terça-feira, 27 de abril de 2021

DÁDIVAS DIVINAS OU DONS ESPIRITUAIS

 Não nos são dadas para que as retenhamos conosco. São nossas para que as usemos no sentido de promover o reino de Deus no mundo presente.

Não há melhor ilustração disso do que a história contada por Jesus em Mateus 25:14-30, sobre um patrão generoso que partiu para uma longa viagem. Deu a três de seus empregados algum dinheiro para que usassem enquanto ele estivesse longe.

Um recebeu dez mil reais, outro, cinco mil reais, e o outro, mil reais. Quando o patrão retornou, chamou os três e quis saber o que tinham feito.

O primeiro trouxe vinte mil reais, dizendo que havia administrado uma carteira de investimentos e duplicado o valor inicial. O patrão ficou satisfeito ao ver a competência com que ele havia trabalhado, e expressou ao empregado o quanto estava orgulhoso.

O segundo contou praticamente a mesma história. Despejou na mesa a quantia original de cinco mil reais, e mais cinco mil que havia obtido de lucro líquido numa grande transação de terras. A alegria do patrão se refletia em seu rosto e também em suas palavras de elogio e gratidão. Ele também havia feito um bom trabalho.

A essa altura, o terceiro empregado estava um pouco constrangido. Havia uma mistura de medo e orgulho em sua voz ao explicar como havia tomado os mil reais e guardado a quantia num lugar seguro.

Com um sorriso tímido e um pouco de apreensão, contou ao patrão que havia escondido o dinheiro onde ninguém o encontraria. Então entregou ao patrão os mesmos mil reais.

Houve um embaraçoso momento de silêncio que pareceu durar horas. O patrão estava visivelmente surpreso e desapontado. Olhando com firmeza nos olhos do empregado, expressou condignamente sua frustração diante das ações irresponsáveis do homem.

Em sua defesa, o empregado disse ter pensado que o patrão ficaria irritado se perdesse o dinheiro. Sendo isso verdade, o patrão não entendia por que o empregado não havia ao menos aplicado o dinheiro para render juros.

O empregado foi demitido por não ser capaz de gerenciar e administrar recursos importantes. Essa versão de uma história que Jesus contou há tanto tempo enfatiza a verdade de que Deus espera um retorno de seu investimento.

Um dia vamos prestar conta dos recursos cuja administração Ele nos confiou. Devemos ser administradores de nossos dons espirituais de um modo que glorifique a Deus e edifique os outros.

Os dons dados pelo Senhor Jesus não são nossos é de Deus e um dia teremos que devolvê-los.

Qual tem sido seu desempenho como administrador daquilo que você tem recebido de Deus?

Você está usando os dons para a glória de Deus e para servir aos outros?

Onde estão seus dons: na prateleira, no arquivo morto ou na expressão da vontade e propósito de Deus?

Exercite os dons do Espírito Santo que está em você para a glória de Deus e você será o mais abençoado.

Cláudio Ely Dietrich Espíndola

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário