quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

O SALMO DO PASTOR


O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. (Sl 23.1)

O Salmo 23 é, sem dúvida, o mais conhecido e querido de todos os salmos. Nenhum outro salmo toca tão profundamente em nossas emoções. Há neste inspirado cântico, o conceito da confiança nos cuidados que Deus nos dedica, ilustrado pelo relacionamento entre o pastor e a ovelha.

Entretanto, não podemos lê-lo sem levar nossa atenção para Jesus Cristo, que ousadamente disse: “Eu sou o bom Pastor” (Jo 10.11). Ele é a revelação do coração de Deus do Pastor.

O PASTOR E A OVELHA:

O salmista começa dizendo: “O Senhor é o meu Pastor”  a maioria das pessoas que conhecemos, ou tem a teologia do Senhor, ou tem a teologia do Pastor. Os que têm a teologia do Senhor, o reverenciam como: O Deus soberano e poderoso, que deve ser temido, obedecido, respeitado e reverenciado. Os da teologia do Pastor o definem como: Manso e suave, aquele que tem água com açúcar para dar, Deus bondoso e de graça ilimitada.

Ambos estão certos, mas no entanto Davi coloca estas duas verdades juntas. Muitas pessoas recitam este salmo sem experimentar suas verdades, logo, elas conhecem bastante o salmo do Pastor, mas poucos conhecem o Pastor deste salmo.

O Pastor governa, guia, alimenta e protege as ovelhas, as ovelhas, seguem obedecem, amam, e confiam no Pastor. Nada nos liberta tanto do medo como saber que neste mesmo instante, no decurso deste dia nos projetos e problemas que temos pela frente, nosso Pastor está constantemente operando para o nosso bem-estar.

Não precisamos ter falta de nada. O nosso bom Pastor sabe o que precisamos antes que lho peçamos e Ele vai à nossa frente, preparando exatamente aquilo de que necessitamos, no momento da nossa necessidade. O bom Pastor, aquele que colocou as estrelas no seu lugar, firmou os montes e, que rege o universo importa-se com os nossos problemas.

“Ele me faz repousar em pastos verdejantes”. Isto é, um oásis em meio à terra deserta. As ovelhas se recusam a deitar-se enquanto estão com fome. Só o fazem quando estão satisfeitas em seu apetite.

Deus nos conduz dia a dia exatamente àquilo de que precisamos. Pastos verdejantes, e águas tranqüilas descrevem do que as ovelhas precisam. O pastor sabe disto e está em constante procura de bebedouros nos quais as ovelhas possam matar a sede a fim de descansar. Com comida, água fresca e descanso, o Senhor restaura nossas capacidades enfraquecidas.

“O Senhor é” nossa relação com Ele é baseada num dar de  mim a Ele. Precisamos ter uma relação com Deus baseada em entrega: Ele me faz, Ele me leva para a vida, Ele me refrigera, Ele me guia, ele me prepara, Ele me unge, logo nada me faltará.

O que não me faltará?  Não me faltará uma existência com retidão e integridade; Ele vai me guiar pelas veredas da justiça. Posso não ser muito, mas tenho a mim mesmo, e sei para onde estou indo. Não me faltará uma vida onde as perdas são compensadas pelo consolo de Deus. Posso até derramar lágrimas, mas, nunca me faltará a presença que consola e anima a vida. Nada me faltará, não vai me faltar uma vida alegre, apesar dos meus adversários e das adversidades.

O Senhor nunca prometeu que não sofreríamos dificuldades, nem que não teríamos inimigos, pelo contrário, eles estão lá; mas, é na presença dele que Ele nos serve. Ser ungido por Ele é ter sua mão amorosa sobre nós, enchendo-nos com seu Espírito. Deus faz nossa vida transbordar, quando Ele unge com seu precioso óleo, para deixarmos as outras pessoas beberam também. (Jo 7.38). as chuvas que caem nas mais altas montanhas também vão correndo para baixo para dar refrigério nos vales profundos.

“Bondade e Misericórdia” Uma das coisas mais difíceis é aprender a envelhecer. É fácil aprender a ser jovem: a gente erra, bate a cabeça por todo lado, mas sempre acha que há futuro, há uma chance, uma esperança. O salmista está dizendo: não somente vou viver bem, mas vou morrer bem, com integridade e generosidade.

Vou ficar velho sendo bom, generoso sem mesquinharia, sem inveja de ninguém, sem ter na alma um rosário de dores para contar. Vou aprender a viver minha existência inteira e chegar ao fim dela tomado de bondade, peito aceso e generoso.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

ARREBATAMENTO DA IGREJA DO SENHOR


As Escrituras ensinam claramente que a Igreja inteira, e não apenas uma parte dela, será arrebatada quando da vinda de Cristo para a Sua Igreja - Veja o que diz I Cor 15:51,52: "Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados."

Veja ainda o que diz I Ts 4:17: "Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor."

O Espírito Santo, na qualidade de "Restringidor do Mal" não poderá ser retirado do mundo, a menos que a Igreja, na qual habita o Espírito, for retirada ao mesmo tempo. A Grande Tribulação não poderá começar enquanto essa restrição não for suspensa.

O Espírito Santo, na qualidade de "Restringidor do Mal" será tirado do mundo antes de revelar-se o "iníquo" que dominará o mundo durante o período da Grande Tribulação - Veja o que diz II Tess 2:6-8:-"E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado. Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que agora o detém até que seja posto fora; e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda;"

QUEM SERÁ ARREBATADO:
Os que crêem em Cristo - João 3:18-21 e 6:47
Os que ouvem Palavra e crêem em Deus - João 5:24-29
Os que confessam a Jesus como Senhor - Romanos 10:9-13
Os que amam a Sua vinda - II Tm 4:8; Cantares 8:14
Os limpos de coração - Mateus 5:8
Os nascidos de novo - João 3:3
Os fiéis - Mateus 25:23; Lucas 19:17
Os perseverantes - Mateus 24:13; Lucas 21:34-36
Os que forem como Abraão - Gálatas 3:7-9
Crentes como Simeão - Lucas 2:25-30

O TIPO DA IGREJA QUE SERÁ ARREBATADA:
FILADÉLFIA - Apocalipse 3:7-13 -  "Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço as tuas obras (eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar), que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome.

Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo. Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a terra. Venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas."

FICHA ESPIRITUAL DESTA IGREJA:
1. Nome: Filadélfia
2. Identificação: Santa, Verdadeira, Tem a Chave de Davi
3. Comportamento: Tem vida de santidade; Abraça a Verdade; Tem fé e obras, segundo a Verdade.
4. Parecer do Senhor sobre esta Igreja: Nenhuma repreensão!
5. O que acontecerá a esta Igreja: Será arrebatada, encontrará o Senhor nos ares
6. Destino desta Igreja: O Céu.
7. Número de membros que serão Arrebatados: 100%!
8. Quanto ao futuro: Reinará no Milênio com o Senhor, e com o Senhor estará por toda a eternidade!

QUANDO SERÁ O ARREBATAMENTO
Resposta: IMINENTE
Isto é: pode ocorrer a qualquer tempo, não depende do cumprimento de nenhum sinal. Não há na Bíblia profecias, ou sinais proféticos para se cumprirem no período compreendido entre a Igreja e o Arrebatamento!

A Igreja cristã primitiva cria na iminência do retorno do Senhor, da mesma forma que os Pré-Tribulacionistas crêm!

SERÁ MUITO RÁPIDO - NUM ABRIR E FECHAR DE OLHOS!
I Coríntios 15:52 - "num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados."

SABEMOS QUE:- Será imediatamente antes da Grande Tribulação
Durante um tempo de Tribulação, uma espécie de período de preparação para chegada do Anticristo. Haverá uma crise mundial sem precedentes que levará as nações a desejarem e a clamarem por um líder mundial. Haverá necessidade de que seja assim, para que o mundo concorde em se submeter à liderança que será oferecida pelo Anticristo. Ele se estabelecerá com uma proposta de paz mundial que será aceita.

Pr. Edemar V. Silva

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

A DIFERENÇA ENTRE CURANDEIRISMO E CURA DIVINA


O Curandeirismo é uma arte ou técnica na qual o praticante — o curandeiro ou curador — afirma ter o poder de curar, quer recorrendo a forças misteriosas de que pretensamente disporia, quer pela pretendida colaboração regular de deuses, espíritos de luz, de mortos, de animais, etc., que lhe serviriam ou ele dominaria.

Nesse sentido, envolve todo um conjunto de “rezas” e práticas de sacerdotes/terapeutas, benzedores, xamãs, pajés, médiuns, babalorixás, pais de santo, entre outros nomes como tais praticantes são designados a depender da região e cultura local.

Antes de qualquer coisa, faz-se mister enunciar o artigo que tipifica o crime de Curandeirismo no Código Penal Brasileiro.

“CP. Art. 284. “Exercer o curandeirismo: I – prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância; II – usando gestos, palavras ou qualquer outro meio; III – fazendo diagnósticos: Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos. Parágrafo único. Se o crime é praticado mediante remuneração, o agente fica também sujeita à multa.”

O Curandeirismo é crime constituído no Capítulo III – Dos Crimes Contra a Saúde Pública, no Título VIII – Dos Crimes Contra a Incolumidade Pública, posterior aos crimes de Exercício ilegal da medicina, arte dentária ou farmacêutica (Art. 282) e de Charlatanismo (Art. 283).

O QUE DIZ A BÍBLIA SOBRE OS CURANDEIROS?
Deus proibiu em Sua palavra que Seu povo consultasse quem quer que seja que fosse curandeiro, cartomante, adivinhador, agoureiro, necromante, etc.: “Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.” (Levítico 19.31). 

Deus via a atitude de consultar essas pessoas como um pecado grave, chegando ao ponto de tratar esses atos como contaminação e prostituição (Deus chamava de prostituição, pois via isso como uma quebra da aliança que fez com o povo).

O povo de Deus deveria única e exclusivamente se guiar em suas vidas pela vontade de Deus expressa em Sua Palavra e através de Seus servos. Deus era a direção e não pessoas que supostamente consultavam astros ou espíritos de mortos: “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Isaías 8.19). Fica claro que Deus desaprovava a consulta aos curandeiros e mágicos.

O QUE É CURA DIVINA?
A cura divina é uma promessa feita pelo Senhor Deus desde os dias de Israel no deserto. A presença de Deus entre o povo era a garantia de provisão e saúde, em todos os aspectos: físico, emocional e espiritual.

A doença entrou no mundo após a queda do homem. O pecado de Adão e Eva introduziu a morte, a enfermidade e a debilidade na humanidade. A Soberana Vontade de Deus não incluía a doença na criação.

No entanto, quando o Senhor Deus reúne seu povo, Israel, ele lhes faz a promessa de que enquanto houvesse culto sincero no deserto haveria alimento, água e cura.

Para que isso acontecesse os servos de Deus deveriam apenas olhar para Ele e crer na promessa. Eu sou o Senhor que os cura. (Êxodo 15.26)

JESUS E A CURA DIVINA
Há várias distinções na forma como Jesus curou que não são características dos modernos curandeiros.

Em primeiro lugar, Ele curou instantaneamente. A sogra de Pedro (Marcos 1.31), o filho do centurião (Mateus 8.13), a filha de Jairo (Marcos 5.41-42) e o paralítico (Lucas 5.24-25) foram todos curados imediatamente. Eles não tinham que ir para casa para começar a melhorar, como é o conselho de muitos curandeiros.

Em segundo lugar, Jesus curou totalmente. A sogra de Pedro voltou a funcionar normalmente após ter sido curada de uma doença tão grave que ela estava de cama. Entretanto, quando Jesus a curou, ela levantou-se imediatamente e preparou uma refeição para todos os que estavam na casa. Os mendigos cegos em Mateus 20.34 passaram a enxergar imediatamente.

Em terceiro lugar, Jesus curou a todos (Mateus 4.24, Lucas 4.40). Eles não eram obrigados a ser pré-selecionados pelos discípulos antes de virem a Jesus para a cura, como é o procedimento padrão com os curandeiros hoje. Não havia fila de cura para a qual os doentes tinham que se qualificar. Jesus curou o tempo todo em muitos lugares, não em um estúdio com circunstâncias cuidadosamente controladas.

Em quarto lugar, Jesus curou doenças orgânicas reais, não apenas os sintomas como os curandeiros fazem. Jesus nunca curou ninguém de uma dor de cabeça ou dor nas costas. Ele curou da lepra, cegueira e paralisia – milagres que eram verdadeiramente verificáveis.

Finalmente, Jesus curou a maior doença – a morte. Ele ressuscitou Lázaro depois de quatro dias na sepultura. Nenhum curandeiro pode duplicar isso. Além disso, as Suas curas não exigiam a fé como uma condição prévia. Na verdade, a maioria dos que Ele curou eram incrédulos.

Tem sempre havido falsos curandeiros que, por fins lucrativos, ficam de olho nos que sofrem e estão desesperados. Tal comportamento é o pior tipo de blasfêmia porque muitos cujo dinheiro é desperdiçado em falsas promessas rejeitam a Cristo abertamente por não fazer o que o curador tinha prometido. Por que, se os curandeiros têm o poder de curar, eles não andam pelos corredores dos hospitais curando e liberando todos? Por que não ir para a África e curar todos os casos de AIDS?
Eles não o fazem porque não podem. Eles não têm o poder de cura que Jesus possuía.

Fonte: CACP – ministério Apologético

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

POR QUE JESUS FEZ LODO E COLOCOU NOS OLHOS DO CEGO?


Muitas vezes questionamos: Por que Jesus cuspiu no barro e passou nos olhos do cego? Precisava fazer isso? Entre outras perguntas semelhantes.  Todavia, temos que entender que nem sempre Jesus age como nós esperamos, ou quase sempre.

E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Tendo dito isto, cuspiu na terra, e com a saliva fez lodo, e untou com o lodo os olhos do cego. E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo. Jo 9.1-7

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. Gn 2.7

Jesus empregou um método singular para curar esse homem: colocou lama nos olhos dele e, em seguida, pediu que os lavasse. Certa ocasião, Jesus curou dois cegos simplesmente tocando os olhos deles (Mt 9.27-31); outro cego, curou colocando-lhe saliva nos olhos (Mc 8.22-26).

Apesar de o poder de cura ser o mesmo, Jesus usou vários métodos, a fim de que as pessoas não se concentrassem na forma e se esquecessem da mensagem da cura – que era o mais relevante…

Havia pelo menos dois motivos para Jesus usar lama neste caso. Em primeiro lugar, era uma imagem da criação – Jesus é Deus e criador, da mesma substância que o Pai (Jo 10.30). Deus fez o primeiro homem do pó da terra e enviou seu filho como um homem real. É interessante observar a ênfase sobre o significado de Siloé – enviado – e relacionar esse fato com João 9.4, “as obras que me enviou”.

Jesus ofereceu uma pequena ilustração de sua vinda a terra, enviado pelo Pai para restaurar a humanidade. Segundo motivo para usar a lama foi para incentivar o homem a obedecer!   (Wiersbe)

Jesus realizou milagres a fim de suprir necessidades comuns humanas. Mas também usou esses milagres para transmitir verdades espirituais. Além disso, seus milagres serviram de credenciais para provar que Ele era de fato o MESSIAS.

Pr. João Flávio Martinez

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 27 de janeiro de 2019

SOFRIMENTO E CANÇÃO


Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. (Is 53.4)

Para os cristãos é fundamental a importância do salmo 22. no Novo Testamento ele é citado várias vezes, sempre se referindo a Jesus Cristo (Mt 27.46; Mc 15.34; Hb 2.12). Este salmo é conectado a Isaias 53 ao destacar o Messias sofredor. Possui duas partes; a primeira descreve sofrimentos dolorosos (1-21), e a segunda expressa uma esperança triunfante, (Sl.22-31).

SOFRIMENTO DOLOROSOS:
As palavras iniciais deste Salmo, tem sido inscritas de maneira indelável na memória do povo cristão, por estas se constituírem no grito de solidão que Jesus pronunciou na cruz (Mt 27.46; Mc 15.34) Eloi, Eloi lamá sabactâni” Quando a fé do salmista se sentia sitiada pela desesperança, ele dirigia o seu grito a Deus, expressando sofrimento e abandono.

Davi o autor do Salmo 22, nunca passou por semelhante experiência, mas as palavras que ele escreveu profetizavam aquilo que aconteceria ao Messias, descendente de Davi.

Deus as vezes parece que se esconde de seus filhos, sua ajuda parece estar distante, o socorro parece demorar, porém a fé insiste em clamar apesar da aparente indiferença. Este clamor (bramido) sugere um rugido como de um leão, face a aflição em que se grita o sofredor.

no meio de suas provas o salmista recorda momentos felizes da infância. A mão de Deus esteve sobre ele desde o princípio da vida (vs 9-10), e tu nãos vais me abandonar agora. Então o grito do versículo 1 se transforma em  agora em oração de intensa emoção: “não te distancies de mim...”

UMA ESPERANÇA TRIUNFANTE (Sl.22.31):

“A meus irmãos declararei o teu nome” Este versículo se aplica a Cristo em relação com seu povo santificado  (Hb 2.11-12). Assim como a oração do salmista tinha sido pública; também o seu louvor deve ser manifesto diante de todos os homens.

a exortação de adorar a seus irmãos é que temam, louve-no e glorifique a Deus. Alternando o discurso dirigido a Deus, com exortações ao povo, ele  afirma sua intenção de louvar a Deus diante da grande congregação. O texto hebreu declara literalmente”de ti será o meu louvor ”Deus é tanto o objeto como a fonte de louvor do seu povo.

“meus votos pagarei” significa trazer a Deus a oferenda de gratidão que lhe foram prometidas em momentos de conflitos, segundo o procedimento descrito em Levítico capítulo 3. (sacrifícios pacíficos), onde o povo participa no gozo da liberação comendo a carne da vítima do sacrificado.

em sua própria libertação o autor antevê a redenção prevista para toda a humanidade ‘perante ele se prostrarão todas as famílias das nações” (ap 11.15).

A posteridade o servirá ou seja se falará do Senhor nas gerações futuras, eles virão e contarão de sua justiça aos povos que não haviam nascido, “porque foi Ele que o fez” e continua fazendo.

A seriedade do pecado é revelada pelas medidas drásticas que Deus tinha que tomar contra ele. A cruz de Cristo foi a cura caríssima que revela a gravidade do estado de enfermidade espiritual. O Santo veio habitar entre os homens, e eles rejeitaram-no, desprezaram-no, zombaram dele, e pregaram-no na cruz, porém, é também a revelação da misericórdia de Deus.

Cristo não morreu como alguém vencido pela morte; morreu vitorioso contra as forças do malígno, conforme o plano de Deus

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 26 de janeiro de 2019

CRENTES, MAS NÃO TRANSFORMADOS


E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. (Rm 12:2)

Transformação é uma palavra chave na vida de cada pessoa que se identifica como seguidora de Jesus Cristo. As nossas igrejas estão cheias de simpatizantes e admiradores dos ensinamentos de Jesus, porém com tristeza vemos muitos crentes viverem de forma bem distante e diferente da proposta de Jesus.

A transformação de que fala a Bíblia é uma condição inegociável para o cristão, ela á ampla e global, é renovação da mente, é a mente da pessoa que controla sua vida, que determina suas ações, seu procedimento, por isso a Bíblia diz que a renovação, a mudança, a transformação precisa acontecer na mente. Há muitas ideias erradas sobre transformação:

Transformação não é somente ir a igreja em todas as reuniões, participar dos cultos, andar com a Bíblia e dizer sou crente, ou ainda encher o automóvel de adesivos. Transformação não é somente deixar de fumar, beber, jogar e outras coisas similares. Transformação não é somente falar do que Jesus faz ou pode fazer. Transformação não é somente deixar de andar em companhia de pessoas marginalizadas pela sociedade.

Com certeza essas coisas sozinhas, não mostram uma verdadeira transformação, é preciso muito mais. “Se a vossa justiça não exceder em muitos os escribas e fariseus de modo algum entrareis no reino de Deus” Mt.5:20. As nossas igrejas tem muita gente que necessitam de uma real e verdadeira transformação. A falta de uma vida verdadeiramente transformada tem impedido muitas pessoas de se aproximarem do evangelho de Jesus Cristo. A força do evangelho está na transformação que ele produz; precisamos nos libertar do velho homem com todos os seus resquícios e sermos revestidos de uma nova vida.

Que dizem os colegas de trabalho de um crente mal humorado, que nunca está pronto para ajudar ninguém, está transformado porque vai a igreja e é só, alguém vai desejar conhecer o Jesus dessa pessoa.

O que dizer do jovem, da jovem que escandaliza os novos convertidos, pois falam mal, e as vezes até criam barreiras entre os irmãos, como será o Jesus dessa pessoa. “Aquele que diz que está nele, deve andar como ele andou” I Jo.2:6.

O mais difícil é que tem pessoas que se acostumam a serem assim, e acham que não tem nada demais, porém fazem mal para si e para os outros. Não estamos falando que podemos viver sem pecar, pois isso é impossível enquanto estivermos aqui na terra.

Transformai-vos, essa é a ordem de Jesus, para vida de todo aquele que é nascido de novo. Transformai-vos o vosso modo de pensar, de falar e de agir, com certeza as pessoas verão a diferença e quando veem esta diferença dizem, verdadeiramente o evangelho transforma.

Quer ganhar seu marido para Jesus, seja uma pessoa transformada, deixe Jesus agir em tua vida. Quer ganhar sua esposa para Cristo, seja um exemplo de marido, em todas as áreas, seja um servo usado por Deus. Quer ganhar teu filha, tua filha, ore por ele, por ela, mais mostre que você é um pai, uma mãe diferente, que há algo divino em você.

Jovem quer ganhar seus pais para Cristo, quer levá-los aos pés de Jesus, seja um filho transformado, uma filha transformada. Está em nossas mãos fazer a diferença. Como é bom ouvirmos, de um pai, o meu filho é outro desde que aceitou a Jesus.

Quantas esposas podem dizer, foi o testemunho do meu marido, que me trouxe a Jesus. O mundo quer ver Jesus em nós, nos nossos atos, nas nossas palavras, não afaste pessoas de Jesus, seja um crente transformado, seja diferente. Ame, perdoe, ajude, coopere, compreenda, ganhe vidas para Jesus, entregue sua vida para Jesus.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

PARA ONDE IRÁ A TUA ALMA?


“Está ordenado aos homens morrerem uma só vez, vindo depois o juízo” (Hebreus 9.27)

Todos teremos de morrer. Se tens boa saúde e és forte, ou se és fraco, doente e cansado, se és rico ou pobre, chegarás ao fim desta existência terrena.

Após a morte haverá dois destinos. Disse o Senhor: “Irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna”, (Mateus 25.46). Cada um irá para um destes dois destinos: para a vida eterna ou para o tormento eterno.

Nascemos neste mundo com natureza perversa e destinados para o tormento eterno: “Os perversos serão lançados no inferno” (Salmo 9.17).

Tendo nascido errado é preciso nascer de novo. Diz o Senhor: “Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”.  (João 3.3).

Cristo, com muito amor, nos atraiu para si quando foi crucificado, “E, quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim”. João 12.32. E com Ele fomos crucificados, “Assim já não sou eu quem vive, mas Cristo é quem vive em mim. E esta vida que agora vivo, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se deu a si mesmo por mim”. Gálatas 2.20.

E fomos mortos em seu corpo naquela cruz, “É o que acontece com vocês, meus irmãos. Do ponto de vista da Lei, vocês também já morreram porque são parte do corpo de Cristo . E agora, pertencem a Ele, que foi ressuscitado para podermos viver vida úteis para Deus”. Romanos 7.4.

Fomos também ressuscitados juntamente com Cristo, “Deus nos ressuscitou juntamente com Cristo Jesus e nos fez reinar com Cristo no mundo celestial”. Efésios 2.6. e agora o filho de Deus vive em nós,

“A verdadeira vida de vocês é Cristo, e, quando Ele aparecer, então vocês aparecerão com Ele e tomarão parte na sua glória”. Colossenses 3.4

Confesse estas verdades da Palavra de Deus:
Cristo me atraiu a si;        
Cristo me crucificou;
Cristo me fez morrer;
Cristo me ressuscitou;
Cristo vive em mim.

Continue confessando até que Deus te faça uma nova criatura. E assim poderás ter um destino feliz na eternidade

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

A MENINA DOS OLHOS DE DEUS


Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas (Salmo17.8)

O DESEJO DO SALMISTA(Sl.17. 1-5)
A primeira coisa a fazer quando estamos enfrentando dificuldades, é levar o assunto à presença do Senhor. Davi examinou-se a si mesmo aos olhos penetrantes do Senhor, exonerou-se da acusação de ser traidor e buscou reparação do erro. Ele não procurou justificar-se a si mesmo, mas pediu a intervenção do Senhor.

Sua suplica é o desejo de um coração sincero e honesto. Davi não encontrava justiça em Saul, porém confiava que os olhos do Senhor viam a sua retidão.

“Sonda-me o coração, de noite me visitas, prova-me no fogo, e iniquidade nenhuma encontrará em mim”. Davi declara a sua inocência de todo propósito maligno. Ele não havia transgredido a vontade de Deus nem em palavras ou em obras (ações). Ele sentia na pele o golpe doloroso das falsas acusações levantadas contra ele, mas ainda assim, comprometeu-se não pagar o mal com o mal (Sl.17. 4-5).

À SOMBRA DAS SUAS ASAS ( V 6-12)
“Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me à sombra de tuas asas”. Esta expressão é muito freqüente no Antigo Testamento e significa: aquele que é muito querido, ou algo que é guardado com especial cuidado.

Charles Spurgeon o príncipe dos pregadores. Comentado este versículo fez a seguinte observação:

Parte alguma do corpo é mais preciosa, mais delicada e mais cuidadosamente guardada do que os olhos; e a parte dos olhos que deve ser guardada com cuidado especial é a central, a pupila, ou a “menina dos olhos”. O sábio criador colocou os olhos num lugar bem protegido; estão cercados por ossos que os protegem como montes ao redor de Jerusalém.

Além disso, o criador os circundou com muitas túnicas interiores, além do cercado que são as sobrancelhas, a cortina que são as pestanas e a cerca que são as pálpebras, além disso ele deu aos homens um valor tão grande para com os seus olhos e uma apreensão de perigo tão instantânea, que parte alguma do corpo é mais fielmente guardada que o órgão da visão.

Fazendo uma outra observação notamos, que, quando olhamos em um espelho vemos a nossa própria imagem. Se estamos também bem próximo de uma pessoa e a olhamos nos olhos, vemos o nosso próprio reflexo. Deus também está olhando para nós, só podemos ver a nós mesmos como somos, somente quando virmos através de seus olhos. Vemos o nosso reflexo em seus olhos não como a pessoa que temos sido, mas como o milagre que podemos vir a ser.

Sentimos graça ilimitada ao percebemos que somos a menina dos olhos de Deus. Perto do final da vida, Moisés, olha para o passado, e conclama aos israelitas a louvarem ao Senhor pelo seu cuidado constante (Dt 32.9-10).

O fato é que o Senhor nos vê, nos conhece, cuida de nós e jamais nos abandonará. O Senhor paira sobre nós e nos guarda de tudo aquilo que nos impeça de realizar a sua vontade. Seus braços eternos nos sustentam por baixo, por cima e ao redor. O salmista podia enfrentar ou suportar tudo enquanto soubesse que estava sendo guardado pelo Senhor (Nm 6.24-26).

Levanta-se Senhor, defronta-os, arrasa-os...” o salmista pede a Deus que saia ao encontro dos seus inimigos e faça-os se prostrarem. O salmista invoca a soberania de Deus no combate as seus adversários, sabendo que ante a voz de comando divino, todos se prostram, pois todos o reconhecem como o Supremo Soberano (Rm 14.11).

Em um sentido profundo, Jesus Cristo é a manifestação tanto da menina dos olhos de Deus como da sombra de suas asas. Em Cristo temos o amor dos braços protetores de Deus que nos sustentam e nos dão sombra. Ele levou todas as nossas mágoas sobre si no Calvário, ressurgiu voltando para ser o amigo que jamais nos abandona.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

BUSQUE IMORTALIDADE


O inspirado apóstolo Paulo escreveu para a Igreja de Roma que Deus dará vida eterna para os que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade (Romanos 2:7). Entender bem o que esse trecho da Palavra de Deus ensina para, em seguida, praticá-lo é um desafio e tanto para aquele que toma a sério o que o texto diz.

A maioria dos evangélicos acredita que basta crer, ser batizado, frequentar os cultos, fazer suas contribuições regulares aos cofres da sua igreja, para ser aceito por Deus. Esse texto de Romanos parece acrescentar algo mais. Uma vez que a “descoberta” da Reforma foi que a salvação se alcança unicamente pela fé, a declaração de Paulo parece contraditória. Para salvaguardar a integridade da verdade do Evangelho, quero oferecer algumas sugestões.

Primeiro, que a inclusão de fazer o bem faz parte integral da salvação de todos aqueles que abraçaram uma fé genuína. Fé viva, afirma Tiago, é demonstrada em obras, não apenas em palavras e boas intenções. Paulo acrescenta que as boas obras devem acompanhar a vida inteira do cristão fiel.

Segundo, o texto confirma que a esperança de receber a herança da vida eterna (imortalidade) é consequência de uma busca, mesmo depois de ter crido sinceramente nas verdades centrais do Evangelho e confiado no Senhor Jesus. “Buscar” significa mais do que apenas esperar. O autor de Hebreus colocou essa necessidade assim: “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem a santidade, ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14).

Terceiro, dá para se deduzir que a importância de buscar a glória e honra, que somente Deus pode conceder, reside no fato de que aquele que não busca não receberá esse grande galardão. Há perigo imensurável de imaginar que o Pai dará ao seu “filho”, descompromissado com qualquer valor do Reino, o mais precioso dos seus tesouros.

Não foi essa a lição que Jesus quis frisar em sua conhecida parábola dos servos e dos talentos?
Os primeiros dois se esforçaram até dobrar o valor dos seus talentos, enquanto o servo mau e desobediente escondeu seu único talento no quintal. Quando o entregou ao dono, a reação foi imediata e contundente: “Servo mau e negligente! Você sabia que eu colho onde não plantei e junto onde não semeei... Tirem o talento dele e entreguem-no ao que tem dez... e lancem fora o servo inútil nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes”(Mateus 25:26-30 – NVI).

Uma vez convencidos de que a vida eterna pode ser recebida unicamente pela fé no Senhor Jesus, nos resta a tarefa de procurar o sentido de “buscar a glória e imortalidade”.

Pelo contexto imediato, concluímos que essa busca inclui a prática do bem, não apenas durante alguns dias em que estávamos motivados pelo primeiro amor, mas persistindo em fazer o bem durante toda a vida. A busca requer uma dedicação à vontade de Deus revelada na Bíblia. Paulo entendeu que seu apostolado se resumia no chamado de um povo dentre as nações “para a obediência que vem pela fé” (Romanos 1:5).

Alguém que se compromete com o serviço do seu Senhor deve saber o que este quer que ele faça. Paulo exorta os efésios a não serem insensatos, mas “procurar compreender qual é a vontade do Senhor” (Efésios 5:17). Esforçar-se para saber e praticar o que o mestre quer, sem dúvida, significa buscar a glória, isto é, sua aprovação. “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar...” (2 Timóteo 2:15 – NVI).

Quando Jesus declarou que ele edificaria sua igreja, não pensou em uma igreja que ajuntaria dois bilhões dos habitantes da terra que apenas se identificam verbalmente como “cristãos”, mas cujas vidas demonstram os mesmos valores e práticas daqueles que não professam qualquer lealdade ao Senhor Jesus.

O futuro do filho de Deus, salvo pela fé e guiado pelo seu Espírito, será muito melhor do que a imaginação humana pode contemplar.

O futuro que aguarda aqueles que amam o Senhor de verdade e, por amor a ele, buscam sua vontade e sofrem para servi-lo, tem a garantia de uma recompensa de imortalidade repleta de honra e glória. Eles ouvirão as palavras de Jesus: “Bem feito, servo bom e fiel... entra tu no gozo do teu Senhor”!

Russel Shedd

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz