quarta-feira, 11 de agosto de 2021

SINTOMAS DA INCREDULIDADE

Deus já havia PROMETIDO a terra e já havia feito uma DESCRIÇÃO da terra (Dt 8.7-9). Duvidaram da Palavra de Deus e das promessas de Deus. Pensaram que conquistariam a terra pelos seus esforços e não pela intervenção soberana de Deus. (Dt 1,19-22)

O povo só descobre o que Deus já havia falado: “A terra de fato é boa.” (Nm.13.27).

MAS, PORÉM – A incredulidade sempre descobre impossibilidades, olha para as circunstâncias, para os obstáculos e não para Deus. Nm 13.28

ENTÃO CALEBE – subamos, possuamos, certamente prevaleceremos. (Nm.13.30)

A INCREDULIDADE PRODUZ

SENSO DE FRAQUEZA“Não poderemos subir…” v.31. Eles riscaram as promessas de Deus, eles anularam a Palavra de Deus, o poder de Deus e só enxergaram os obstáculos. Sentem-se fracos, impotentes, incapazes.

COMPLEXO DE INFERIORIDADE“…porque é mais forte do que nós.” v. 31. As cidades eram grandes, mas Deus é maior. As muralhas eram altas, mas Deus é o altíssimo. Os gigantes eram fortes, mas Deus é o todo poderoso.

A fé olha para Deus e, vence as dificuldades. A incredulidade vê as dificuldades e duvida de Deus.

Desespero e desânimo nos outros – “E diante dos filhos de Israel infamaram a terra.” v.32
BAIXA AUTO ESTIMA“…e éramos aos nossos próprios olhos como gafanhotos.” v.33– Eles eram príncipes, líderes, nobres, homens de escol, mas se encolheram. Sentiram-se como gafanhotos, sob as botas/ dos gigantes. De príncipes a gafanhotos. De filhos do rei a insetos. Estavam com a auto imagem arrasada.

VISÃO DISTORCIDA DA REALIDADE“…éramos gafanhotos aos seus olhos.” v. 33. Eles são gigantes e nós pigmeus. Eles são fortes e nós fracos. Eles são muitos e nós poucos. Eles vivem em cidades fortificadas e nós no deserto. Eles são guerreiros e nós peregrinos. Arrastaram-se no pó, sentiram-se indignos, fracos, menos do que príncipes, menos do que homens, menos do que gente, gafanhotos, insetos.

Hernandes Dias Lopes

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário