domingo, 30 de junho de 2019

SER CRISTÃO


NENHUM GRUPO RELIGIOSO pode ser considerado cristão se realmente não seguir a Cristo; 

Se não O tiver como Senhor e Salvador (Lc 2.11; Jo 4.42; Jo 20.28); 

Se não guardar Seus mandamentos (Jo 14.15); 

Se não permanecer nEle e em Suas palavras (Jo 8.31); 

Se seus adeptos não forem realmente discípulos de Jesus (At 11.26); 

Se não crer nEle, na Sua morte e ressurreição corporal (Mc 14.28; Jo 3.18); 

Se não batizar seus seguidores em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mt 28.19); 

Se não cumprir a ordenança da ceia – pão e vinho – em Sua memória (Mt 26.26-28); 

Se não crer nas Escrituras e em todas as palavras do Senhor Jesus (Mt 22.29; Jo 2.22; At 17.11); 

Se não crer que Cristo é o Verbo encarnado, o Deus que se fez homem e habitou entre nós (Jo 1.1, 14); 

Se não aceitar que Ele é o Criador de todas as coisas (Jo 1.3, 10); 

Se não crer na Sua eternidade (Jo 1.18; 6.57; 8.19; 10.30, 38; 14.7, 9, 10, 20). 
Um grupo não pode ser chamado de cristão se não acreditar na divindade de Cristo (Ap 1.8);

Se não acreditar na Sua segunda vinda, na ressurreição dos mortos e no Juízo Final (Jo 6.40, 47, 54; 10.28. 1 Ts 4.16-17; Ap 19.20. 20.5, 11-15). 

O fato de um grupo religioso fazer o bem, dar esmolas e distribuir alimentos não o caracteriza como genuinamente cristão. Nossas boas obras não nos salvam (Ef 2.8-9). 

Jesus disse que quem O ama guarda todos os seus mandamentos. Ele não falou em “parte” dos mandamentos. 

Quem ama verdadeiramente o Senhor Jesus e o tem como Senhor e Salvador nEle confia e busca o Seu auxílio para aliviar suas dores: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Ouçam: “VINDE A MIM”. A Ele. 

Jesus não sugere a possibilidade de os oprimidos irem a outras pessoas, mortas ou vivas. Que é de Jesus ouve a Sua voz. 

Para que um grupo religioso seja chamado de cristão precisa ensinar o perdão incondicional dos pecados àqueles que se arrependem (Mt 6.12; 9.6; 12.31; At 2.38); 

Ensinar e crer que na morte o espírito se separa do corpo e segue imediatamente para o mundo espiritual; 
Ensinar que os cristãos seguirão para um lugar de paz; os que não são de Cristo, para um lugar de tormentos (Lc 16.19-31). 

Ao ladrão que se arrependeu, disse Jesus: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43). Referido ladrão não passou por nenhuma estação intermediária; não houve qualquer interrupção na sua subida ao céu; não houve empecilhos, traumas, penitências, trabalho extra, caminhos difíceis. O ladrão foi direto. 

Jesus afirmou: “Quem crê nele {em Jesus] não é condenado; quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3.18). 

Qualquer grupo que queira seguir a Cristo deve seguir essas premissas na sua totalidade. Do contrário, é apenas uma caricatura do Cristianismo. 

Pr. Airton Evangelista da Costa 

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 29 de junho de 2019

INSATISFAÇÃO? SERVO? MELHOR SER FILHO!!


“... Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez”. (Fp. 4.11,12).

A insatisfação tem sido um dos traços mais marcante da vida de muitos que se abrigam na casa de Deus. Vivem sob o teto do Pai, procuram servi-lo e obedecer-lhe, mas intimamente se sentem descontentes e frustrados. Vivem a murmurar, a reclamar, a remoer os insucessos, as injustiças e os desafetos, numa disposição de alma amarga e sombria.

Há um grande número de pessoas cuja relação com Deus se reduz tão somente a sentimentos de obrigação e segurança. Seguem-no por medo ou por costume. Servem-no por dever ou por interesse.

O resultado é uma vida sem alegria, sem abundância, sem realizações, uma vida insatisfeita. E é claro que não é esse tipo de existência que o Senhor quer para seus filhos. Ele quer que vivamos satisfeitos.

Quando a nossa insatisfação se traduz em reclamações, amargura de alma, murmurações e pessimismo, estamos declarando a Deus que ele, afinal de contas, não é um pai tão bom assim. Aquele que serve a Deus por obrigação, por vezes, duvida da alegria do crente sincero, simples e profundamente abençoado. Sente-se preterido, discriminado, menos amado pelo Senhor.

Há muitos que vivem insatisfeitos, mas, são incapazes de admitir o fato para si mesmo, para outros e muito menos para Deus.

”Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer” (Jo. 15.15). Ele quer mais do que servos; quer filhos.

O Pai celestial quer filhos que possam desfrutar da sua comunhão e da sua misericórdia em amor. Porém, com freqüência, manisfestamos um coração de servo, e não de filho; uma disposição de interesse, e não de amor. 

Quando nos regemos pela obrigação, experimentamos insatisfação e migalhas, deixamos de gozar da vida abundante que Cristo conquistou para nós na cruz.

Deus se relaciona conosco pelo amor, não pela obrigação. Trata com gente, não com coisas e, opera através de relacionamento.

O amor é a essência da vida cristã e não há outra forma de vivermos contentes e satisfeitos a não ser, amando a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 28 de junho de 2019

DEUS ESTÁ COMPROMETIDO COM O CARÁTER, NÃO COM O TALENTO


O que você tem nas mãos? Habilidade? Uma mente brilhante? Poder para influenciar as outras pessoas? Eloquência? Personalidade? Talento? 

Jogue isso ao chão pode haver uma serpente aí! Independentemente de nossos talentos e habilidades pessoais, Deus está comprometido com o caráter, não com o talento. Ele quer que sejamos totalmente dependentes dele. 

O que você tem nas mãos? Permita que Deus o tenha. É possível que haja um pecadinho aí. A vida de uma pequena serpente pode estar aí e você nem se dar conta disso. 

Devemos tomar nossos dons quaisquer que possam ser e lançá-los aos pés de Jesus. Deixemos que ele arranque a serpente, a carne deles e os devolva a nos. Então, eles se tornam no poder de Deus em nossa vida. 

Quando o assunto é liderança, isso inclui até a "aprovação" das pessoas que você lidera. Liderar pode ser algo solitário por vezes, e as divergências parecem lazer parte do pacote da liderança. 

Até Jesus teve de conviver com divergências durante todo o seu ministério terreno e, no final, ele foi perfeito. A maioria de nós deve esperar contar com alguns problemas que irão surgir e que exigirão de nós ainda maior renúncia ao longo do caminho. 

Moisés não tinha o estereótipo de um grande líder. Sua primeira tentativa de ajudar seu povo levou-o ao assassinato, à rejeição por parte dos hebreus e a uma frenética viagem para o deserto. Afirmar que ele foi completamente mal compreendido pode ser uma afirmação incompleta. As divergências ficavam mais evidentes quanto mais os israelitas marchavam pelo deserto.

Por fim, um líder levita chamado Cora levantou-se com os 250 principais líderes israelitas e publicamente desafiou a liderança de Moisés. Moisés caiu ao chão e humildemente enterrou o rosto em terra, e Deus apareceu com uma ira justificada e, no mesmo instante, sepultou Cora e seus companheiros no ventre da terra. 

Esses homens não entendiam que o poder de Moisés vinha de sua humilde entrega de tudo ao Senhor. Moisés também sabia o que era ser mal compreendido por sua própria família. 

Miriã e Arão, sua irmã mais velha e seu irmão, até tentaram apoderar-se de sua autoridade certa vez; entretanto, mais uma vez, Deus interveio e resolveu a questão."(Números 16) Às vezes, aqueles que estão mais próximos de você sua própria família serão aqueles que irão compreendê-lo mal. 

Por que Jessé trouxe todos os seus filhos, exceto Davi, quando o profeta o chamou para oferecer um sacrifício com todos os seus filhos (Números 12). Davi escreveu: "Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe" (Sl 51.5). É interessante que esta seja a única menção à mãe de Davi na Bíblia, além daquela em que ele pediu ao rei de Moabe um abrigo para seu "pai e mãe" (1Sm 22.3). 

Entregue Sua História ao Passado

Você já se perguntou se Davi foi um filho ilegítimo? Talvez seu pai não o considerasse como um de seus verdadeiros filhos. É apenas um pensamento, mas, se for verdade, ele apenas reforça o poder da renúncia. Este é o poder que ajudou Davi a deixar sua história no passado! 

Sabia que Deus tomava os abatidos e ilegítimos e os transformava em filhos legítimos! 

Você passou os olhos pela aparência exterior e sondou o coração de Davi. Quando o jovem Davi disse ao rei Saul que sairia ao encontro de Golias na batalha, ele não se gabou: "Vejam quanto minha intenção é boa!" Ele nem mencionou a funda e as cinco pedras lisas, nem o lalo de que tinha "munição" suficiente para atacar (golias. Ele apenas disse: "O Senhor que me livrou das garras do leão e das garras do urso me livrará das mãos desse filisteu" (1 Sm 17.37). 

Curiosamente, a Amplijied Version diz que Davi colocou as pedras na cesta! Ele não iria para uma batalha; ele estava a caminho de um piquenique. Golias gabava-se: "Vou comer seu almoço", mas nem imaginava o que havia na cesta de Davi. 

Davi estava disposto a entregar-se renunciar a si mesmo à glória de Deus, e os milagres aconteceram. (De certo modo, Davi foi o primeiro a acertar Golias e fazer o gigante rolar!) 

Extraído do livro Fontes Secretas de Poder de autoria de T. E TENNEY e TOMMY TENNEY / Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 27 de junho de 2019

O QUE SIGNIFICA ORAR SEM CESSAR?


O comando de Paulo em 1 Tessalonicenses 5:17: “Orai sem cessar” pode ser bastante confuso. Obviamente, não pode significar que devemos estar com uma postura de cabeças baixas e olhos fechados o dia todo.


Paulo não está se referindo a falar sem parar, mas uma atitude de consciência da presença de Deus e de render a Ele tudo o que fazemos, o tempo todo.

Todo momento que estamos acordados deve ser vivido com a consciência de que Deus está conosco e está ativamente envolvido em nossos pensamentos e ações.

Quando nossos pensamentos se voltam à preocupação, medo, desencorajamento e ira, devemos conscientemente e rapidamente tornar todo pensamento em oração e toda oração em ação de graças.

Em sua carta aos Filipenses, Paulo nos comanda a não mais sermos ansiosos, mas pelo contrário: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças” (4:6). Ele ensinou os crentes de Colossos a perseverarem “na oração, vigiando com ações de graças” (Colossenses 4:2).

Paulo exortou os crentes da igreja de Éfeso a enxergarem oração como uma arma para ser usada em batalhas espirituais (Efésios 6:18).

O famoso pregador do século 19, Charles Spurgeon, descreveu a vida de oração de um Cristão ao dizer: “Como os cavaleiros da antiguidade, sempre em batalha, nem sempre em seus cavalos avançando com suas lanças contra o seu adversário para fazê-lo cair do cavalo, mas sempre usando as armas que podiam alcançar.... Aqueles cavaleiros deprimidos geralmente dormiam em suas armaduras; então, até mesmo quando dormimos, ainda sim devemos estar no espírito de oração, para que se por acaso acordarmos de noite, ainda estaremos com Deus”.

Durante o percorrer do dia, oração deve ser a nossa primeira resposta a toda situação atemorizante, a todo pensamento ansioso, a toda tarefa indesejada que Deus comanda.

John MacArthur adverte que a falta de oração vai fazer com que paremos de depender da graça de Deus e passemos a depender de nós mesmos.

Orar sem cessar é, em essência, dependência da comunhão com o Pai.

Para os Cristãos, oração é como respiração. Você não tem que pensar para respirar porque a atmosfera exerce pressão nos seus pulmões e o força a respirar. Por isso é mais difícil prender a respiração do que respirar. Semelhantemente, quando nascemos de novo e passamos a fazer parte da família de Deus, entramos em uma atmosfera espiritual onde a presença e graça de Deus exercem pressão, ou influência, nas nossas vidas. Oração é a resposta normal a essa pressão.

Como crentes, temos entrado na atmosfera divina para respirar o ar da oração. Só então podemos sobreviver na escuridão desse mundo.

Infelizmente, muitos crentes prendem sua respiração espiritual por muito tempo, achando que breves momentos com Deus são suficientes para sobreviverem. No entanto, tanta restrição do influxo espiritual é causada por desejos pecaminosos.

O fato é que todo crente deve estar continuamente na presença de Deus e constantemente respirando Suas verdades para serem completamente funcionais. Porque fazemos parte de uma sociedade livre e próspera, é mais fácil para os Cristãos se sentirem seguros ao presumir – ao invés de depender – da graça de Deus.

Muitos crentes ficam satisfeitos com as bençãos físicas e têm pouco desejo por bençãos espirituais. Ao se tornarem tão dependentes dos seus recursos físicos, eles acham que pouco precisam dos recursos espirituais.

Quando programas, métodos e dinheiro produzem resultados impressionantes, há uma inclinação para confundir sucesso humano com benção divina.

Cristãos podem na verdade se comportar como humanistas, vivendo como se Deus não fosse necessário. Quando isso acontece, desejo ardente por Deus e necessidade de Sua ajuda vão estar faltando, assim como o Seu poder. Por causa desse grande – e comum – perigo, Paulo encorajou os Cristãos a orar “em todo tempo” (Efésios 6:18) e a perseverar na oração (Colossenses 4:2).

Oração contínua, persistente e incessante é uma parte fundamental da vida Cristã que tem sua origem na dependência em Deus.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 26 de junho de 2019

TER UMA RELIGIÃO OU TER JESUS


Vamos tentar aqui esclarecer o que significa ter uma religião, ou mais precisamente, ser uma pessoa religiosa.

Antes de mais nada, informamos algo aqui muito interessante: quando Jesus esteve aqui em carne e osso, já existia no mundo de então mais de trezentas religiões e seitas. E as que existiam nos locais onde o Mestre pisou, todas elas tentaram ser uma pedra de tropeço para Jesus (fariseus, saduceus, zelotes, herodianos etc). 

Ou seja, todas elas somente quiseram atrapalhar a obra salvítica que Ele veio realizar.

Para falar a verdade, elas não diferem em nada das muitas religiões que conhecemos hoje (mesmo algumas que se auto-denominam cristãs). Ainda vemos muitos "fariseus" (que virou sinônimo de hipócrita) modernos metidos a cumpridores de lei se auto justificando por aí. São chamados também de sepulcros caiados.

E no que deu tanta religiosidade, tanto zelo? No maior de todos os crimes já perpetrados pela humanidade a um homem justo: a morte por crucificação, que era dada na época somente aos piores criminosos e monstros.

Mataram o Autor da vida, justamente Aquele que nos viera mostrar o caminho para o Céu, um caminho diferente e simples, apenas apertado e estreito, do qual tentamos nos desviar de todas as maneiras por causa de nossa religiosidade.

Preferimos sempre escolher outro caminho, o nosso próprio caminho, o caminho da auto justificação, do auto conhecimento, do auto renascimento, do auto aperfeiçoamento, tudo à nossa própria maneira, para depois ainda pensarmos que somos os mais sabidões.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus a respeito disso: Todavia, falamos sabedoria entre os perfeitos; não porém a sabedoria deste mundo, nem dos intelectuais deste mundo, que se aniquilam; mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos intelectuais deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca teriam crucificado o Senhor da glória (1Cor 2.6-8).
Na verdade, Jesus em nenhuma parte da Bíblia diz que Ele é a religião que devemos seguir. Vemos sempre Ele afirmando que é O CAMINHO, A PORTA, A RESSURREIÇÃO, A VIDA, O BOM PASTOR, entre tantas alegorias por Ele pronunciadas, para nos dar a entender que fora dEle não há outro nem outra solução para o problema do pecado do homem que precisa ser resolvido diante de Deus. 

Jesus é o Criador, o resto é criatura.

Por isso, se somos do tipo que vive se desculpando e se retraindo para poder afirmar: Eu já tenho a minha religião, estamos cometendo um grande equívoco que pode custar toda uma eternidade. Jesus não está oferecendo a nós mais uma religião, mas nos dando gratuitamente a salvação com garantia de uma vida abundante aqui e agora e eternamente.

Se pararmos para pensar um pouquinho veremos que isso não existe em nenhuma religião do mundo e nunca houve.

Jesus não nos diz que precisamos nascer e renascer em vários corpos por uma infinidade de vezes para que sejamos perfeitos. Isso é uma velha invenção do capeta que tem enganado a muitos que não examinam as Escrituras.

Ora, ora, não vamos morrer com a nossa religião (porque meu pai, meu avô, meu bisavô, meu tataravô era assim), mas vamos verificar a veracidade do que nos diz o Senhor Jesus. Não nos custa nada.

Por que deveríamos morrer na ignorância? Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (João 8:32).

Por que não ser liberto pelo Rei Jesus? Ora, não vamos cometer também o mesmo engano dos fariseus que disseram a Jesus: Nunca fomos escravos de ninguém (João 8.33) Eles que já tinham sido escravos dos babilônios, dos persas, dos gregos, e agora eram escravos dos romanos. 

Mas não era desse tipo de liberdade que Jesus falava (e nos fala agora), mas da liberdade do espírito. Essa, para quem não sabe, é a verdadeira liberdade.

Não vamos nos enganar: quem não serve a Jesus, serve ao diabo. Não há outra opção. Nem existe essa coisa de neutralidade e muito menos de "ficar em cima do muro".

E aí? Será que devemos optar pela nossa religião? 

Será que devemos ficar com a tradição que nossos pais nos legaram? 

Ou será que o ensinamento de nossos antepassados é mais importante que o ensino do Autor da vida?

Oh, amigo, vamos deixar essa nossa religiosidade hipócrita de lado e vamos seguir apenas a Jesus, pois fora dEle não há a menor possibilidade de sermos salvos (Atos 4.12).

Senhor Jesus, para quem iríamos nós? Só tu tens as palavras da vida eterna (João 6.68).

Adail Campelo de Abreu

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 25 de junho de 2019

ENGANO


O princípio em que repousa toda a tática satânica é o do engano e embuste. 

Ele é hábil e engenhoso na arte da camuflagem, e para que seus enganos e embustes tenham êxito, é preciso que venham tão astutamente disfarçados que o seu verdadeiro objetivo esteja dissimulado. Trabalha com sutileza e em segredo. 

Cristão algum, por mais espiritual que seja, se encontra fora do alcance dos assaltos sedutores de Satanás. 

O seu embuste começou no Jardim do Paraíso. "Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi" (Gênesis 3:13). Desde aquela época, até ao presente, Satanás tem seduzido e iludido. 

"Mas os homens perversos e impostores", dizia Paulo avisando Timóteo, "irão de mal a pior, enganando e sendo enganados" (II Timóteo 3:13). 

Avisava também à igreja em Éfeso: "Ninguém vos engane com palavras vás" (Efésios, 5:6), e também: "para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro, e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro." (Efésios, 4:14).

Sim, haverá número cada vez maior de falsos mestres e pregadores, à medida que os tempos se aproximarem do fim. Como disse o Apóstolo Pedro: 

"Haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão dissimuladamente heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. 

E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade; também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme."(II Pedro 2:1-3.)

Satanás não funda uma igreja e a chama Primeira Igreja de Satanás, pois é esperto demais para fazer isso. Invade a escola dominical, a aula de doutrina bíblica e até o púlpito. Chega a invadir a igreja, sob a coberta de um vocabulário ortodoxo, esvaziando os termos sagrados de seu sentido bíblico. 

Paulo avisava que muitos seguirão falsos mestres, sem saberem que ao tragarem aquilo que os apóstatas dizem, e nutrirem-se daquilo, estão levando o veneno do demônio às suas próprias vidas.

Milhares de cristãos desavisados estão sendo enganados em nossos dias. Falsos mestres usam palavras altissonantes que parecem um resumo de todo o conhecimento e a cultura. 

São intelectualmente astutos e habilidosos em sua sabedoria, proficientes na sedução de homens e mulheres incautos e sem esclarecimento. 

Sobre eles o Apóstolo Paulo se exprimiu, dizendo: "Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras" (I Timóteo 4:1, 2). 

Esses falsos mestres afastaram-se da fé que Deus revelou nas Escrituras. 

A Bíblia diz com toda a clareza que o motivo de seu desvio é que deram ouvido às mentiras de Satanás e deliberadamente preferiram aceitar a doutrina dos demônios, ao invés da verdade de Deus. 

Assim foi que eles próprios se tornaram os porta-vozes de Satanás, proferindo mentiras. 

Extraído do livro Mundo em Chamas De BILLY GRAHAM / Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 24 de junho de 2019

ONDE VOCÊ QUER CHEGAR?


Sonhar os sonhos de Deus e fazer parte deles, colaborando para que os projetos divinos se realizem não é para qualquer um. É preciso ter muita fé para crer no Deus invisível e obedecer-lhe mesmo quando as circunstâncias não apontem para aquilo que Ele revela, executando obras inusitadas projetadas por Ele. 

Noé era um homem de fé, que soube ouvir a voz do Criador, entender a motivação do coração dEle e submeter-se a todas as instruções divinas quanto à construção da arca, aquele grande barco, com dimensões de um navio. 

Talvez, se Deus não tivesse orientado minuciosamente Noé quanto à construção da arca, este tivesse construído uma canoa das boas, mas nunca uma embarcação adequada para proteger por quase um ano todos os que nela estavam abrigados das destrutivas águas do dilúvio. 

Deus queria que Noé construísse uma arca, não uma canoa. E ouvir a voz de Deus e seguir Suas orientações foi fundamental para que Noé chegasse ao resultado que Deus desejava. 

Onde você deseja chegar? 

Ouvir a voz de Deus para saber onde pode chegar, como, quando e por que, é fundamental para quem deseja ser bem-sucedido em todas as áreas de sua vida. Deus tem todas as respostas e quer sanar nossas dúvidas ao Seu tempo.

O Senhor deseja que saibamos a real dimensão da nossa existência. Quer levar-nos o mais longe possível. Mas precisamos ouvir o que Ele tem a dizer-nos, a ensinar-nos; e precisamos obedecer-lhe, seguindo à risca todas as Suas instruções. 
Se a nossa vida limitar-se à dimensão de uma canoa, não irá longe. A vida que dá certo é aquela que atinge a dimensão proposta por Deus. 

A arca não deveria ser nem maior nem menor do que Deus estabelecera, para atingir os fins almejados. Sua vida também precisa alcançar as dimensões espiritual, emocional e profissional corretas para atingir tudo aquilo que Deus sonhou para você. 

O que Deus projetou para a nossa vida provavelmente é muito maior do que aquilo que experimentamos hoje e esperamos para o amanhã. Não existimos por obra do acaso. Somos obras-primas da engenharia divina. E há uma finalidade proposta por Deus para a minha e a sua vida. Precisamos descobrir! 

Deus quer imprimir em nosso coração o senso de importância e grandeza de seus planos, para que a nossa vida alcance a extensão e a intensidade que Ele projetou para ela. Só assim, seremos quem Ele projetou que fôssemos e faremos tudo o que Ele nos confiou. Quando isto ocorrer, todos darão a honra e a glória devidas ao nome do Senhor por Sua obra em nós e por nosso intermédio. A magnitude é a obra do Espírito Santo!

Onde você deseja chegar? O que tem feito para que isso aconteça? 

A sua disposição atrairá a atenção de Deus, que abençoará o seu projeto, enviando os recursos “E ordenou a Josué, filho de Num, e disse: Esforça-te e anima-te; porque tu introduzirás os filhos de Israel na terra que lhes jurei; e eu serei contigo.” Dt. 31:23. 
Ouvir as instruções do grande e poderoso Autor da vida é o segredo daqueles que querem chegar a um lugar significativo e fazer com que sua vida dê certo Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal. Pv1:33 

Você pode até pensar que já atingiu todas as suas expectativas de vida, Deus, porém, quer e pode fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos. Ele deseja descortinar novas possibilidades diante dos seus olhos, a fim de que você cresça em todas as áreas e pessoas ao seu redor sejam contagiadas por suas novas expectativas e por sua motivação. 

Você pode ir mais longe! Há um caminho diante de você ainda inexplorado. O seu futuro está à sua espera para ser construído. 

Deus quer ampliar o comprimento, a largura e a altura da sua vida; quer fazer com que ela cresça em todos os sentidos. 

Sendo assim, nunca se assuste diante de algo novo. Nunca limite a sua capacidade ou as suas possibilidades. Pense grande e jamais tenha medo de tentar alcançar a realização dos seus sonhos e projetos! 

Pr. Josué Gomes 

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 23 de junho de 2019

O PERDÃO É MAIS IMPORTANTE PARA NÓS DO QUE PARA AQUELES A QUEM DEVEMOS PERDOAR


Precisamos perdoar, quer sintamos que temos o "direito" de ficar irados e magoados ou não. 

O perdão é, na realidade, mais importante para nós do que para aqueles a quem devemos perdoar porque ele mantém nosso coração "limpo" e agrada a Deus. 

Se houve alguém no Antigo Testamento que tinha o "direito" de ficar irado e magoado com outras pessoas, esse alguém foi José. Seus irmãos mais velhos, enciumados, planejaram matá-lo, mas, em vez disso, decidiram vendê-lo como escravo. 

José trabalhou como escravo para o capitão da guarda de Faraó no Egito; então, foi parar na prisão após ter sido falsamente acusado. José recusou-se a falar sobre seus "direitos" ou "erros" e, em vez disso, optou por perdoar. Isto o qualificou para o favor e a bênção de Deus, e José foi promovido a segunda maior posição no Egito, como governador, abaixo apenas de Faraó, aos 30 anos de idade.

Quando finalmente reencontrou-se com seus irmãos, José tinha todo o "direito" de ficar amargurado e ressentido (se é que isso existe). Eles o maltrataram e enganaram seu pai, e José tinha o poder de ordenar que fossem mortos naquele mesmo lugar. 

Em vez disso, José escolheu perdoar-lhes e tornou-se um salvador para toda a sua família. Quando viu seus irmãos, não pôde controlar-se. Chorou tão alto que toda a casa de Faraó ouviu seu pranto. 

O mundo precisa saber que "a comunidade dos transformados" sabe perdoar. 

Os perdidos e feridos ao nosso redor precisam saber que há abundante perdão na casa e na família de Deus. 

A finalidade de Deus com o nosso perdão é literalmente preservar e proteger a vida daqueles que se aproveitam e abusam de nós, até que possam voltar seu coração para Ele. 

Os irmãos de José encheram-se de culpa, mas José pediu-lhes que se perdoassem.
Ele disse: Agora, não se aflijam nem se recriminem por terem me vendido para cá, pois foi para salvar vidas que Deus me enviou adiante de vocês. Mas Deus me enviou à frente de vocês para lhes preservar um remanescente nesta terra e para salvar-lhes a vida com grande livramento (Gn 45.5-7). 

Este é o caráter de Deus! É maior do que qualquer "direito" que possamos ter. José nunca deu qualquer evidência de que estivesse amargurado com os maus-tratos que recebera de seus irmãos. Ele adotou um estilo de vida perdoador. 

Extraído do livro Fontes Secretas de Poder de autoria de T. E TENNEY e TOMMY TENNEY / Por Litrazini

Graça e Paz