sábado, 29 de fevereiro de 2020

MINISTÉRIO DE JESUS


O SENHOR JESUS SE OFERECEU A SI MESMO - DE UMA VEZ POR TODAS - COMO NOSSO SACRIFÍCIO.

Com efeito, nos convinha um sumo sacerdote como este, santo, inculpável, sem mácula, separado dos pecadores e feito mais alto do que os céus, que não tem necessidade, como os sumos sacerdotes, de oferecer todos os dias sacrifícios, primeiro, por seus próprios pecados, depois, pelos do povo; porque fez isto uma vez por todas, quando a si mesmo se ofereceu. Hebreus 7:26-27

Em contraste aos sacerdotes do Antigo Testamento, que eram apenas tipos simbólicos do Senhor Jesus, nosso Salvador se entregou a Si mesmo, como nosso substituto para morrer sob a condenação dos nossos pecados. A oferta que Jesus fez, de si mesmo, era perfeita e portanto precisava ser oferecida somente uma vez.

O SENHOR JESUS ANIQUILOU O PECADO POR MEIO DO SEU SACRIFÍCIO
Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado. E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo. Hebreus 9:26-27

A ênfase aqui é novamente a finalidade da obra do Salvador. Ele satisfez todas as exigências da lei com respeito aos pecados e suportou a condenação merecida pela totalidade da raça humana. Nada mais há para ser feito. Nas palavras do próprio Senhor "está consumado".

O SENHOR JESUS TIROU NOSSOS PECADOS - UMA VEZ POR TODAS - EM SI MESMO.
Assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação. Hebreus 9:28

O testemunho das escrituras aqui fala da realidade do pecado e da forma como sua força e poder destruidor foram tratados por Deus através da pessoa de Jesus. É importante entendermos que Jesus não estava "representando uma cena de uma peça de teatro" ao morrer na cruz por causa do nosso pecado. Jesus suportou, em Si mesmo, todo o julgamento, separação de Deus, dor, condenação, morte e todo o sofrimento do inferno que o pecado introduziu na vida dos seres humanos. Jesus se ofereceu como nosso substituto - uma vez por todas - para que nós pudéssemos ser livres das conseqüências mencionadas acima - para sempre!

O SENHOR JESUS SANTIFICOU SEU POVO - UMA VEZ POR TODAS - PARA SI MESMO.
Pois, tanto o que santifica como os que são santificados, todos vêm de um só. Por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos Hebreus 2:11

Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. Hebreus 10:10

Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados. Hebreus 10:14

A morte sacrificial e substitucionária do Senhor Jesus, faz com que todos que pertencem a Ele, sejam um sacrifício santo a Deus. Cada um de nós precisa se dar conta que não pertencemos a nós mesmos - nós pertencemos a Deus - pela virtude da morte e ressurreição de Jesus. Por este motivo Deus tem assumido toda a responsabilidade por nós e nós precisamos responder a este cuidado de Deus, nos entregando completamente a Deus em obediência, adoração e comunhão.

A obra de Jesus continua nos dias de hoje. Desde os mais altos céus o Senhor continua a conduzir sua obra através da presença permanente do Seu Espírito Santo (o outro consolador prometido pelo Senhor) e da ação da igreja, o corpo de Cristo. Nós precisamos obedecer e servir a Jesus. Ele é digno de receber toda nossa devoção e digno de todos os sacrifícios que tenhamos que fazer para servi-lo.

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

O TRABALHO


Para um discípulo, o poder trabalhar é um dom de Deus. O trabalho não é um mal necessário como pensam alguns, e tão pouco é tudo na vida, como falam outros. As Escrituras trazem ensinamento claro, positivo e equilibrado sobre a dignidade do trabalho.

O TRABALHO FOI ORDENADO NA CRIAÇÃO
O trabalho não é uma maldição ou um castigo imposto ao homem por causa do pecado. A terra, de fato, foi amaldiçoada por causa do pecado do homem dificultando o seu trabalho e exigindo dele esforço para conseguir sustento (Gênesis 3:17-19). Todavia o trabalho antecede o pecado.

Deus não fez chover sobre a terra senão depois da criação do homem, para que este pudesse cultivá-la (Gênesis 2:5). Depois que o homem foi criado Deus o colocou a trabalhar cultivando e guardando o jardim. A natureza, por si só, não produzia adequadamente para o sustento do homem. Ele precisava cultivá-la.

Desde o princípio, além de exercer domínio sobre todos os animais e multiplicar-se a si mesmo para cumprir o propósito de Deus (Gênesis 1:26-28), o homem também cumpria vontade de Deus trabalhando a terra.

O TRABALHO COMO OBRIGAÇÃO MORAL
O trabalho não é um impulso. É um exercício das vontade. É um esforço consciente, direcionado e planejado. Muitas vezes será em detrimento de outras atividades legítimas (leitura, lazer, devoção...). A regra bíblica é se alguém não quer trabalhar, também não coma ( I Tessalonicenses 3:10). No tempo dos primeiros apóstolos os discípulos que não queiram trabalhar, vivendo desornedamente, eram notados na igreja e afastados dos demais irmãos (II Tessalonicenses 3:6-15). Isso também praticamos hoje em dia.

O PECADO DA PREGUIÇA E INDOLÊNCIA
Sai o homem para o seu trabalho e para o seu encargo até a tarde Salmo 104:3. A preguiça leva à ociosidade e esta aos vícios, aos falatórios profanos, fantasias, leviandades, murmuração, ciúmes, invejas, pobreza, etc. (Provérbios 6:6-11; 12:9,11; Tito 1:10-13; I Timóteo 5:13). O preguiçoso morre desejando porque as suas mãos recusam a trabalhar (Provérbios 21:25)

O TRABALHO É UM SERVIÇO
Trabalhando servimos ao próximo. Não trabalhamos apenas para suprir as nossas necessidades (ITs 4:11,12). Isso é legítimo, bom e necessário, mas nosso trabalho deve visar também, o suprimento de outros (Efésios 4:28). Também nisso Jesus é nosso exemplo (II Co 8:9). Importante é a leitura dos capítulos 8 e 9 de segunda Coríntios.

O TRABALHO DIGNIFICA
O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida...   Mateus 20:28. Nenhum trabalho deve ser considerado humilhante. O Verbo Eterno assumiu a forma de servo e, uma vez encarnado, serviu aos homens em uma profissão simples e honrosa (Filipenses 2:5-8; Marcos 6:3). No reino de Deus não há espaço para orgulho de qualquer espécie (Lucas 22:24-27; João 13:1-17). Tudo quanto te vier a mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças Eclesiastes 9:10

A CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E A PROSPERIDADE
Vês um homem perito em sua obra? Perante reis será posto não entre a plebe.  Provérbios 22:29. Deus honra aquele que busca se esmerar em seu trabalho. Muitas dificuldades encontradas em muitos irmãos é fruto da falta de habilitação profissional (Gálatas 6:7).

A prosperidade na Bíblia é apresentada sempre como resultado de generosidade, fidelidade a Deus e diligência no trabalho.

Deus quer um povo que viva nesse presente século não somente de modo piedoso e justo, mas também sensato (Tito 2:12; Eclesiastes 11:4-6; Provérbios 12:24; 13:11; 14:23; 21:5).

Ao que bem ordena seu caminho eu lhe mostrarei a salvação de Deus. Salmo 50:23

Tudo é do Senhor e para Ele devemos executar o que nos foi confiado, Porque dEle e por meio dEle e para Ele são todas as coisas. A Ele, pois, a glória eternamente. Romanos 11:36

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

QUAL É A LEI DE CRISTO?


Gálatas 6:2 afirma: "Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo". Qual é exatamente a lei de Cristo, e como é cumprida quando carregamos os fardos uns dos outros? Embora a lei de Cristo também seja mencionada em 1 Coríntios 9:21, a Bíblia em nenhum lugar define especificamente qual é precisamente a lei de Cristo.

No entanto, a maioria dos professores bíblicos entendem a lei de Cristo como sendo o que Cristo declarou serem os maiores mandamentos em Marcos 12:28-31: "… Qual é o principal de todos os mandamentos? Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes."

A lei de Cristo, portanto, é amar a Deus com todo o nosso ser e amar ao próximo como amamos a nós mesmos. Em Marcos 12:32-33, o escriba que fez a pergunta a Jesus responde com: "Disse-lhe o escriba: Muito bem, Mestre, e com verdade disseste que ele é o único, e não há outro senão ele, e que amar a Deus de todo o coração e de todo o entendimento e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo excede a todos os holocaustos e sacrifícios."

Nisto, Jesus e o escriba concordaram que esses dois comandos são o núcleo de toda a Lei do Antigo Testamento. Toda a Lei do Antigo Testamento pode ser colocada nas categorias de "amar a Deus" ou "amar ao próximo".

Várias escrituras do Novo Testamento afirmam que Jesus cumpriu, completou e concluiu a Lei do Antigo Testamento (Romanos 10:4, Gálatas 3:23-25, Efésios 2:15). No lugar da Lei do Antigo Testamento, os cristãos devem obedecer à lei de Cristo.

Ao invés de tentar lembrar-se dos mais de 600 mandamentos individuais na Lei do Antigo Testamento, os cristãos devem simplesmente se concentrar em amar a Deus e amar aos outros. Se os cristãos verdadeiramente e sinceramente obedecessem a esses dois comandos, cumpriríamos tudo o que Deus requer de nós.

Cristo libertou-nos da escravidão das centenas de comandos na Lei do Antigo Testamento e, em vez disso, nos convida a amar. 1 João 4:7-8 declara: "Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor."

1 João 5:3 continua: "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos."

Alguns usam o fato de que não estamos sob a Lei do Antigo Testamento como uma desculpa para o pecado. O apóstolo Paulo aborda essa questão em Romanos. "E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!" (Romanos 6:15). Para o seguidor de Cristo, evitar o pecado deve acontecer por amor a Deus e pelos outros.

O amor deve ser a nossa motivação. Quando reconhecemos o valor do sacrifício de Jesus em nosso favor, a nossa resposta deve ser o amor, a gratidão e a obediência. Quando entendemos o sacrifício que Jesus fez por nós e pelos outros, a nossa resposta deve ser seguir o exemplo dEle em expressar o amor aos outros.

A nossa motivação para superar o pecado deve ser o amor, não o desejo de obedecer legalmente a uma série de mandamentos. Devemos obedecer à lei de Cristo porque o amamos, não para que possamos verificar uma lista de comandos aos quais obedecemos com sucesso.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

MAIS QUE FELIZ!


“Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a DEUS” (Mt 5:8).

Hoje é mais um dia que temos a oportunidade e privilégio de passar na presença do Senhor!

Felicidade é um estado de espírito em que há completa satisfação, contentamento e onde não existe nenhum sentimento de tristeza na vida de uma pessoa. Mas até quando pode durar uma felicidade plena? Difícil dizer, não?

A Bíblia, Palavra de Deus, nos orienta a respeito das bem aventuranças e o que elas irão nos oferecer se, firmes e até o fim, seguirmos Jesus fazendo a vontade do Pai. A bem-aventurança significa o estado abençoado daquele que, por seu relacionamento com Jesus e Sua Palavra, receberam de Deus o amor, o cuidado, a salvação e Sua presença diária.

Há certas condições necessárias para recebermos as bênçãos do Reino de Deus e devemos viver de acordo com os padrões revelados por DEUS na Sua Palavra. Existem alguns adjetivos inerentes à bem-aventurança, que indicam o caráter do bem-aventurado e demonstram uma mudança de comportamento e atitude por parte de alguém. E JESUS falou sobre isso quando subiu ao monte, ensinando os seus discípulos (Mt 5:1-12).

– HÁ DE SER HUMILDE. A humildade é uma característica do bem-aventurado. Humilde aqui significa despir-se (no sentido de tirar do corpo) do orgulho e ser sensível ao ministério de Deus para o seu bem e receber do Senhor a bem-aventurança: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5:3).

– DEVE SER SENSÍVEL. “Chorar” no sentido de contristar-se com as nossas fraquezas, quando as medimos com o padrão divino de justiça. É sentir pesar por aquilo que entristece a Deus. É sentir aflição em nosso espírito por causa do pecado, da imoralidade e da crueldade que prevalecem no mundo: “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados” (Mt 5:4).

– O MANSO, REFERE-SE À SUBMISSÃO DIANTE DE DEUS. É aquele que acha em Deus um refúgio e lhe consagra todo o seu ser. Preocupa-se mais com a obra e o povo de Deus do que com aquilo que lhe possa acontecer pessoalmente: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra” (Mt 5:5).

– FOME E SEDE DE JUSTIÇA, DESEJO DE OUVIR E FAZER A VONTADE DE DEUS. É uma condição primordial para ter uma vida santa e estar na presença do Senhor. O estado espiritual do crente durante toda sua vida depende da sua fome e sede da presença de Deus, da Sua Palavra, da comunhão com Cristo, da justiça e da volta do Senhor. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” (Mt 5:6). Quando a fome de Deus cessa no crente, este morre espiritualmente.

– A COMPAIXÃO TAMBÉM FAZ PARTE DA VIDA DO CRENTE, QUE PRATICA A FÉ INDO DE ENCONTRO ÀS NECESSIDADES DOS OUTROS. Os misericordiosos estão cheios de compaixão e dó para com os que sofrem por causa do pecado e desejam minorar os sofrimentos, conduzindo os aflitos à graça de Deus através de Jesus. “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mt 5:7).

– OS LIMPOS DE CORAÇÃO E SEPARADOS PARA DEUS SÃO OS QUE FORAM LIBERTOS DO PODER DO PECADO MEDIANTE A GRAÇA DE DEUS, E QUE AGORA SE ESFORÇAM PARA AGRADAR E GLORIFICAR A DEUS. Procuram ter amor à justiça e ódio ao mal. Seu coração está em harmonia com o coração de Deus. “Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus” (Mt 5:8).

– OS PACIFICADORES DEIXAM PASSAR, AO INVÉS DE VINGAR E PROCURA A RESTAURAÇÃO DA COMUNHÃO. Eles já se reconciliaram com Deus e tem paz com Ele mediante a cruz. E agora se esforçam, por meio de seu testemunho e sua vida, para levarem outras pessoas, inclusive seus inimigos, à paz com Deus. “Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus” (Mt 5:9).

– OS PERSEGUIDOS POR CAUSA DA JUSTIÇA SÃO AQUELES QUE PROCURAM VIVER DE ACORDO COM A PALAVRA DE DEUS E AMAM A SUA JUSTIÇA. Esses serão impopulares, rejeitados e criticados porque se recusam a concordar com o pecado no mundo e, por isso, sofrerão oposição e perseguição. “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5:10).

Amados, por causa de Cristo seremos perseguidos, maltratados, desprezados e, muitos, até mortos. Mas não podemos deixar de pregar a Palavra de Deus e o que ela representa para todos que aceitam a Jesus como salvador e Senhor. O próprio Jesus nos garantiu as bem-aventuranças e as recompensas que virão delas. Só nos resta, então, continuar por este poderoso e brilhante caminho chamado Jesus.

Um forte abraço aos bem-aventurados do SENHOR JESUS.

Pb Sidney Moreira

Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

O QUE É O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO?


Na Bíblia esta experiência é apresentada através de vários termos diferentes:

BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO - Mt 3:11  At 1:5; Receber o Dom do Espírito Santo - At 2:38  At 10:35; A promessa do Pai  - Lc 24:49  At 1:4  At 2:33,39; Ficar cheio do Espírito Santo - At 2:4; Receber o Espírito Santo - At 8:17  At 10:47; Caiu o Espírito Santo sobre ….  - At 10:44 At 11:15; Derramar do Espírito Santo - At 2:17,18,33  At 10:45

Todos estes termos se referem a uma mesma experiência: O batismo no Espírito Santo. Mas afinal, o que é ?

É UM DOM, UMA PROMESSA E UM MANDAMENTO. “...recebereis o dom do Espírito Santo.” (At 2:38)
O que é um dom? Dom é um presente, dádiva, algo que foi dado. Não é um prêmio : um prêmio é uma recompensa dada pelo esforço ou mérito de alguém. Não é uma conquista, algo que adquirimos depois de caminhar anos com o Senhor. Não está ligado ao que eu faço ou a merecimento. ( Ex.: corrida , se eu não merecer eu não ganho )

Jesus é o doador e Ele dá o Espírito Santo a todos. (a virtude está em quem dá) Isto significa que não depende do caráter da pessoa nem de sua santidade. Em qualquer momento, seja qual for a situação que você estiver atravessando, você pode se colocar diante de Deus e ser batizado no Espírito.

É o Espírito que nos leva a uma vida santa e não uma vida santa que nos leva ao Espírito. É o Espírito que irá transformar o nosso caráter.  (At 3:12  - ...como se pela nossa própria santidade ... ) Temos que crer na promessa do Pai. Ele prometeu e cumpriu, e receber a promessa depende apenas de crer na fidelidade do Pai.

Aquele que recebe fica consciente que recebeu. É uma experiência porque nós experimentamos algo diferente. É definida porque quando experimentamos somem as dúvidas e é pessoal porque com cada um de nós pode ser diferente. Uns podem profetizar, outros rir, chorar , orar , falar em outras línguas.

Aquele que creu, se arrependeu e foi batizado tem o espírito santo morando dentro de si. Mas o dom é uma experiência definida que o manifesta. Tomamos posse da promessa de uma maneira evidente, consciente e NÃO TEMOS MAIS DÚVIDA se temos o Espírito de Deus.

At 19:2-6 - “Perguntou-lhes: Recebestes vós o Espírito Santo quando crestes? Responderam-lhe eles: Não, nem sequer ouvimos que haja Espírito Santo. Tornou-lhes ele: Em que fostes batizados então? E eles disseram: No batismo de João. Mas Paulo respondeu: João administrou o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que após ele havia de vir, isto é, em Jesus. Quando ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus. Havendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e falavam em línguas e profetizavam.”

É UM REVESTIMENTO DE PODER. - Lc 24:49 - “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai porém, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.”

É poder espiritual.  Você é revestido com o poder de Deus. E você pode curar enfermos, operar milagres, profetizar, falar em outras línguas, ter revelação da Palavra de Deus, etc.

É A CAPACITAÇÃO PARA SERMOS TESTEMUNHAS DE CRISTO. - At 1:8 - Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra.”

Um dos significados da palavra poder é “capacidade para fazer”. É a nossa capacitação para:

Fazer discípulos; Ser testemunhas de Cristo; Anunciar o Evangelho do Reino; Falar com autoridade e poder.

I Co 2:4 - “A minha linguagem e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de poder.”

Se estamos cheios do Espírito seremos testemunhas eficientes de Cristo e manifestaremos o Senhor Jesus não apenas com palavras, mas com poder, pelo Espírito Santo que habita em nós.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

JESUS É O SENHOR


Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Fl 2.10-11)

A MESMA FORÇA DA PALAVRA SENHOR NO PASSADO:
No tempo de Jesus a Palavra Senhor era usada somente para referir-se aos césares (chefes políticos de Roma), e tinha os seguintes significados: Amo, Dono, Chefe, Soberano, Máxima autoridade.

Jesus foi chamado de Senhor pelos seus seguidores porque ele apresentava o Evangelho, boas Novas do Reino de Deus, Governo de Deus, Mt 28.18. Ele recebeu esse nome porque ele é Senhor e sempre agiu como tal.

Observamos os seguintes textos que mostram a autoridade de Jesus: Lc 19.5 Jesus ordenou a Zaqueu: DESCE...; Mt 9.9 Jesus disse: SEGUE-ME...; Lc 18.22 Ele ordenou: VAI E VEDE...; Lc 9.59 Jesus colocou-se acima da própria família.

AINDA HOJE JESUS ATUA COMO SENHOR
Jesus não faz concessão, não entra em barganhas, não faz negócios com o homem, ele ordena e exige obediência e fidelidade. Mt 7.21 declara: “Nem todo que me diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”.

O novo nascimento tem que estar acompanhado de uma atitude de servo. Nossa prioridade se inverte, agora é o Reino de Deus que ocupa o primeiro lugar (Mt 6.33). é a posição de servo, escravo, súdito do Reino que assumimos, temos que afirmar as palavras de Paulo: “Já não sou eu mais quem vive, mas é Cristo que vive em mim...”

No Reino de Deus não existe o menor ou maior, mas todos são servos do Deus Altíssimo e assim, “cada qual deve considerar os outros superiores a si mesmo. Aquele que quiser ser o maior, seja o que sirva”. (Fl 2.3 e Lc 22.26).

O SENHORIO DE CRISTO
Ele mesmo reclama para si esta autoridade quando contesta: “porque me chamais Senhor e não fazei o que vos mando?” Lc 6.46. Chamar Jesus de Senhor não é suficiente, é indispensável que obedeçamos à sua ordem.

O abecedário do cristão é diferente dos demais, pois as primeiras letras que ele começa  aprender a  ler e escrever são OBDC (obedecer).

Ele é o Senhor porque tem direito sobre nossa vida. Ele morreu para tornar-se Senhor de todos e nos comprou com seu precioso sangue derramado na Cruz em nosso lugar (I Co 5.18). Cristo pagou o preço pelas nossas vidas e nos “transportou do império da trevas para o Reino do Filho do seu amor” (Cl 1.13). Todos os discípulos se consideravam servos de Jesus

Este senhorio foi outorgado pelo próprio Deus, At 2.36 .De todos os nomes dados a Jesus, o de Senhor foi o mais aclamado, lembrado e reclamado por ele. Em toda Bíblia a apresentação mais significativa e real é: “Servo do Senhor” Tg 1.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 23 de fevereiro de 2020

SALMOS 42 E 43 — DEPRESSÃO ESPIRITUAL


Por que você está assim tão triste, ó minha alma? […] Ponha a sua esperança em Deus! Salmo 42.5

A depressão parece ser uma condição bastante comum entre os cristãos. Não me refiro à depressão clínica, que pode necessitar de psicoterapia especializada, mas à depressão espiritual, com a qual deveríamos ser capazes de lidar por nós mesmos.

O autor dos salmos 42 e 43 (que evidentemente formam um único salmo) é claro acerca de sua depressão. Para começar, ele está com sede de Deus (tão sedento quanto a corça pelas águas), porque está separado dele, passando por algum tipo de exílio forçado.

Ele lembra das grandes celebrações do passado, quando “entrava para apresentar-se a Deus” (42.2), e anseia por retornar “ao altar de Deus”, fonte de sua plena alegria (43.4).

Sua depressão se deve, no entanto, não somente à ausência de Deus, mas também à presença dos inimigos. Eles o provocam perguntando: “Onde está o seu Deus?” (42.3, 10).

Eles fizeram essa pergunta em parte porque eram idólatras — seus deuses podiam ser vistos e tocados, enquanto o “Deus vivo” (42.2) é invisível e intangível — e em parte porque Deus aparentemente não era capaz de defender seu povo.

Cada estrofe termina com o mesmo refrão (42.5,11; 43.5), no qual o salmista fala com sua própria alma. As pessoas costumam dizer que falar sozinho é o primeiro sinal de loucura. Ao contrário, trata-se de um sinal de maturidade — embora dependa daquilo que estamos conversando conosco mesmos!

No texto o salmista se recusa a resignar-se à sua condição ou ao seu estado de espírito. Ele toma as rédeas de sua vida.

Primeiramente, ele se questiona: “Por que você está assim tão triste, ó minha alma?” Sua pergunta inclui uma repreensão implícita.

Em seguida, ele exorta a si mesmo: “Ponha a sua esperança em Deus!”. Somente Deus é digno de nossa confiança.

Por fim, ele diz a si mesmo: “Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus”.

O uso duplo do pronome possessivo, “meu Salvador e meu Deus”, é muito significativo. O salmista está reafirmando sua relação de aliança com Deus, e nenhuma variação de humor pode destruir isso.

Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus? [...] Onde está o teu Deus? Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus. (Salmo 42.1-11)

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 22 de fevereiro de 2020

O PROCESSO DE JESUS: ESPINHOS: UM SINAL DA MALDIÇÃO


E, despindo-o, o cobriram com uma capa escarlate. E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça (Mateus 27:28-29).

O Senhor Jesus passou uma noite atribulada. Um de Seus discípulos O traiu, outro O negou. Mais de uma vez os sacerdotes O interrogaram perante o Sinédrio (conselho dos judeus) e, finalmente pronunciaram Sua sentença de morte. Em seguida, veio o amanhecer.

No propósito de cumprir o plano de matar Jesus Cristo, os líderes judeus O levaram a Pilatos, pois a sentença não poderia ser executada sem o consentimento do governador romano. Ele teria de passar por um julgamento.

Embora convencido da inocência do acusado, Pilatos cedeu à exigência dos judeus e decidiu que Jesus Cristo deveria ser crucificado.

Assim, a rejeição do verdadeiro Rei de Israel foi selada. Que trágico! Ele era o Enviado de Deus, o Messias, que havia confirmado Sua origem divina diante dos homens com muitos sinais e milagres.

Mas ao invés de insígnias reais, Ele recebeu uma coroa de espinhos, que os soldados romanos pressionaram sobre Sua cabeça.

Tudo isso aconteceu em meio a maus-tratos e abusos extremamente brutais.

Já depois da queda através do pecado, Deus amaldiçoou a terra com as palavras: "Espinhos e cardos também te produzirá” (Gênesis 3:18).

A coroa de espinhos foi, portanto, um sinal da maldição com que Aquele que era santo e puro foi desonrado.

Como ficamos comovidos pelo lamento do Senhor: "Bem conheces a minha afronta, e a minha vergonha, e a minha confusão; diante de ti estão todos os meus adversários" (Salmo 69:19).

O fato de que Jesus Cristo suportou a maldição na cruz em nosso lugar para libertar aqueles que desejam se livrar da maldição do pecado aconteceu conforme o conselho de Deus.

Vamos adorá-Lo por tal humilhação!

Extraído do devocional BOA SEMENTE

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

APRENDENDO SOBRE BATALHA ESPIRITUAL


"…Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia, em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. (Daniel 10:11-1:2)

Nos últimos tempos Deus tem nos ensinado muito sobre Batalha Espiritual. Satanás tem estudado o povo, para que possa definir com precisão que tipo de demônio ele designará para nos afrontar.

Ele tem governado ruas, bairros, cidades, estados e até mesmo nações inteiras. Com isso o povo tem sofrido muito exatamente por não conhecer como Satanás e seus demônios têm agido. Pelo ponto de vista humano isto pode ser inexplicável, ou até mesmo ilógico.

Estudando a Palavra de Deus, percebemos que ocorre uma grande guerra entre Satanás e Deus, tendo os homens como alvos. Deus luta para que o homem (sua criação) seja abençoado e viva uma vida de paz, de alegria, de amor e de comunhão com Ele. Já Satanás luta para destruir a criação de Deus, trazendo a morte e a miséria. Por isso ele envia principados para nos destruir.

Daniel (meu juiz é Deus) foi um dos maiores profetas das escrituras Sagradas, usado tremendamente por Deus em revelações de sonhos. Na passagem do texto acima que lemos, Daniel estava recebendo uma revelação que aconteceria no futuro. Veja que Deus respondeu suas orações desde o primeiro dia, porém satanás tentou impedir que o anjo de Deus trouxesse a revelação.

O profeta de Deus havia tido uma visão porém não a havia compreendido com clareza, portanto começou a orar, buscando uma resposta de Deus. E iniciou um propósito com Deus de Jejum e oração, e no vigésimo primeiro dia, o anjo de Deus lhe falou coisas que ele não sabia, como a batalha espiritual que estava sendo travada, desde que Daniel se pôs a orar.

Deus afirma através de seu anjo, que as orações de Daniel, foram ouvidas desde o primeiro dia, porém ele havia sido impedido por um príncipe da Pérsia, uma força demoníaca que dominava a nação Persa, de trazer sua resposta e, este príncipe da Persa se colocou diante dele e começara a fazer uma guerra espiritual. Isso impediu que a bênção chegasse a Daniel.

Quando nós oramos ao Senhor, DEUS TEM PRAZER EM RESPONDER NOSSAS ORAÇÕES de imediato, porém a resposta pode ser “sim” ou “não” ou até mesmo “espere mais um pouco, ainda não é tempo”, mas o que entendo é que de alguma forma, Deus está ouvindo nossas orações e respondendo-as. Muitos estão como Daniel, fazendo guerra sem saber exatamente no que atirar.

Daniel desconhecia que quando estava orando estava sendo travada uma guerra espiritual, ficou sabendo após o anjo comunicar que havia sido impedido, de lhe trazer a resposta de Deus, pois estava em guerra com as potestades e principados do mal. Quando Daniel orava Deus precisou mostrar a ele o que estava acontecendo, dizendo que não ficasse triste. E se tem uma coisa que entristece o povo de Deus é orar e não receber a resposta.

Não desanime, não deixe de orar, não deixe de buscar a Deus em sua vida, mesmo que pareça, que Deus não esteja te ouvindo. Saiba que Deus não te desamparará, pois você é fruto do sonho de Deus.

Uma coisa que satanás tem feito é dizer que a visão de batalha espiritual é uma heresia e, com isso, está impedindo que muitas pessoas compreendam a realidade do que acontece nas regiões celestiais.

Em Efésios 6:12 diz: “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”

O apóstolo Paulo nos alerta de uma luta espiritual que envolve principados, potestades e demônios. Ele está falando de uma guerra espiritual que acontece a todo o momento no mundo espiritual, portanto esteja na presença de Deus, e aceite Jesus em seu coração.

Declare sua vitória, declare sua bênção, creia de todo seu coração que DEUS TEM PRAZER EM RESPONDER NOSSAS ORAÇÕES.

Pr Ricardo Rossi

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

A OBRA REDENTORA DE JESUS CRISTO


“Foi crucificado, morto e sepultado”. O que Jesus fez para nos salvar do pecado??? Por que Cristo tinha que morrer naquela CRUZ???

PARA PAGAR A PENALIDADE DOS NOSSOS PECADOS.
Em Romanos 3.23 diz: “Pois todos pecaram e estão destituídos da  glória de Deus”. O pecado trouxe a condenação a todos os seres humanos. E o pecado não poderia ficar sem castigo. Deus escolheu o seu próprio Filho, por amor, para realizar o pagamento desta dívida com Ele.

Em I Pedro 3.18 vemos: “Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito”

PARA SUBSTITUIR OS HOMENS.
Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira[...] Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.Romanos 5.8 e 18. 

Ele não apenas substituiu Barrabás, o salteador que foi solto no dia em que Ele foi crucificado, mas substituiu a mim e a você também.

PARA SATISFAZER A JUSTIÇA DE DEUS.
Romanos 3.24 a 26 diz: “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus”. 

As expressões “justo” e “justificador” mostram que, ao perdoar o homem, Deus não deixou de ser justo, mas foi justificador para o homem, através do seu Filho. A palavra justificado (nós) significa sermos declarados justos perante o Pai.

PARA NOS LIVRAR DA MORTE E NOS DAR SALVAÇÃO.  Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Romanos 10.8 a 13.                

COM ISTO, TODOS AQUELES QUE CRÊEM EM JESUS E O DECLARAM COMO SENHOR E SALVADOR SÃO ABENÇOADOS COM:
PERDÃO –  1 João 1.7 diz:  “... e o sangue de Jesus, o seu filho, nos purifica de todo pecado.” Em 1 João 1.8 a 10, lemos: “Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.

RECONCILIAÇÃO – Lemos em II Coríntios 5.19: “Pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação”, somos, novamente, “amigo de Deus”.

LIBERTAÇÃO – João 8.32 – “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. João 8.36 “...Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz