domingo, 31 de maio de 2020

PERDOE E SERÁ PERDOADO


Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas. (Mt 6.14-15)

Algumas pessoas se perguntam por que Cristo anexou uma condição ao perdão na oração do Pai-Nosso: “Se você perdoar aos homens quando eles pecarem contra você, o seu Pai celestial também perdoará você”.

Ele não deu condições quanto a outras partes da oração. Ele poderia ter dito: “Dá-nos hoje o pão diário, assim como nós o damos aos nossos filhos”; “Não nos deixe cair em tentação e não tentaremos ninguém”; ou “Livra-nos do mal, assim como tentamos ajudar os outros”.

Nenhuma outra parte dessa oração tem uma condição inclusa, somente o perdão.

Nós podemos ficar com a impressão de que obtivemos perdão dos nossos pecados por perdoar outros.

Qual o significado disso para a doutrina que afirma que o perdão de pecados ocorre somente por meio de Cristo e é recebido por meio da fé?

Jesus constrói a frase da oração de tal maneira que o perdão de Deus está ligado à nossa própria disposição de perdoar outros, a fim de fazer do amor mútuo uma responsabilidade cristã. Sempre devemos perdoar.

Depois da fé em Cristo, o amor e o perdão devem ser nossas prioridades.

Não devemos causar dor a outras pessoas, mas precisamos nos lembrar de perdoar até mesmo aqueles que nos causaram sofrimentos, como frequentemente experimentamos nesta vida.

Se estivermos indispostos a perdoar, podemos estar certos de que nós mesmos não seremos perdoados.

Se estivermos cheios de ressentimento e hostilidade, nossa oração será frustrada e todos os pedidos, rejeitados.

É necessário estabelecermos um laço de amor forte e durável com outros cristãos, o que nos manterá unidos. Quando chegarmos diante de Deus em oração, não podemos estar estilhaçados em vários grupos. Em vez disso, precisamos ser guiados pelo amor, tolerar as opiniões diferentes e preservar a unidade.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 30 de maio de 2020

JESUS E A ROSA


Certa noite, em Londres, um evangelista seguia ao longo do Rio Tâmisa em direção ao local onde deveria pregar. Um estranho pressentimento o fazia andar com lentidão, até que se deteve a contemplar a água tranquila, pensando nos séculos de história com seus dramas dos quais esse rio havia sido testemunha.

Desejava continuar seu trajeto, quando teve sua atenção despertada para uma jovem que caminhava em direção ao rio.

– Desculpe! – disse ele tranquilamente.

A jovem voltou-se e olhou assustada em redor de si, como se procurasse fugir.
– Queira perdoar que um estranho lhe fale – continuou. – Sou um Ministro do Evangelho, e vou ao salão de cultos que fica na primeira rua. Vejo que está abatida e perturbada. Não deseja ouvir a Palavra de Deus? Poderá achar descanso em Cristo, que está pronto a ser seu amigo.
– Não. Não quero ir à sua reunião. Não quero nada com a sua religião. Deixe-me! – respondeu ela.
– Quer então aceitar esta rosa? Talvez seja para você um símbolo, para lhe recordar que há, naquela sala, pessoas amigas que gostariam de ajudá-la, se ali for.
– Não. Oh! não – disse ofegante a moça, mas estendeu a mão e agarrou a rosa.
As lágrimas desciam-lhe pelo rosto.

O homem de Deus seguiu para o salão, e nessa mesma noite, quando concluía o sermão, a mesma jovem que encontrara entrou no recinto!

Com a voz embargada, declarou, dirigindo-se ao pastor:
- Eu ia acabar com minha vida esta noite. Ia jogar-me ao rio, porque não mais podia continuar com a vida que vivo há cinco anos. Mas o senhor me falou com grande amor e me convidou a vir a este salão. Indelicadamente, Então o senhor me ofereceu esta rosa, que é semelhante à que minha mãe me deu quando abandonei minha casa há cinco anos. Esta rosa me fez voltar a mim mesma. Compreendi que devia procurar o caminho certo.

Não foi difícil ao pregador responder:
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16).

A jovem escutou atentamente. Então, desatando em soluços, ajoelhou-se. Quando se levantou, era “uma nova criatura em Cristo Jesus”, e seu primeiro desejo foi regressar ao lar para ver a mãe.

Você gostaria de achar essa “Rosa Preciosa” e, como diz o hino, “provar o seu excelente odor”?

Então abra o seu coração e receba o Senhor Jesus, que lhe dará salvação eterna.

Nota: Folheto evangelístico distribuído pela CPAD.

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 29 de maio de 2020

PRIORIDADE NA LEITURA BÍBLICA


O quanto este ponto é vital para o objetivo da Bíblia?

Algumas seções das Escrituras possuem mais relevância persuasiva para a condição humana do que outras. Preste atenção nas palavras de Paulo:

“Antes de tudo vos entreguei o que também recebi; que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E apareceu a Cefas, e depois aos doze” (1 Co 15:3-5).

Paulo afirma que há algumas verdades que são “mais importantes”. Ele então descreve essas verdades como a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus.

A Bíblia não é uma paisagem plana sem picos e montanhas. Ela tem grande variedade de contorno e geografia. Apesar de todas as palavras da Bíblia serem importantes, nem todas as palavras são igualmente importantes. Apesar de todo texto contribuir para o todo, nem todo texto tem peso igual.

Por exemplo, o mesmo apóstolo Paulo discursou a respeito da ressurreição de Cristo e das jóias das mulheres.

Os temas possuem a mesma importância? Absolutamente. Podemos discordar a respeito de roupas, mas discordar a respeito da Ressurreição pode ser fatal.

Isso significa que a Bíblia possui partes sem valor? Não. Apenas significa que algumas têm mais valor que outras.

Imagine que eu esteja segurando três moedas: 25 centavos, 10 centavos e 5 centavos. Qual moeda tem o maior valor? A de 25 centavos. Isso significa que a de 10 centavos e a de 5 centavos não são importantes? Claro que não. Elas simplesmente têm valores diferentes.

O sábio estudante da Bíblia sabe quais versículos são versículos de 25 centavos e quais são versículos de 5 centavos. O bom estudante dá mais importância para os mais importantes e menos importância para os menos importantes

Jesus criticou os líderes religiosos de Sua época por não fazerem isto. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da lei, a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis fazer estas coisas, sem omitir aquelas (Mt 23:23).

É possível entender a Bíblia e deixar passar sua mensagem central?
Absolutamente. Isso é exatamente o que Jesus quis dizer quando disse, Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim. Contudo não quereis vir a mim para terdes vida (Jo 5:39, 40).

Max Lucado

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 28 de maio de 2020

VAMOS NOS ESPECIALIZAR EM DEUS


Davi só apareceu esta manhã. Ele parou de cuidar das ovelhas para entregar pão e queijo para os seus irmãos na frente de batalha. Ali é onde Davi ouve Golias desafiando Deus...

Leia as primeiras palavras que ele falou, não só na batalha, mas na Bíblia: “Davi perguntou aos soldados que estavam ao seu lado: ‘O que receberá o homem que matar esse filisteu e salvar a honra de Israel? Quem é esse filisteu incircunciso para desafiar os exércitos do Deus vivo?’” (1 Sm.17:26).

Davi aparece discutindo sobre Deus. Os soldados não mencionaram nada sobre Ele, os irmãos nunca falaram o seu nome, mas Davi entra em cena e levanta o assunto sobre o Deus vivo...

Ninguém mais discute sobre Deus. Davi não discute sobre ninguém mais a não ser sobre Deus...

Davi vê o que os outros não veem e se recusa a ver o que os outros veem. Todos os olhos, exceto os de Davi, caem sobre o grandão bruto que respira ódio... As pessoas conhecem as suas provocações, as suas exigências, o seu tamanho e as suas escoras. Eles se especializaram em Golias.

Davi se especializa em Deus. Ele vê o gigante, como você pode imaginar; mas ele vê Deus ainda maior. Olhe atentamente para o grito de guerra de Davi: “Você vem contra mim com espada, com lança e com dardos, mas eu vou contra você em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel” (1 Sm 17:45).

Senhor Deus, prepare-nos para andar no seu caminho. Ensine-nos a vê-lo nas situações que são perigosas e difíceis. Como Davi, quando nós estivermos rodeados por desafios avassaladores, que os nossos pensamentos e as nossas palavras recorram primeiro ao Senhor.

Ao invés de discutirmos sobre os problemas, lembre-nos de discutir sobre o Senhor. Que o nosso primeiro pensamento de manhã e o nosso último pensamento à noite estejam centrados no Senhor.

Ao invés de nos preocuparmos com as impossibilidades, permita que nós nos especializemos no seu grande poder. Quando nós estivermos tentados a olhar para os gigantes nas nossas vidas, nós escolheremos olhar para o Senhor, amém.

Exaltado seja o Deus da minha salvação. Salmos 18:46

Andamos por fé, e não por vista. 2 Coríntios 5:7

Max Lucado

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 27 de maio de 2020

QUAIS LÍNGUAS FORAM FALADAS NO DIA DE PENTECOSTES?


Que as línguas foram dadas de forma sobrenatural não temos dúvidas, pois segundo Jesus elas estariam ligadas a um revestimento de poder vindo do Céu. (Mc 16:17; Lc 24:49). Porém, assim como em muitas das passagens da Bíblia de difícil compreensão, os estudiosos divergem quanto ao tipo de língua que foi falada.

Uns entendem que foram faladas línguas inteligíveis ou terrenas. Outros afirmam que os discípulos falaram línguas ininteligíveis, isto é, as que os homens não as entendem senão por interpretação divina.

Para tentarmos elucidar esta questão, é necessário de antemão sabermos que o autor do livro de Atos, o evangelista Lucas, usou duas palavras gregas que são traduzidas como línguas, a saber, dialekto e glossa na narrativa do derramamento do Espírito Santo.

Embora glossa e dialekto sejam palavras diferentes, às vezes elas se referem a mesma coisa, pois no Novo Testamento essas palavras ocorrem se referindo ao órgão que está na boca, aos idiomas inteligíveis falados naturalmente pelos homens, como às línguas ininteligíveis. Vejamos as ocorrências:

Dialekto fazendo referência ao idioma inteligível (At 1:19, 2:6, 8, 21:40, 22:2, 26:14);

Glossa fazendo referência ao idioma inteligível e ao órgão (Lc 1:64; At 2:26; Rm 3:13, 14:11; 1Co 13:1; Fp 2:11; Tg 3:5, 6; 1Jo 3:18; Ap 5:9, 10:11);

Glossa fazendo referência à língua ininteligível que pode ou não vir acompanhada de profecia (At 10: 46, 19:6; 1Co 14:2, 4, 13, 14, 19, 27);

Glossa e Dialekto se referindo às línguas de Atos 2 (At 2:4, 8).

Dessa forma, já ficou claro que será o contexto o principal responsável pela resposta que buscamos.
Bem, de acordo com texto lucano, após os discípulos começarem a falar em línguas conforme o Espírito lhes concedia que falassem (At 2:4), os judeus que vieram de muitas partes, como, por exemplo, da Mesopotâmia, da Judéia, da Capadócia, da Frígia, da Panfília, do Egito e demais localidades (At 2:5-11), ficaram perplexos por ouvirem os discípulos falando nas suas próprias línguas maternas (At 2:8).

Até aqui já ficou claro que os discípulos falaram nas línguas maternas dos ouvintes. Mas queremos ainda chamar a atenção para uma pergunta que esses homens fizeram a respeito do ocorrido que é fundamental para a conclusão:

Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? (At 2:7 ARA)

Por que eles fizeram essa pergunta enfatizando que os discípulos vinham da Galileia e demonstrando total admiração?

Porque quem habitava na região da Galileia não era bem visto pelos judeus da capital Jerusalém, pois lá era uma região onde tinha um número considerável de gentios, e por isso era chamada de Galileia dos gentios (Mt 4:15). Além disso, os galileus não sabiam pronunciar o aramaico e o grego como os judeus que moravam na capital, por exemplo, pois os galileus tinham um aramaico rude que ao pronunciá-lo ficava fácil de saber de onde eles eram (Mc 14:70), e provavelmente um grego capenga, o que teria feito com que os ouvintes ficassem atônitos depois que os ouviram louvar a Deus em vários idiomas que eles não tinham aprendido e com uma eloquência como antes jamais vista. (CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento Interpretado. Edição Revisada. Vol 3. p. 58-59. 2014. HAGNOS).

Isto é, as línguas faladas em Atos 2, embora dadas pelo Espírito Santo foram línguas terrenas e não as que Paulo disse que quem as fala, não fala a homens, mas apenas a Deus (1Co 14). E essa foi a conclusão de alguns mestres da Igreja, como, Orígenes, Hilário de Poitiers, Eusébio de Emesa, Cirilo de Jerusalém, Filastrius, Pseudo Constantius, Guadêncio de Brescia, João Crisóstomos, Rufino de Aquiléia, Pelágio, Agostinho, Juliano de Eclano, Léo, o Grande, Teodoreto de Ciro, Jacó de Serugh, Cassiodoro, Gregório o Grande e Paládio. (GUMERLOCK, Francis. Toques in the Church Fathers. p. 125-131 apud  RODRIGUES, Zwinglio. Falar em Línguas. Um Estudo Sobre o Fenômeno da Glossolália. p.  40. 2016. REFLEXÃO).

Itard Víctor Camboim de Lima

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 26 de maio de 2020

JESUS É O ALIMENTO DA VIDA ETERNA


“Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede.” (Jo 6.35)

“Eu sou o pão da vida”. Primeiro, ele mostra que o pão, que eles pediram com escárnio nos versos anteriores, está diante de seus olhos; e, em seguida, os repreende. Ele começa com doutrina, para fazer mais evidente que eles eram culpados de ingratidão. Existem duas partes da doutrina; pois ele mostra onde devemos buscar a vida, e como podemos apreciá-la.

Nós sabemos o que deu ocasião para Cristo usar essas metáforas; era porque o maná e a alimentação diária tinham sido mencionados. Mas, ainda assim esta figura está melhor adaptada para ensinar as pessoas ignorantes do que um estilo simples.

Quando comemos o pão para a nutrição do corpo, vemos mais claramente não apenas a nossa própria fraqueza, mas também o poder da graça divina, em que, sem pão, Deus desse ao corpo um poder secreto de nutrir a si mesmo. Assim, a analogia que é traçada entre o corpo e a alma, nos permite perceber mais claramente a graça de Cristo.

Porque quando aprendemos que Cristo é o pão pelo qual nossas almas devem ser alimentadas, isto penetra mais profundamente em nossos corações do que se Cristo simplesmente dissesse que ele é a nossa vida

Deve ser observado, no entanto, que a palavra pão não expressa o poder vivificante de Cristo tão plenamente como nós o sentimos; porque o pão não faz começar a vida, mas nutre e sustenta a vida que já possuímos.

Mas, graças à bondade de Cristo, não somente continuamos a possuir a vida, mas temos o início da vida, e, portanto, a comparação é em parte inadequada; mas não há nenhuma inconsistência nisto, pois Cristo adapta seu estilo às circunstâncias do discurso que anteriormente tinha apresentado.

Ao mesmo tempo, a palavra pão, significa, em geral, tudo o que nos alimenta, e que era um costume comum de sua nação. Porque os hebreus, pela figura de linguagem chamada sinédoque, usam a palavra pão para o jantar ou ceia; e quando pedimos a Deus o nosso pão de cada dia (Mt 6.11), nós incluímos bebida e todas as outras partes da vida. O significado, pois, é: “Quem deve valer-se a Cristo, para ter a vida dele, não terá falta de nada, mas terá em abundância tudo o que contribui para sustentar a vida.”

Texto de João Calvino, traduzido e adaptado por Silvio Dutra.

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 25 de maio de 2020

SOFRER OU VIVER


Algo acontece dentro da gente quando, de repente, aparece um acontecimento doloroso e incontrolável.

A tempestade se levanta e não há o que fazer.

O sofrimento parece rir da gente e ser completamente sem propósito.

As pessoas à nossa volta parecem insensíveis, ausentes, indiferentes; dizem chavões sem sentido, que não aliviam a dor; parecem não fazer nada para entender o que sentimos.

Nada faz sentido, nada importa.

E quanto menos importa, melhor; pelo menos assim nos deixam em paz; se podemos chamar o vazio de paz.

Podemos nos entregar ao caos, ficar azedos, culpar pessoas ou circunstâncias, adoecer, desistir e dar de mão da vida.

Mas a amargura não faz nascer a esperança; o desânimo não dá à luz a confiança; fechar-se em nós mesmo não alivia a opressão.

A fé é o escudo contra as setas inflamadas do maligno.

O amor é quem nos envolve com seu manto e nos aquece da fria dor.

O desejo de viver nos empurra a continuar, apesar da angústia.

Acreditar que Deus dará um jeito nos leva a esperar o amanhã com esperança.

A oração nos conforta e a Palavra ilumina o caminho, trazendo luz nas trevas.

Então, decidimos não desistir e seguir vivendo.

E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás. Salmos 50:15

Dr. Silmar Coelho

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 24 de maio de 2020

COMO USAR O NOME DE JESUS


Jamais usaremos o Nome de Jesus com sucesso se não estivermos agindo sobre a revelação da Palavra de Deus. É preciso que se entenda que o nosso único elo de ligação com o Pai é através da Palavra.

No mundo espiritual a nossa palavra sozinha é acatada como NADA. Não era assim no início: o homem tinha autoridade para reinar aqui nesta vida, mas ao pecar, perdeu tudo.

Quando Jesus venceu o inferno e expulsou o príncipe deste mundo; Ele conquistou para Si a autoridade que o homem perdera e recebeu ainda todo o poder tanto no céu como na terra; Agora, Ele nos dá este sublime privilégio de usar o seu Nome; mas Ele nos adverte que sem Ele nós não faremos nada. “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer (Jo.15.5)

Não importa o problema pelo qual você esteja passando. Primeiro, e antes e tudo, procure meditar na Palavra de Deus. Ao recebê-la no coração, ela lhe dará fé. Então, você deve, sem vacilar, usar o nome de Jesus, reivindicando o que lhe foi revelado.

Quando Cristo diz que algo se faça em seu nome, significa que deve ser feito identificando-se com Ele, fazendo-o no seu espírito, como se fosse Ele mesmo. Em nenhum caso se trata de pronunciar o nome divino como palavra mágica.

O nome de Cristo permanece sozinho. Deus lhe deu um nome que está acima de todo nome. Nenhum credo pode contê-lo, nenhum catecismo pode explicá-lo; Carne de nossa carne, o próprio Deus do nosso próprio Deus.

A Ele, pois, seja a glória, o domínio e o poder para todo sempre.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

sábado, 23 de maio de 2020

CARACTERÍSTICAS DE UM DISCÍPULO:


Se você creu no Senhor Jesus aceitou suas doutrinas e ensinamentos e tomou a decisão de ser um verdadeiro cristão, agora você é um discípulo de Jesus e deve viver na prática o que o Senhor requer de você, portanto devem existir em você as características dos verdadeiros discípulos de Jesus.

UM AMOR SUPREMO PELO SEU SENHOR -  Lc 10.27, 
Não devemos seguir a Jesus pelo pão que oferece, porque tememos o inferno, por obrigação, etc. Mas principalmente porque o amamos, O amor é o grande sentimento no qual está baseado todo o reino de Deus e sua doutrina. Foi a condição principal exigida a Pedro depois de negar a Jesus (Jo 15.16-17).

É o amor que leva o discípulo a ir além da obrigação, a andar a segunda milha. É a motivação do amor a Deus e a paixão pelas almas que tem levado missionários aos mais remotos cantos do mundo, enfrentando todo tipo de perigo, arriscando a própria vida à serviço do Mestre.

RENUNCIA DOS DIREITOS PESSOAIS PELOS DO SEU SENHOR – (Lc 14.33)
O chamado ao discipulado é quando realmente estamos dispostos a colocar o Reino de Deus em primeiro lugar. Ser Cristão, ser discípulo, é não ter direito sobre a própria vida e sim entrega-la nas mãos de Deus para realizar sua vontade.

UM AMOR VERDADEIRO POR TODOS OS IRMÃOS – ( Jo 2.9; 3.23; 4.20)
Quando amamos alguém, nos interessamos por seus problemas e preocupações e tudo devemos fazer no sentido de ajudar. Deus ama a todos sem distinção. É no amor ao irmão que demonstramos o amor a Deus.

SER COMO ELE É – (Mt 10.25)
Isto implica estar disposto a passar pelos mesmos caminhos, a sofrer as mesmas injúrias. O discípulo perpetua os ensinamentos do seu mestre, obedecendo a sua palavra e produzindo como resultado de sua obediência (Jo 6.31 e 15.8-16).

· Quando você passa por momentos difíceis como os discípulos no caminho de Emaús, lembre-se que o Senhor está com você, Aleluia

·  Muitos pensam que discípulos foram apenas os apóstolos, aliás de discípulos foram apóstolos (enviados) para fazer discípulos de todas as nações, portanto você é hoje um discípulo de Jesus.

· Nas nossas igrejas tem existido muitos crentes, convertidos e até, muitos convencidos, mas a meta que Jesus estabeleceu para sua igreja é fazer discípulos.

·  Cabe a você e a mim a grande Comissão deixada por Jesus no momento de sua ascensão: “Jesus aproximando-se, falou-lhes dizendo: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinado-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mt 28.18-20)

Fonte: Explicando as Escrituras / Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 22 de maio de 2020

O HOMEM E A VIDA ETERNA


Deus fez o homem para viver eternamente, isto é, sem nunca morrer. Mas o homem falhou, pecou e tornou-se mortal. Infelizmente o homem estragou o plano inicial de Deus e agora... Hebreus 9.27: “E, como aos homens está ordenado morrer uma só vez , vindo depois disso o  juízo”. AQUI NÃO EXISTE LUGAR PARA REENCARNAÇÃO. NEM PARA PURGATÓRIO!

Que juízo é este que vem depois? Ele está bem descrito, por Jesus Cristo, em Mateus 25.31 a 46. O que encontrarmos nestes versículos é uma clara separação entre dois grupos de diferentes pessoas. São dois destinos eternos. Vejamos:

  VIDA ETERNA COM DEUS – Mateus 25.34: “Então dirá o Rei (Jesus) aos que estiverem à sua direita: “Vinde, benditos de meu Pai. Possui por herança o reino que está preparado desde a fundação do mundo”. Os salvos, colocados à direita, são as ovelhas do aprisco de Jesus.
Em João 10.9: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens”. Existem muitos outros textos bíblicos que atestam a vida Eterna (CÉU) para os salvos em Cristo Jesus.

2º VIDA ETERNA SEM DEUS – Mateus 25.41: “Então dirá aos que estiverem à sua esquerda. Apartai-vos de mim, malditos,  para o fogo eterno, preparado para o diabo e os seus anjos!”. Esta pode ser uma dura doutrina da Bíblia. Mas é verdadeira!

Os perdidos, os que não são do aprisco do Senhor, herdarão, tristemente, o castigo eterno. Veja o final do Juízo em Mateus 25.46: “E Jesus concluiu assim: E irão estes para o castigo eterno, mas os justos  para a vida eterna”.  Também há muitos textos bíblicos que falam deste castigo eterno. Veja, por exemplo: Apocalipse 20.11 a 15.

SERIA DEUS INJUSTO AO PROPOR ESTA SEPARAÇÃO?
Não. Ele criou o homem para ser imortal e feliz. O homem escolheu, e vive escolhendo, desobedecer. Portanto, Ele será fiel e justo ao recompensar os homens com o fruto da sua justiça. Cabe ao homem buscar, através de Jesus, a salvação eterna. Ele não precisa ter medo do Inferno. Ele precisa crer na salvação em Jesus.

De que lado Jesus irá coloca-lo?

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 21 de maio de 2020

O MODO DE SER SAL E LUZ NUM MUNDO CORRUPTO E DE TREVAS


Há um excelente sermão de Charles Haddon Spurgeon, intitulado Entre Leões, no qual ele destaca especialmente a insensatez em se tentar urrar com aqueles que urram conosco, pela sua condição de serem contrários a Cristo e ao seu evangelho.

Spurgeon diz que ovelha não urra, e que deve portanto simplesmente se entregar ao cuidado do seu Pastor Supremo – Cristo – para viver neste mundo de muitos leões que procuram devorar o viver santo e justo da pessoa piedosa.

Aplicado e estendido à vida prática de nossos dias, isto deveria ser considerado mormente em se refletir do quanto possui de evangélico e divino levantar bandeiras para a transformação da sociedade como um todo, tentando, ainda que indiretamente impor valores cristãos e evangélicos, sobretudo pela via do exercício da política, seja ela governamental, em ONG’s, ou o que for.

Não encontramos respaldo bíblico para se fazer tal coisa em nome de Cristo. Se alguém deseja fazê-lo que o faça em seu próprio nome, ou de sua agremiação secular, mas jamais em nome da religião, porque não é este o propósito do evangelho.

Quando Jesus estabeleceu a ordem de se pregar o evangelho a todos e em todas as partes do mundo, o alvo não é o de converter todas as pessoas do mundo à fé evangélica, mas alcançar os eleitos através da pregação – Deus conhece os que hão se ser salvos, e os salvará por seu próprio poder e meios, sem que nenhum venha a faltar.

Então, quando se age como a palmatória do mundo, quando se pensa em converter toda a sociedade à fé cristã ou aos valores cristãos, não é de se estranhar que se esteja urrando, apesar de ser ovelha, a leões, e a consequência imediata é que estes leões urrarão e prevalecerão, porque farão o que lhes é próprio, segundo a sua natureza.

Por isso nosso Senhor, em outra comparação ilustrativa, nos adverte com as seguintes palavras: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.” (Mateus 7.6)

Ele pinta os que Lhe odeiam e ao evangelho, e perseguem os cristãos com estas cores fortes para destacar o desprezo deles pelo que é santo e justo, e a sua disposição em dilacerar os que lhes incomodam tentando lhes convencer da santidade que há na Palavra de Deus – ressalte-se a imprudência e falta de sabedoria deste comportamento de tentar impor a verdade do evangelho porque, pelo mesmo evangelho nos é ordenado evitar a pessoa facciosa, desviando-se dela.

E para o mesmo propósito, Jesus nos recomenda mansidão e cautela ao pregar a verdade num mundo em que há pessoas dispostas a usarem até mesmo de violência extrema para deter a citada pregação:

“Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.” (Mateus 10.16)

O modo de ser sal e luz do mundo, portanto, não é impondo padrões à sociedade como um todo, mas vivendo santa, justa e piedosamente, no amor de Cristo, fazendo o bem a todos, inclusive aos nossos inimigos e aos que nos perseguem e amaldiçoam, todavia, nunca se esquecendo que a palavra do evangelho e o poder da graça de Jesus Cristo, há de se mostrar eficaz tão somente àqueles que se arrependem e que de bom grado e voluntariamente acolhem a Palavra da verdade com mansidão em seus corações.

Pr Silvio Dutra

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 20 de maio de 2020

SÍMBOLOS DA IGREJA DE CRISTO


A IGREJA DE CRISTO É ILUSTRADA NAS ESCRITURAS ATRAVÉS DE FIGURAS DE LINGUAGEM COMO:

1. UM CORPO. Trata-se de uma figura de linguagem que transmite a idéia de que os cristãos na terra sãos as mãos, os pés e a língua de Cristo; que temos que agir, caminhar e falar exatamente como Cristo faria.
A igreja não é um edifício, um templo, uma construção ou um local para reuniões. Efésios 2.22-23: “E sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e para ser cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja, que é o seu corpo, o complemento daquele que cumpre tudo em todas as coisas.”
A Igreja é o Corpo de Cristo, do qual Ele próprio é o Cabeça.Romanos 12:4-5-“Pois assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e individualmente uns dos outros.” A igreja é o corpo de Cristo, e nós somos membros desse corpo, ligados uns aos outros.

2. UM EDIFÍCIO - Efésios 2.19 a 22: “Assim, pois, não sois mais estrangeiros, nem forasteiros, antes sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício bem ajustado cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito”.

3. NOIVA - Apocalipse 19.6 a 9:“... Regozijemo-nos, e exultemos, e demos-lhe a glória; porque são chegadas as bodas do Cordeiro, e já a sua noiva se preparou, e foi-lhe permitido vestir-se de linho fino, resplandecente e puro; pois o linho fino são as obras justas dos santos. E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. Disse-me ainda: Estas são as verdadeiras palavras de Deus”

Você é o corpo de Cristo. É o templo do Espírito Santo. É a noiva de Cristo.

Como corpo, você tem uma tarefa e recebeu um dom.

Como edifício, você pertence ao Senhor, é prioridade e habitação do Deus vivo e reflete a sua glória.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz