terça-feira, 19 de setembro de 2017

CONHECENDO A VIDA VITORIOSA

O Velho Testamento recorda a vida de várias pessoas que experimentaram grandes vitórias.
Jael e Débora conquistaram reinos ( Jz.4.5).
Daniel foi salvo da boca de leões (Dn 6).
Misael, Azarias e Hananias, não foram feridos apesar de estarem dentro de uma fornalha quentíssima (Dn.3).
Elias escapou das espadas dos capangas da rainha Jezabel (1Rs.19.2).
Ezequias retomou suas forças depois de uma enfermidade ( 2Rs.20).
Gideão era poderoso na batalha (Jz 7).
O filho de uma viúva foi ressuscitado pelo profeta Eliseu (2Rs4.8-37).

Todas essas conquistas foram exemplos da fé em ação.

Nós também podemos experimentar a vitória através da fé em Cristo. Nossas vitórias sobre os opressores podem ser iguais aquelas dos santos do Velho Testamento, mas é mais provável que nossas vitórias sejam especificamente para o papel que Deus quer que nós façamos. Apesar de nosso corpo deteriorar e morrer, nós viveremos para sempre por causa de Cristo.

Na ressurreição prometida, até mesmo a morte será vencida, e a vitória de Cristo será completa. O povo (e as igrejas) freqüentemente tenta viver na memória das bênçãos de Deus.  Os israelitas assumiram erradamente que porque Deus os tinha dado a vitória no passado, ele o faria novamente, mesmo eles tendo estado distante dele.

Hoje, assim como nos tempos bíblicos, vitórias espirituais vêm através de um relacionamento com Deus que é renovado continuamente. Não viva no passado. Mantenha o seu relacionamento com Deus novo e fresco.

Fazemos o melhor e ainda assim, muitas vezes as coisas saem erradas; o semeador saiu a semear, e estava semeando uma excelente semente, porém apesar de serem boas e ser executado um bom trabalho, com boas intenções, nem toda semente deu vida (Lc.8).

A lista dos problemas que temos está diretamente relacionada com a lista das origens dos problemas descritas em Gálatas 5. Muitas das vezes queremos que a solução venha através de uma reunião de oração ou de uma palavra milagrosa, estilo abracadabra ou abratisésamo.

A verdade é  que Deus estabeleceu regras para uma vida vitoriosa, e podemos ver algumas em Lucas 4: Entrando num dos barcos, que era o de Simão (v. 3) Deus não te descarta só porque não tem obtido sucesso. Você pode ser útil, mesmo no fracasso (v. 5)

Disse a Simão: vai ao mar alto e lançai as redes; e fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes (vv. 4-6). Devo obedecer sem restrições. E fizeram sinal aos companheiros... Simão porém disse: senhor, afaste-se de mim, pois sou pecador, pois pegaram muito peixe (vv. 7-9)  Ajudando sempre sou ajudado. (Pv.11.25)

Sendo abençoado, não tenho como não abençoar (v. 7).
Tiago e João, que eram companheiros de Simão (v. 10). Preciso de bons amigos (1Co.15.33). Preciso me afastar dos ruins (1Co.5.9-13).

Deixaram tudo e o seguiram (v. 11) O reino de Deus tem que estar em primeiro lugar (Mt.6.33).
“O Reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo que um homem achou e escondeu; e, pelo gozo dele, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo. Outrossim o reino dos céus é semelhante ao homem, negociante, que busca boas pérolas; e, encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e a comprou”Mt.13.44-46

Lenilson Fraga 

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

SANGUE NO CHÃO OU NO CORAÇÃO?

A terra estava manchada de sangue. Pendurado numa cruz estava o corpo morto de um homem. Ele havia sido condenado à pior pena de morte que o homem já inventou: a crucificação. A cruz era ao mesmo tempo lugar de tortura e de morte. A pessoa ficava horas ali pendurada, vendo suas forças acabarem lentamente, enquanto todo seu corpo sofria dores terríveis.

A cruz se destinava aos piores criminosos, àquelas pessoas que cometiam crimes terríveis. Mas Aquele homem não era um criminoso. Seu único crime foi amar a humanidade e ensinar a ela o caminho para Deus. Ele sofreu, a fim de livrar o homem de um sofrimento ainda maior. Ele que tantas vezes havia curado os enfermos, estava agora sofrendo uma profunda dor física e emocional. Ele ensinou a respeito do perdão, mas foi condenado como um criminoso. Ele ensinou a respeito do amor, mas foi vítima do ódio das pessoas. Ele ensinou a respeito da paz, mas foi visto como alguém perigoso.

Aos pés da cruz estava seu sangue. Sangue inocente. Sangue puro. Sangue derramado para mudar a história.

Aquele sangue foi derramado na terra, mas seu alvo era outro: o coração dos homens. Seu objetivo era purificar o coração do pecador. João, o discípulo amado disse: “Se, porém, andarmos na luz, assim como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado” (I João 1:7).

O sangue de Jesus é o único meio de libertar o pecador da condenação eterna. Nada que o homem fizer será o suficiente para conseguir isso.

As boas obras, as esmolas, as obras de caridade: nada pode resolver o problema do pecado.  Nenhum sacrifício, nenhum voto, nenhuma penitência pode também libertar o homem.

Também de nada adianta freqüentar uma Igreja, cumprir seus rituais e normas. Isso também não pode resolver o problema do pecado no seu coração. Você pode até ser uma pessoa boa, caridosa, viver cercado de amigos, ser bom para seu cônjuge, para seus filhos, para seus pais. Tudo isso é bom, mas não pode resolver o problema do pecado.

De nada adianta você saber que o sangue de Jesus foi derramado na terra, se você não permitir que ele seja derramado em seu coração, a fim de dar-lhe uma nova vida. O próprio Senhor Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”(João 14:6).

Se você quer ir até Deus, permita que o sangue de Jesus seja derramado em seu coração. Ele ama você e está pronto a lhe dar uma nova vida. Somente assim você terá a certeza de que será aceito por Deus e poderá receber uma nova vida. Caso contrário, aquele sangue ficará apenas no chão, e ali, ele não pode lhe dar nenhuma esperança.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 17 de setembro de 2017

NÃO É TARDE DEMAIS PARA O EXTRAORDINÁRIO

Sonhos – Quais são os seus sonhos? – Sonhos ordinários?   Sonhos comuns?    Sonhos Extraordinários!!!! Mas são apenas sonhos. Você chega à conclusão que esses sonhos estão muito além da sua realidade. Você se conforma com o ordinário, pois para realizar esses sonhos extraordinários tem que ter muita fé, ousadia  fazer coisas fora do comum.

Afinal das contas quem sou eu para fazer coisas extraordinárias?
- Ter fé, mas parece que chegou ao limite, não tem mais, sem perspectiva?
- Você sente chamado para fazer o extraordinário para Deus, mas se sente preso no ordinário?
- Você acredita que é bom para outras, mas chegou à conclusão que para você é tarde demais?

1. FÉ: AO INFINITO E ALÉM
João 11:21,32 – Marta e Maria tinham fé para a cura, pois já viram outros curados, mas a sua fé parou aí, não tinham mais esperança para aquele momento. Jesus tinha falado (v.4) que a doença de Lázaro não ia acabar em morte, mas para a glória de Deus. No v.14, Jesus revela que Lázaro está morto...como??? Jesus demorou de propósito.  Pois Jesus queria levar elas a ter fé além (João 11:15, 40)

FÉ = a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. O problema é que muitas vezes nossa fé vai até o ponto da nossa zona de conforto. A fé se torna a certeza daquilo que podemos provar, e o que nós vimos é a nossa prova.   Ou esperamos que seja certo...

Mas fé não é apenas pensamento tendencioso. Sim, a Bíblia fala em 2 Coríntios 5:7 que andamos por fé e não por vista, mas isso não quer dizer que somos cegos.

Somos guiados pela palavra de Deus. (1 Coríntios 2:5). Ex. Abraão: Romanos 4:19-21 – não foi levado pela idade mas pela palavra e promessa de Deus, fortalecido na fé, dando glória a Deus.

Hebreus 11:8,17–19 - Abraão obedeceu pois tinha fé ao infinito e além. Ele não entendia tudo, e nem sabia como, mas de alguma maneira Isaque voltaria a viver.

A fé não é uma questão de receber a bênção mas conhecer o autor da nossa fé (Hebreus 12:2).  Ex. Daniel 3:17-18 – os três amigos não tinham dúvida do poder de Deus, mas a benção não foi o motivo da sua fé.

2. QUANDO O “ORDINÁRIO” SE TORNA “EXTRAORDINÁRIO”
João 11:39 – Jesus lhes pede “removam a pedra”, uma coisa comum em outras situações mas agora precisa de fé.

ordinário + comum + próprio entendimento + desejos do mundo = nada. Mas... ordinário + fé + promessa de Deus = extraordinário. Fazemos a nossa parte em fé, e Deus fará o extraordinário. Deus não pede para fazer coisas impossíveis. Ele pede fazer coisas ordinárias com fé para que Ele revele o impossível.

2 Reis 5:10 – Naamã – lavar-se no rio Jordão - coisa ordinária, mas com fé...cura!

Josué 6 – Josué – marchar em volta da cidade – coisa ordinária, mas com fé...vitória!
1 Reis 17:10-11 – uma viúva – fazer um bolo – coisa ordinária, mas com fé...provisão!
2 Reis 4:1-7 – uma viúva – pegar vasilhas – coisa ordinária, mas com fé...multiplicação!
Atos 2 – a igreja – orar – às vezes levada como ordinário, mas com fé...manifestação presença de Deus...salvação...transformação.

Ligar/desligar a T.V. – coisa ordinária, mas com fé...

Deus quer que você remova a pedra, a sua “pedra”, Ele está pedindo uma coisa ordinária com fé para transformar / revelar o “extraordinário”. Ele quer transformar o seu ordinário em extraordinário!

3. NÃO É TARDE DEMAIS
1 Reis 17:12 – a viúva pensou que o profeta chegou tarde demais. Tinha comida para mais uma refeição, só.  Quaisquer sonhos que ela tinha para ela ou seu filho, acabou. Mas não era tarde não. No v.9, o Senhor já tinha determinado a providência.

Marcos 5:22-43 – Jairo foi até Jesus crendo que Ele tinha poder para curar a sua filha. Mas no v.25-34, o sonho de Jairo foi interrompido, e depois a notícia trágica que era tarde demais. Mas no v.36, Jesus declarou, “não temas. Crê somente”.

João 5:1-9 – um homem esperando ao lado do tanque de Betesda – 38 anos esperando, sonhando, mas sempre chegava tarde demais... até o dia que Jesus veio e declarou a agenda do Senhor.

João 11:21,32 – se tivesse chegado um pouco mais cedo, por que demorou? Mas Jesus também “sonhou”. No v.4 e 40, Jesus já estava vendo a glória de Deus sendo manifestada. Na sexta feira, os discípulos estavam pensando que o “sonho acabou”... mas domingo...!!!!  O Tempo de Deus já está estabelecido.

O seu sonho, o seu extraordinário já está agendado!! Deus é dono dos sonhos. Deus é dono do tempo.

Na agenda de Deus só há um momento que é tarde demais... depois da morte. Quer dizer: hoje é o tempo, agora é a hora para começar fazer o extraordinário. Não limite sua fé, faz o ordinário com fé.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 16 de setembro de 2017

A OPOSIÇÃO

Então a gente da região começou a desanimar o povo de Judá e a atemorizá-lo, para que não continuassem a construção. Pagaram alguns funcionários para que se opusessem a eles e frustrassem o plano deles. E fizeram isso durante todo o reinado de Ciro até o reinado de Dario, reis da Pérsia. Esdras 4:4,5

Israel foi uma nação que desprezou totalmente a Deus, eles zombaram dos profetas, e não deram ouvido à repreensão do Senhor, por causa disso, Deus os entregou na mão de Nabucodonosor que matou muitos jovens, velhos, crianças, homens e mulheres, e fez daqueles que escaparam do exílio seus escravos. Derrubou o muro de Jerusalém, incendiou o templo de Deus, foi um verdadeiro desastre.

O povo separado (Israel) foi entregue na mão dos babilônicos. Então, de libertos a escravos novamente. O exílio não era somente um castigo, mas também uma bênção, pois deixou a terra colocar-se em dia com seus repousos sabático. (Lv 26.40-45).

No capítulo 3, vemos o recomeço dos israelitas na reconstrução do templo. Antes de tudo ficar de pé ainda nos alicerces (lançamento da pedra fundamental) do templo o povo começará a chorar e a dar brados de alegria pela vitória. Um choro de quem experimentou a escravidão babilônica.

Com os alicerces do templo no lugar, o povo estava radiante, entusiasmado com o recomeço, então, começou a ação da oposição. Não era da parte dos judeus que haviam retornado, mas dos descendentes de povos gentílicos que haviam sido colocados em sua terra.

Entre os povos daquele tempo existia a ideia que cada “terra” tinha um deus próprio, e era necessário aos moradores dar-lhe culto para terem sucesso. Assim, aqueles povos que foram habitar nas terras de Israel foram ensinados por um sacerdote israelita a como dar culto ao Deus de Israel, ou pelo menos a cumprir com certos rituais e a lhe oferecer sacrifícios com a finalidade de serem abençoados por Ele (2 Reis 17:24:34).

A sua oposição à reconstrução do templo foi motivada pelo desejo de continuar na sua religião tradicional, prestando um culto ao Senhor, mas também servindo aos seus deuses. A reconstrução do templo representaria a instituição do sacerdócio legítimo, com a purificação e santificação do povo de Deus para cumprir os Seus estatutos, obedecer as Suas ordenanças e cumprir a Sua lei, segundo o mandamento que o Senhor dera a Israel.

Então, a sua primeira tática foi a de se oferecerem para participar na obra de reconstrução. A segunda tática era desestabilizar por meio de palavras negativas as pessoas que estavam no serviço (executando a obra).

Conosco também é assim, sempre que estamos determinados a fazer o trabalho que nos foi designado, surgem opositores que utilizam dessas mesmas estratégias com o intuito de frustrar os projetos, e é por isso que quero compartilhar alguns “segredos”:

Nem todos estão querendo ajudá-lo, portanto, tenha cuidado com as alianças que você faz. Se possível não compartilhe com pessoas externas os seus projetos. Certa vez ouvi a seguinte frase “O judeu come o mel e limpa a boca” a frase quer dizer “Ele come e não deixa rastro do que fez”. Não digo que devem viver enganado as pessoas, e sim, que elas não devem ficar sabendo da sua vida.

Não transfira para outro uma responsabilidade (tarefa) que é sua.
Nem toda ajuda é bem vinda. Às vezes ficamos tão felizes quando aparecem pessoas querendo nos ajudar com algumas tarefas ou projetos. Mas no fundo suas intensões são nos empurra para o precipício.

Não deem ouvidos ao que os opositores dizem.
“A oposição semeia o desanimo, mas o resistente vence pela fé”. Se você der ouvido a tudo que estão falando ao seu redor, você não faz nada. Nesses longos anos de ministério aprendi a ignorar algumas notícias (fofoca) até mesmo no meio da igreja.

Algumas pessoas só abrem a boca para dizer “para que isso”? “não vai dar certo”, “é muito difícil”. Se você discordar da opinião delas e mantiver o seu plano/projeto elas são capazes de sair por toda parte falando e espalhando mentiras a seu respeito, criando contendas e manipulando principalmente o mais novos na fé com a finalidade desestabilizar você.

Aprendo com Neemias quando Sambalate e Gesém o chamam por várias vezes, a resposta que ele dá é essa:“Estou executando um grande projeto e não posso descer (Neemias 6:2-3)”. Não perca tempo com coisas fúteis, ao invés de perder tempo querendo provar o certo planeje o seu próximo passo/projeto.

Portanto, assim como Esdras você também tem uma missão, por isso, não permita que nada e nem ninguém tire o foco de completá-la.

Rafael Esmeraldino

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

MOTIVAÇÃO

“…E o Senhor disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.” Gênesis 11.1-6

O texto de Gênesis, diz que todo o povo fala a mesma língua e aquelas pessoas resolveram construir uma torre, para isso empreenderam técnica e esforço. (“Eia, façamos tijolo por pedra, e o betume por cal”).

Quando o homem não quer melhorar está indo contra a própria natureza, porque Deus colocou dentro dele o desejo de crescer.

Por isso satanás quer que as pessoas fiquem estagnadas. A Palavra de Deus diz que o Senhor desceu para ver a torre que eles estavam construindo – Ele se agrada quando nos empenhamos em crescer, mas, aquelas pessoas tinham uma motivação naquela construção.

A palavra motivação é um motivo gigante que faz você empreender todo o seu esforço. Qual a sua motivação?

É a sua motivação que determinará se você desfrutará de suas conquistas. O Senhor viu o esforço que aqueles homens empreendiam na construção da torre e resolveu abençoar até que viu a motivação deles.

Aquelas pessoas queriam a glória para si, eles se ensoberbeceram, queriam exaltação pessoal.

“Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.”Gênesis 11:4

Deus não é contra a realização dos nossos sonhos, nem contra melhorarmos de vida, Ele é contra a nossa motivação errada, por isso confundiu a língua dos construtores para que não entendessem a língua um do outro. Vs 7-9.

Seja qual for o nosso empreendimento, enquanto Deus observar que nossas conquistas são para a glória d’Ele, seremos prósperos, mas, quando ver que os nossos esforços estão sendo canalizados para nossa exaltação, o sonho se finda.

Que o Espírito Santo nos mostre qual a nossa maior motivação para as nossas conquistas e que não precise paralisar os nossos sonhos, mas que participe totalmente deles.

Pr. Jorge Linhares

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

PASTOR USA EVIDÊNCIAS HISTÓRICAS PARA COMPROVAR A VERACIDADE DA BÍBLIA

Diante da incredulidade da sociedade em relação aos fatos apontados pela Bíblia Sagrada, o pastor e jornalista Michelson Borges disse que, em algumas ocasiões, argumentos extra bíblicos são utilizados para comprovar sua autenticidade.

Devido ao ceticismo da sociedade pós-iluminista, às vezes, temos que fazer uso de argumentação extra bíblica para dar às pessoas pelo menos o benefício da dúvida”, disse ele durante o Encontro Nacional de Universitários.

Para atestar a veracidade da Palavra de Deus, Borges apresentou inúmeras evidências históricas sobre a criação do universo, a queda do homem, o dilúvio, a Torre de Babel, o êxodo, Sodoma e Gomorra e os milagres de Jesus.

“O relato da queda pelo engano da serpente é sugerido também em outras culturas não bíblicas”, disse ele, citando o selo mesopotâmico do terceiro milênio a.C. “Resquícios dessa história são encontrados em relatos de outras culturas”.

Já o dilúvio foi registrado por mais de 200 culturas espalhadas pelo mundo, de acordo com Borges, conforme registros de Gilgamesh e Platão em Timeu. “Os detalhes vão sendo alterados, mas sempre coincidem — todos dizem que a água inundou a Terra, um barco grande promoveu um escape e uma família foi preservada para manter a raça humana”, conta o pastor.

Os zigurates encontrados na antiga cidade de Ur, localizada hoje no Iraque, atestam que o povo de Babel construiu torres com propósitos religiosos, observa Borges, falando sobre as evidências da Torre de Babel. “Além disso, estudos linguísticos têm demonstrado que os idiomas remontam a um tronco comum, à medida que nós recuamos no tempo”, explica.

O êxodo é confirmado através de estudos que indicam a existência de escravos hebreus no Egito, conforme atestam as pinturas das pirâmides de Beni Hasam. Já as pragas do Egito foram descritas no papiro do sacerdote egípcio Ipuwer, descrito a seguir:

“Os estrangeiros [hebreus] vieram para o Egito. Eles têm crescido, estão por toda a parte. O Nilo se tornou sangue. As casas e as plantações estão em chamas. A casa real perdeu todos os seus escravos. Os mortos estão sendo sepultados pelo rio. Os pobres [escravos hebreus] estão se tornando donos de tudo. Os filhos dos nobres estão morrendo inesperadamente. O nosso ouro está no pescoço dos escravos. O povo do Oásis [terra de Gósen] está indo embora e levando as provisões para o seu festival”, conforme texto traduzido pelo arqueólogo brasileiro Rodrigo Silva no livro “Escavando a Verdade”, p.99.

Borges observa que há uma predisposição para a descrença em relação à Bíblia. “A história de Cristo começou a ser registrada entre 40 e 60 anos depois de sua ressurreição. Havia muitas testemunhas oculares vivas ainda e, mesmo assim, há quem duvide que Jesus tenha existido.

A história de Alexandre, o Grande começou a ser escrita de 300 a 400 anos depois dos eventos registrados, e ninguém duvida”.

O pastor observa que ninguém morreria por uma mentira inventada, mas os cristãos foram martirizados por causa do Evangelho. “Os cristãos só perderam do ponto de vista humano por causa dessa história, porque eles sabiam que Cristo era real”, disse Borges.

Luana Novaes

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

VENCENDO AS RESISTÊNCIAS

2 Coríntios 10.3-6: Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo, e estando prontos para punir toda desobediência, uma vez completa a vossa submissão.

Desde do início da história da Bíblia nós vemos que sempre que alguém decidiu obedecer a Deus e fazer a Sua vontade, essa pessoa enfrentou resistências, porém, a boa notícia é que Deus sempre os conduziu em vitória.  Não é diferente hoje (2 Cor. 2.14)

A vida cristã não é colônia de férias, é campo de batalhas espirituais, e nessa luta quem não é inimigo do Diabo torna-se seu escravo, e quem não é vencedor torna-se vítima. A igreja de Jesus tem nesse mundo uma missão ofensiva e não defensiva. (Mateus 16.15-18). Diante do avanço da igreja de Jesus Cristo, o inferno tem que recuar…

Todas as resistências à pregação do evangelho de Jesus são contra a vontade de Deus; e quando uma lei da terra contraria os mandamentos de Deus, obedece-se os princípios do céu.

Vejamos algumas resistências que você precisa vencer:

1 – VENÇA A RESISTÊNCIA DO MEDO.
Deus nos encoraja dizendo: “Seja forte e corajoso…”(Josué 1.7-9). O medo é um espírito maligno. (2 Timóteo 1.7). Em todas as aparições do Senhor a uma pessoa, Ele disse: “Não temas” ou seja, “não tenha medo.”  Por que? Porque o medo é o inimigo público número um… Vença o medo de viver uma vida completamente consagrada, santa diante de Deus e diante dos homens.

O nosso relacionamento com Deus deve ter como base o amor. (Marcos 12.30). Se você tem medo de assumir publicamente a sua fé em Jesus você irá para o inferno.  (Mateus 10.32,33) (Apocalipse 21.8). É preciso vencer o próprio medo porque ele te impede de crescer, romper e realizar grandes coisas para Deus.

Quando Deus chamou Moisés, o maior inimigo dele era o medo… “Quem sou eu para tirar os filhos de Israel do Egito.”(Êxodo 3.10,11) (Êxodo 4.10-12). Vença o medo de tomar grandes decisões pela fé. Vença o medo de obedecer o chamado de Deus para a sua vida. Exemplo: Gideão, quando Deus o chamou ele precisou vencer os seus próprios medos. (Juízes 6.11-16)

Deus chamou Gideão de poderoso guerreiro; é assim que Deus te vê, como um poderoso discípulo  cheio de fé e do Espírito Santo. Vença o medo de abraçar uma grande visão… Vença o medo de dar continuidade à grande missão que Jesus nos confiou. Vença o medo do sistema religioso, porque isso lhe deixa infrutífero, lhe engessa e atrofia a tua vida espiritual e ministerial. Vença o medo das críticas dos familiares e amigos…

2 – VENÇA AS RESISTÊNCIAS ESPIRITUAIS.
Temos que vencer as resistências espirituais externas. (Efésios 6.10-18) Precisamos sempre do Senhor indo à nossa frente, como a nossa bandeira e ao mesmo tempo habitando conosco. (Êxodo 17.15). Persevere firme na oração até vencer as resistências e todas as batalhas espirituais. Exemplo: Daniel, enfrentou em oração e jejum, uma grande batalha espiritual durante vinte e um dias e venceu.  (Daniel 10.1-14)

Se você está orando, jejuando com um propósito, não cometa aborto espiritual, não desista, persevere firme até o fim. (Lucas 18.1) (Hebreus 10.38,39). É preciso vencer as resistências espirituais internas. (2 Cor. 10.3-6) (Gal. 5.16,17). Temos que vencer as resistências dentro da igreja local de pessoas que não querem mudar Pessoas que são contra o mover do Espírito de Deus. Nós vencemos as resistências usando a autoridade de Jesus, Ele tem toda autoridade no céu e na terra.  (Mateus 28.18)O Senhor Jesus nos deu autoridade para pisar sobre todo o poder do inimigo. (Lucas 10.19) (Romanos 16.20)

3 – VENÇA O ESPÍRITO DE INTIMIDAÇÃO.
A intimidação é um espírito maligno que opera intimidando os pastores e líderes  tentando impedir a pregação do evangelho e o avanço do Reino de Deus na terra. Temos que vencer a intimidação imposta pela mídia… É preciso vencer a intimidação imposta pelos professores universitários. Temos que vencer a intimidação religiosa… Vença a intimidação dos inimigos da obra do Senhor.

Neemias, enquanto reconstruía os muros de Jerusalém, ele enfrentou ameaças de inimigos que não queriam o bem do povo de Deus, porém, ele não parou a obra para dialogar com os inimigos.  (Neemias 6.1-4). A intimidação tem como alvo parar o trabalho que estamos fazendo para o Senhor nosso Deus. (Neemias 6.9). Porque Neemias não se intimidou, não deu ouvidos aos inimigos de Deus, ele concluiu a obra da reconstrução dos muros de Jerusalém em tempo recorde. (Neemias 6.15)

4 – VENÇA A RESISTÊNCIA AO ESPÍRITO SANTO.
Vencendo o medo do Espírito Santo, Ele é o seu Pai, é aquele que promoveu o seu novo nascimento, é Ele que te guia em toda a verdade, que te ensina todas as coisas. O grande pecado de alguns lideres é a resistência à obra do Espírito Santo. Muitos desses líderes e igrejas aceitam a maçonaria, a incredulidade, o liberalismo, alguns vícios,  mas rejeitam a obra do Espírito Santo. “Sujeitai-vos a Deus; resistir ao diabo e ele fugirá de vós.” (Tiago 4.7);“não deis lugar ao diabo.” (Efésios 4.27). Muitos dão lugar ao diabo, e resistem ao Espírito Santo.

A resistência ao Espírito Santo foi o grande pecado dos líderes religiosos dos dias de Jesus e do início da igreja. (Atos 7.51). O maior de todos os pecados de pastores e líderes  denominacionais é a crítica ao mover do Espírito Santo. Esse foi o pecado dos fariseus dos dias de Jesus. (Mateus 12.22-24). O pecado de blasfêmia contra o Espírito Santo não tem perdão. (Mateus 12.31,32). O Espírito Santo nos enche de coragem, ousadia e fé para ensinar, pregar o evangelho e ministrar curas.(Atos 4.29-31)

Todos os discípulos comprometidos em dar continuidade à missão de Jesus podem ser cheios do Espírito Santo sempre. (João 20.21,22; Atos 2.1-4; 39; 4.31)

Extraído Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 12 de setembro de 2017

POR QUE JESUS ENSINOU EM PARÁBOLAS?

Tem-se dito que uma parábola é uma história terrena com um significado celestial. O Senhor Jesus frequentemente usava parábolas como um meio de ilustrar profundas verdades divinas. Histórias assim são facilmente lembradas, os personagens são fortes e o simbolismo rico em significado.

As parábolas eram uma forma de ensino muito comum no Judaísmo. Antes de um determinado ponto no Seu ministério, Jesus tinha utilizado muitas analogias gráficas usando coisas comuns que seriam conhecidas por todos (sal, pão, ovelhas, etc.), e seu significado era bastante claro no contexto de Seu ensino. As parábolas requeriam mais explicações, e em um ponto do Seu ministério, Jesus começou a ensinar utilizando parábolas exclusivamente.

A questão é a seguinte: por que Jesus deixaria a maioria das pessoas se perguntando sobre o significado de Suas parábolas?

O primeiro exemplo disso é a narrativa da parábola da semente e dos solos. Antes de interpretar essa parábola, Ele chamou Seus discípulos para longe da multidão. “Os discípulos aproximaram-se dele e perguntaram: ‘Por que falas ao povo por parábolas?’ Ele respondeu: ‘A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus, mas a eles não. A quem tem será dado, e este terá em grande quantidade. De quem não tem, até o que tem lhe será tirado. Por essa razão eu lhes falo por parábolas: ‘Porque vendo, eles não vêem e, ouvindo, não ouvem nem entendem’. Neles se cumpre a profecia de Isaías: ‘Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão; ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão. Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade ouviram com os seus ouvidos, e fecharam os seus olhos. Se assim não fosse, poderiam ver com os olhos, ouvir com os ouvidos, entender com o coração e converter-se, e eu os curaria’. Mas, felizes são os olhos de vocês, porque vêem; e os ouvidos de vocês, porque ouvem” (Mateus 13:10-17).

Jesus, deste ponto em diante no Seu ministério, sempre ensinava o sentido das parábolas apenas aos Seus discípulos. Entretanto, aqueles que continuamente rejeitavam a Sua mensagem foram deixados em sua cegueira espiritual se perguntando a respeito do que Jesus queria dizer. Ele fez uma distinção clara entre aqueles que tinham sido dados "ouvidos para ouvir" e aqueles que persistiam em descrença – sempre ouvindo mas nunca realmente entendendo e "sempre aprendendo, mas não conseguem nunca de chegar ao conhecimento da verdade" (2 Timóteo 3:7).

Os discípulos tinham recebido o dom do discernimento espiritual pelo qual as coisas do Espírito ficavam-lhes claras. Porque aceitavam a verdade de Jesus, eles receberam mais verdade. Pode-se dizer o mesmo hoje de crentes que receberam o dom do Espírito Santo, o qual nos guia em toda verdade (João 16:13). Ele abriu os nossos olhos à luz da verdade e os nossos ouvidos às doces palavras da vida eterna.

Nosso Senhor Jesus compreendia que a verdade não é uma doce música para todos os ouvidos. Na verdade, há aqueles que não têm nenhu interesse ou estima pelas coisas profundas de Deus.

POR QUE, ENTÃO, ELE FALAVA EM PARÁBOLAS?
Para aqueles com uma verdadeira fome de Deus, a parábola é um veículo tanto eficaz quanto memorável para a transmissão das verdades divinas. As parábolas de Nosso Senhor contêm grandes volumes de verdade em poucas palavras e Suas parábolas, ricas em imagens, não são facilmente esquecidas.

Assim, então, uma parábola é uma bênção para aqueles com ouvidos dispostos. Entretanto, para aqueles com corações endurecidos e ouvidos lentos para ouvir, uma parábola é também uma declaração de julgamento.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A SALVAÇÃO DE UM CRIMINOSO

Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso”.[Lucas 23.43]

Todos os quatro evangelistas mencionam que três cruzes foram erguidas no Gólgota (“lugar chamado Caveira” [v. 33]) naquela manhã fatídica. Eles deixam claro que Jesus estava na cruz do meio, enquanto os dois ladrões (“criminosos”, de acordo com Lucas) foram crucificados um de cada lado de Jesus.

A princípio os dois ladrões juntaram-se ao coro de ódio a que Jesus foi submetido (Mt 27.44). No entanto, apenas um continuou, lançando-lhe insultos e desafiando-o a salvar a si mesmo e a eles.

O segundo ladrão repreendeu o primeiro dizendo: “Você não teme a Deus nem estando sob a mesma sentença? Nós estamos sendo punidos com justiça… Mas este homem não cometeu nenhum mal” (Lc 23.40-41).

Então, voltando-se para Jesus, disse: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu reino” (v. 42).

Esse reconhecimento da realeza de Jesus é extraordinário. Sem dúvida o ladrão arrependido ouvira os sacerdotes zombando da declaração de Jesus de que era rei de Israel, e provavelmente lera a inscrição sobre a sua cabeça: “Este é Jesus de Nazaré, o Rei dos Judeus”.

Certamente também observara a dignidade silenciosa e régia de Jesus.

Diante de tudo isso, ele passara a acreditar que Jesus era rei. Ele também ouvira a oração de Jesus por perdão para os seus executores, e sabia que precisava de perdão uma vez que confessara estar sendo punido com justiça.

Jesus respondeu ao ladrão penitente com esta afirmação memorável: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso” (v. 43). Não houve recriminações. Ele não foi censurado por haver se arrependido somente na décima primeira hora.

A autenticidade de seu arrependimento não foi questionada. Jesus simplesmente deu a esse crente arrependido a certeza que ele tanto ansiava ter.

Prometeu-lhe não somente a entrada no paraíso, que envolvia a alegria da presença de Cristo, como também uma entrada imediata, naquele mesmo dia. Ele lhe assegurou essas coisas dizendo: “Eu lhe garanto” — a última vez em que usou essa expressão familiar.

Imagino que, durante as longas horas de dor que se seguiram, o ladrão perdoado aconchegou o coração e a mente na promessa segura e salvadora de Jesus.

E também conduziram outros dois, que eram malfeitores, para com ele serem mortos. E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes. E o povo estava olhando. E também os príncipes zombavam dele, dizendo: Aos outros salvou, salve-se a si mesmo, se este é o Cristo, o escolhido de Deus. E também os soldados o escarneciam, chegando-se a ele, e apresentando-lhe vinagre.E dizendo: Se tu és o Rei dos Judeus, salva-te a ti mesmo. E também por cima dele, estava um título, escrito em letras gregas, romanas, e hebraicas: ESTE É O REI DOS JUDEUS. E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.  Lucas 23.32-43

Retirado de A Biblia Toda, o Ano Todo  [John Stott]. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 10 de setembro de 2017

LÂMPADA PARA OS MEUS PÉS

A palavra é lâmpada (lanterna) para os nossos pés (Sl 119:105).  Nós, jovens, devemos cultivar o habito de caminhar sempre confiados e baseados na palavra para iluminar nosso caminho. Aliás, andar assim, firmado exclusivamente na palavra de Deus, é a base para uma vida frutífera, segura, que irá honrar e agradar a Deus.

É o que ensina o Dr.  J. I. PACKER: “Os cristãos devem ser gratos a Deus pelo dom de sua Palavra escrita, e devem ser cuidadosos em basear a sua fé e a sua vida total e exclusivamente nela. Caso contrário, não poderemos jamais honrá-lo ou agradar-lhe, como Ele nos ordena a fazer.”

Basear nossa vida unicamente na palavra de Deus é o segredo. Agora, sempre que ouvimos a pregação da palavra de Deus, devemos conferir se realmente é isto que ensinam as escrituras, como fizeram os de Beréia (Atos 17:11).

Um jovem que não lê a palavra de Deus é como alguém que anda em meio a um campo de batalha, cheio de armadilhas, à noite e sem uma lanterna ou lampião. A chance de cair em alguma cilada será muitíssimo grande.

Nós devemos cultivar o hábito de ler a palavra de Deus, para que ela possa estar em nosso interior, armazenada, para ser utilizada no momento oportuno. O Salmo 119:11 nos adverte: “guardo no coração as tuas palavras para não pecar contra ti”.

Temos que cultivar o hábito e a regra de ler a palavra de Deus. Somente através da palavra de Deus é que poderemos ser transformados, iluminados, animados, consolados, e receber a instrução e o poder de Deus.

É importante que nós, ainda jovens, tenhamos este cuidado de encher-nos a nós mesmos com a palavra de Deus para que ela possa ser trabalhada pelo Espírito Santo e  transformar nosso ser.

A palavra de Deus é a Bíblia. Nenhuma outra escrita, livro, revelação ou nada pode substituí-la ou afrontá-la. Ele é única, completa e eterna. Não muda e não mudará. Temos que amá-la, respeitá-la, e nos alimentar, a cada dia, dela.

O problema é que hoje, nossos jovens gastam muito tempo na internet, televisão, vídeo-games, festas, dormindo e etc... e dizem que não têm tempo para ler a palavra de Deus, como se fosse possível a um cristão não atentar para a Lei de Deus e nela meditar.

Precisamos nos disciplinar (cultivar o hábito) a ler e estudar a palavra de Deus, pois a palavra irá nos salvar em muitas ocasiões, sendo nossa arma, como foi a arma de Jesus quando foi tentado.

Jesus, ao ser tentado pelo diabo, limitou-se à palavra de Deus. Ela foi sua espada e Ele sempre respondeu “está escrito”. Igualmente nós devemos nos agarrar à palavra de Deus e ela deve ser o nosso norte.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 9 de setembro de 2017

BUSCANDO UM REFERENCIAL.

Um pequenino barco no oceano. Assim somos nós! Agitados para lá e para cá por tentações, insinuações, imagens. Açoitados por correntes, tendências e influências. Puxados daqui, empurrados dali. Mas como o pequenino barco sai de um porto e cruza o oceano e vai dar diretamente noutro porto, noutro continente, sem errar o caminho? O segredo daquele pequeno barco está no referencial, que naquele caso é chamado de norte. O norte (pode ser bússola, GPS ou as estrelas) é o referencial da navegação, e o barco, por ter um referencial imutável e seguro, pode guiar-se pelo oceano sem topar com obstáculos ou errar o caminho.

Nós também precisamos de um referencial, e o problema de nossa geração e a falta dele. Sem referencial tudo passa a ser relativo e tudo passa a ser possível e normal! O que é certo? O que é errado? Qual é o referencial absoluto?

Este referencial, amados, é a palavra de Deus. Deus é imutável e a sua palavra permanece eternamente.

Não passa e nunca passará, e nem uma vírgula dela será descumprida.O Salmo 119:9 diz: “Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra”. 

Como vemos no Novo Comentário da Bíblia: “O termo hebraico é torah, que significa, principalmente instrução ou ensino.” É interessante observar que, em hebraico, no verso 9, é utilizado dabhar para o termo “palavra”.

E isto significa, segundo ensina o Novo Comentário da Bíblia: “a vontade declarada de Deus. Suas promessas, decretos, etc...”

Ora, qual é a vontade declarada de Deus senão aquela que está estampada nas escrituras? Na Bíblia?

Assim, o referencial que devemos ter é o ensinamento do Senhor, a instrução Divina, e esta instrução está na Bíblia, que é toda a revelação de Deus para nós. É a palavra completa de Deus, que não necessita nem pode ser adicionada.

Andando segundo a palavra de Deus (ensinamentos) estaremos seguros, firmados, guiados e guardados das astúcias do inimigo, das tentações modernas e das influências do mundo.

Os conceitos mudam, as tendências se invertem, a moda passa, a cultura se transforma, mas a palavra de Deus permanece para sempre!

Necessitamos de um referencial seguro, imutável, para nortear a nossa vida, e este referencial é a palavra de Deus.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz