...bem-aventurados todos aqueles que nele confiam”(Salmos 2:12). Gênesis 15:6 nos diz que Abraão creu em Deus e que isto foi suficiente para Deus imputar-lhe isto por justiça (veja também Romanos 4:3-8).

O sistema sacrificial do Velho Testamento não tirava o pecado, como claramente ensina Hebreus 9:1-10; 10:4, mas apontava para o dia em que o Filho de Deus verteria Seu sangue pela pecaminosa raça humana.

O que mudou através das gerações foi o conteúdo da fé do crente. A exigência de Deus sobre o alvo da fé se baseia na quantidade de revelação que Ele deu, até determinado momento, à humanidade. A isto se chama revelação progressiva. 

Adão cria na promessa dada por Deus em Gênesis 3:15, que a Semente da mulher conquistaria Satanás. Adão Nele creu, demonstrado pelo nome que deu a Eva (v.20) e o Senhor indicou Sua aceitação imediatamente, cobrindo-os com túnicas de peles (v.21). Naquele momento, era tudo que Adão sabia, mas nisto ele creu.
 
Abraão creu em Deus de acordo com as promessas e novas revelações a ele dadas por Deus em Gênesis 12 e 15. Antes de Moisés, nenhuma Escritura existia, mas a humanidade foi responsável pelo que Deus tinha revelado. Através do Velho Testamento, os crentes eram salvos porque criam que Deus iria, um dia, tomar conta deste problema, o pecado. Hoje, olhando para trás, cremos que Ele já tomou conta de nossos pecados no Calvário (João 3:16; Hebreus 9:28).

E quanto aos crentes nos dias de Cristo, antes da cruz e ressurreição, criam em quê?

Será que entendiam por completo a morte de Cristo na cruz por seus pecados? Mais tarde em seu ministério, “... começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia” (Mateus 16:21).

Qual foi a reação de Seus discípulos a esta mensagem? “E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso.” (Mateus 16:22).

Pedro e os outros discípulos não sabiam toda a verdade, mas mesmo assim foram salvos, pois creram que Deus tomaria conta do problema de seus pecados. Não sabiam exatamente como Ele conseguiria isto, não mais que Adão, Abraão, Moisés ou Davi, mas creram em Deus.

Hoje, temos mais revelações do que tinham as pessoas que viveram antes da ressurreição de Cristo, pois nós sabemos por completo. “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo” (Hebreus 1:1-2). 

Nossa salvação ainda é baseada na morte de Cristo, nossa fé ainda é condição para salvação, e o alvo de nossa fé ainda é Deus. Hoje, para nós, o conteúdo de nossa fé é que Cristo morreu por nossos pecados, que Ele foi sepultado, e que Ele se levantou no terceiro dia (I Coríntios 15:3-4).

GotQuestions

Por Litrazini

Graça e Paz


sábado, 27 de outubro de 2012

A prática espiritual do autoexame


Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno (Salmos 139.23-24).

Para o evangelho de Jesus Cristo ser realmente a boa notícia, é necessário entendermos a terrível notícia do  pecado.  Thomas Watson, um puritano do século XVII,  disse que “enquanto o pecado não for amargo,  Cristo não será doce”. E não há como outra pessoa sentir  esse gosto amargo  do pecado  por nós. Nós  precisamos senti-lo. E para senti-lo, precisamos nos examinar. O conhecimento do pecado vem através da  lei (Rm 3.19-20), mas  é necessário  aplicar  a lei à nossa vida para vermos o quanto somos falhos e precisamos da justiça de Cristo.

O autoexame não é algo místico, como um “esvaziamento do eu” proposto pela espiritualidade oriental.  Você não precisa ficar em uma posição corporal específica ou um determinado número de minutos em  silêncio absoluto.

O autoexame envolve tanto o coração quanto a mente. Devemos examinar nossas ações  e motivações  à luz da santidade de Deus revelada nas Escrituras. Não basta avaliar aquilo que fazemos,  precisamos cavar mais fundo para chegarmos também às nossas motivações.

É verdade que ninguém conhece perfeitamente a si mesmo. Apenas Deus tem a capacidade de nos conhecer perfeitamente. Somos seres humanos limitados vivendo em um mundo caído. Nosso coração é enganoso e não somos capazes de discernir as próprias faltas (Jeremias 17.9; Salmos 19.12). Mas o Espírito Santo  é poderoso  para sondar nosso coração e nos convencer do pecado.  Exatamente por isso que o auto exame não é um exercício espiritual isolado, mas deve ser praticado com a oração e a Palavra de Deus. O autoexame não é apenas psicológico, emocional ou racional. Ele é, acima de tudo, espiritual.

Um bom método para se utilizar nesse processo é o “revolucionário” método infantil do “por quê?”. Sabe  quando as crianças estão naquela idade que qualquer coisa que você responda, depois  sempre  vem um  “mas por quê?”? Use isso para examinar seu coração. Não se contente com conclusões superficiais sobre o seu pecado. Faça quantos porquês forem necessários até chegar à raiz dele.

Não se conforme também com aquilo que você conhece sobre santidade. Pergunte-se: Esse conhecimento tem sido aplicado à minha vida? Nas palavras de Jesus: “Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurado sois se as praticardes” (João 13.17). 

Perceber que estamos tão longe da santidade de Cristo nos levará a depender ainda mais da perfeita obra dele, e menos de nossas obras imperfeitas e manchadas pelo pecado.

Pode ser útil  separar períodos específicos para se examinar, como antes de dormir por exemplo. Mas o autoexame deve fazer parte de nossas outras atividades. Assim, ao ler alguma passagem  das Escrituras relacionada a julgamento e disciplina de Deus, não pense apenas “Como esse povo de Israel é idólatra!” ou “Como esses fariseus são hipócritas!”. Examine se os mesmos pecados também não tem feito parte da sua vida. Isso também é válido para sermões que você ouvir ou algum pecado que você ver alguém cometer.

Não sejamos meros acusadores de pecados alheios, mas pessoas que se examinam e se reconhecem como grandes pecadores que precisam de um grande Salvador. Que esta resolução de Jonathan Edwards, feita quando ele tinha 22 anos, seja um incentivo para nós:

Resolvi agir e falar, em todas as circunstâncias, como se ninguém fosse tão vil quanto eu, e como se eu tivesse cometido os mesmos pecados ou tivesse as mesmas fraquezas e defeitos de outras  pessoas. Resolvi que deixarei que o conhecimento dos defeitos delas contribua apenas para que eu me envergonhe de mim mesmo, e me permita uma ocasião para confessar meus próprios pecados e minha miséria a Deus.
Prepare-se para se entristecer com aquilo que vai encontrar. O mesmo Edwards declarou: “Quando olho para dentro de meu coração e observo minha iniqüidade, ele parece um abismo infinitamente mais fundo do que o próprio inferno”. O autoexame nos torna mais humildes por isso.

Um maior conhecimento (espiritual e verdadeiro) de nós mesmos nos fará perceber que somos pecadores piores do que achamos que somos. Funciona como um antídoto contra o orgulho espiritual que  podemos sentir  ao nos compararmos com outros. Nosso padrão não é o mundo ou os irmãos na fé, mas Cristo e sua lei.

Mas o objetivo do autoexame não é simplesmente nos fazer sentirmos mais tristes e miseráveis. Passa por isso, mas não termina aí. Nosso intuito é  perceber nossos pecados, nos quebrantar, nos levar ao arrependimento sincero e irmos ao trono da graça para perdão e purificação (veja 1 João 1.9). Entristecemo-nos com o pecado para irmos a Cristo receber a alegria da salvação.

O autoexame provavelmente lhe fará derramar muitas lágrimas, mas é o caminho para a graça de Deus em Cristo ser mais preciosa. “Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar” (1 Coríntios 7.10a). Quanto mais amargo o pecado for, mais doce Cristo será. E quanto mais doce Cristo é para mim, maior amor terei por Ele. E quanto maior meu amor por Ele, mais amargo o pecado se tornará para mim. E quanto mais amargo o pecado, mas doce será Cristo… É o círculo virtuoso da santidade.

À medida que  a convicção de nossa pecaminosidade cresce,  maior amor teremos pelo  nosso grande Salvador e Perdoador, “mas aquele a quem pouco se perdoa, pouca ama” (Lucas 7.47b).

Os cristãos que mais amam a cruz de Cristo são aqueles que se enxergam como “o principal dos pecadores”.

Autoria: Alex Daher

Por Litrazini

Graça e Paz


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Qual o seu foco? O natural ou sobrenatural?


Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem. (Hb.11.1)

Os Filhos do Senhor é um povo especial, e para tanto precisa ver e viver o sobrenatural divino.

Pessoas comuns vivem de forma natural dependendo dos próprios esforços e/ou esforços de outros; Porém isso não pode acontecer com os servos do Deus altíssimo, é necessário viver por fé, na dependência do Espírito Santo do Senhor em todas as situações, desde as que aparentam ser insignificantes até as mais complexas e difíceis. Porque andamos por fé, e não por vista (II Co.5.7)

Estamos sujeitos sim às mesmas aflições, problemas e tribulações do mundo, penso que até mais, pois não pertencemos ao mundo, somos peregrinos nesta terra, portanto nada mais natural, passar por situações adversas piores dos que são daqui, uma vez que a nossa luta não é contra as pessoas, mas como diz Efésios 6.12: pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes.
 
O nosso diferencial é visto na forma como reagimos a esses problemas, pois se conhecemos em quem temos crido, não poderemos reagir de maneira comum às pessoas que não conhecem, nem servem ao Rei dos reis e Senhor dos senhores. A nossa esperança está no Deus vivo, conforme é comprovado no texto de Efésios 4.10: porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem.

Não somos super homens nem super mulheres, por vezes nos abatemos e temos a sensação que o mundo está desmoronando na nossa cabeça, nesses momentos de desespero e aflição é imprescindível estar em comunhão com os irmãos e com o Senhor, através de leitura bíblica, da oração, para que superemos esse momento em que a carne grita e tenta dominar o espírito, daí o alimento sólido nos ajuda a superar esses momentos de aparente fraqueza espiritual, que na realidade são dardos, setas e ciladas do maligno para nos abater, desanimar e afastar dos caminhos do Senhor.
 
Portanto precisamos manter os olhos fixos no alto, não olhar para as adversidades, praticar a recomendação de Romanos 12.12 que diz: alegrai vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; pois esse é o diferencial do Povo escolhido do Senhor.

Como se tornar especial: 
Todo aquele que reconhece, declara Jesus Cristo de Nazaré como Único e Suficiente Senhor e Salvador e se arrepende de seus pecados, esse deixa de ser criatura e passa a ser Filho de Deus, portanto, Especial!

Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Deus não é mudo, Deus fala!


Existe uma pergunta que não quer calar no meio dos incrédulos e até mesmo dentro do próprio cristianismo:

- COMO SERÃO JULGADAS AQUELAS PESSOAS QUE MORRERAM SEM OUVIR O EVANGELHO DE JESUS?

Esta pergunta quando dentro da lógica da visualização do homem pode ultrapassar qualquer possibilidade de entendimento da mente humana. “Mas é evidente que Deus TEM FALADO e VEM FALANDO ao homem DE MUITAS MANEIRAS" (Hb 1.1).

O apóstolo Paulo diz que o Evangelho "foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu" (Cl 1.23).

Deus pode alcançar através de seus métodos a todos os homens:

- DEUS FALA ATRAVÉS DO UNIVERSO
"Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de suas mãos... Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes EM TODA A EXTENSÃO DA TERRA, e as suas palavras até ao fim do mundo" (Sl 19.1-4);

- ... DA PERCEPÇÃO
"Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles (nos homens) se se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder... se entendem e claramente SE VÊEM pelas coisas que estão criadas, para que eles (os homens) fiquem indesculpáveis" (Rm 1.19-20)

- ... DA CONSCIÊNCIA
"Porque, quanto aos gentios, que não têm lei, para si mesmos são lei. Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os; no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens por Jesus Cristo" (Rm 2.14-16);

- ...DA VIDA DOS ANIMAIS
"Mas, pergunta às alimárias, e cada uma delas to ensinará; e às aves do céu, e elas to farão saber; ou fala com a terra, e ela to ensinará; até os peixes do mar to contarão. Quem não entende por todas estas coisas que a mão de Deus fez isto?" (Jó 12.7-9);

- ...DOS SONHOS
"Antes Deus fala uma e duas vezes, porém ninguém atenta para isso. Em sonho ou visão de noite, quando cai sono profundo sobre os homens, e adormecem na cama. Então ABRE OS OUVIDOS DOS HOMENS e lhes sela sua instrução. Para apartar o homem do seu desígnio, e esconder dos homens a soberba; para desviar a sua alma da cova e a sua vida de passar pela espada" (Jó 33.14-18);

- ...DOS ANJOS
"E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno para proclamar AOS QUE HABITAM SOBRE A TERRA, e a toda nação, tribo, língua e povo" (Ap 14.6);

- ...DE SEU FILHO JESUS
"Havendo Deus antigamente falado muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho" (Hb 1.1);

- ...DE SINAIS E MILAGRES
"Testificando também Deus com eles (os homens), por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito" (Hb 2.4).

É O CASO DE NÓS PERGUNTARMOS:
Havendo Deus FALADO TANTO E DE MUITAS MANEIRAS, chegará alguém inocente diante do GRANDE TRONO BRANCO?

Autor: Adail Campelo de Abreu

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Descansar... Por quê?


O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas; [...]e voltarei à casa do Senhor enquanto eu viver. (Salmo 23.1-6)
Descansar da carga de um deus pequeno. Por quê? Porque achei o Senhor.

Descansar de fazer as coisas do meu modo. Por quê? Porque o Senhor é o meu Pastor.

Descansar das necessidades infindáveis. Por quê? Porque nada me faltará.

Descansar das fadigas. Por quê? Porque Ele me faz descansar.

Descansar da preocupação. Por quê? Porque Ele me conduz.

Descansar do desespero. Por quê? Porque Ele refrigera a minha alma.

Descansar da culpa. Por quê? Porque Ele me guia pela vereda da justiça.

Descansar da arrogância. Por quê? Por amor do seu nome.

Descansar do vale da morte. Por quê? Porque Ele me leva através dele.

Descansar da sombra da aflição. Por quê? Porque Ele me guia.

Descansar do medo. Por quê? Porque a sua presença me conforta.

Descansar da solidão. Por quê? Porque Ele está comigo.

Descansar da vergonha. Por quê? Porque Ele preparou para mim uma mesa na presença dos meus inimigos.

Descansar dos meus desapontamentos. Por quê? Porque Ele me unge.

Descansar da inveja. Por quê? Porque meu cálice transborda.

Descansar da dúvida. Por quê? Porque Ele me segue.

Descansar da saudade. Por quê? Porque habitarei na casa do meu Senhor para sempre.

E amanhã, quando, pela força do hábito, você pegar de volta a sua bagagem, largue-a de novo. Deponha-a outra vez e novamente, até aquele doce dia em que você descobrirá que não a está pegando de volta.
E naquele dia, quando você sentir a carga suspensa, quando houver dado um passo no sentido de viajar sem bagagem, quando tiver energia para ponderar sobre os mistérios da vida, faça-me um favor. Caminhe pelo saguão e vire à esquerda. Espere a sua vez atrás das cordas vermelhas. Dê uma boa e longa olhada na Mona Lisa, e diga-me: o que há de especial nela, afinal?

Lendo o livro Aliviando a Bagagem de Max Lucado, me deparei com uma forma especial e diferenciada de meditar no Salmo 23, por isso transcrevi acima, pois o que é bom deve ser compartilhado.

Por Litrazini

Graça e Paz




terça-feira, 23 de outubro de 2012

O que Deus fez em Jesus


No principio Deus criou o homem. Quase imediatamente o homem falhou através da rebelião. Então, depois de milhares de anos de preparação, em um momento preciso, Deus fez com que uma jovem virgem chamada Maria ficasse grávida, ela estava comprometida com um carpinteiro chamado José.

O filho que nasceu era o Filho do próprio Deus. Na juventude Jesus trabalhou na carpintaria de seu pai. Enfrentando as tentações que cada um de nós enfrenta, ele cresceu sem nenhum pecado.

Quando tinha por volta de 30 anos de idade, deixou seu oficio para começar a proclamar a mensagem do Reino de seu Pai celestial.

Dezenas de milhares o seguiram, um grande número foi curado, e inclusive houve mortos que foram ressuscitados. Os lideres religiosos e do governo o consideravam uma ameaça. Por isto colaboraram e arranjaram mentiras para acusá-lo e matá-lo.

Jesus é traído, preso, julgado, acoitado e pregado em uma cruz. Sua sentença de morte por crucificação era destinada aos criminosos comuns.

Ele não se defendeu, mas foi voluntariamente, mesmo podendo chamar a um imenso número de anjos para o resgatar. Nas palavras do profeta Isaias, foi como um cordeiro ao matadouro. E morreu.

Na cruz Jesus disse, “está consumado” Este é o ponto mais dramático em toda a História, porque Jesus não estava referindo-se apenas à sua vida, mas ao problema do pecado.

Jesus tornou-se o remédio de Deus.

Por sua obediência, ele satisfez as exigências de Deus como o “sacrifício perfeito para o pecado”.

Por isso, o Cristianismo despojado da cruz não tem nada de Cristianismo.

Jesus foi colocado em uma sepultura de um influente líder judeu. Lacraram o túmulo.

Três dias mais tarde, para perplexidade até de seus seguidores mais próximos, ressuscitou dentre os mortos.

Seus discípulos encontraram o sepulcro vazio e sentiram-se sacudidos até o mais profundo de seu ser.

Mas Jesus apareceu a eles, e depois centenas de outros. Ele os consolou e tranquilizou, lhes afirmando que este evento incrível era o propósito do coração de Deus. Depois de 40 dias, subiu aos céus, onde se juntou a Deus, seu Pai.

Então o Pai concedeu a seu Filho a honra mais alta e suprema de ser o cabeça de tudo o que há na terra e nos céus.

Assim, Jesus foi feito tanto Senhor e Cristo, posições que segue tendo hoje. “Senhor” é uma palavra que se refere a domínio. “Cristo” se refere a sua capacidade para salvar. Ele e somente Ele tornou-se o Salvador da humanidade.

Deste lugar de autoridade, Jesus nos convida a tornarmos seus seguidores – novas criaturas!

Como não dizer que isto é algo totalmente maravilhoso?

Não estou seguro de que a mente humana pode captar por completo.
 
Que tipo de amor é este, em que um Pai sacrifica seu único Filho?

No entanto isto ocorreu, e muito literalmente, por uma razão central e majestosa: para que você e eu pudéssemos restabelecer o tipo de ralação pessoal com Deus que Ele queria que existisse desde o principio.

Ele tornou isto possível para retornarmos ao lar. Ele tornou a resposta para a grande questão da vida.

Este processo – a forma como voltamos espiritualmente ao lar – é o que agora queremos ver mais de perto.

Esta é a consumação e o propósito da nossa jornada.

Autora: Kenia

Por Litrazini

Graça e Paz



segunda-feira, 22 de outubro de 2012

OS FRUTOS DE UMA SEMENTE


Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça (2 corintios 9.10)

Maio de 1995, um pastor, responsável por inúmeras conversões, mas que até então, devido à grande resistência da família em ouvir as boas novas do Evangelho de Cristo, pois havia todo tipo de envolvimento com ocultismo, espiritismo, esoterismo entre outras - sem saber as proporções que aquele ato teria – entregou como presente no dia das mães uma Bíblia para a sua irmã.

Como todo bom jornalista, ela começou a ler a Bíblia, o que para ela seria mais um livro; todavia a Palavra de Deus não volta vazia e, em menos de um ano, para HONRA E GLÓRIA DO SENHOR, aquela família se convertera ao cristianismo, através daquele presente entregue no segundo domingo de maio de1995.

Após a conversão, veio a necessidade da ida á um templo para LOUVAR AO SENHOR; porém, faltava algo, por maiores que fossem os esforços, estavam incompletos.

Em 21 de janeiro de 1997, um mês e três dias, após o batismo nas águas, inesperada e espontaneamente, foi iniciada uma célula no lar daquela família.

O SENHOR ESTARIA INICIANDO UMA GRANDE OBRA NAQUELE LUGAR.

Devido ao alto número de CONVERSÕES e a PROVIDÊNCIA DIVINA inexplicáveis, em menos de dois meses, foi inaugurado o templo da Igreja IMW, tendo por Pastor oficial JESUS CRISTO.

O desenrolar dos fatos, mostrava que a DIREÇÃO DIVINA era indiscutível, pois uma Igreja que contava com a presença de Pastores apenas nos horários de cultos; sem junta diaconal, sem presbitério, sem obreiros, desenvolvia-se de forma extraordinária.

Somente depois de 04 meses, houve a nomeação de um Pastor para cuidar daquele rebanho.

Após dois anos, do início desse trabalho, já totalmente estruturado, essa família novamente foi levantada para iniciar uma nova igreja em outro lugar, começando do zero novamente.

Essa família é a minha família, esse Pastor é o Pr. Cezar Trazzini, essa irmã sou eu; sou fruto de uma semente que aos olhos de muitos não germinaria. Hoje, dedico todo o meu tempo para o Senhor.

Por que estou falando isso?

Porque tenho visto pessoas apáticas, abatidas, desanimadas, achando que não precisa fazer nada, que o ato dela não vai fazer diferença na vida de ninguém. Eu sou uma testemunha viva que esse sentimento e/ou pensamento, vem do maligno e não de Deus.
 
Se você sente vontade de fazer alguma coisa que divulgue o Evangelho, mas acha que aquele ato é insignificante e, que não irá mudar nada, engano seu, pois, DEUS é soberano, tem controle de todas as coisas. Tenha certeza, mesmo que você não tenha conhecimento, o seu pequeno ato poderá frutificar e gerar uma grandiosa obra em qualquer lugar.

Portanto, cumpra o IDE, obedeça a vontade do SENHOR, por menor que seja: faça e aja. O amanhã não nos pertence e, se cada um fizer a sua parte, teremos uma cidade, um país e uma nação melhor para se viver.

Teremos problemas?

Com certeza sim, porém, o nosso galardão está reservado junto ao SENHOR. E, “...SE DEUS É POR NÓS, QUEM SERÁ CONTRA NÓS”. Romanos 8.31.

Litrazini

Graça e Paz