domingo, 14 de outubro de 2018

A INFLUÊNCIA DO SERVO


Nosso mundo é duro, difícil e ímpio. Por toda a parte encontramos agressões, violência, competição impiedosa e revides. E isso não acontece apenas no plano internacional, mas também de individuo para individuo. O que ocorre nas câmaras secretas dos conselhos das nações passa-se também dentro das paredes dos lares.

Que influencia poderia ter sobre uma sociedade impiedosa e hostil como a nossa, um servo como o que é descrito em Mateus 5:1-12? Que tipo de impacto poderiam ter sobre as pessoas – que impressão causariam os “pobres de espírito”, os “mansos”, os “misericordiosos”, os “limpos de coração”, os “pacificadores”?

Essas virtudes, pouco retumbantes, parecem ter muito pouca força, quase como uma “guerra de travesseiros” em confronto com um conflito nuclear. Principalmente porque temos todas as desvantagens contra nós. Os servos de Jesus Cristo sempre serão uma minoria... um pequeno remanescente cercado por uma maioria contrária, de punhos cerrados a nos ameaçar.

Será que nossa presença aqui poderá ter algum efeito positivo? Não seria qualquer esforço um desperdício de energias?

Jesus, que esboçou o retrato deste servo, não partilhava desse ceticismo. Mas tampouco negou que haveria uma batalha. Não nos esqueçamos das pinceladas finais que ele deu naquela tela inspirada que acabamos de examinar e admirar. Lembram-se de suas palavras? Elas dão a clara indicação de que a sociedade é uma zona de combate, e não um local de veraneio.

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” (Mt 5:10-12)

Não; ele nunca nos prometeu um mar de rosas. Ele foi bastante explicito e reconheceu que a arena deste mundo não é um amigo leal que nos ajuda na caminhada para Deus. Entretanto, embora isso possa parecer estranho, ele não parou aí, e disse àquele grupo de aldeões palestinos (e a todos os genuínos servos cristãos, de todas as gerações) que a influência deles sobre o mundo seria notável.

Eles iriam ser o “sal da terra” e a “luz do mundo”. E nós também devemos sê-lo. A influência deles seria tão fortemente sentida, e a sua presença tão significativa como a do sal no alimento, e da luz nas trevas.

Nenhum desses dois elementos é ruidoso e exteriormente forte, mas ambos são essenciais. Se nos ausentássemos, este velho mundo logo começaria a sentir nossa falta. Embora talvez a sociedade não o confesse, a verdade é que ela precisa de sal e luz.

Extraído do livro Eu, um servo, Você esta brincando, de Autoria de Charles Swildoll

Por Litrazini
Graça e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário